Menu

29.3.17

{Lançamentos} Março: Companhia das Letras


Companhia das Letras tem dois lançamentos incríveis no mês de março: Chimamanda Ngozi Adichie trás um guia incrível no formato de uma carta, através da qual ela ensina uma amiga em desespero a criar seus filhos dentro de uma perspectiva feminista. Li já muitas coisas boas a respeito deste livro e estou ansiosa para lê-lo!

E o segundo, Peter Gardós tem um romance inusitado, que acontece após o final da Segunda Guerra Mundial, que promete emocionar qualquer leitor! 

Sabe a dúvida quando bate? Então.

Jeito é ter os dois!


Lembrando que basta clicar no título de cada livro para ser redirecionado à pagina dedicada ao mesmo na página da editora!

Chimamanda Ngozi Adichie

Título Original: Dear Ijeawele or a Femenist Manifesto
Lançamento: 24 de fevereiro de 2017
Um texto comovente e propositivo de uma das maiores escritoras contemporâneas sobre como combater o preconceito pela educação
Após o enorme sucesso de Sejamos todos feministas, Chimamanda Ngozi Adichie retoma o tema da igualdade de gêneros neste manifesto com quinze sugestões de como criar filhos dentro de uma perspectiva feminista.
Escrito no formato de uma carta da autora a uma amiga que acaba de se tornar mãe de uma menina, Para educar crianças feministas traz conselhos simples e precisos de como oferecer uma formação igualitária a todas as crianças, o que se inicia pela justa distribuição de tarefas entre pais e mães. E é por isso que este breve manifesto pode ser lido igualmente por homens e mulheres, pais de meninas e meninos.
Partindo de sua experiência pessoal para mostrar o longo caminho que ainda temos a percorrer, Adichie oferece uma leitura essencial para quem deseja preparar seus filhos para o mundo contemporâneo e contribuir para uma sociedade mais justa.

A febre do amanhecer

Peter Gárdos

Título Original: Hajnali Láz
Lançamento: 27 de março de 2017
Uma comovente e divertida história de amor entre dois sobreviventes do holocausto baseada em fatos reais
Julho de 1945. Miklos é um jovem húngaro de 25 anos que sobreviveu ao campo de concentração e foi levado para a Suécia para recuperar a saúde. Mas logo os médicos o desenganam: ele tem os pulmões comprometidos e conta com poucos meses de vida. Miklos, porém, tem outros planos. Ele não sobreviveu à guerra para morrer num hospital. Após descobrir o nome de 117 jovens húngaras que também se encontram em recuperação na Suécia, ele escreve uma carta a cada. Uma delas, ele tem certeza, se tornará sua esposa.
Em outra parte do país, Lili lê a carta de Miklos e decide responder. Pelos próximos meses, os dois se entregam a uma correspondência divertida, inusitada, cheia de esperança. Baseado na história real dos pais do autor, A febre do amanhecer é um romance vibrante e inspirador sobre a vontade de amar e o direito de viver.

28.3.17

{Resenha} Paixões Destemidas


Oie amores! Como estão? :)
Vamos a mais uma resenha da Editora Harlequin?


Confere aí! 



Paixões Destemidas - Annie West/ Andie Brock/ Susanna Carr

Resenha

CORAÇÕES INDEPENDENTES - Annie West


Imogen Holgate acredita estar com a mesma doença terminal que levou sua mãe. Então, decide gastar todas as suas economias em uma viagem ao redor do mundo. E ao conhecer o sensual Thierry Girard, ela não hesita em se entregar a esse sensual parisiense. Porém, o romance de duas semanas resulta em uma gravidez inesperada. E Thierry acaba de pedi-la em casamento!”


Imogen acaba de perder sua mãe, após quatro meses de sofrimento e como se não bastasse a falta e a dor que lhe contrai o coração, ela precisa fazer alguns exames, pois estava com os mesmos sintomas que vitimaram sua mãe e que também estavam preocupando seu medico.

Enquanto aguardava o resultado dos exames na sala do médico, ela pensou o que viria depois e recusando-se a passar os seus últimos dias num hospital, sai sem falar com ninguém e resolveu gastar todas as suas economias e escolheu Paris, sem cautela e sem juízo, para viver o que lhe restasse.
Em Paris ela encontra-se com o francês Thierry e é paixão a primeira vista.

Engataram um romance tórrido, sem nenhuma esperança de compromisso, só, tão somente só, viver até onde desse.
Mas o tempo previsto passou e Imogen volta para encarar sua sorte, só o que ela não contava e que encontraria “alguém” pequenininho e crescendo, sem se importar se haveria futuro ou não.
Como o futuro de Imogen era limitado, ela procurou por Thierry e pede que tome conta do bebe quando nascer.
Mas Thierry tem outra reação, e não aceita assim tão fácil terá que ser do jeito dele.

Uma ótima estória, com um aspecto humano/maternal de que só as mães são capazes. Vale a pena ler, para ver o desenrolar desse casal. Adorei!



CAMINHOS PARA O PERDÃO - Andie Brock


Orlando Cassano adora sua vida de solteiro. Ele trabalha duro
e se rende ao prazer sempre que deseja. Até sua amante, a CEO Isobel Spicer, revelar estar grávida! Orlando pode não ter tido uma figura paterna em sua vida, mas estará presente na vida do filho. Contudo, para convencer a independente Isobel a subir ao altar, ele precisará usar muito mais do que seu poder de sedução…”


Depois que Isobel se certifica que está grávida, ela é uma empresária precisando de um empréstimo da empresa de Orlando, um italiano muito bem sucedido, frio, sério, sexy e com um grande trauma de infância.
Mas para conseguir essa parceria, ela teria que ir até a Ilha Jacamar e lá acontecem coisas que marcariam para sempre tanto Isobel como Orlando.

Ambos muito bem sucedidos na vida se veem envolvido com um filho, que não dá pra descartar.
Isobel quer o filho e sem parceria. Orlando jamais deixaria um filho seu com um complemento tão feio: bastando, como ele foi por bastante tempo.
Apesar da sua paternidade, tenha se legitimado Orlando não esquece o que ele e a mãe passaram.
Jamais um filho seu sentirá na alma aquele rotulo: Bastardo.
E como ambos têm personalidades fortes, o embate será acirrado e que ganhe o mais sábio.

É uma ótima estória, com uma criança chegando para mudar posições, sentimentos.
Orlando precisava desse grande “presente”, para amenizar o passado, poder fazer diferente e Isobel é a mulher/mãe perfeita para ele. Alma gêmea, embora ele custe a descobrir.
Adorei! Adoro “argumentos” de grávidas.


SENTIMENTOS PROIBIDOS - Susanna Carr


Stergios não via Jodie Little desde a noite em que cederam à atração proibida que sentiam. Mas agora ela está de volta, querendo consertar os erros do passado. Jodie não tinha a intenção de se envolver com ele outra vez. Porém, logo percebem que seria impossível resistir a essa paixão. Uma última noite deveria ser suficiente para saciarem o desejo. Contudo, ao ir embora, Jodie carrega muito mais do que apenas lembranças escaldantes…"


Jodie é uma dessas crianças que, a mãe aos seis anos a despacha para um internato/escola.
Ela resolve chamar a atenção da família se comportando como uma estorvada, uma leviana. Mas Jodie só quer uma família, um espaço aonde se encostar.
Seu pai se casa com uma mulher rica e poderosa, ele é egoísta e só pensa no bem estar dele.
E aos dezoito anos, morando na casa da nova mulher de seu pai, na adega da casa, Jodie e Dimos estavam despreocupados e sem envolvimentos maiores, quando Stergios filho da dona da casa e primo de Dimos, despacha o primo, toma o lugar dele, sem se preocupar que está machucando e acabando com a moral de uma jovem sem experiência.
Aos olhos dos de fora Dimos ficou como o vilão e o vilão de verdade foge, por medo e covardia.
Jodie não apontou nem para A nem B. guardou com ela a experiência.

Mas aos vinte e três anos, Jodie toma outra atitude, volta para ter uma família, mas ninguém a quer.
Recebe após a morte de sua mãe, uma grande herança e a coisa muda de figura.
Ela faz Stergios dançar a música dela, é claro, que ele “entremeia” a sua própria música também.
Os dois são duas forças da natureza e entram em choque continuamente.
É maravilhoso ver esse combate. E que vença o mais obstinado.

Ótima estória, principalmente quando Stergios descobre que Jodie está grávida...
Aí quem ler não se arrepende, é muito boa essa estória.


Depois de uma explosão de 3 estórias de grávidas pra uma leitora que simplesmente A-M-A esse gênero, é demais pro coração. Só felicidade!


Até a próxima amores. Beijinhos.

Título: Paixões Destemidas
Autor (a): Annie West/ Andie Brock/ Susanna Carr
Editora: Harlequin
Número de Páginas: 480

27.3.17

{Lançamentos} Março: Suma de Letras


Os lançamentos de Março da Editora Suma de Letras estão com tudo esse mês! Tem o nosso mestre do terror, Stephen King, com a reunião de vários de seus contos!

E temos também uma fantasia aguardadíssima, de Erika Johansen! Qual será sua escolha?

Clicando nos títulos, você será redirecionado à página da editora!

Eu abraço os dois!


A rainha de Tearling

A rainha de Tearling ##1)
Erika Johansen

Título Original: The queen of Tearling
Lançamento: 7 de fevereiro de 2017
“Pode chamar este livro de Jogos vorazes dos tronos. A história de Erika Johansen é uma mistura de fantasia medieval e distopia... Uma aventura divertida e viciante.” – USA Today
Quando a rainha Elyssa morre, a princesa Kelsea é levada para um esconderijo, onde é criada em uma cabana isolada, longe das confusões políticas e da história infeliz de Tearling, o reino que está destinada a governar.
Dezenove anos depois, os membros remanescentes da Guarda da Rainha aparecem para levar a princesa de volta ao trono – mas o que Kelsea descobre ao chegar é que a fortaleza real está cercada de inimigos e nobres corruptos que adorariam vê-la morta.
Mesmo sendo a rainha de direito e estando de posse da safira Tear – uma joia de imenso poder –, Kelsea nunca se sentiu mais insegura e despreparada para governar. Em seu desespero para conseguir justiça para um povo oprimido há décadas, ela desperta a fúria da Rainha Vermelha, uma poderosa feiticeira que comanda o reino vizinho, Mortmesne.
Mas Kelsea é determinada e se torna cada dia mais experiente em navegar as políticas perigosas da corte. Sua jornada para salvar o reino e se tornar a rainha que deseja ser está apenas começando. Muitos mistérios, intrigas e batalhas virão antes que seu governo se torne uma lenda... ou uma tragédia.

O bazar dos sonhos ruins

Stephen King

Título Original: The bazaar of bad dreams
Lançamento: 14 de março de 2017
Contos inéditos do mestre do terror, precedidos por notas íntimas do autor contando a motivação por trás de cada história
Mestre das histórias curtas, o que Stephen King oferece neste livro é uma coleção generosa de contos – muitos deles inéditos no Brasil. E, antes de cada história, o autor faz pequenos comentários autobiográficos, revelando quando, onde, por que e como veio a escrever (ou reescrever) cada uma delas.
Temas eletrizantes interligam os contos; moralidade, vida após a morte, culpa, erros que não cometeríamos se pudéssemos voltar no tempo... Muitos deles são protagonizados por personagens no fim da vida, relembrando seus crimes e pecados. Outros falam de pessoas descobrindo superpoderes – como o colunista, em “Obituários”, que consegue matar pessoas ao escrever sobre suas mortes.
Incríveis, bizarros e completamente envolventes, essas histórias formam uma das melhores obras do mestre do terror, um presente para seus Leitores Fiéis.

26.3.17

{Novidades} Parceria: Editora Angel


Adivinha quem está feliz?

Isso mesmo, nós aqui do blog!!!

Ficamos felizes em anunciar que... SOMOS PARCEIRAS DA EDITORA ANGEL, ÊÊÊÊÊ!!!

Já conhecem a editora? Especialista em romances de afogar nosso coração de tanto amor?
"A leitura é uma atividade que nos transporta por mundos e emoções inimagináveis. Cada vez mais, diversas pessoas no mundo todo se entregam ao prazer proporcionado por um livro.
Em maio de 2014, duas amigas, apaixonadas pela leitura, criaram um grande vínculo de amizade. Tendo em vista os interesses profissionais, decidiram ser sócias em um projeto ousado: uma editora.
O Brasil é um país incrivelmente rico, com culturas, influências e tendências diversas. Contudo, para quem sonha em um dia ver seu trabalho publicado, o caminho pode ser bem árduo.
É enorme o número de talentos que ainda não tiveram a chance de serem reconhecidos. Pensando nisso, a Editora Angel nasceu com o objetivo de proporcionar leitura de qualidade, respeitando a diversidade de gêneros literários, a fim de atingir um público realmente diversificado, construindo uma parceria com autores nacionais que queiram investir na carreira de escritor.
Apesar de jovem no mercado, a editora tenta trabalhar para construir um nome sólido no mercado literário brasileiro.
Acreditamos no potencial de cada autor que está determinado a construir seus sonhos e tentamos ajuda-los a transformar estes sonhos em realidade.
Se você é autor, venha conhecer um pouco mais de nosso trabalho. Quem sabe não desejará fazer parte desta equipe?
Se você é leitor, agradecemos o apoio, compreensão e incentivo diários. Estamos nos esforçando para oferecer um serviço cada vez melhor, do jeito que vocês merecem!"

Sentiu a firmeza e a responsa dessa editora?  São muito atenciosos e ofertam um trabalho de qualdiade para nossos autores nacionais! Até já surgiu por aqui uma autora publicada por essa editora a Vânia Freire!

A lista de gêneros publicados pela editora é diversa: tem romance, tem fantasia, tem hot (ui!), ficção científica... Em suma: tem para todos os gostos!

Confiram alguns dos títulos!


Mas recomendo altamente visitarem a loja, aqui. Tem muiiiitos livros lá!

Conheça o site da editora: Editora Angel

Redes sociais: Instagram|| Facebook || Twitter

Sigam a editora em suas redes sociais e fique por dentro de todos os lançamentos!

Nós estamos honradas pela confiança e parceria da Editora Angel!


25.3.17

{O menino que vê filmes} Grandes Personalidades do Cinema

Woody Allen

Introdução

Oi gente! EU JUROO que tentei ir assistir A Bela e A Fera. Deixei passar uns dias pra fugir de filas... Não adiantou nada! Cheguei no shopping essa semana com uma certa antecedência e vi a fila dando voltas e mais voltas. Não encarei não... Vocês me perdoam? Bom, se é que tinha alguém esperando resenha desse filme, estou apenas supondo, a julgar pela expectativa e pelo tamanho da fila hehehe...

Por outro lado, resolvi atender ao pedido da minha amiga muito querida, Mary Ferraz, que por sinal é fã do trabalho de Woody Allen, fazendo um pequeno resumo aqui da sua vida e obra. 


Não há como falar de cinema sem pincelar a obra de alguns cineastas/diretores/roteiristas. Woody Allen certamente está entre eles!

Adianto desde já que vou evitar entrar na área pessoal da vida de Woody Allen, que é permeada por polêmicas. Meu objetivo aqui é focar na obra deste grande profissional da sétima arte.

Espero que gostem!

Sobre Woody

Nascido Allan Stewart Königsberg, Woody Allen é um nova-iorquino que começou sua carreira escrevendo roteiros para a TV e, eventualmente, realizando trabalhos de stand-up comedy, tendo sido um dos precursores deste estilo de apresentação humorística.

Algum tempo depois, Allen passou a roteirizar filmes para o cinema, inicialmente no estilo pastelão, atuando em alguns deles. Curiosamente, embora tenha interpretado diversos personagens ao longo dos anos, a personalidade dos mesmos é extremamente parecida: um intelectual neurótico com pouca ou nenhuma habilidade para o convívio social. Atrapalhados e irritadiços, os personagens criados e interpretados por Allen resumem o estilo de comédia que o consagrou: o stand-up. 

Em outras palavras, nos longas em que Allen participa atuando a estória baseia-se em situações em que os personagens metem-se em confusões o tempo todo. 

Já nos anos 70, influenciado pelo cinema europeu, Allen passa a produzir materiais voltados para o drama, onde mais uma vez mostraria a desenvoltura de sua mente criativa.

A cidade de Nova Iorque é o cenário da maioria dos filmes de Allen. Um fato curioso é que, embora tenha recebido diversas indicações ao Oscar, Allen nunca compareceu à premiação, tendo aberto uma exceção na cerimônia que sucedeu os ataques de 11 de setembro, quando realizou uma homenagem à sua amada cidade.

Além de cineasta, Woody Allen também é um talentoso clarinetista e amante de jazz, se apresentando eventualmente em pequenos bares de Manhattan. Ele é também o responsável pela escolha da trilha sonora de seus filmes.

A Parceria com Diane Keaton

Woody Allen sempre teve uma vida amorosa conturbada. Quando tornou-se conhecido do grande público e, já naquela época, colecionava dois divórcios.

Allen sempre se relacionou com belas as mais atrizes de sua época, dedicando a elas os papeis principais em seus filmes.

Keaton e Allen 
Foi assim com Diane Keaton, que estrelou alguns dos clássicos de Woody Allen, como os reconhecidíssimos Annie Hall e Assassinato em Manhattan.

A fracassada parceria com a DreamWorks

O Escorpião de Jade
Em meados dos anos 2000, Woody Allen fechou contrato com a DreamWorks, empresa de Steven Spielberg, dando início ao que seria considerada a pior fase de sua carreira. 

Nesse período, Allen teve participações em O Escorpião de Jade, FormiguinhaZ (???) e um dos meus filmes favoritos do diretor, Poucas e Boas.

Ao final do contrato, o próprio Woody reconheceu estes filmes como sendo os piores de sua carreira, em especial o Escorpião de Jade, onde ele teria detestado a própria atuação. Vai entender...

Filmografia

A obra completa de Woody Allen, que é super extensa, pode ser conferida aqui.

Porém, não posso deixar de citar aqui alguns dos meus preferidos (que também são muitos) hehehe...

1) Um Misterioso Assassinato em Manhattan (Manhattan Murder Mistery, 1993):




Estrelado por Diane Keaton, esta sensacional comédia conta a estória de Carol Lypton, uma mulher obcecada por descobrir a verdade sobre a morte de uma conhecida que supostamente havia sofrido um ataque cardíaco. Woody Allen interpreta Larry Lypton, um judeu nova-iorquino neurótico e fracassado, que tenta a todo custo dissuadir a esposa de sua investigação. O pano de fundo é obviamente a ilha de Manhattan e os desencontros que se sucedem são garantias de boas risadas!




2) Desconstruindo Harry (Desconstructing Harry, 1997):






Novamente, Allen encarna um personagem neurótico e com sérios problemas de relacionamento, o escritor Harry Block. Block tem por hábito misturar pequenos detalhes de sua vida pessoal em suas obras. Ocorre que essa prática acaba ocasionando divertidíssimas situações. Ri demais assistindo esse filme!






3) Poucas e Boas (Sweet and Lowdown, 1999):



O Foco de Allen aqui é o drama. Este longa narra a triste (porém comum) história de um músico de jazz chamado Emmeth Ray, que aqui é interpretado pelo fantástico Sean Penn. Embora tenha conseguido certo reconhecimento nos EUA na década de 30, Ray era refém de seu próprio estilo de vida, que envolvia cafetinagem, bebidas e gastanças vultosas de dinheiro. Embora fosse considerado um excelente guitarrista, Emmeth vivia assombrado pela técnica de seu rival, Django Reinhardt. Sua total inabilidade de se manter-se fiel no amor levou-o a cometer o que viria a ser o maior erro de sua vida. O filme se desenrola através dos relatos de diversas celebridades do mundo da música e do cinema, incluindo o próprio Woody Allen, por meio de incursões durante o filme.

4) A Rosa Púrpura do Cairo (The Purple Rose of Cairo, 1985):






Filme que pra mim está entre os clássicos dos clássicos, este arrebatador longa metragem conta a estória de Cecília (Mia Farrow), uma humilde garçonete tentando sobreviver à chamada Grande Depressão e tendo que sustentar seu marido bêbado e violento. Sonhadora, Cecília tenta esquecer seus problemas assistindo repetidas vezes à sessões de seus filmes favoritos e, durante um deles (que carrega o título do filme), ela vê o “mocinho” saltar da tela e oferecê-la outra vida. Simplesmente maravilhoso! 



Conclusão

Pra finalizar, queria ressaltar a grande importância de Woody Allen para o cinema como o conhecemos. Ele praticamente “inventou” um estilo próprio de fazer cinema, principalmente no que diz respeito à comédia. 

Ao lado de grandes nomes da sétima arte e, aquém de toda polêmica que envolve sua vida pessoal, o nome deste grande cineasta já está escrito nos anais cinematográficos da história.

Até a próxima, gente!

24.3.17

{Resenha} Teoria da Felicidade

Título Original: Hidamari ga Kikoeru
História e Arte: Yuki Fumino
Editora: Canna Comics
Gênero: Vida Escolar, Drama
Status: em andamento
Sinopse: Esse mangá é um Shounen Ai, também conhecido como BL (Boys Love), onde é retratado romance entre personagens de mesmo sexo, ou ao menos um indício de romance; um “clima” de romance; romance não explícito. Sei que não é todo mundo que se interessa ou se sente confortável com o tema, então farei sempre uma nota, avisando, se for o caso. Essa história, porém não possui (pelo menos, não até o momento) nenhuma cena explícita de sexo ou algo que indique o mesmo.


Hidamari Ga Kikoeru começa contando a história de um estudante da faculdade chamado Taichi, que está à procura de um emprego, mas não acaba encontrando muita coisa por conta do temperamento meio “esquentado” que ele tem. No caminho ele acaba conhecendo inusitadamente (o que é algo que se deve esperar sobre mangás, sempre haverá cenas inusitadas, às vezes até absurdas) Kouhei, um rapaz que freqüenta a mesma Universidade que ele. Parecendo faminto ao ver seu almoço, Kouhei o entrega seu “bento” (uma marmita, no português) sem dizer uma palavra.

É assim que acontece o primeiro encontro dos dois, ainda meio intrigado pelo rapaz que saiu sem dizer nada (e precisando devolver a vasilha do outro dia), decide perguntar aos amigos se o conhecem. E para surpresa dele descobre que Kouhei tem problemas auditivos. Taichi, então decide se voluntariar para tomar notas para ele (uma espécie de programa que a Universidade possui para ajudar os alunos com problemas auditivos. Voluntários do campus tomam notas de aulas específicas, para poder ajudar aqueles que não podem ouvir com precisão as explicações) como um agradecimento pelo almoço. Mas acabam fazendo um acordo: em troca das anotações, Kouhei o trará almoço todos os dias. 

Bom, a história se desenrola ao passo que os dois se tornam mais próximos e outros sentimentos acabam nascendo.

A história em si já me atrai bastante, sempre me interesso por mangás que abordam assuntos sérios de uma forma “séria”, ainda mais quando se tratam de BLs ou gêneros parecidos. Muitas vezes simplesmente romantizam o problema todo ou o colocam em segundo plano para fazer o romance ser o foco.

Uma coisa que eu gosto bastante nos mangás é que essas séries longas (semanais, mensais, trimestrais, etc) têm espaço maior para uma exploração mais profunda do personagem. Quando se acompanha uma série por muito tempo, é possível ver o crescimento dos personagens, o desenvolvimento dele e o desenvolvimento do relacionamento dele com outros personagens. E é algo satisfatório, eu diria, algo prazeroso de se ver.

No caso da Teoria da Felicidade, o que me atraiu primeiramente foram os traços. Ele possui um traço meio delicado, mas ainda assim muito bem feito. Os efeitos também são lindos e transmitem bem a história. E o que me fez me apaixonar foram os personagens.

Taichi tem jeito de “personagem clássico de mangá”, um rapaz que adora falar alto, ele come demais e se irrita facilmente. Mas não é apenas isso, ele costuma se irritar por boas causas. Sempre é o primeiro a se levantar em nome de um amigo, luta pelo que acredita e sempre tenta ajudar, se estiver ao seu alcance. E é exatamente esse ponto que o leva ao seu crescimento ao longo da história (ou ao menos o seu caminho até esse amadurecimento). É do tipo direto, energético, às vezes até cansativo. Mas é o que atrai nele, essa bondade sem pedir nada em troca.

Kouhei é um rapaz gentil por natureza e justamente por conta de sua gentileza ele acaba se afastando das pessoas quando perde sua audição, não confiando nelas, ele cria um muro entre eles. 
“Do outro lado da cortina, não há lugar ao qual eu pertença...”
Ele diz que não pensa em si mesmo como alguém que deveriam sentir pena, por isso não gosta dos olhares das pessoas sobre si e por ser difícil “acompanhar” conversas e se manter a par de tudo ao seu redor, ele passa a andar só. 

Por possuir muitas inseguranças em relação às pessoas em geral, ele vê Taichi como uma pessoa com quem está fazendo “negócios”. 
“Ele está apenas andando comigo por causa dos benefícios. Se não fosse por isso, não haveria razão para ele estar comigo.”
Embora no fundo ele provavelmente saiba que Taichi não seja assim, ele ainda sente medo, pois já sofreu com experiências do passado.

O desenvolvimento deles e do enredo em si ocorre quando ambos passam a se ver de forma diferente e aprender com a própria relação. Mas claro que nada é um mar de flores, há intrigas, ciúmes e desentendimentos entre os dois também.

Quando Kouhei percebe que seus sentimentos por Taichi são mais do que deveriam ser, ele passa a enfrentar outras inseguranças e medos. Enquanto que Taichi, apesar de parecer um personagem “centrado” e “resolvido” em maior parte, no início da história, começa a pensar seriamente e de forma verdadeira sobre o que fará na vida, visando Kouhei em primeiro lugar. Sendo algo inconsciente ou não, a vida dos dois mudou por conta da presença do outro. É assim que eles começam a crescer como pessoas.

A história é autêntica ao retratar os personagens como pessoas reais, com personalidades, contradições, sentimentos, inseguranças e desejos reais. É uma leitura de fácil interpretação e que flui, pois você lê de forma direta seus pensamentos e como se sentem.