Sejam Bem Vindos!

Viajar pela leitura sem rumo, sem intenção.
Só para viver a aventura que é ter um livro nas mãos.
É uma pena que só saiba disso quem gosta de ler.
Experimente!
Assim sem compromisso, você vai me entender.
Mergulhe de cabeça na imaginação!

(Clarice Pacheco)

24 de junho de 2016

A Caderneta Vermelha


Título Original: La Femme au carnet rouge
Autor: Antoine Laurain
Editora: Alfaguara
Ano: 2016
Sinopse: Caminhando pelas ruas de Paris em uma manhã tranquila, o livreiro Laurent Letellier encontra uma bolsa feminina abandonada. Não há nada em seu interior que indique a quem ela pertence — nenhum documento, endereço, celular ou informações de contato. A bolsa contém, no entanto, uma série de outros objetos. Entre eles, uma curiosa caderneta vermelha repleta de anotações, ideias e pensamentos que revelam a Laurent uma pessoa que ele certamente adoraria conhecer. Decidido a encontrar a dona da bolsa, mas tendo à sua disposição pouquíssimas pistas que possam ajudá-lo, Laurent se vê diante de um dilema: como encontrar uma mulher, cujo nome ele desconhece, em uma cidade de milhões de habitantes?


Ah, Paris! Ah, o amor! Um festival de suspiros durante toda a leitura do leve e apaixonante A Caderneta Vermelha (Alfaguara, 135 páginas). Precisava de um livro que me tirasse da ressaca literária depois de uma leitura densa (na verdade, uma sequência de). Melhor ainda foi ser conduzida pelas esquinas de uma cidade carregada de significados, que me devolveu um calor na alma. Escolhi o livro pela proposta de diversão e encontrei uma companhia adorável, uma vontade de não terminar a história, de me mudar para Paris!

Tudo começa quando Laure tem a bolsa roubada em um assalto, que a deixou machucada. Laurent encontra a bolsa abandonada, com quase todos os pertences dentro, exceto o celular e a carteira, que identificariam sua dona. Ele é um livreiro sensível, encanta-se pelo conteúdo da bolsa, especialmente pela caderneta vermelha cheinha de anotações. Não demora muito a procurar pela mulher que vai se apresentando fascinante... Mas Dominique está na vida de Laurent:

"Dominique não perdoa Laurent. A bolsa feminina no armário e aquela história mal contada... desconfiança feminina que não está tão equivocada, pois Laurent está encantado com a caderneta e tentando descobrir algo sobre a dona da bolsa lilás."

Na caderneta, entre algumas anotações desinibidas, Laure parece ser uma mulher intensa. E faz duas listas interessantes: “eu gosto” e “tenho medo”. Fiquei pensando em fazer as minhas também... É por elas, além dos objetos ali guardados, que o nosso curioso detetive vai começar a idealizar aquela mulher:

"As pedrinhas, o espelho, a nécessaire de maquiagem, as chaves e sua plaquinha em hieróglifos, a Periscope, o caderninho de pensamentos, o livro de bolso de Modiano, a esferográfica Montblanc, a presilha de cabelos com a flor azul, a receita de moleja de vitela, o saquinho de balas de alcaçuz. Pegou uma. Não iria conseguir mais nada. A busca se encerrava ali. Sem o sobrenome, aquilo nunca avançaria."

Um livro de Patrick Modiano com uma dedicatória é uma boa pista para começar. E um encontro com o Nobel de Literatura (2014) se dá, afinal, estamos em Paris, terra do escritor célebre! Como Laurent é livreiro, acaba armando a situação, que desenrolará o primeiro fio que deverá conduzi-lo a Laure:

"Um primeiro nome, e agora um rosto e algo mais: cabelos castanhos até os ombros, tez pálida, olhos muito claros, talvez cinza-azulados, bonita, um lindo sorriso, um sinal à direita do lábio superior. Não é muito alta. Mas nenhum sobrenome, nada."

Enquanto isso, onde está Laure? O que estará fazendo, por que não prestou queixa do roubo? Essa parte me fez lembrar dois filmes divertidos e muito fofos, mas não posso revelá-los aqui, seria um spoiler maldoso (posso recomendá-los depois, são ótimos!):

"Tenho medo quando não compreendo. Não compreendo por que estou aqui. Tenho medo quando não sei onde estou, e não sei onde estou. Não sei “quando” estou. Tenho medo quando William fala comigo e eu não posso responder."

Laurent não está só. Tem a ajuda da filha adolescente e descolada. E como Paris inspira os amantes – Laurent já está praticamente obcecado na busca de sua musa – as coisas vão acontecendo favoravelmente, portas vão se abrindo, o autor criou um caminho fácil de trilhar, digno de um filme romântico de sessão da tarde. Por falar nisso, o livro vai virar filme!!!

Se você achasse a minha bolsa, será que conseguiria traçar meu perfil apenas através dos objetos que carrego e umas poucas anotações? Não pude deixar de pensar também nisso. Você perceberia que gosto de ler, pois encontraria um livro. Tem também maquiagem, escova e presilhas de cabelo, creme para as mãos e uma miniatura de perfume (hahaha, sempre cheirosa), um bloquinho com caneta (como me identifiquei com Laure!), notas fiscais soltas (ou perdidas), chaves, espelho, lixa de unhas, óculos, um par de brincos... O que pensaria sobre mim? (Deixe-me feliz respondendo nos comentários).

Tem tanta coisa boa nessas páginas! Se você está enfrentando um friozinho bom, calce as meias, prepare um chocolate quente e leve A Caderneta para ler sob as cobertas, numa tarde de domingo. Ou se, como eu, está numa terra cheia de sol e calor, um chá geladinho e uma rede para ter horas de sorriso no rosto e torcer para que Laurent encontre Laure. O livro não é tão previsível como pode parecer, o desenrolar é inteligente e bem escrito, os (poucos) personagens são adoráveis, bem delineados. A descrição de Paris transporta o leitor para suas cores e cheiros. E a sensação de fé na vida e no amor vai permanecer com você durante um bom tempo ainda, depois de fechada a última página. Leia sem pretensão ou expectativa e permita-se preencher de coisas positivas e de um acalanto que há um bom tempo eu já não encontrava em livros por aí.

Link no Skoob: https://www.skoob.com.br/livro/572126ED572826
Classificação: 5 estrelas



22 de junho de 2016

{Lançamento} O Caminho das Estrelas




A Petit Editora nos traz este mês um livro muito especial: O Caminho das Estrelas, escrito por Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho :




O caminho das estrelas, novo romance do Espírito Antônio Carlos, psicografado por Vera Lúcia de Carvalho Marinzeck, conta a história de Lenita, que desencarna ainda adolescente por causa de um câncer. Ao acordar na ala dos jovens no hospital da colônia Aprendiz do Amor, perdida entre as lembranças da vida encarnada, lembra-se de sua mãe lhe dizendo: “Filha, quando você morrer, irá para o céu morar numa estrela...”. Mas agora, na realidade da nova existência, busca compreender sua condição. O começo é difícil, pois seus familiares se desesperam e choram, afetando-a de forma negativa. Tudo muda quando os familiares de Lenita recebem um importante auxílio: o livro Violetas na janela. Após a leitura, eles passam a agir de modo diferente, enviando-lhe vibrações positivas. Ela pode, então, sentir-se tranquila.


LANÇAMENTO DO MÊS 

Mais uma vez o Espírito Antônio Carlos nos surpreende com sua habilidade em nos aproximar dos personagens. Em O Caminho das estrelas ele apresenta a história de Lenita e sua evolução espiritual. Após desencarnar em decorrência de um câncer, ela passa por dificuldades na adaptação à nova existência, agravada pelos lamentos da família. Quando seus familiares recebem o livro Violetas na janela, do Espírito Patrícia, passam a entender essa mudança de planos, o que provoca neles tranquilidade, e, consequentemente, passam a emanar boas vibrações a Lenita. Feliz com essa mudança de padrão mental da família, a jovem vai à colônia de estudos onde Patrícia trabalha para conhecê-la e agradecer-lhe a dádiva alcançada. Ao ver a colônia ao longe, e sua luminosidade, parecendo uma estrela, imediatamente se recorda da mãe, que, brincando, lhe dizia que uma estrela seria sua morada.
Sobre a autora: Nasceu na cidade de São Sebastião do Paraíso, estado de Minas Gerais. Médium dedicada à psicografia, casada e mãe de três filhos, trabalha, profissionalmente, ao lado do marido. Reconciliação foi sua primeira obra psicografada, em 1989, de autoria do Espírito Antônio Carlos, e lançada pela Petit Editora em 1990. Vera Lúcia já psicografou mais de 50 obras, ultrapassando a marca de mais de 5 milhões de exemplares vendidos, entre eles o best-seller Violetas na janela, do Espírito Patrícia. Outros títulos de Patrícia, psicografados por Vera, são Vivendo no mundo dos espíritos; A Casa do Escritor e O voo da gaivota.

Saiba mais em: www.petit.com.br



O Acordo - Elle Kennedy


Edição: 1

Autor:

Editora: Paralela

Ano: 2016

Páginas: 360
Tocante, profundo, engraçado, sexy... ''O Acordo" é um romance que vai te encantar e surpreender a cada página.
 
Hannah Wells finalmente encontrou alguém que a interessasse. Mas, embora seja autoconfiante em vários outros aspectos da vida, carrega nas costas uma bagagem e tanto quando o assunto é sexo e sedução. Não vai ter jeito: ela vai ter que sair da zona de conforto Mesmo que isso signifique dar aulas particulares para o infantil, irritante e convencido capitão do time de hóquei, em troca de um encontro de mentirinha.
 
Tudo o que Garrett Graham quer é se formar para poder jogar hóquei profissional. Mas suas notas cada vez mais baixas estão ameaçando arruinar tudo aquilo pelo qual tanto se dedicou. Se ajudar uma garota linda e sarcástica a fazer ciúmes em outro cara puder garantir sua vaga no time, ele topa. Mas o que era apenas uma troca de favores entre dois opostos acaba se tornando uma amizade inesperada. Até que um beijo faz com que Hannah e Garret precisem repensar os termos de seu acordo.


Em O Acordo passamos a conhecer duas pessoas totalmente diferentes uma da outra mas que ao mesmo tempo são muito parecidas,Hanna é uma estudante de música que a alguns anos passou por um trauma que marcou sua vida,e que aos poucos vem superando com a ajuda de seus pais e de sua melhor amiga com quem divide uma apartamento no campus da universidade.

Garret é aquele carinha que toda garota sonha,é gato,gostosinho,educado e capitão do time de hóquei da universidade,seu único objetivo é conseguir se formar e fazer parte da liga nacional de hóquei,filho de um grande ex-jogador Garret sente ainda mais a pressão em se destacar e ser o melhor,mas para isso acontecer ele tem que passar em todas as matérias com boas notas,do contrário ele pode ser suspenso dos jogos.

Em um dia normal na aula de filosofia e ética,Hanna consegue a nota máxima sendo uma das poucas a passar na matéria,já não podemos dizer o mesmo de Garret que zerou na prova,o que o deixa desesperado,como quase todos os alunos se deram mal da prova a cruela devil oops professora resolveu(diga-se de passagem foi pressionada) a aplicar outra prova,e aí começa o desespero de Garret pra passar nessa prova. E é ai que a Hanna entra em cena,sabendo que ela gabaritou a prova,Garret implora a Hanna que o ajude e lhe dê aulas,e como de cara ela não foi com a cara dele ela se nega veementemente,sacando que ela tem uma quedinha por um certo jogador de futebol americano Garret faz um acordo com ela,em troca das aulas ele a ajuda a enfim conquistar o coração de Justin,mesmo relutante de início Hanna aceita o acordo e é aí que  vários desenrolares acabam acontecendo.

A Estória é super fluída a autora não enrola e rapidinho a leitura chega no fim,gostei muito do desenrolar e desenvolvimento dos personagens,e logo de cara você já se apaixona por Garret,não consegui ter empatia pela Hanna,gostei bastante dos amigos de time de Garret,não são de se jogar fora,meio galinhas mas são legais... E sinto que os dois vão passar por alguma provação nos próximos volumes e já estou com o coração na mão só em imaginar.
Leitura super recomendada!!!!!!






 



 




 
©2008 layout Elke di Barros modificado por Thalita Carvalho, imagens Sophie Griotto