Menu

28.6.17

{Resenha} Me diga quem eu sou

Editora: Objetiva (selo da Editora Companhia das Letras)Título: Me diga quem eu sou Uma bipolar em busca da sanidadeSinopse: Como num grito de alerta, Helena Gayer transmite as nuanças de uma pessoa apunhalada pelo transtorno bipolar. Com crueza, minúcia e fervor, a autora narra seus mergulhos ora em depressão ora em mania e as muitas experiências por que passou, correndo risco de morte e abusos. Ao se abrir e descrever com detalhes as inúmeras tentativas de ter uma vida normal, os episódios de completa alienação e as internações, ela deixa escapar, a cada linha, um pedido tênue, uma súplica fugaz, para que tenhamos um olhar mais apurado em direção à pessoa, não só à doença. Helena nos apresenta um relato íntimo sobre como é viver, sobreviver e constantemente se rearranjar nessa realidade tão dura e tantas vezes negligenciada. Diagnosticada aos 21 anos, ela remove e nos mostra cada estilhaço de sua trajetória, enquanto seguimos com ela numa jornada de dor e descoberta, mas, acima de tudo, de superação.

Quando pedi para ler esse livro, eu tinha acabado de terminar a cadeira de Psiquiatria na faculdade; o Transtorno de Humor Bipolar já tinha se apresentado a mim: eu já sabia seus critérios diagnósticos, seu quadro clínico, sua evolução, seu tratamento. Mas eu me enganei achando que estava preparada para o depoimento de uma pessoa que vivesse essa doença perturbadora. 

Ora em depressão, ora em mania (um estado de euforia em que alucinações e delírios não são apenas viáveis como também comuns) -, Helena Gayer nos descreve como é viver sempre em dois extremos, e qual a sensação dos pequenos lances de sanidade entre eles. A autora não mede esforços em abrir sua vida à nós, leitores; sem pudores, sem censuras, sem medo de exposição, Helena conta suas experiências mais marcantes geradas pela impressão surreal de mundo que a doença cria em sua mente.
"E era assim que eu também me sentia com relação à separação de corpos dos meus pais. Eles ainda moravam sob o mesmo teto, mas então, numa noite qualquer, minha mãe decidiu não dormir mais com meu pai. (...) A decisão foi sem volta, e eu, no meu desespero diante daquilo tudo, afundei num poço profundo e perigoso. (...) Mergulhei nesse abismo inúmeras vezes. Eu acreditava que não havia alternativa. Minha família não conseguia entender como eu podia reagir de forma tão intensa. Eles seguiam suas vidas e não falavam sobre o assunto, mas eu deixei a minha em suspenso tantas vezes que perdi a conta."
Com as experiências, vieram os erros; com os erros, vieram as consequências. O sentimento de incompreensão, as internações, o medo de cair em mania novamente. Mas como maior consequência, veio a superação. O processo de auto-conhecimento pelo qual Helena passa desde sua adolescência permite que ela, ao conhecer seu íntimo cada vez melhor, possa fazer escolhas e tomar atitudes condizentes com o que ela quer, não com o que a doença a faz pensar que queira.
"Também foi numa noite de lua cheia que uma colega bióloga e eu fomos recebidas pelo abraço de dezenas de crianças descalças e lindas. (...) Eu tinha certeza de que estava cercada por anjos. Eu poderia ter surtado, mas não mergulhei de cabeça em mais uma viagem porque tinha um objetivo miuto claro: tinha realizado um sonho conquistado pela esperança e persistência. Eu estava com 27 anos e decidira abrir mão da fantasia em nome da realidade, uma das melhores escolhas que fiz. Mas outras crises de mania viriam e minha sina me perseguiria ainda por um bom tempo, sem a mínima intenção de cessar."
É um livro curto, com apenas 113 páginas, porém intenso. É difícil não parar várias vezes durante a leitura e pensar "minha nossa, como ela deve ter se sentido?" - ou outras variantes com mesmo nível de surpresa. 

Recomendo para quem convive com alguém sofrendo de Transtorno Bipolar e às vezes não sabe como agir. Recomendo para quem tem a doença e se sente incompreendida, sozinha - não, você não está. Recomendo para quem deseja conhecer a fundo a doença e quebrar esteriótipos tão arraigados sobre a palavra "bipolar". Recomendo para todos nós: nós, que precisamos criar empatia para com o próximo e aprender que se não podemos ajudá-lo, que não o levemos para baixo.
"A dor do outro por mais alheia que seja, também dói em mim, mas se eu puder ajudar o outro a se curar, também estarei um pouco curada, mesmo que ainda haja feridas dentro de mim." (Eva Coimbra)

27.6.17

{Resenha} Um menino em um milhão


Título Original: The One-in-a-million boy
Autora: Monica Wood
Editora: Arqueiro
Sinopse: Quinn Porter é um guitarrista de meia-idade que nunca conseguiu deslanchar na carreira. Enquanto aguardava sua grande chance na música, foi um marido e pai ausente, e jamais conseguiu estabelecer um vínculo afetivo com o filho, uma criança obcecada pelo Livro dos Recordes e algumas peculiares coleções.
Quando o menino morre inesperadamente, alguém precisa substituí-lo em sua tarefa de escoteiro: as visitas semanais à astuta Ona Vitkus, uma centenária imigrante lituana.
Quinn assume então o compromisso do filho durante os sete sábados seguintes e tenta ajudar Ona a obter o recorde de Motorista Habilitada Mais Velha. Através do convívio com a idosa, ele descobre aos poucos o filho que nunca conheceu, um menino generoso, sempre disposto a escutar e transformar a vida da sua inusitada amiga. Juntos, os dois encontrarão na amizade uma nova razão para viver.

Um Menino em Um Milhão é um livro sensível, poético e bem-humorado, formado por corações partidos e aparentemente sem cura, mas unidos por um elo de impressionante devoção pessoal.

“Porque a história da vida da gente nunca começa no começo. Será que não ensinam nada para vocês na escola?”
Quando precisei escolher qual livro gostaria de ler, fiquei olhando para a sinopse deste livro. Não sabia o que esperar, poderia ser algo realmente tocante, ou acabar sendo bem monótono, para mim. Mas o que encontrei foi muito além do tocante: uma estória que nos prende e encanta com sua simplicidade e esperança.

Somos apresentados a Ona Vitkus, uma senhora nascida na Lituânia. Fugiu com seus pais ainda criança para a terra de promessas e segurança chamada Estados Unidos e lá vive até seus 104 anos, que é a idade a qual ela possui quando o chefe dos escoteiros, Ted Ledbetter, guia até a porta de sua casa um ajudante nada comum para ela: um menino com ares de obediência que lhe desagradou.

Ela vive sozinha na cidade de Portland. Seus 104 anos não lhe pesam tanto no corpo, mas sim em sua memória. E o menino, do mesmo modo como chega, se vai. O menino morre e nunca descobrimos seu nome. E só me dei conta disso, num estado de perplexidade, enquanto escrevia esta resenha. O menino ao mesmo tempo que é presente, ele não existe para além de lembranças – uma presença diáfana, como a de um beija-flor. Seu trabalho era auxiliar a senhora em algumas atividades em sua casa, como alimentar os pássaros ou limpar os jardins. Porém, Ona percebe que há algo mais nesse menino estranho... Tornam-se amigos pela esquisitice!
“- Um, onde é que eu ia conseguir uma garrafa de leite de vidro? Dois, como é que eu ia conseguir medir 130 quilômetros? Três, minha mãe nunca ia deixar que eu caminhasse 130 quilômetros com uma garrafa na cabeça, nem que eu quisesse. – ele fez uma pausa –Eu bem que queria.”
Acontece que o menino possui algumas peculiaridades: ele lista tudo o que acontece e também as coisas. Sua vida é uma eterna lista e coleções não finalizadas. Possui uma imensa paixão pelo Guinness, aquele livro que reúne todos os recordes, bizarros ou não, realizados por alguém ou algo. Para ele, o mundo parece ser mais fácil se você encaixá-lo em algum padrão.

Para seu pai, Quinn Porter, o mundo de seu filho era um enigma. Muitas vezes deu a impressão de até mesmo teme-lo, enquanto buscava em suas memórias os poucos momentos que passara com o menino. Um sonhador que teve que se deparar com a realidade diversas vezes e não deu conta na maior parte delas. Ele toma para si o dever do filho e o que era simplesmente um fardo, tornou-se algo inimaginável. Juntos, Quinn e Ona partem em uma aventura em suas histórias de vida, buscando encontrar-se – e se encontrarem no caminho – e descobrir quem de verdade, são. Suas origens e o que desejam para si no futuro.


Mas que futuro uma senhora centenária pode ter, não é? A Sra. Vitkus vai te mostrar com quantos paus se faz uma canoa e como se conquista objetivos, baby! É uma senhora muito ativa, que sempre soube o que quis e buscou. Perdeu muito, ganhou muito... Carrega muita sabedoria em suas falas. Cabe a nós apenas aprendermos com ela.

Pois o menino certificou-se de que a senhora fosse conhecida depois de alcançar seus objetivos: munido de um gravador, ele faz perguntas para a mulher sobre sua vida e experiências, em especial com as guerras mundiais. Em especial, pois ele precisa conversar com uma pessoa que estava viva durante as guerras mundiais para um trabalho de escola. Mas o que acaba conseguindo é bem mais que apenas essas informações.

O livro possui listas de recordistas do Guinness de acordo com o assunto que será abordado no capítulo que a precede, o que deixa tudo bastante interessante! Também possui algumas palavras significativas para cada parte do livro em lituano, o que gostei muito. Não conhecia nenhuma palavra nesse idioma e as que conheci, achei muito belas e condizentes com a obra.

A diagramação é linda: há desenhos de galhos de árvores em cada capítulo, pois uma paixão que Ona Vitkus e o menino dividiam é o canto dos pássaros. Muito bonito! As folhas são amareladas, a fonte é de um tamanho confortável de se ler. E como a leitura passa rápido!

Esta é uma bela obra sobre o futuro, a esperança e como precisamos de apenas algumas pessoas próximas para nos fazer seguir em frente. Para que nossos sonhos possam ser alcançados, independente das dificuldades. Pessoas verdadeiras. É uma obra sensível, para almas brilhantes. 

26.6.17

{Lançamentos} Junho: Companhia das Letras


Os lançamentos do Grupo Companhia das Letras estão um amorzinho só! Tem continuações e livros aguardadíssimos pelos amantes da leitura!

Não se esqueça que, se clicar no título de cada link, será redirecionado para a página da editora dedicado ao mesmo!

Sangue por sangue

Lobo por Lobo #2
Ryan Graudin

Lançamento: 29/06
Escolha o lado certo ou pague com sangue.
Para o Terceiro Reich, a Segunda Guerra Mundial pode ter acabado, mas para a resistência a luta está apenas começando. Yael é sobrevivente de um campo de extermínio e tem uma habilidade especial: é uma metamorfa, capaz de mudar a aparência física e assumir a forma de qualquer pessoa. Ela também é uma garota em fuga — o mundo acabou de vê-la atirar e matar Adolf Hitler.
Yael é a inimiga número 1 da Germânia e de seus aliados, e vai precisar se infiltrar no território inimigo mais uma vez se não quiser pagar com o seu próprio sangue. Em meio a segredos sombrios acompanhados por verdades obscuras, apenas uma pergunta paira na mente de todos do grupo de Yael: o quão longe você iria por aqueles que você ama?
#1 – Lobo por lobo

Aimó

Reginaldo Prandi


Lançamento: 30/06
Uma viagem pelo mundo dos orixás.
Imagine se encontrar, de uma hora para a outra, em um mundo totalmente desconhecido onde você não conhece ninguém e ninguém demonstra saber quem você é. É o que acontece com uma menina nascida na África e levada para o Brasil para ser escrava, e que de repente acorda em um lugar estranho, habitado pelos deuses orixás e pelos espíritos dos mortos que aguardam o momento de seu renascimento. Ela não sabe mais o próprio nome nem lembra de sua família — está sozinha e não tem a quem pedir socorro. Por isso, aliás, ganha o nome Aimó, “a menina que ninguém sabe quem é”.
Tudo o que ela quer é retornar ao seu mundo de origem, mas para tornar isso possível, Aimó vai partir em uma longa jornada através dos tempos mitológicos, guiada por Exu e Ifá, e vai acompanhar de perto muitas aventuras vividas pelos orixás. Só assim poderá reunir o conhecimento necessário para fazer uma escolha que lhe permita, enfim, voltar para casa.

A lógica inexplicável da minha vida

Benjamin Alire Sáenz

Lançamento: 30/06
Tudo está prestes a mudar.
Salvador levava uma vida tranquila e descomplicada ao lado de seu pai adotivo gay e de Sam, sua melhor amiga. Porém, o último ano do ensino médio vem acompanhado de mudanças sobre as quais o garoto não tem nenhum controle, como ímpetos de raiva que ele não costumava sentir.
Além disso, Salvador tem que lidar com a iminente morte da avó, com uma tragédia repentina que acontece na vida de Sam e com o fato de seu pai estar se reaproximando de um ex-namorado. Em meio a esse turbilhão de sentimentos, que vão do luto ao amor e da amizade à solidão, Sal passa a questionar sua própria origem e identidade, e tenta encontrar alguma lógica para a sua vida — uma tarefa que parece quase impossível.

O ministério da felicidade absoluta

Arundhati Roy


Lançamento: 29/06
Após exatos vinte anos longe da ficção, a autora do best-seller O deus das pequenas coisas, publicado em 42 idiomas com mais de 8 milhões de exemplares vendidos no mundo, volta ao romance com O ministério da felicidade absoluta.
Pela emocionante história do jovem Aftab, que mais tarde se torna a bela Anjum, descortina-se uma Índia repleta de conflitos e beleza. Dos bairros sinuosos e pobres aos shoppings reluzentes de Delhi, passando pelas montanhas nevadas da Kashmira, onde guerra e paz se mesclam em ciclos de vida e morte, a vida de Anjum transcorre e, com ela, a história de uma país.
A um só tempo história de amor e protesto, este romance tem como heróis pessoas que foram destruídas pelo mundo no qual vivem e em seguida resgatadas por atos de amor e esperança. Desta forma, por mais frágeis que pareçam ser, eles nunca se rendem.
Aos entrelaçar vidas complexas, este romance arrebatador e profundamente humano reinventa o que um romance pode ser e fazer. E demonstra a cada página o talento de Roy para contar histórias.

Na minha pele

Lázaro Ramos


Movido pelo desejo de viver num mundo em que a pluralidade cultural, racial, étnica e social seja vista como um valor positivo, e não uma ameaça, Lázaro Ramos divide com o leitor suas reflexões sobre temas como ações afirmativas, gênero, família, empoderamento, afetividade e discriminação.
Ainda que não seja uma biografia, em Na minha pele Lázaro compartilha episódios íntimos de sua vida e também suas dúvidas, descobertas e conquistas. Ao rejeitar qualquer tipo de segregação ou radicalismos, Lázaro nos fala da importância do diálogo. Não se pode abraçar a diferença pela diferença, mas lutar pela sua aceitação num mundo ainda tão cheio de preconceitos.
Um livro sincero e revelador, que propõe uma mudança de conduta e nos convoca a ser mais vigilantes e atentos ao outro.

A caixa-preta

Michael Connelly

O detetive Bosch tem a chance de solucionar um caso que há vinte anos o incomoda.
Em 1992, Los Angeles viveu uma onda de protestos que deram início a vários dias de anarquia e violência. Foi quando o detetive Harry Bosch viu a fotojornalista Anneke Jespersen pela primeira vez: assassinada à queima-roupa no fundo de um beco escuro. Na confusão da época, o crime nunca foi resolvido.
Vinte anos depois, Bosch tem uma nova chance de solucionar o mistério. Um caso o leva de volta àquela fatídica noite, e ainda mais longe, aos campos de batalha onde Anneke fez registros sangrentos e crimes de guerra foram enterrados; crimes que há décadas esperam por justiça.


Os deuses da culpa

Michael Connelly

Quando o advogado Mickey Haller recebe a mensagem “Me liga urgente — 187”, o código penal para assassinato logo chama sua atenção. Casos assim são sempre os mais complicados ― e os que pagam melhor ―, o que significa que ele não pode falhar.
Mas quando descobre que a vítima é uma ex-cliente, uma prostituta que ele ajudou a tirar das ruas, Mickey sente que sua reputação está em jogo. A vítima estava de volta a Los Angeles e de volta à prostituição ― mas por quê? De repente, Mickey percebe que, em vez de salvá-la, pode ter sido ele a colocá-la em perigo.
É hora de confrontar seu passado, e Haller precisará de todo seu talento e esperteza para cuidar de um caso que pode ser sua redenção ― ou a prova de toda a sua culpa.

O jogo do anjo 

O Cemitério dos Livros Esquecidos #2
Carlos Ruiz Zafón

Lançamento: 23/06
Barcelona, anos 1920. David Martín tem vinte e oito anos, uma casa em ruínas e um talento para a literatura que nunca o protegeu de desgraças ou lhe trouxe qualquer glória. Com uma doença terminal e vendo o amor da sua vida nos braços do melhor amigo, David passa os dias em sua mansão lúgubre, escrevendo séries policiais e vendendo barato o seu talento.
É quando surge Andreas Corelli, um misterioso editor estrangeiro com uma proposta irrecusável. Fama, dinheiro, saúde: tudo em troca de um único livro. Um livro que terá o poder de influenciar milhões de vidas. Um novo evangelho.
Mas, conforme a obra se desenvolve, David percebe que existe uma conexão sinistra entre o livro que está escrevendo e as sombras que envolvem sua casa dilapidada — e que seu editor também esconde alguns segredos perturbadores. Mais uma vez, Zafón nos leva por uma Barcelona sombria e gótica, em uma trama cheia de intrigas, romance e tragédia.

O livro do juízo final

Connie Willis

Lançamento: 29/06
Para Kivrin, que se prepara para um estudo de campo em uma das eras mais mortais da história humana, viajar no tempo é tão simples quanto tomar uma vacina — desde que seja uma vacina contra as doenças encontradas na Idade Média. Já para seus professores, isso significa cálculos complexos e um monitoramento constante para garantir o reencontro.

No entanto, uma crise de proporções inimagináveis pode colocar o futuro de Kivrin, e de todo o Reino Unido, em perigo. Seu professor mais próximo, o sr. Dunworthy, fará de tudo para resgatá-la. Mas até que ponto é possível desafiar a morte?

De 1300 a 2050, Connie Willis faz um trabalho magnífico na construção de personagens complexos, densos e pelos quais é impossível não sentir empatia. O livro do juízo final é ao mesmo tempo uma incrível reconstrução histórica e uma aula sobre o poder da amizade.

{Canal} Unboxing: Turista Literário



Todo mês fico ansiosa para receber minha caixa do Turista Literário

Confira no video qual foi o livro do mês!

Já se inscreveu no nosso canal? Inscreva-se!

Não deixe de deixar seu gostei se você gostou do vídeo e deixe seu comentário dizendo o que achou da box! É muito importante para nós saber da sua opinião!

24.6.17

{O menino que vê filmes} Grandes Cineastas: Stanley Kubrick



ATENÇÃO: ALERTA DE SPOILER! Se você não assistiu a algum dos filmes relacionados neste post, prossiga por sua conta e risco!

Oi gente! Quem aí (como eu) é fã de Stanley Kubrick? Tem alguém que não conhece a obra dele? Mas certamente já ouviu falar né?

Não é pra menos. Trata-se de um dos maiores e mais influentes (e conceituais) cineastas do nosso tempo. 
Ora, quem nunca ouviu falar de clássicos como O ILUMINADO, LARANJA MECÂNICA, 2001 - UMA ODISSÉIA NO ESPAÇO, entre outros? 

Diferente de outros cineastas, Kubrick era especialista em dar vida à obras literárias de pouca projeção, nem sempre tendo seu trabalho reconhecido pela crítica ou mesmo pelo grande público.

Vale dizer que, para se apreciar o trabalho de Kubrick, em alguns casos deve-se abrir mão de tentar "entender" e focar apenas em "refletir", como acontece no caso de 2001 - UMA ODISSÉIA NO ESPAÇO. Em outras palavras, alguns de seus filmes fogem do roteiro e da narrativa convencionais, deixando a cargo do espectador a conclusão da obra.

Como todo grande gênio, Kubrick não esteve livre de algumas polêmicas no decorrer de sua carreira, tendo sido acusado de incitar a violência e a barbárie quando da produção de LARANJA MECÂNICA, filme que falaremos mais adiante.

O último trabalho assinado por ele foi DE OLHOS BEM FECHADOS, protagonizado pelo então casal Tom Cruise e Nicole Kidman. O longa, que foi friamente recebido pela crítica quando de seu lançamento, trás aspectos de suspense e outros típicos do movimento conhecido como nouvelle vague. 


Stanley faleceu em março de 1999, sem ver o carinho com que seus fãs receberam seu último trabalho.

Posso te indicar alguns de seus clássicos? Vem comigo!

O GRANDE GOLPE 

The Killing - 1966


O longa baseia-se no planejamento - e execução - de um grande assalto a um hipódromo. A estória é narrada de forma não linear, estilo que veio a influenciar diversos outros cineastas da atualidade, como Quentin Tarantino (todo fã de Tarantino conhece O Grande Golpe). A tensão e o suspense impressos na narrativa são de tirar o fôlego, o que faz do longa um belo exemplar do estilo de Kubrick.

SPARTACUS

1960


Trata-se de um dos grandes épicos do cinema americano, ao lado de Ben-Hur e Os Dez Mandamentos. Estrelado por Kirk Douglas, que convidou Kubrick para a direção do longa, Spartacus conta a conhecida estória (que recentemente foi retratada numa série de TV) do gladiador que desafiou o império romano. embora tenha se tornado um clássico e tenha sido indicado (e recebido) prêmios como o Oscar, o filme marcou a carreira de Kubrick como o momento em que ele decidiu só aceitar convites para direção com a condição de ter total liberdade criativa, devido a desentendimentos e conflitos criativos com Kirk Douglas.

LOLITA


Eis aqui a primeira grande polêmica da carreira de Stanley Kubrick. Com fotografia vanguardista e atuação brilhante dos envolvidos, Lolita foi baseado no romance homônimo de Vladimir Nabokov (que também escreveu o roteiro) e conta a estória de um relacionamento amoroso entre uma adolescente e um homem de meia idade. Lolita ganhou uma segunda adaptação, desta vez franco-americana, em 1997, dirigida por Adrian Lyne e etrelado por Jeremy Irons e Dominique Swain.

DR. FANTÁSTICO

Dr Strangelove or: How I Stop Worrying and Love The Bomb - 1964


Trata-se de uma espetacular comédia de humor negro que gira em torno da guerra nuclear, Inteligente e movimentado, DR FANTÁSTICO traz em seu papel principal o fabuloso Peter Sellers, que interpreta três personagens diferentes. O longa nasceu, a exemplo de diversas outras obras da época, do terror difundido pela ameaça atômica constante durante a chamada Guerra Fria.

2001 - UMA ODISSEIA NO ESPAÇO

2001, A Space Odissey - 1968


Eis aqui um dos grandes ícones da sétima arte. Inovador e misterioso, 2001 veio inaugurar uma nova tendência no cinema moderno, obrigando o espectador a questionar a natureza humana em toda a sua plenitude. Não há muito o que falar sobre o enredo, razão pela qual vou limitar-me a dizer que o mesmo trata da aventura que é a evolução humana através das eras. Há quem diga que trata-se da melhor ficção já produzida. 

LARANJA MECÂNICA

A Clockwork Orange - 1971

Este é o meu favorito! Adaptado do romance homônimo de Anthony Burgess, este é talvez a mais polêmica obra de Kubrick. Com atmosfera sombria e graficamente violenta, a trama se desenrola num ambiente que representa a ideia de futuro do autor e do diretor, retratando de forma explícita a violência inerente à natureza humana, focando principalmente na juventude. O enredo gira em torno de Alexander DeLarge (Malcolm McDowel) e sua gangue, que passam a noite praticando atos de "ultra-violência" após intoxicarem-se com "moloko", palavra que significa (no universo do longa) "leite-com", deixando subentendido que os jovens consomem uma mistura de leite com drogas. A estória é narrada pelo personagem Alex, que utiliza expressões e fusões de gírias russas, inglesas e do dialeto inglês conhecido como cockney, linguagem criada pelo autor exclusivamente para a obra, contendo palavras como "drugues" (camaradas, amigos) e "moloko", que já expliquei acima.

O ILUMINADO 

The Shining, 1980


Eu entendo. Quem está acostumado ao terror explícito de filmes como Invocação do Mal, O Grito e similares (obviamente sem desmerecer esse estilo de terror) dificilmente vai ter empatia com esta obra prima de Kubrick. Mas se você se impressiona mais com o terror subjetivo, aquela tensão palpável e cenários insólitos, vai se apaixonar. Trata-se de um suspense denso, com forte apelo sobrenatural, que a exemplo dos outros filmes de Kubrick é uma adaptação de uma obra literária do "mestre do terror" Stephen King. No enredo, numa atuação icônica, Jack Nicholson dá vida a Jack Torrance, um escritor alcoólatra em recuperação, que aceita um trabalho como zelador num hotel isolado no Colorado, levando consigo sua esposa Wendy e seu filho Dany, que tem habilidades psíquicas. O hotel é cheio de estórias assombradas e, aos poucos, todos na família vão sofrendo influências de entidades que habitam o local. Uma tempestade de neve acabará por deixar a família presa no hotel, o que torna tudo mais tenso. 

NASCIDO PARA MATAR

Full Metal Jacket, 1987


Mais um clássico que aborda as duas temáticas mais presentes na obra de Kubrick: O apelo anti-guerra e a desumanização dos personagens. No longa, que se desenvolve dentro do corpo de fuzileiros dos EUA, Kubrick retrata gradualmente a loucura que se abate sobre os soldados durante o treinamento, transformando-os em máquinas de extermínio.

DE OLHOS BEM FECHADOS

Eyes Wilde Shut, 1999


Estrelado por Tom Cruise e Nicole Kidman, De Olhos Bem Fechados estreou algum tempo depois da morte de Kubrick, que faleceu apenas cinco dias antes de exibir seu corte final para a produção. Considerado pelos fãs de Kubrick outra de suas obras primas, o longa, que trata do relacionamento amoroso e do binômio amor/sexo na vida a dois, foi recebido com frieza pela crítica especializada.

CONCLUSÃO

Stanley Kubrick, conforme já disse anteriormente, não é para todos os paladares de cinéfilos. Eu mesmo descobri que gostava dele quando assisti Laranja Mecânica, achei ruim, mas não conseguia tirar o filme da cabeça. Isso me levou a assistir outra vez. Percebi detalhes que antes tinham passado batido. Assisti uma terceira, uma quarta, uma quinta e reassisto sempre que posso, tamanha a genialidade da obra deste cineasta.

Até a próxima, gente!



23.6.17

{Resenha} A Poção Secreta - Diário de uma Garota Alquimista # 1


Oie amores, tudo bom?
C-H-E-G-U-E-I!

Não sei se vocês sabem, mas sou alucinada por estórias de fantasia. 


Foi uma descoberta maravilhosa, pois é um dos meus gêneros favoritos e a Série Fadas da Aprilynne Pike foi quem me iniciou nesse mundo, me encantando e desde então não deixei mais de ler esse gênero.
Vamos conferir a resenha negrada!


A Poção Secreta - Diário de uma Garota Alquimista # 1 - Amy Alward

Sinopse:

“A Princesa do Reino de Nova toma acidentalmente uma poção do amor, e se apaixona por si mesma! Para encontrar o antídoto que possa curá-la, o rei mobiliza todos numa expedição chamada Caçada Selvagem. Competidores do mundo todo saem em busca dos mais raros ingredientes em florestas mágicas e montanhas geladas, enfrentando perigos e encarando a morte para encontrar a fórmula da poção secreta. Dentre eles, está Samantha, uma garota comum que herdou dos seus ancestrais alquimistas o talento para preparar poções. Esta pode ser a oportunidade para reerguer a decadente loja de poções da família, afinal o mundo todo estará acompanhando a Caçada nas mídias sociais. Será que ela conseguirá descobrir a cura e salvar a Princesa?”

Resenha

Essa ficção está no século XXI, no auge da evolução tecnológica.
O regime politico é reinado, e a realeza se prepara para a festa da princesa herdeira da coroa que completará dezoito anos.
Há lojas com alquimistas que disputam o seu lugar no mundo, fazendo suas poções, pós-mágicos e magias.
A Família Kemi, possui alquimistas com poderes mágicos ou “talento” para preparar poções. É o caso de Samanta que é uma das talentosas da família.


Na noite do baile da princesa esta recebe a visita de Zain (um jovem cuja família é concorrente da de Samanta) e conversa vai conversa vem, ela oferece uma bebida a ele, que aceita.
Só que no medalhão que a Princesa Evelyn traz pendurado no pescoço, tem um recipiente para guardar pó mágico. Ao preparar os dois copos com bebida, a princesa se engana e quem bebe a poção do amor é ela mesma. Pois ao mirar-se no fundo da taça vazia ela viu sua imagem refletida e se apaixonou perdidamente por si mesma.


Quando o Rei Auden e sua corte de confiança, descobre o que aconteceu, suspendem o baile e com toda a magia reinante a seu dispor, convoca a Caçada Selvagem, cuja finalidade é encontrar os ingredientes certos, que produzirão o antidoto certo, para reverter o “quadro” da Princesa desastrada.

E a Caçada Selvagem se inicia, com equipes do mundo inteiro, com todos os motivos, desde rivalidades entre concorrentes, a aventura nas florestas mágicas...
Quem trará todos os ingredientes? Será fácil?
Quais serão os ingredientes da poção?


Louvo a criatividade da autora, admiro-a por um lugar nunca visto cheio de encantamento, com seres exóticos e varinhas mágicas.
Adoro quando o autor(a) nos tira por alguns minutos durante a leitura do ambiente comum, entrelaçando humanos e bruxos, convivendo no mesmo espaço é magnifico!

Lendo esse livro me lembrou muito do filme Avatar e também da melhor série desse e de todos os tempos: Harry Potter.
O livro a princípio (e se estende) é só descritivo e detalhista, mas quando incrementa fica muito bom.
Quem ganhará a Caçada?
O que acontecerá entre Evelyn, Zain e Samanta? Vale muuuito a pena saber.


Até a próxima amores. Beijos.


Título: A Poção Secreta - Diário de uma Garota Alquimista # 1
Autor (a): Amy Alward
Editora: Jangada
Número de Páginas: 368