Menu

25.9.18

{Resenha} Oliver Moore - O Legado do Rock

Autor: Ocelo MoreiraEditora: Livrus
Ano: 2018
Sinopse: Um músico freelance idealista, uma musicista poetisa talentosa de apreços góticos e um roqueiro rebelde misantropo, os três se conhecem durante as apresentações de bandas no bar do big Jack, no interior da Inglaterra, e a partir de então suas vidas se misturam numa intensa relação de amizade, amor, música e conflitos, que acabará em desencontros e desilusões. O jovem Oliver vive uma fase dúbia e obscura quando conhece Allan Crow, um milionário executivo com promessas de transformar sua vida, sem nada a perder e imbuído de esperanças se muda para Londres em busca de sucesso e dinheiro, no qual sobrepuja suas expectativas, mas uma reviravolta acontece com a eclosão da grande recessão. Ao regressar de Londres após o estouro da crise financeira, Oliver encontra forças para se reerguer e voltar a vida que sempre quis com a ajuda de seu melhor amigo e mentor, Sam Proust, um renomado escritor londrino que alguns anos depois decide retornar à cidade natal para realizar um lançamento extraordinário do seu mais novo livro, cujo romance logo tornara-se um best-seller. Oliver e Joe Bass formam junto com Lisa Price, seu grande amor da adolescência, uma nova trupe do rock inglês dita como moderna. E o tal evento inesperado do amigo escritor proporciona reencontros e mudanças imprescindíveis na vida do trio.

Resenha:

Conheci o autor desse livro, Ocelo Moreira, através do Skoob. Ele estava divulgando seu livro, apresentei o blog para ele e assim começou nossa parceria. Tem um post que fala mais um pouquinho sobre o autor aqui.

Oliver Moore sempre foi um amante do rock e da vida de músico, até que recebeu uma proposta para trabalhar no mercado imobiliário, um convite que a princípio me pareceu meio misterioso, mas no fim, não tinha nada de mais.

Esse novo emprego rendeu-lhe muito dinheiro e sucesso profissional, porém Oliver nunca sentiu-se verdadeiramente feliz, até que uma crise em sua área de trabalho o faz largar tudo e voltar para sua cidade natal.

“A experiência como investidor imobiliário foi boa enquanto durou, Oliver jamais tivera algum sentimento dúbio a respeito. Mas algo fundamental ele aprendera com aquela experiência de vida; nem sempre ter um emprego é sinônimo de autorrealização, já que muita gente apenas labuta com o intuito do consumismo!”

Sua ex-namorada e seus antigos amigos o aguardavam e a partir dessa reunião, eles decidiram retomar a carreira musical com a banda que tinham no passado. Mais uma vez, Oliver obteve muito sucesso, atingindo a sua tão sonhada felicidade.

Ocelo escreve de forma a nos fazer refletir sobre os nossos sonhos, planos e sobre o que realmente importa em nossa vida. Ele também faz uma crítica ao consumismo desenfreado do mundo atual e como isso afeta nossa sociedade, de forma negativa.

“Atualmente a sociedade moderna impulsiona as pessoas a consumirem desenfreadamente, num culto quase religioso elas vêm consumindo cada vez mais, como se o acúmulo de tais coisas ou o consumo inconsciente fosse indício de felicidade, onde uma juventude desvairada compra, acumula, e como se não bastasse ainda consome numa ganância desmesurada. E num ritmo frenético a vida dita como moderna vem tomando novos rumos e as pessoas ludibriadas pelo sonho de consumo seguem por esse caminho acreditando que encontrarão a tão sonhada felicidade difundida pela tal modernidade cujo lema é ter cada vez mais e mais.”

Embora eu tenha me incomodado um pouco com palavras muito rebuscadas e às vezes redundantes, acredito que eu tenha conseguido compreender a mensagem que o autor quis passar com o final inesperado do livro. Também me incomodou um pouco o excesso de descrição e detalhes de alguns parágrafos, enquanto outros (muito mais importantes) passaram batido e com pouca informação.

Fica aqui o convite a conhecer a história de Oliver Moore e a se questionar o que te faz feliz e o que você está fazendo para conquistar seus sonhos e a sua felicidade.

“Seja o melhor, mas antes de tudo seja você mesmo.”


24.9.18

{Lançamentos} Setembro: Companhia das Letras



Tem continuação de série esperada esse mês na Companhia das Letras e seus selos! Já estava toda eufórica aqui para mostrar pra vocês!!!


Uma coisa absolutamente fantástica

Hank Green 

Título original: AN ABSOLUTELY REMARKABLE THING
Páginas: 384
Lançamento: 25/09/2018
Em seu aguardado livro de estreia, Hank Green traz a história original e envolvente de uma jovem que se torna uma celebridade sem querer — mas logo se vê no centro de um mistério muito maior do que poderia imaginar.
Enquanto volta para casa depois de trabalhar até de madrugada, a jovem April May esbarra numa escultura gigante. Impressionada com sua aparência — uma espécie de robô de três metros de altura —, April chama seu amigo Andy para gravar um vídeo sobre a aparição e postar no YouTube. No dia seguinte, a garota acorda e descobre que há esculturas idênticas em dezenas de cidades pelo mundo, sem que ninguém saiba como foram parar lá. Por ter sido o primeiro registro, o vídeo de April viraliza e ela se vê sob os holofotes da mídia mundial.
Agora, April terá de lidar com os impactos da fama em seus relacionamentos, em sua segurança, e em sua própria identidade. Tudo isso enquanto tenta descobrir o que são essas esculturas — e o que querem de nós.
Divertida e envolvente, essa história trata de temas muito relevantes nos dias atuais: como lidamos com o medo e o desconhecido e, principalmente, como as redes sociais estão mudando conceitos como fama, retórica e radicalização.
“Engraçado, empolgante e uma delícia de ler. Eu sabia que Hank seria bom nisso, mas não sabia que já seria tão bom na primeira tentativa.”
John Scalzi, autor de Guerra do velho e ganhador do prêmio Hugo

O dia em que a minha vida mudou por causa de um pneu furado em Santa Rita do Passa Quatro

O dia em que a minha vida mudou #2
Keka Reis 

Páginas: 208
Lançamento: 14/09/2018
O que aconteceu com Mia depois do dia em que a vida dela mudou por causa de um chocolate comprado nas ilhas Maldivas?
Tudo e mais um pouco. Porque quando se está no sexto ano é assim mesmo. Os dias nunca mais são normais. Longe da mãe pela primeira vez na vida e dentro de um ônibus de excursão cheio de crianças enlouquecidas, Mia tem mais um dia maluco pela frente.
Para começar, o Bereba, que agora é seu Namorado com N maiúsculo, apareceu no ônibus com o cabelo espetado. Seus amigos resolveram brincar de chão de lava e cantar músicas rimadas um tanto maldosas. Lá fora, sua mãe está muito esquisita desde que começou a namorar um moço careca-cabeludo que rouba a faca do pão com manteiga na hora do jantar. E, de repente, todo mundo parece se importar com o fato de Mia e Bereba não terem se beijado ainda…
E agora? Como sobreviver a mais esse dia sem perder a cabeça?"
O dia em que a minha vida mudou por causa de um chocolate comprado nas Ilhas Maldivas (O dia em que a minha vida mudou #1), de Keka Reis 

A missão traiçoeira

O Beijo Traiçoeiro #2
Erin Beaty 

Título original: TRAITOR'S KISS #2
Páginas: 456
Lançamento: 13/09/2018
Sage Fowler abandona seu posto como aprendiz de casamenteira e se envolve em uma nova missão secreta ao lado do capitão Alex Quinn no segundo volume da série O Beijo Traiçoeiro.
Depois de se provar uma espiã habilidosa e uma casamenteira estrategista, Sage Fowler passou a ocupar uma posição confortável na alta sociedade, dando aulas para as princesas do reino de Demora. Quando surge a oportunidade de participar de uma nova missão secreta, porém, Sage quer aproveitar a chance para servir ao seu reino mais uma vez — e ficar mais próxima de seu noivo, o capitão Alexander Quinn.
Alex não fica nada feliz com a ideia, já que está determinado a proteger a namorada de qualquer perigo. A insistência de Sage em fazer parte da missão faz com que eles se desentendam cada vez mais e, quando um conflito com um reino vizinho resulta em uma tragédia, os dois acabam separados. Para completar a missão de Alex — e a sua própria —, Sage precisará contar com a ajuda de aliados inesperados para sobreviver em um território inimigo e salvar o reino de Demora mais uma vez.
O beijo traiçoeiro (O Beijo Traiçoeiro, #1), de Erin Beaty


21 lições para o século 21

Yuval Noah Harari

Título original: 21 LESSONS FOR THE 21ST CENTURY
Páginas: 446
Lançamento: 30/08/2018
O novo livro do autor de Sapiens e Homo Deus explora as grandes questões do presente e o que podemos fazer para melhorá-lo.
Como podemos nos proteger de guerras nucleares, cataclismos ambientais e crises tecnológicas? O que fazer sobre a epidemia de fake news ou a ameaça do terrorismo? O que devemos ensinar aos nossos filhos?
Em Sapiens, Yuval Noah Harari mostrou de onde viemos; em Homo Deus, para onde vamos. 21 lições para o século 21 explora o presente e nos conduz por uma fascinante jornada pelos assuntos prementes da atualidade. Seu novo livro trata sobre o desafio de manter o foco coletivo e individual em face a mudanças frequentes e desconcertantes. Seríamos ainda capazes de entender o mundo que criamos? 

Terra estranha

James Baldwin 

Título original: ANOTHER COUNTRY
Páginas: 544
Lançamento: 10/09/2018
Tendo como pano de fundo a agitada cena musical de Nova York dos anos 1950, Terra estranha é um retrato franco sobre bissexualidade e relações inter-raciais, publicado em uma época em que esses assuntos eram tabu.
Este romance de fôlego, publicado em 1962, tem como pano de fundo os clubes de jazz de Greenwich Village, em Nova York, na década de 1950. Rufus, um baterista negro em decadência, se envolve com Leona, uma mulher branca nascida no sul dos Estados Unidos. Dessa relação complexa em sua origem, desdobram-se temas caros a James Baldwin, como raça, nacionalismo, identidade, depressão e bissexualidade.
Em Terra estranha, o celebrado autor de O quarto de Giovanni constrói uma obra comovente, violenta e apaixonada, cujos personagens tentam reverter a todo custo as barreiras da segregação racial e das convenções burguesas em busca da felicidade e de si mesmos. 

Coração azedo

Jenny Zhang 

Título original: THE SCHOOLDAY OF JESUS
Páginas: 264
Lançamento: 20/08/2018
Nesta aclamada coleção de contos, Jenny Zhang constrói um retrato franco e subversivo da experiência de imigrantes asiáticas nos Estados Unidos. Eleito um dos melhores livros de 2017 por The New Yorker e The Guardian.
Centradas em uma comunidade de imigrantes que trocaram a vida ameaçada na China e em Taiwan pelos percalços da Nova York dos anos 1990, as histórias que compõem Coração azedo examinam questões de família, sexualidade, identidade e gênero a partir do ponto de vista de narradoras marcadas por seu passado, que lutam para se definir e descobrir quem são.
Seja a jovem tentando entender o papel de sua avó na Revolução Cultural, a filha lutando para estabelecer o limite entre ela e sua família, ou a garota que se dá conta do poder de seu corpo, Jenny Zhang constrói um retrato cru e poderoso de uma realidade brutal, onde ser imigrante - e mulher - tem um custo alto a ser pago.
Selecionado por Lena Dunham como o primeiro livro de sua coleção editorial, Coração azedo é uma expressão sombria, crua e íntima sobre o que significa pertencer a uma família, encontrar sua casa, deixá-la, rejeitá-la e enfim retornar a ela.
"Nunca vou esquecer a primeira vez que li Jenny Zhang... Fiquei chocada, comovida e, para ser honesta, com um pouco de inveja." - Lena Dunham
"A versão de honestidade de Zhang vai além do senso comum, com passagens que irrompem num brilho ousado e surpreendente. Prepare-se." - Miranda July
"Deixe de lado qualquer outra coisa que você esteja lendo - não há outro livro para ser visto agora." - The Times
"Obsceno, lindo, pungente... A surpreendente coleção de contos de Jenny Zhang combina técnica engenhosa a uma franqueza emocional [...] com frases únicas, que variam da beleza esmagadora à dor abjeta." - The New Yorker
Vencedor do Los Angeles Times Book Prize e do PEN/Robert W. Bingham Prize para ficção estreante. Finalista do New York Public Library’s Young Lions Fiction Award. Escolhido um dos melhores livros do ano por The New Yorker, The Guardian, Esquire, New York Magazine, National Public Radio, Nylon, O: The Oprah Magazine e BuzzFeed. 

Declarar 

Espiral do Desejo #3
Nina Lane 

Título original: AWAKEN
Páginas: 320
Lançamento: 17/09/2018
O livro que encerra a trilogia apaixonante de Nina Lane.
O casamento de Dean e Olivia West sobreviveu a segredos, desilusões e uma tragédia devastadora, persistindo mais forte do que nunca apesar das mais inimagináveis ameaças, até que uma simples mentira inventada por uma pessoa cruel e vingativa se mostra capaz de colocar tudo a perder.
Separado de seu lar pelo oceano Atlântico, Dean comanda uma escavação na Itália enquanto luta para salvar sua vida profissional. Mas a distância de sua esposa e do mundo à parte que construíram juntos é mais difícil do que ele imagina, principalmente quando ele descobre que Liv está passando por uma crise vinda do passado – um passado terrível do qual ele sempre tentou salvá-la...
Mais forte e confiante do que nunca, Liv está determinada a andar com as próprias pernas e, acima de tudo, defender seu marido daqueles que desejam derrubá-lo. Mas a visita inesperada de sua mãe traz à tona uma série de questões mal resolvidas que a assombram há anos.
No último e mais explosivo volume de Espiral do Desejo, Dean e Liv terão que superar os obstáculos mais difíceis de suas vidas enquanto respondem à clássica pergunta: há, afinal, força maior do que a de um grande amor?
Despertar (Espiral do Desejo, volume 1), de Nina LaneDesejar (Espiral do Desejo, volume 2), de Nina Lane

O Homem-Cão: um conto de dois gatinhos 

Homem-Cão #3
Dav Pilkey 

Título original: DOG MAN: A TALE OF TWO KITTIES (BOOK#3)
Páginas: 256
Lançamento: 21/09/2018
O Homem-Cão é um super-herói muito valente e com um coração enorme, mas que sempre se mete em cãofusão! E no terceiro volume da série do criador de Capitão Cueca, a situação não poderia ser diferente.
Quando o oficial Rocha e seu cachorro Greg sofrem um acidente, o único jeito de os dois sobreviverem é fundindo a cabeça do cão com o corpo do policial — e é assim que nasce o Homem-Cão, o melhor policial da cidade! Mas ele ainda está aprimorando suas habilidades no trabalho.
Pepê, o gato, seu maior inimigo, resolve criar um clone dele mesmo para ter o maior parceiro de crimes de todos os tempos — e acabar de vez com o Homem-Cão! O problema é que seu plano não dá muito certo, e seu clone é uma versão bebê: o Pepezinho. Irritado, ele resolve expulsar o gatinho de seu laboratório secreto, mas será que Pepê vai conseguir controlar seu ciúme quando ver que o Homem-Cão não é apenas o melhor amigo do homem, mas também o melhor amigo do gatinho?
O Homem-Cão (Homem-Cão, volume 1), de Dav PilkeyO Homem-Cão desgovernado (Homem-Cão, volume 2), de Dav Pilkey

Maria Bonita

Adriana Negreiros


Páginas: 296
Lançamento: 31/08/2018
A mulher mais importante do cangaço brasileiro, que inspirou gerações de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificação da imagem de Maria Bonita tenha escondido situações de constante violência, ela em nada diminui o caráter transgressor da Rainha do Sertão.
Desde os anos 1990, a data de nascimento de Maria Bonita passou a ser celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, ela transformou-se em uma marca poderosa, emprestando seu nome a centenas de pousadas e restaurantes espalhados pelo Nordeste, salões de beleza, academias de ginástica, cerveja, pizza, assentamento rural, música, bandas de forró e coletivos feministas.
Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Déa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita.
Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informações sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, hábil amazona do sertão, uma Joana D’Arc da caatinga. Essa versão romântica e justiceira de Maria Bonita, rapidamente apropriada pela indústria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial - e expandiu seus limites para além das fronteiras do sertão. Neste livro, Adriana Negreiros constrói a biografia mais completa até então daquela que é, sem dúvidas, a mulher mais importante do cangaço. 

Noites brancas

Fiódor Dostoiévski 

Título original: WHITE NIGHTS (SHORT STORY)
Páginas: 112
Lançamento: 31/08/2018
Em Noites brancas, o jovem Dostoiévski mostra a sua versatilidade como escritor de gênero breve ao abordar um encontro inesperado entre um homem e uma mulher que se repetirá por quatro noites.

São Petersburgo, século XIX. Um homem solitário vaga pela cidade noite adentro, deixando que o sentimento de cada rua, esquina ou calçada o penetre. Durante a caminhada, avista uma mulher aos prantos encostada no parapeito de um canal. Ao acudi-la, tem início um idílio fadado a se dissipar como a tênue claridade das noites de verão na Rússia.
Quanto mais o anônimo narrador se aproxima da jovem Nástienka, mais parece se distanciar de sua melancólica vida anterior. Em quatro encontros, no entanto, a crescente intimidade dos dois personagens chega a um inesperado desfecho, quando a última noite por fim termina.
A novela de 1848, tida como uma das obras-primas de Dostoiévski no gênero breve, é acompanhada neste volume pelo conto "Polzunkov", escrito no mesmo ano, que mostra uma faceta mais caricata de um dos maiores autores da literatura russa.

21.9.18

{Resenha} O Poder


Título original: The Power
Autora: Naomi Alderman
Editora: Planeta de Livros brasil – Minotauro
Sinopse: O que você faria se tivesse o poder em suas mãos?
“Jogos vorazes encontra O conto da aia.” (COSMOPOLITAN)
Em um futuro próximo, as mulheres desenvolvem um estranho poder: elas se tornam capazes de eletrocutar outras pessoas, infligindo dores terríveis... até a morte. De repente, os homens se dão conta de que não estão mais no controle do mundo.
“Um olhar fascinante no que o mundo poderia ter se tornado se o sexismo dos últimos milênios tivesse tomado rumos diferentes. Engenhoso... merece ser lido por todas as mulheres (e, claro, por todos os homens).” (THE TIMES)
“O poder é uma leitura explosiva.” (FINANCIAL TIMES)
“Um romance envolvente, que nos obriga a encarar uma distopia que já existe... e que está entre nós há séculos.” (MICHAEL SCHAUB, NPR)

Primeira coisa: acho que a sinopse não abrange a real complexidade do livro. Ele vai muito mais além dessa pequena introdução que a sinopse fornece, porém depende muito da interpretação de cada leitor e leitora. Acredito que alguns homens podem se sentir incomodados com a ideia de que as mulheres finalmente podem responder à altura os anos de violência sofrida.

São várias jovens e mulheres retratadas no passar do tempo, que nos levam por diversos anos enquanto a evolução acontece. Com um pequeno faiscar, a luz brota no peito da primeira mulher.

Roxy é uma criança britânica oriunda de uma família mafiosa, que descobre seu poder ao ser atacada por invasores em sua residência.

Olatunde Edo é um rapaz nigeriano que está aproveitando um dia na piscina, encantado com a prima de seu amigo. E o jovem descobre simplesmente... Que se ela quisesse, poderia matá-lo.

Allie é aquela que foi abandonada. Orfã, pulou de lar em lar até que um casal cristão a adotou. Espancada, abusada e criminosa, ela sabe que o futuro lhe reserva algo. Eva.

Margot é uma política que almeja ir mais além em sua carreira. Tem um companheiro de trabalho que sempre busca impedi-la de realizar seus intentos, porém esse novo poder que está surgindo entre as mulheres é um sinal.

Os capítulos variam entre estes personagens, com o tempo agindo como uma bomba-relógio em contagem regressiva durante 10 anos.


É iminente o fato de que as mulheres estão conquistando o poder: um poder que sempre esteve dentro delas e que agora se mostra e elas podem controla-lo. Homens estão na desvantagem e muitos deles não acreditam que as mulheres possam de fato mata-los.

Mas elas podem, se quiserem. E acontece de diversas formas, em diferentes momentos. Entre escravas sexuais que se viraram contra seus sequestradores, homens e/ou maridos violentos que sempre as mantiveram rebaixadas, diminuídas e submissas à suas vontades. E o maior medo daqueles que estão no poder é: “elas podem de fato nos vencer... E quem sabe, nos tratar como sempre as tratamos.”

O vai além no sentido de união: as mulheres são maioria no mundo... O que aconteceria se elas se unissem contra seus maiores algozes? Através da sororidade, afinidade, busca de alguém que é igual... De alguém que deseja o mesmo, alguém que traga uma nova ideologia, uma guerra pode acabar se iniciando.

Tunde viaja pelo mundo em busca desses pequenos focos de rebelião, mostrando o poder crescente das mulheres e o quão perigoso tudo se torna. Embora participativo, seu papel é meio que secundário. Afinal... É um livro sobre mulheres fazendo crescer seu poder.


É claro que há um grande plot twist. Você acaba meio que questionando vários dos acontecimentos para ver se são ou não justos, se o extremo e realmente necessário. O conteúdo pode acabar ficando pesado, achei algumas partes até mesmo desagradáveis. Mas é bem realista nesses pontos, ainda mais com tudo o que está em jogo.

Todas as personagens têm sua função de existir e todas lutam a seu próprio modo. O livro finalizou sem intenções de um segundo, mas eu bem que gostaria de saber mais sobre os acontecimentos! Talvez livros dedicados as personagens individualmente, haha!

Se deseja um livro com critica social, empoderamento e um boost de animo, corra para lê-lo!


20.9.18

{Resenha} A Incendiária



Título: A Incendiária 
Editora: Suma 
Ano: 2018
Sinopse: Uma criança com o poder mais extraordinário e incontrolável de todos os tempos. Um poder capaz de destruir o mundo. Após anos esgotado no Brasil, A Incendiária volta às livrarias como parte da Biblioteca Stephen King, coleção de clássicos do mestre do terror em edição especial com capa dura e conteúdo extra. 
Andy e Vicky eram apenas universitários precisando de uma grana extra quando se voluntariaram para um experimento científico comandado por uma organização governamental clandestina conhecida como “a Oficina”. 
As consequências foram o surgimento de estranhos poderes psíquicos — que tomaram efeitos ainda mais perigosos quando os dois se apaixonaram e tiveram uma filha. Desde pequena, Charlie demonstra ter herdado um poder absoluto e incontrolável. Pirocinética, a garota é capaz de criar fogo com a mente. 
Agora o governo está à caça da garotinha, tentando capturála e utilizar seu poder como arma militar. Impotentes e cada vez mais acuados, pai e filha percorrem o país em uma fuga desesperada, e percebem que o poder de Charlie pode ser sua única chance de escapar.

||Skoob||Suma||

Andy e Charlie continuam fugindo dos agentes da Oficina,o que faz com que usem seus poderes contra suas vontades,com a Oficina cada vez mais perto eles não tem muita opção,só que usar os poderes com uma grande frequência sempre há consequências e Andy é o mais afetado. Charlie tem o poder de evocar fogo (o que particularmente acho incrível) e Andy de persuasão mental,ele consegue convencer qualquer pessoa a fazer o que ele quer (poderzinho bem útil no dia a dia XD).

Infelizmente eles não podem ficar muito tempo em um mesmo lugar,pois além de Charlie ter o poder da Pirocinética ela consegue sentir quando os "inimigos" estão bem perto deles,em meio a sua fuga Andy e sua filha conhece um fazendeiro que lhes dão carona e abrigo,mas como nem tudo são flores uma tragédia acontece e eles são obrigados a fugirem mais uma vez.
Por algum tempo eles conseguem um abrigo para passar o inverno e junto com algumas preocupações eles passam dias tranquilos,até que chega o dia em que tudo muda e Charlie e Andy são capturados pela "Oficina",onde são separados e obrigados a passarem por vários testes,por um tempo tudo sai como os responsáveis do governo queriam até que chega o dia em que todos temem e Charlie perde o controle provocando assim grandes estragos.

Comecei a ler o livro com grandes expectativas,afinal não é todo dia que temos uma personagem que literalmente bota fogo em coisas e pessoas á sua vontade (mesmo ela se sentindo culpada depois),gostei bastante da estória,mas achei a narrativa um pouco arrastada me obrigando a dar sempre uma parada e intercalando a leitura com outro livro,no todo recomendo demais a leitura afinal é tio King né?!!


O Final achei que aconteceria algo semelhante,já estava preparada pro "Gran Finale" mas nunca imaginei que aconteceria alguns fatos como aconteceu,achei o final bem aberto pra uma continuação,se alguém leu e souber se tem alguma continuação me falem ok?! :) 

19.9.18

{Resenha} Sob águas escuras


Título original: Dark Water
Autor: Robert Bryndza
Editora: Gutemberg
Sinopse: “Puxado pelo peso das correntes, o corpo afundou rapidamente.
Ela descansou ali, quieta e serena… durante muitos anos.”
Quando a Detetive Erika Foster vasculha, com sua equipe, um lago artificial nos arredores de Londres em busca de uma valiosa pista de um caso de narcóticos, ela encontra muito mais do que eles estavam procurando.
Do fundo do lago são recuperados dois pacotes: um deles contém 4 milhões de libras em heroína. O outro… o esqueleto de uma criança.
Os restos mortais são de Jessica Collins, uma garota desaparecida há 26 anos e que foi a principal manchete de todos os noticiários da época.
Erika, então, precisa revirar o passado e desenterrar os traumas da família Collins para descobrir mais sobre o trabalho de Amanda Baker, a detetive original do caso – uma mulher torturada pelo seu fracasso na busca por Jessica.
Muitos mistérios envolvem esse crime, e alguém que não quer que o caso seja resolvido fará de tudo para impedir que Erika Foster descubra a verdade.
O autor de A Garota No Gelo e Uma Sombra Na Escuridão nos presenteia com outra eletrizante aventura da Detetive Erika Foster.

Como não é nenhuma novidade, fui capturada pela capa desse livro! Não só dele, como de seus outros dois antecessores: A Garota no Gelo e Uma Sombra na Escuridão.

Essa série de livros nos apresenta a detetive Erika Foster: uma imigrante da Europa Oriental em Londres. Com uma vasta experiência no ramo, ela tem sua estreia no livro A Garota no Gelo, que se trata de uma jovem encontrada congelada em um lago situado num parque em Londres.

Porque estou falando dele um pouquinho? Os livros são ligados? Não. Embora os casos sejam citados, você não verá como o caso se sucedeu nem nada disso. Pode ler pela ordem que desejar.

Enfim. Meu primeiro contato com a escrita do autor foi no primeiro livro – A Garota no Gelo - , via audiobook. Primeira vez que ouvi um audiobook inteiro também. O Grupo Autêntica cedeu aos parceiros alguns meses de experimentação no Ubook e deixa contar para vocês: foi uma experiência maravilhosa. Não foi apenas uma leitura mecânica sem emoção, que foi o que me fez desistir de audiobooks anteriores. Acredito que foi narrado por atores mesmo, sabe? Com interpretações e tudo, foi uma experiência rica e proveitosa que me fez ouvir mais livros!

Em A Garota no Gelo, Erika Foster está retomando sua vida após alguns anos afastada do trabalho, pois sua última missão teve consequências terríveis para sua vida. Mesmo estando em uma delegacia diferente, sua fama a precede. Encontra resistências como chefe e é até mesmo desacreditada. Ao mesmo tempo em que luta contra todo o preconceito e resistência a sua presença no caso, ela vai desvendando tudo o que cerca a jovem garota encontrada.

O segundo livro: Uma sombra na escuridão, eu comprei em e-book mas ainda não consegui lê-lo.


E o terceiro livro, Sob águas escuras, Erika está em uma nova delegacia por conta de algo que aconteceu em seu caso anterior. Trabalha na sessão de crimes de drogas (tráfico) e, em seu caso mais recente na busca por evidências para prender um traficante, acaba se deparando com um cadáver que ficou anos e anos perdido e é identificado: uma criança chamada Jessica Collins que desapareceu sem deixar vestígios há quase 30 anos atrás.

Érika começa o duro trabalho de tentar tomar para si o caso, porém não esperava se deparar com tamanha resistência. A situação é mais complicada do que ela imagina, uma vez que há um provável culpado... Porém intocável.

Gosto muito da personalidade da detetive inspetora, é decidida e firme, não deixa que seus problemas pessoais atrapalhem seu trabalho ou seu trabalho interferir em sua vida pessoal. Rabugenta, ela não é de meias palavras, mas é sincera com quem ela forma algum vínculo. Todos os personagens contribuem para a trama, especialmente os mais próximos de Érika: Kate, Isaac e Peterson.

Sou muito boa com mistérios, então faço sempre suposições sobre quem é o culpado e geralmente acerto, haha! Não tem sido diferente dos livros do Bryndza, mas isso não quer dizer que não sejam bons, pelo contrário! São muito bons, o modo como tudo se desenvolvem é instigante e lhe faz querer correr com a leitura.

Assim que possível quero ler o segundo livro, pois o que sei dele já me animou a dar continuidade.

Também teremos o lançamento do quarto livro aqui no Brasil: O último suspiro. Será lançado em outubro!

Confira a capa e a sinopse:

“Ele é o encontro perfeito. Ela é sua próxima vítima.”
Quando o corpo torturado de uma jovem é encontrado em uma lixeira, com os olhos inchados e as roupas encharcadas de sangue, a Detetive Erika Foster é uma das primeiras a chegar na cena do crime. O problema é que, desta vez, o caso não é dela.
Enquanto luta para garantir seu lugar na equipe de investigação, Erika rapidamente encontra uma ligação desse assassinato com um crime não solucionado de uma jovem quatro meses antes. Jogadas em um local semelhante, as duas mulheres têm feridas idênticas e uma incisão fatal na artéria femoral.
Procurando suas vítimas nas redes sociais a partir de um perfil falso, o assassino ataca jovens bonitas escolhidas aleatoriamente.
Então, uma outra garota é sequestrada… Erika e sua equipe têm que chegar antes que ela se torne a próxima vítima. Mas como a Detetive Foster pegará um assassino que parece não existir?
Eletrizante, tenso e impossível de largar, O último suspiro fará você correr para a última página.

17.9.18

{Resenha} Você se Lembra de Mim?


Oie amores. C-H-E-G-U-E-I!


Mais um romance inesquecível de uma das minhas autoras favoritas: Megan Maxwell. 💗💗💗
A cada leitura, me apaixono ainda mais por seus romances e personagens.
Vamos conferira resenha?
Bora lá!


*livro cedido pela editora

Sinopse:

"Alana é uma mulher independente que não acredita no amor e tem na profissão sua única razão de viver. Jornalista freelancer, é enviada a Nova York para escrever uma reportagem sobre a metrópole, onde conhece o atraente Joel Parker. Quando ela descobre que aquele homem bonito e sedutor que tem lhe feito companhia nos últimos dias é um militar, como seu pai uma lembrança que ainda a assombra, a jornalista desaparece sem deixar vestígios. Apesar de resoluta em sua vontade de se afastar do capitão da Marinha americana para não repetir a história de sofrimento de sua mãe, ela não conseguirá aplacar o desejo de seu coração por Parker. Quem vencerá essa disputa entre razão e emoção? O passado de sua mãe irá assombrá-la ainda mais ou irá ajudá-la a esclarecer muitas questões mal resolvidas?"


Resenha 

A estória se passa com dois textos distintos, mas o segundo acaba recebendo mensagens e personagens do primeiro e se entrelaçam harmoniosamente.
A princípio conta a estória de duas irmãs espanholas que vão ganhar a vida em outro país. Nesse caso a Alemanha na década de 1980.
Lá se adaptam como podem com o clima, o emprego e principalmente com a barreira do idioma.
Elas fazem outras amizades e tanto Carmen como Loli passam a namorar fuzileiros navais norte americanos, Teddy e Darío.
A abordagem de Teddy, antes do namoro é muito descontraída. Carmen é forte e muito expressiva. Mas eles se encontram e se descobrem e o resto o destino apronta.


Com a passagem de mais de trinta anos, no ano de 2000 em solo espanhol, com outros personagens, onde a principal delas é Alana, a jornalista, filha de Carmen e Teddy.
Alana por ter presenciado o sofrimento da mãe, tem verdadeira fobia por militar, principalmente aqueles que partem em missão pelo seu país, em outros países.
E um dia em um bar, Alana (com seus amigos) acaba conhecendo Joel Parker.

Conhecer não é bem o termo, porque ela desenvolve um antagonismo gratuito por Joel, que em cada encontro saí faíscas.
E ainda se agrava mais, quando ela descobre que ele é militar. Aí ferrou tudo mesmo!
Mas já é um pouco tarde para os dois.


Joel Parker é extremamente cativante, amoroso, dedicado e não podemos esquecer o mais importante: é completamente, absurdamente delicioso!
Alana tenta exorcizar o que sente pelo “Capitão América”.
Quem vence? O medo de sofrer ou o amor?
Como terminou o romance dos pais de Alana?
Joel com seu amor vence o pavor que Alana sente pela guerra, que faz morrer o futuro dos dois?

Estória fabulosa, humana, dinâmica, real, dramática, sem deixar de ser divertido, otimista apesar de todo o infortúnio que a guerra traz.
A autora nos presenteia com várias cenas que me fizeram voltar no tempo (relacionado ao filme citado no livro) e cenas hilárias.
Parabéns Megan! Você foi felicíssima com o tema escolhido para esse romance tão marcante.
Recomendo! É um livro sofrido, divertido, com sua parte real, que é um depoimento de vida da mãe da autora, o que torna tudo ainda mais emocionante.


Por hoje é só amores.
Até a próxima. Tchau!


Título: Você se Lembra de Mim?
Autor (a): Megan Maxwell
Editora: Essência
Número de Páginas: 496