Menu

20.4.18

{Evento} Flipoços 2018!

Então, como as amantes de livros que somos, não poderíamos deixar de participar por mais um ano do Flipoços!

É sempre um prazer enorme para nós prestigiar este evento, uma vez que cada vez mais ele se torna referência literária, alcançando fama internacional!


Estivemos eu e Amanda presentes na abertura, realizada dia 19 de abril de 2018 no Museu Histórico e Geográfio aqui da cidade, onde a anfitriã Gisele nos contou todos os detalhes da feira do livro e sobre as palestras e cursos. São diversos eventos espalhados por diversos locais do município de Poços de Caldas, atividades entre palestras, cursos e lançamentos de livros, com temáticas voltadas para o mundo literário e cultura. Por exemplo, tem cursos gastronomicos, cursos de artes, oficinas de escrita criativa. Muitas são as pessoas envolvidas e todas são apaixonadas pela leitura e pelo ensino. 

Acredito que é sempre uma experiência, um evento diferenciado de outros eventos do gênero justamente por esse caráter educativo. Temos diversos eventos pelo Brasil com stands de livros, palestras com autores... Mas acredito que nem todos tenham a possibilidade de ensinar novas habilidades a qualquer um com desejo de aprender, uma vez que todo o evento é aberto ao público, em grande parte gratuito. O que não é gratuito, o pagamento não é caro: basta doar um livro, novo ou usado. Tal pagamento posteriormente é direcionado às escolas, creches e ongs do munícipio para o estímulo de leitura. É ou não é um evento para se ter orgulho?

Também na mesma data (de ontem, hehehe) foi inaugurado o mural realizado por um artista local, o Marcelo Abuchalla. A obra foi pensada por ele para homenagear os diversos pontos turísticos da cidade, utilizando os pisos como inspiração.


O evento começará no dia 28 de abril de 2018 e irá até o dia 6 de maio de 2018. Se você passar por aqui nessa data, aproveite a cidade linda e também prestigie um dos maiores eventos literário de Minas Gerais!

Confira aqui a programação completa!


{Resenha} A mulher na janela

Título Original: The woman in the window
Autor: A. J. Finn
Editora: Arqueiro
Sinopse: Anna Fox mora sozinha na bela casa que um dia abrigou sua família feliz. Separada do marido e da filha e sofrendo de uma fobia que a mantém reclusa, ela passa os dias bebendo (muito) vinho, assistindo a filmes antigos, conversando com estranhos na internet e... espionando os vizinhos.
Quando os Russells – pai, mãe e o filho adolescente – se mudam para a casa do outro lado do parque, Anna fica obcecada por aquela família perfeita. Até que certa noite, bisbilhotando através de sua câmera, ela vê na casa deles algo que a deixa aterrorizada e faz seu mundo – e seus segredos chocantes – começar a ruir.
Mas será que o que testemunhou aconteceu mesmo? O que é realidade? O que é imaginação? Existe realmente alguém em perigo? E quem está no controle?
Neste thriller diabolicamente viciante, ninguém – e nada – é o que parece. A mulher na janela é um suspense psicológico engenhoso e comovente que remete ao melhor de Hitchcock.
Agorafobia é uma perturbação de ansiedade caracterizada por sintomas de ansiedade em situações que a pessoa percepciona como inseguras ou das quais é difícil sair. Entre estas situações estão espaços abertos, tráfego viário, centros comerciais ou simplesmente qualquer situação em que a pessoa se encontre fora do local de residência. - Wikipedia
Imagine a cena: Uma mulher em seus quase 40 anos, pálida e ligeiramente desgrenhada, com uma câmera nas mãos. Ela olha pela janela, focando sua lente em pessoas que passam pela rua. E, você, de sua casa, também a olha pela janela... E, de repente, você é o foco de interesse, a foto mais recente. 

Anna Fox é uma psicóloga, já não mais tão de sucesso - embora ela possa lhe dizer o contrário, às vezes, pois ajuda as pessoas em um fórum online com a mesma patologia que ela: agorafobia. Ela os aconselha e sente-se bem com isso, embora não consiga sequer ajudar a si mesma. Além da agorafobia, provavelmente está em depressão, pois não consegue realizar os cuidados básicos consigo mesma e tem, cada dia mais, ingerido mais álcool.

Suas únicas distrações são espionar os vizinhos, jogar xadrez online e assistir filmes em preto e branco, pelos quais é apaixonada. Realiza várias citações deles em suas conversas consigo mesma e até identifica cenas de sua vida que foram parecidas com as dos filmes, citando frases ao longo de suas conversas e pensamentos. 

Sua rotina mudou um pouco após a mudança dos novos vizinhos, os Russells. Alistair é o pai, parece ser um cara de negócios. Jane Russell é a mãe, uma pessoa calorosa e que ama o filho. Alistair é frio e distante, o marido empresário de sucesso; e Ethan é o filho adolescente que sente saudade da cidade onde vivia antes, especialmente de seus amigos. 

Após a separação, a amizade com o ex-marido continuou. Conversam todas as noites e ele lhe sugeriu há dois meses que aceitasse um inquilino para morar em seu porão, alguém que estivesse disposto a lhe ajudar na manutenção de casa. Então temos também David na história, o bonitão misterioso e solícito. 

Uma vez por semana ela conversa com seu psiquiatra e faz fisioterapia, pois sofreu um acidente há alguns meses. Ambos os atendimentos são em sua residência. Nossa protagonista não segue muito bem o tratamento, tem feito uso de álcool junto com seu medicamento e, para "ajudar", não o toma regularmente.

Um dia, após algumas taças de vinho, ela decide dar uma espiada nos vizinhos e algo a faz deixar sua casa. Como resultado, ela acaba por acordar no hospital e com policiais em seu quarto querendo saber o que aconteceu.

Mas o mais grave é: todos duvidam do que ela está dizendo. Inclusive ela mesma. Afinal, é bem possível que ela estivesse sonhando, não é?

Sua história é um mistério completo. Muitas coisas me pegaram de surpresa, outras nem tanto. Eu já imaginava como as coisas poderiam acontecer e talz... Mas numa coisa, num único detalhe, o autor conseguiu me fazer recuar de surpresa! Sério, algo que eu nunca imaginei e nem havia indícios! Fiquei boba!


Finn consegue te envolver na trama, te fazer pensar e se colocar no lugar da Anna. O que você faria se aquilo acontecesse com você? Se toda a interação social que você conseguisse ter fosse através de telefones e internet? Com todas as pessoas que você ama longe de você, todas as pessoas do local onde você mora te achando uma louca desvairada, sem nenhuma credibilidade? É muita solidão...

Só resta a Anna provar sua sanidade, embora ela não saiba como. Como sair para investigar, se sair é a parte mais difícil?

Gostei muito da escrita do autor, o modo simples de contar a história e também toda a personalidade que ele criou para a Anna. Acredito que ele precisou investigar bastante para escrever seu primeiro romance, embora... Meu eu psicóloga tenha ficado um pouquinho brava pelo desvio na ética da profissão. Você não pode dar consultas online sem o devido registro e preparo e muito menos em um fórum. Muito menos quando você mesma não está seguindo seu próprio tratamento e enganando a si mesma e aqueles que acreditam em suas capacidades. 

A capa traz a lembrança da cortina em relevo na janela e alguém espiando através dela. A diagramação é simples, páginas amareladas. Qualidade Arqueiro, como sempre. 

Como já disse, temos no decorrer do livro várias indicações de filmes noir e em preto e branco, Anna os recomenda!

A mulher na janela é um livro imperdível para os amantes do suspense, que te mantém espiando através do véu da janela o tempo todo. 

A Editora Arqueiro preparou um site de apresenação, cliquem para conhecer bem aqui.

19.4.18

{Resenha} Os Quase Completos

 
Título: Os Quase Completos
Autor: Felippe Barbosa
Editora: Arqueiro
Sinopse: O Quase Doutor é um renomado cardiologista que passa os dias em um hospital, mas no fundo é um artista frustrado. A Quase Viúva é uma professora que está de licença do trabalho para ficar com o noivo, em coma após um grave acidente. O Quase Repórter é um jornalista decepcionado com a profissão que sofre há mais de um ano pelo suicídio da esposa. A princípio, a única coisa que essas pessoas têm em comum é a sensação de incompletude e de desilusão com a vida.
Até que, um dia, o Quase Doutor é persuadido por um velho desconhecido a embarcar com ele em um ônibus rumo a uma jornada para se reconciliar com seu passado. Logo a viagem se transforma em uma aventura extraordinária e, em meio a fenômenos como uma chuva de estrelas cadentes, ele precisa fazer escolhas que mudarão seu destino para sempre.
Enquanto isso, eventos misteriosos levam a Quase Viúva a suspeitar que alguém dentro do hospital quer matar seu noivo e uma pesquisa minuciosa do Quase Repórter revela que sua esposa pode ter sido assassinada. Quando os dois tentam descobrir a verdade sobre seus amados, tudo leva a crer que a resposta está dentro do ônibus do Quase Doutor.
Reunidos num lugar que nunca imaginaram existir, os três serão forçados a enfrentar seus maiores medos e verão que, para se tornarem completos, precisarão encarar a batalha mais difícil de todas: aquela que travamos com nós mesmos.

Logo que vi esse livro me senti atraída instantaneamente, fosse pela linda capa, fosse pelo título. O fato é que me identifiquei logo de cara. Por muitas vezes na minha vida me senti uma "Quase", posso até dizer que já me descrevi de tal forma em algum texto pessoal ou até mesmo no meu diário. Poder ler uma história sobre "Quases" me foi uma experiência muito satisfatória, com toda certeza.

Comecei a leitura um pouco devagar e a princípio me senti meio perdida com o Quase Doutor me dando tantos nomes e informações de uma vez, mas aos poucos fui me habituando à narração conforme lembranças de sua vida surgiam em meio aos seus capítulos.
Estes se intercalavam com a narração da Quase Viúva e do Quase Repórter, que contam suas vidas com seus amados, ou melhor, a melancolia e a depressão que passam por conta destes.

A Quase Viúva, Verônica, passa seus dias no hospital, esperando que seu noivo desperte do coma, causado por conta de um acidente, semanas antes de seu casamento. Ela se lamenta pela situação e pela sua monotonia entre as paredes com cheiro desagradável. Na verdade, ela se lamenta tanto de sua própria vida que chega a ficar furiosa consigo mesma e os demais a sua volta por causa de seu egoísmo. Pra ser totalmente honesta, um dos motivos do meu começo lento na história foi por conta dessa mulher... Eu a detestava! Ficava se lamentando e logo em seguida se corrigindo por estar se sentindo de tal forma quando seu noivo está em uma situação pior. Se estressava por várias coisas... e em seguida se irritava consigo mesma por estar estressada! Era cansativo e irritante vê-la explodir com pessoas sem nenhum motivo. Mas aos poucos aprendi a gostar dela, tanto, aliás, que virou uma das minhas preferidas ao fim do livro.
Devo dizer que gostei mesmo foi da amizade que surgiu entre ela e o médico de seu noivo, Doutor Carlos. Eu até esperei que algo a mais acontecesse entre os dois, embora houvesse o acamado noivo na história, mas ao mesmo tempo, fiquei satisfeita com a amizade verdadeira dos dois. Em diversos momentos, Carlos confortou Verônica e até mesmo a fez não odiar tanto hospitais, quanto ela costumava.

Quanto ao Quase Repórter, Victor, vive sua vida em melancolia e indignação, após o suicídio de sua esposa no ano anterior, tendo a convicção de que tudo não passara de um homicídio. Coletando o que podia de informações de casos semelhantes e um ódio crescente pela polícia que encerrara o caso sem investigações detalhadas, ele vai atrás de encontrar qualquer coisa que possa provar sua teoria. E a principal pista vem justamente de uma policial, sua amiga de anos, que o entrega fotos da perícia, onde brilhos fosforescentes de uma substância desconhecida se encontra em suas roupas, e ao que tudo indica, também em seu sangue. Fazendo-os acreditar que Celina poderia ter sido drogada.

Enquanto isso, o Quase Doutor embarca em uma viagem surreal, onde encontra uma versão fantasiosa da vida que tanto sonhou. Desde pomares mágicos e um cão-foca que pintara quando criança, à relacionamentos há tanto tempo acabados, de volta a paixões intensas, ele se vê maravilhado e confuso. E é justamente essa confusão toda que o faz repensar sua vida. Estaria mesmo ele feliz com seu relacionamento, sua profissão? É justamente esse o sentido de toda jornada, se encontrar. Abraçar aquilo que o preenche. Se tornar completo.
- Acontece que você não está feliz - repetiu ele. - É isso que peço que entenda de uma vez. Isso não é felicidade. Você está puramente iludido. Apegado a uma alternativa que parece mais simples. Um caminho que parece mais fácil. Mas a estrada mais curta nem sempre o leva ao caminho correto.
Por toda sua vida, o Quase Doutor sempre ouviu o que aqueles que amava tinham a dizer a respeito de si mesmo. Deixando suas escolhas para o que fosse mais sensato. Fosse o relacionamento com a amiga de anos, que tanto combinava com ele, fosse a profissão de médico que os pais sempre sonharam em ver os filhos exercendo. E foi com a pressão e a insistência do que parecia correto, que ele aos poucos foi deixando de ser o que era de verdade: um pintor. Um artista. Cedeu ao Quase e no Quase ele se perdeu.
- Nunca se limite ao "quase". Não há nada mais depressivo do que beirar um sonho e jamais tentar alcançá-lo. A arte é o que te completa. O que te preenche. Isso quer dizer que, se você escolher ser um "quase artista", você será sempre um "quase completo". E sendo um "quase completo", você será sempre um quase feliz.
Bom, me limitei a contar demais a história, pois acho que certas coisas são bem mais prazerosas se descobrir conforme a leitura prossegue. Embora eu tenha começado de forma lenta, as coisas pelo Oitavo Reino, onde o Quase Doutor se encontra acabaram intensificando bastante a narrativa, o que fez crescer uma empolgação enorme do meio pro fim. E devo dizer que fiquei muito satisfeita com acabou. Tendo minhas suposições corretas em sua maioria e claro, um final digno. Com a narrativa do Quase Doutor nos dando uma boa descrição de sua vida em alguns anos, quase como a narração da conclusão de algum filme ou seriado, o que gostei bastante.
Além disso, o livro acaba com um Epílogo, onde nos conta sobre o Quase Repórter, que acaba embarcando no mesmo ônibus, o que me leva a pensar que talvez haja uma continuação, ou ao menos um livro sobre sua jornada, o que eu acho que seria bem interessante, poder explorar mais os demais personagens.

Por fim, acho que o livro foi uma experiência completamente diferente do que eu esperava, porém maravilhosa. Me vi em muitos dos personagens e em diversos momentos seus trechos e diálogos me fizeram refletir sobre minha própria vida e acima de tudo sobre o que é felicidade. Recomendo de coração para todos que já se sentiram um "Quase" e qualquer um que esteja afim de ler uma aventura fantástica com uma boa dose de lição de vida.

- Por mais que sejamos plenos, seremos sempre humanos. E na humanidade resta sempre a dúvida. Minha felicidade, ainda que inabalável, era assim atormentada, vez ou outra, por uma centelha de interrogação, uma apreensão, para me certificar de que eu realmente havia conquistado tudo aquilo que me prometera a mim mesmo.

18.4.18

{Lançamentos} Abril: Grupo Autêntica


Não contei para vocês, mas somos parceiros do Grupo Autêntica! Minha felicidade foi enorme, tão enorme que eu nem estava acreditando, huahuhauha!

Então já vamos começar essa parceria (mentira, já saiu resenhas da editora aqui!) mostrando os lançamentos do mês de Abril!

Sob águas escuras

Robert Bryndza

Páginas: 336
Título original: Dark Water
Área temática: Ficção
Mês/Ano de publicação: 03/2018
Quando a Detetive Erika Foster vasculha, com sua equipe, um lago artificial nos arredores de Londres em busca de uma valiosa pista de um caso de narcóticos, ela encontra muito mais do que eles estavam procurando.
Do fundo do lago são recuperados dois pacotes: um deles contém 4 milhões de libras em heroína. O outro… o esqueleto de uma criança.
Os restos mortais são de Jessica Collins, uma garota desaparecida há 26 anos e que foi a principal manchete de todos os noticiários da época.
Erika, então, precisa revirar o passado e desenterrar os traumas da família Collins para descobrir mais sobre o trabalho de Amanda Baker, a detetive original do caso – uma mulher torturada pelo seu fracasso na busca por Jessica.
Muitos mistérios envolvem esse crime, e alguém que não quer que o caso seja resolvido fará de tudo para impedir que Erika Foster descubra a verdade.
O autor de A garota no gelo e Uma sombra na escuridão nos presenteia com outra eletrizante aventura da Detetive Erika Foster.

Na cozinha com Carolina 2

Carolina Ferraz

Páginas: 256
Área temática: Culinária/Turismo
Mês/Ano de publicação: 04/2018
Todo mundo conhece Carolina Ferraz. Sua paixão pela vida está em tudo o que faz e, mais uma vez, ela nos presenteia com um novo livro maravilhoso.
Com uma seleção de drinques, saladas, sopas, pratos vegetarianos, entre outros, Na Cozinha com Carolina 2 vem recheado de deliciosas receitas.
Tudo reunido para você!

O livro do bem: Gratidão

Ariane Freitas & Jessica Grecco

Páginas: 224
Área temática: Comportamento, Não FicçãoMês/Ano de publicação: 04/2018
Este é um livro especial, porque é sobre uma prática que vai mudar sua vida: a gratidão. É oportunidade de aprender a se conectar melhor com o mundo exterior e desenvolver sua atenção e sua respiração para que sua vida se torne mais leve. É, também, a chance de olhar com mais carinho para os momentos da sua vida e perceber o quanto ela é incrível – ainda que você, muitas vezes, deixe isso passar batido.
Este é um livro sobre tudo o que você sente e como reage a cada acontecimento vivido. E ele só estará pronto quando você preenchê-lo com sua rotina e as suas verdades. Será que você tem vivenciado a gratidão – não a palavra bonita, conhecida e adorada por tantas pessoas –, o sentimento real? Venha descobrir com a gente!
E fica aqui um convite: fotografe e publique tudo o que você fizer neste livro nas redes sociais com a tag #LivroDoBem. Porque tudo o que é do bem merece ser compartilhado!

John Lewis, Andrew Aydin, Nate Powell

Páginas: 128
Título original: March Book One
Área temática: Graphic novels
Mês/Ano de publicação: 04/2018
O parlamentar John Lewis é um ícone nos Estados Unidos e uma das principais figuras do movimento pelos direitos civis. Seu comprometimento com a justiça e a não violência o levou de uma pequena fazenda no Alabama para os corredores do Congresso norte-americano; de uma sala de aula segregada para a Marcha em Washington; dos ataques da polícia ao recebimento da Medalha Presidencial da Liberdade pelas mãos do primeiro presidente negro dos Estados Unidos.
A Marcha retrata a longa batalha de Lewis pelos direitos humanos e civis, seu encontro com Martin Luther King Jr. e a luta para dar fim às políticas de segregação no país.

1968: Quando a Terra tremeu

Roberto Sander

Páginas: 304
Área temática: História
Mês/Ano de publicação: 04/2018
MEIO SÉCULO DEPOIS, AINDA SENTIMOS OS EFEITOS DO “ANO QUE NÃO TERMINOU”
1968 é um ano-chave para a história mundial e brasileira, repleto de episódios emblemáticos, como o Maio Francês e a Primavera de Praga, na Europa, e a Passeata dos Cem Mil e a imposição do temido AI-5, num Brasil subjugado pelo regime militar. A abordagem do jornalista Roberto Sander neste livro, contudo, não se limita aos acontecimentos políticos que tão profundamente marcaram o período.
O painel de 1968 construído aqui é completamente novo. A narrativa avança mês a mês, tratando dos mais variados assuntos. O leitor é levado ora para a Guerra do Vietnã, ora para a primeira visita ao Brasil de um arredio Mick Jagger; para a África do Sul, em pleno Apartheid, onde acontecia o primeiro transplante de coração bem-sucedido do mundo; para Havana, onde Fidel Castro fazia um expurgo no Partido Comunista cubano; e para as viagens espaciais que preparavam a chegada do homem à Lua.
Em 1968 – Quando a Terra tremeu, Roberto Sander explora histórias saborosas e surpreendentes sobre ciência, moda, comportamento, esporte e cultura em geral, daquele que foi um ano ainda mais complexo, assombroso e sedutor do que se sabe.

Bibliotecas no mundo antigo

Lionel Casson

Páginas: 208
Título original: Libraries in the Ancient World
Mês/Ano de publicação: 04/2018
Esta deliciosa obra conta a história das bibliotecas antigas desde suas origens, quando “livros” eram tábuas de cerâmica e a escrita, um fenômeno novo.
O renomado estudioso clássico Lionel Casson nos conduz em uma animada viagem, partindo das bibliotecas reais do Antigo Oriente, passando pelas bibliotecas públicas e privadas da Grécia e de Roma, até as primeiras bibliotecas monásticas cristãs.
Casson traça o desenvolvimento das construções, os sistemas, acervos e patronos das bibliotecas, considerando questões de uma ampla variedade de tópicos, como: quem contribuiu para o desenvolvimento das bibliotecas públicas, especialmente a grande Biblioteca de Alexandria? O que as bibliotecas antigas incluíam em seu acervo? Como bibliotecas antigas adquiriam livros? Qual era a natureza das publicações no mundo greco-romano? Como o cristianismo transformou a natureza dos acervos bibliotecários?
Assim como uma biblioteca recompensa quem a explora com tesouros inesperados, este interessante livro oferece a seus leitores a história surpreendente da ascensão e do desenvolvimento de bibliotecas antigas – uma história fascinante que nunca foi contada antes.

Os Sonhos de Mateus: Aventuras e desventuras de um empreendedor no universo das startups

João Bonomo

Páginas: 288
Mês/Ano de publicação: 04/2018
Já pensou em empreender? E em ter sua própria startup?
Essas e outras questões afligem milhares de jovens que estão ingressando na vida adulta e se vendo diante de dilemas até então distantes do seu cotidiano. Com a conclusão do ensino médio e o ingresso na universidade, a busca por uma carreira que concilie qualidade de vida e sucesso profissional é permeada por dúvidas, prazeres, dores, sucessos e fracassos. É um momento de escolhas difíceis, que terão impacto por toda uma vida. É também um período de fortes emoções nas relações familiares, amizades, amores e novos meios sociais que o jovem passa a frequentar.
Em Os sonhos de Mateus, uma ficção sobre empreendedorismo, esses e outros ingredientes se juntam para apresentar aos jovens um dos caminhos possíveis para a busca da autorrealização na vida e no trabalho: o empreendedorismo.
Ambientado no universo das startups – empresas de base tecnológica fundadas e dirigidas por jovens empreendedores –, Os sonhos de Mateus conta a jornada de um jovem como qualquer outro, que se vê diante de escolhas complexas como carreira, independência financeira e a busca da própria identidade.
De forma leve e didática, os conceitos, processos e atitudes para se empreender são tratados ao longo do livro nas passagens de Mateus e nas suas relações com familiares, amigos, colegas de faculdade, de trabalho, enfim, no seu dia a dia. Os sonhos de Mateus também mostra os dois lados do empreendedorismo: os sucessos e fracassos, as aventuras e desventuras. É um livro esclarecedor, que desmitifica a figura do empreendedor.
O livro faz com que os jovens se identifiquem com Mateus, levando-os a conhecer e refletir sobre a questão do empreendedorismo e a encontrar o “Mateus” que existe em cada um de nós.

Patologias do social

Arqueologias do sofrimento psíquico
Vladimir Safatle, Nelson da Silva Junior, Christian Dunker (Organização)

Páginas: 352
Área temática: Ciências Sociais, Filosofia, Psicologia | Psicanálise | Psicossociologia | Saúde
Mês/Ano de publicação: 04/2018
Neste livro, que resume e abarca quase dez anos de pesquisas do Laboratório de Teoria Social, Filosofia e Psicanálise da Universidade de São Paulo, propomos uma arqueologia e uma genealogia dos principais quadros consolidados pela história recente da psicopatologia. Partimos da desconstrução da racionalidade diagnóstica hegemônica para recuperar as implicações filosóficas de nossas modalidades de mal-estar. O retorno aos fundamentos da psicopatologia por meio do conceito central de alienação, a revisão crítica da antropologia estruturalista, bem como a reconstrução da teoria do reconhecimento – levada a cabo pela tradição crítica –, informaram nosso método de investigação.

A escrava Isaura

Bernardo Guimarães

Páginas: 176
Área temática: Clássicos Infantis e Juvenis • Autêntica infantil e juvenil
Mês/Ano de publicação: 04/2018
Escrava de pele branca, a linda e doce Isaura foi criada e educada como filha na família a que pertencia. Durante muito tempo, foi a protegida da matriarca, que prometeu que, após sua morte, a moça seria liberta. Entretanto, esse desejo não foi atendido pelo filho e herdeiro da família, e Isaura se tornou propriedade de Leôncio, um jovem sem caráter que, mesmo casado, se interessava obsessivamente por ela.
Para afastá-la do assédio de Leôncio e de outros homens da fazenda, o pai da moça, Miguel, um homem livre, tenta comprar a filha, mas não consegue. Decide então fugir com a moça para o nordeste do país. Os dois se instalam em Recife e adotam novos nomes. Lá, Isaura conhece Álvaro, rapaz rico, estudante, por quem se apaixona e é correspondida. Ele fica sabendo que ela é uma escrava fugida, mas não deixa de amá-la.
Tendo sido descoberta e recapturada, Isaura volta para a fazenda de Leôncio, que a submete a castigos e humilhações porque não cede a suas investidas. Enquanto isso, Álvaro, que não desiste de sua amada, vai fazer de tudo para ficarem juntos.
Publicado pela primeira vez em 1875, esse romance é considerado um marco na literatura abolicionista brasileira.
Alguns desses lançamentos serão resenhados aqui no blog, ansiosamente huahuahuha! Qual desses vocês gostariam de ler? Deixe aí nos comentários!

16.4.18

{Lançamentos} Abril: Companhia das Letras

E ai pessoal?

Ansiosos para conhecerem os lançamentos da Companhia das Letras deste mês?

Já vou adiantando que eu quero vários deles, especialmente o novo da Ava Dellaira! <3 Amo demais a escrita dessa autora! E vários deles serã resenhados aqui no blog, então fique atento!

Aos dezessete anos

Ava Dellaira

Título original: IN SEARCH OF US
Páginas: 448
Lançamento: 29/03/2018
Em seu novo romance arrebatador, a autora de Cartas de amor aos mortos apresenta uma mãe e uma filha que precisam compreender o passado para poder seguir em frente.
Quando tinha dezessete anos, Marilyn viveu um amor intenso, mas acabou seguindo seu próprio caminho e criando uma filha sozinha. Angie, por sua vez, é mestiça e sempre quis saber mais sobre a família do pai e sua ascendência negra, mas tudo o que sua mãe contou foi que ele morreu num acidente de carro antes de ela nascer.
Quando Angie descobre indícios de que seu pai pode estar vivo, ela viaja para Los Angeles atrás de seu paradeiro, acompanhada de seu ex-namorado, Sam. Em sua busca, Angie vai descobrir mais sobre sua mãe, sobre o que aconteceu com seu pai e, principalmente, sobre si mesma.

A caçadora de dragões

Iskari #1
Kristen Ciccarelli

Título original: THE LAST NAMSARA
Páginas: 408
Lançamento: 04/04/2018
Primeiro volume de uma trilogia fantástica, em que dragões e humanos estão em guerra — e cabe a uma garota matar todos eles.
Quando era criança, Asha, a filha do rei de Firgaard, era atormentada por sucessivos pesadelos. Para ajudá-la, a única solução que sua mãe encontrou foi lhe contar histórias antigas, que muitos temiam ser capazes de atrair dragões, os maiores inimigos do reino. Envolvida pelos contos, a pequena Asha acabou despertando Kozu, o mais feroz de todos os dragões, que queimou a cidade e matou milhares de pessoas — um peso que a garota ainda carrega nas costas.
Agora, aos dezessete anos, ela se tornou uma caçadora de dragões temida por todos. Quando recebe de seu pai a missão de matar Kozu, Asha vê uma oportunidade de se redimir frente a seu povo. Mas a garota não vai conseguir concluir a tarefa sem antes descobrir a verdade sobre si mesma — e perceber que mesmo as pessoas destinadas à maldade podem mudar o próprio destino.

Lincoln no limbo

George Saunders

Título original: LINCOLN IN THE BARDO
Lançamento: 26/03/2018
Ganhador do prestigioso Man Booker Prize 2017, Lincoln no limbo é uma narrativa original e emocionante. Em 1862, em meio à Guerra Civil Americana, morre, aos onze anos de idade, Willie Lincoln, filho do lendário presidente Abraham Lincoln. A tragédia leva a um luto desesperado o homem que daria fim à escravidão nos Estados Unidos.
Com a morte do filho ainda na infância, Abraham Lincoln, o presidente mais importante da história da democracia, vê seu mundo desmoronar. Em plena Guerra Civil, Lincoln esquece o país em conflito para lamentar, no limite da loucura, a morte do filho. Noite após noite, dirige-se à capela do cemitério para abraçar o cadáver do jovem Willie.
A partir desse acontecimento histórico, o escritor George Saunders rejeita as convenções literárias realistas e compõe uma narrativa passada no além — no limbo do título, ou melhor, no “bardo” do budismo tibetano, o estágio intermediário entre a morte e o renascimento. Lá, acompanhamos a jornada do jovem Willie, incapaz de aceitar que está morto. Um romance surpreendente, que reinventa o gênero de forma radical.
Alternando registro metafísico e documentos históricos e sem medo de abraçar o experimentalismo, Saunders coloca em movimento questões existenciais, históricas e políticas e cria uma obra absolutamente única no cenário contemporâneo.
“Nunca antes eu havia lido um romance desse jeito, em permanente estado de eletrização, com os olhos marejados e um nó na garganta do começo ao fim. Lincoln no limbo não dá trégua ao encanto do leitor. Uma preciosidade.” — Bernardo Carvalho
“Um livro que transforma a literatura tal como a conhecemos, que modifica nossa maneira de ler e de escrever. É uma história de fantasmas recontada com brilhantismo, uma narrativa sobre a fragilidade do ser humano e sobre tudo aquilo que está além deste mundo.” — Lila Azam Zanganeh

Nunca houve um castelo

Martha Batalha

Páginas: 256
Lançamento: 02/04/2018
Em seu segundo romance, Martha Batalha recria a trajetória dos descendentes de Johan Edward Jansson, cônsul da Suécia no Brasil que em 1904 construiu um castelo em Ipanema.
Rio de Janeiro, 1968. Estela, recém-casada, mancha com choro e rímel a fronha bordada de seu travesseiro. Uma semana antes ela estava na festa de Réveillon que marcaria de modo irremediável seu casamento. Estela sabia decorar uma casa, receber convidados e preparar banquetes, mas não estava preparada para o que aconteceu. 
Setenta anos antes, Johan Edward Jansson conhece Brigitta também em uma festa de Réveillon, em Estocolmo. Eles se casam, mudam-se para o Rio de Janeiro e constroem um castelo num lugar ermo e distante do centro, chamado Ipanema. 
Nunca houve um castelo explora como essas duas festas de Ano-Novo definem a trajetória dos Jansson ao longo de 110 anos. É uma saga familiar embebida em história, construída com doses de humor, ironia e sensibilidade. A riqueza e a complexidade dos múltiplos personagens criados por Batalha permitem tratar de temas que se entrelaçam e definiram a sociedade brasileira nas últimas décadas, como o sonho da ascensão social, os ideais femininos e feministas, a revolução sexual, a reação ao golpe militar, a divisão de classes, a deterioração do país. 
Um romance comovente sobre escolhas e arrependimentos, sobre a matéria granular da memória e as mudanças imperceptíveis e irremediáveis do tempo. 

Mais que amigos

Lauren Layne

Título original: BLURRED LINES
Páginas: 224
Lançamento: 13/04/2018
Será que vale a pena arriscar uma grande amizade em troca de um amor inesquecível?
Aos vinte e dois anos, a jovem Parker Blanton leva a vida que sempre sonhou. Tem um namorado inteligente e responsável, um emprego promissor e a companhia de seu melhor amigo, Ben Olsen, com quem divide um lindo apartamento.
Parker e Ben são tão grudados que muita gente duvida que eles morem sob o mesmo teto sem nunca ter vivido um caso, mas eles não se importam com o que as pessoas pensam. Sabem que não foram feitos um para o outro — pelo menos não para se envolver.
Por isso, quando um acontecimento inesperado faz com que Parker se veja sem namorado e com o coração partido, ela sabe que pode contar com Ben para ajudá-la a sacudir a poeira e partir para outra. Afinal, ninguém seria mais ideal do que seu melhor amigo para lhe mostrar os prazeres da vida de solteiro… certo?
Mais que amigos é uma comédia romântica irresistível!
[CONTEÚDO ADULTO]

A parte que falta encontra o grande O

Shel Silverstein

Título original: THE MISSING PIECE MEETS THE BIG O
Páginas: 120
Lançamento: 13/04/2018
Na continuação do clássico A parte que falta, Shel Silverstein reflete com sua poesia singela e emocionante sobre amor-próprio e completude. Um livro infantil para todas as idades.
“Eu quero dar esse livro para todas as pessoas que eu conheço.” — Jout Jout
A parte que falta está em busca de alguém para completar. Após ser abandonada pelo ser circular, ela aguarda um par perfeito em que possa se encaixar. Ela quer conhecer o mundo, e precisa de alguém que a faça rolar. Mas muitos seres não sabem nada sobre encaixe, outros já têm partes demais e alguns não sabem nada de nada. A parte que falta até encontra um encaixe perfeito, mas sua jornada juntos dura muito pouco. Até que ela se depara com o Grande O, um ser completo, que rola sozinho, e que pode dar a ela um ensinamento que mudará seu modo de enxergar a vida.
Nesta história, leitores de todas as idades vão refletir junto com a parte que falta sobre como podemos nos transformar e descobrir como evoluir nosso amor-próprio. Afinal, será que não podemos todos rolar por nós mesmos em nossas jornadas?
“Não era um pedaço de pizza. Nem um chapéu de palhaço. Desista se pensou numa casquinha de sorvete… Aqui conhecemos a parte que falta — e que queria companhia. Ela desejava ver o mundo. Quem seria delicado, divertido e inteligente para levá-la? Entre algumas decepções, percebeu que também decepcionava. Até que o Grande O apareceu e, sem querer, ensinou-lhe que tudo pode rolar!” — Fernanda Takai

A incendiária

Stephen King


Título original: FIRESTARTER
Páginas: 450
Lançamento: 06/04/2018
Uma criança com o poder mais extraordinário e incontrolável de todos os tempos. Um poder capaz de destruir o mundo.
Após anos esgotado no Brasil, A incendiária volta às livrarias como parte da Biblioteca Stephen King, coleção de clássicos do mestre do terror em edição especial com capa dura e conteúdo extra. No livro, Andy e Vicky eram apenas universitários precisando de uma grana extra quando se voluntariaram para um experimento científico comandado por uma organização governamental clandestina conhecida como “a Oficina”. As consequências foram o surgimento de estranhos poderes psíquicos — que tomaram efeitos ainda mais perigosos quando os dois se apaixonaram e tiveram uma filha.
Desde pequena, Charlie demonstra ter herdado um poder absoluto e incontrolável. Pirocinética, a garota é capaz de criar fogo com a mente. Agora o governo está à caça da garotinha, tentando capturá-la e utilizar seu poder como arma militar. Impotentes e cada vez mais acuados, pai e filha percorrem o país em uma fuga desesperada, e percebem que o poder de Charlie pode ser sua única chance de escapar.

O idiota

André Diniz

Título original: O IDIOTA
Páginas: 416
Lançamento: 09/04/2018
O idiota, de Fiódor Dostoiévski, é um dos maiores romances da história da literatura. Nesta incrível versão em quadrinhos, o artista André Diniz mergulha na prosa do mestre russo e cria uma graphic novel eletrizante e original, uma jornada aos abismos interiores e horrores metafísicos de um dos mais implacáveis escritores do século XIX.
Em preto e branco, e num registro quase sem palavras, André Diniz propõe uma recriação surpreendente de O idiota, obra máxima de Fiódor Dostoiévski. Publicado em 1869 e escrito em meio a crises epilépticas e perturbações nervosas e sob a pressão de severas dívidas de jogo, o romance é um dos mais célebres da literatura mundial. Sua oralidade intensa encontra na explosão e na fluidez, na ternura e na enorme capacidade expressiva do traço de Diniz, uma correspondência única.
A história é conhecida: após anos internado num sanatório suíço para tratar sua epilepsia, o jovem Míchkin retorna à Rússia e se vê envolvido num triângulo amoroso cujos ares folhetinescos darão o tom desta adaptação. Entre a vilania de Rogójin, um devasso perdulário que dilapida a fortuna herdada de seu pai, e a beleza arrebatadora de Nastácia Filíppovna, acompanharemos Míchkin e sua pureza quixotesca até o desenlace desta bela e trágica graphic novel. 

Munique

Robert Harris

Título original: MUNICH
Páginas: 320
Lançamento: 06/04/2018
Um thriller de espionagem sobre traição e os limites da honra.
Setembro de 1938, Hitler está desesperado para começar a guerra. Chamberlain quer manter a paz a qualquer custo. O desfecho da disputa acontecerá em Munique, em um dos momentos decisivos que antecederam a Segunda Guerra Mundial.
Robert Harris compõe mais um thriller impressionante, cheio de fatos e personagens históricos, que transporta o leitor para um dos momentos mais importantes da história mundial. Hugh Legat é uma estrela em ascensão no serviço diplomático britânico, servindo como secretário do primeiro-ministro, Neville Chamberlain. Paul von Hartmann é membro do time de relações exteriores da Alemanha, mas secretamente pertence a um grupo anti-Hitler. Os dois foram amigos em Oxford durante a década de 1920, mas perderam o contato com o tempo. Agora, enquanto Hugh viaja com Chamberlain de Londres para Munique e Paul acompanha Hitler em sua viagem noturna de Berlim, o caminho dos dois amigos está fadado a uma colisão desastrosa.
"Como sempre, Robert Harris consegue trazer um retrato da história até você. Tive a impressão de estar presente lá e aqui ao mesmo tempo." — Jô Soares
“Um livro de espionagem brilhante.” — The Guardian
“Mais uma vez, Robert Harris dá vida à História com uma habilidade impressionante.” — The Washington Post

O elefante desaparece

Haruki Murakami

Título original: ZO NO SHOMETSU
Páginas: 304
Lançamento: 13/04/2018
Coletânea com dezessete contos de Haruki Murakami, um dos autores mais aclamados da literatura japonesa. O universo fantástico se abre mais uma vez.
Com a mesma genialidade com que escreveu seus romances mais famosos, 1Q84ou Crônica do Pássaro de Corda, por exemplo, Haruki Murakami usa esta coletânea de contos para tomar o senso de normalidade de assalto. Um homem vê seu elefante favorito desaparecer, dois recém-casados sofrem de uma fome avassaladora que os faz roubar uma lanchonete no meio da noite, e uma jovem mulher descobre que a forma de se livrar de um pequeno monstrinho verde pode estar ligada a seus próprios pensamentos: esses são apenas alguns dos contos que integram essa seleção de dezessete histórias. Por vezes assustador, por vezes hilário, O elefante desaparece é mais uma prova da habilidade que Murakami tem de ultrapassar as fronteiras da realidade — e de voltar carregando um tesouro.
“Todos os contos se passam em universos paralelos não tão distantes da realidade, é quase como se eles sempre estivessem escondidos logo abaixo da superfície: ruelas secretas que oferecem uma perspectiva inesperada.” — The New York Times
“Encantador e intrigante. Todos os contos possuem características surreais e um tom moderno e espirituoso.” — The Wall Street Journal
“Essa coletânea consegue reunir as melhores características de um romance: um tom homogêneo e uma multiplicidade de detalhes que cria uma textura única para a escrita.”
Ai ai... não é de suspirar? Qual desses você gostaria de ler? Algum já está na sua meta de leitura?

Deixe aí nos comentários! 

12.4.18

{Quotes} Operação Red Sparrow


As quotes de hoje são do livro Operação Red Sparrow!

A resenha já saiu aqui no blog e você conferí-la aqui!

Desde pequena, o sonho de Dominika Egorova era fazer parte do Bolshoi, o balé mais importante da Rússia. Após ser vítima de uma sabotagem, porém, ela vê sua promissora carreira se encerrar de forma abrupta. Logo em seguida, mais um golpe: a morte inesperada do pai, seu melhor amigo.
Desnorteada, Dominika cede à pressão do tio, vice-diretor do serviço secreto da Rússia, o SVR, e entra para a organização. Pouco tempo depois, é mandada à Escola de Pardais, um instituto onde homens e mulheres aprendem técnicas de sedução para fins de espionagem.
Em seus primeiros meses como pardal, ela recebe uma importante missão: conquistar o americano Nathaniel Nash, um jovem agente da CIA, responsável por um dos mais influentes informantes russos que a agência já teve. O objetivo é fazê-lo revelar a identidade do traidor, que pertence ao alto escalão do SVR.

Logo Dominika e Nate entram num duelo de inteligência e táticas operacionais, apimentado pela atração irresistível que sentem um pelo outro.

Neste livro eu marquei bastante coisa, mas muitas delas por conta do que eu pensei enquanto lia. Então acredito que vou ir discutindo as quotes um pouquinho, tá? Pelo menos aquela que eu lembrar do que eu pensei na hora huahuhauha!

Ah, e se não gosta de spoilers, recomendo não ler muito... Embora eu acredite não ter colocado nada chave do livro!
"A decisão de integrar os quadros da agência não tinha nada a ver com a vontade de escapar dos suspensórios e abotoaduras da vida de advogado, das colunatas de uma mansão colonial à beira do rio, das previsibilidades sufocantes de Richmond. Tampouco estava relacionada a uma noção de patriotismo. Nate não era nem mais nem menos patriota do que qualquer americano. Em vez disso, tinha tudo a ver com os saltos que seu coração dera quando ele, aos 10 anos, se obrigara a caminhar pelo beiral da mansão a uma altura de três andares, cara a cara com os gaviões que plainavam sobre o rio, apenas para enfrentar o próprio medo, o pavor que tinha do monstro, do fracasso. Tinha a ver com a tensão entre ele e o pai, ele e o avô, ele e os irmãos que exigiam uma conformidade que eles mesmos não estavam dispostos a oferecer."
"Dominika receou não ter estômago para levar aquilo até o fim. O que estariam esperando dela? O que fariam caso ela se levantasse e saísse dali? Seria dispensada do serviço? Não, não daria esse gostinho a eles. Queriam um pardal, não queriam? Então era isso que ela lhes entregaria."
"[...]Dominika, por sua vez, resistia, inventando pretextos para ganhar tempo e beirando as raias da insubordinação. Sabia que o coronel pretendia usá-la como pardal, que ele não tinha outra estratégia de recrutamento que não fosse uma armadilha sexual, que não acreditava nem um pouco no potencial daquela operação.[...]" - Os homens que só enxergam utilidade das mulheres nesse aspecto, tsc tsc. Sou jogadora de RPG então aviso a vocês, meninas... Se vocês estiverem jogando e o mestre forçar uma situação em que você só consiga se livrar usando o apelo sexual, é machistinha e você tem direito de brigar! Isso me deixa brava, tanto em livros quanto em jogos! Absurdo!
"[...] Era sobretudo uma vingança pessoal, contra eles. Sua intenção não era vender segredos de Estado, mas derrubar aquela longa sequência de dominós. Ela manteria o controle sobre as coisas, determinaria o ponto que elas poderiam alcançar até que sua sede de vingança fosse saciada. Não. Isso seria uma loucura completa.[...]"
"Amantes? Por Deus, eu jamais pediria a alguém para fazer isso com Nate. É muito sacrificio."
"-  Ele sempre quis abrir o jogo com você. A vida inteira. - prosseguiu Nina, e sussurrou: - Pois agora sou eu quem vai dizer: resista, minha filha. Lute contra eles. Sobreviva."
"[...] Isso está parecendo até um maldito romance de Jane Austen."
"[...] Em meio à saraivada de socos, Nate de repente se viu tomado por uma insana sequência de pensamentos: 1) Quanta sorte a dele, ser destacado para caçar a única ilegal russa no planeta que não era uma bibliotecária colecionadora de selos; 2) O que os colegas de trabalho dela, sobretudo os homens, deviam pensar quando viam aquele trator chegar de manhã no escritório?; 3) Que espécie de sexo devia fazer aquele ciborgue, se é que fazia sexo?[...]"
"Enquanto recolhia suas coisas, a sala já fazia, Benford imaginou os rostos papudos do Kremlin e pensou: Os camaradas queriam um canário? Então é isso que vão ter."
"[...] Você se surpreende. Percebe que adora essa vida de espiã, adora caminhar nesse gelo que pode rachar a qualquer momento, a adrenalina, os riscos, os perigos do dia a dia. Adora ter um segredo só seu.[...]"
Tentei moldar as quotes para não dar muitos spoilers, huahuhauha! E aí, já leram esse livro? O que acharam de minhas marcações?

Deixem nos comentários qual sua preferida!