Menu

22.5.19

{Resenha} Nove meses depois - Thais Oliveira (ebook)


Oiee amores. C-H-E-G-U-E-I!


Estive adoentada por uma semana, e li alguns ebooks grátis cedidos pela Amazon. Resolvi trazer pra vocês, ebooks de autoras brasileiras que possivelmente alguns leitores não conheçam... vamos ter que mudar isso!
Confere aí!

Sinopse:

"Íris Alvarez tem tudo que uma mulher pode querer. 
Uma profissão que gosta, uma família que lhe ama e nada poderia ser mais perfeito. 
Porém, ao se ver incrivelmente atraída por Vincent Alencar, colega de trabalho que tem se tornado um desafio a bela mulher, as coisas começam a mudar. Entre encontros e 
desencontros com o homem tatuado e sedutor, ela nota que ele é alguém capaz de ser bem mais que isso e vê sua vida virar de cabeça para baixo ao se descobrir grávida. 
Sua nova realidade a deixa assustada e enfrentar seus medos não é tão simples assim."

Resenha

Íris Alvarez é uma médica bem sucedida, uma amiga pra todas as horas, uma pessoa linda por dentro e por fora, mas não acredita em relacionamentos, na sua duração, enfim, 
o amor pra ela é um tipo de prisão, é um retroceder na vida. Então vive "fugazmente", ou seja, tem parceiros ocasionais, sem ligação, sem dar satisfação e muito menos futuro. 
Ela vive sem cobranças, sem amarras e se diz feliz. 



Vicent Alencar, médico com grande clientela, competente, trabalha no mesmo hospital que Íris. Todas as mulheres vêem Vicent, como o homem dos sonhos, bonito, simpático, bom papo e disponível.
E um dia eles saem pra jantar, terminando a noite na cama dela. E isso acaba se repetindo sem que nenhum dos dois sinta o que está acontecendo.
Quem vai falar pra quem, que o amor os pegou de jeito? 
É um livro humano, sem dramalhões, com ganchos interessantes, sem ser monótono. 
Se eu contar mais um pouquinho da estória, vai perder a graça... então leiam esse ebook! Recomendo!
Por hoje é só amores.
Até a próxima.
Tchau!

Título: Nove Meses Depois 
Autor (a): Thais Oliveira 
Editora: Independente
Número de Páginas: 455

13.5.19

{Resenha} Querido Evan Hansen



Título Original: Dear Evan Hansen: The Novel
Autor: Val Emmich
Editora: Seguinte
Sinopse: Evan Hansen sempre teve muita dificuldade de fazer amigos. Para mudar isso, decide seguir as recomendações de seu psicólogo e escrever cartas encorajadoras para si mesmo, com esperança de que seu último ano na escola seja um pouco melhor. O que não esperava era que uma das cartas fosse parar nas mãos de Connor Murphy, o aluno mais encrenqueiro da turma.
Quando Connor comete suicídio e sua família encontra a carta de Evan, todos começam a pensar que os dois eram melhores amigos. Sem conseguir explicar a situação, Evan acaba refém de uma grande mentira. Ao mesmo tempo, graças a essa (falsa) amizade, o garoto finalmente se aproxima de Zoe, a menina de seus sonhos, e passa a ser notado no colégio. No fundo, Evan sabe que não está fazendo a coisa certa, mas se está ajudando a família de Connor a superar a perda, que mal pode ter?
Evan agora tem um propósito de vida. Até que a verdade ameaça vir à tona, e ele precisa enfrentar seu maior inimigo: ele mesmo. 




Evan é um adolescente comum. Com uma vida comum. Invisível. 

Não considera que tenha amigos, almoça sozinho na escola todos os dias. Sua mãe trabalha e estuda o tempo todo e seu pai reside com a nova família há alguns milhares de quilômetros. É o primeiro dia de aula e sua ansiedade está no pico. Toma remédios controlados, vai ao psicoterapeuta e está com o braço quebrado após sofrer um acidente em suas férias de verão durante o trabalho em um parque florestal. Ele ama árvores e a natureza, pode falar sobre por horas seguidas. 

Ele é “nerd”. 

Tudo corre bem, apesar dos pesares, no primeiro dia. Pelo até a hora do almoço, onde um adolescente que a escola toda classificaria como problemático, o empurra na fila. O lado bom? A menina que ele gosta falou com ele e, por acaso, é irmã de Connor Murphy, o cara que o empurrou. 

Evan ainda precisa fazer a tarefa que seu terapeuta deu para ele: Escrever uma carta toda semana falando sobre as coisas boas do dia. Porém, ele não esperava que essa carta fosse parar nas mãos de Connor, depois do início de uma conversa que poderia ter levado a uma amizade. 

E esse é o estopim para o início de problemas gigantes que só vão piorando… 

No dia seguinte, nem Connor nem Zoe estão na escola e o motivo vem a tona: o adolescente cometeu suicídio e a única coisa que ele tinha em mãos era a carta direcionada a Evan Hansen… Escrito pelo próprio Evan que Connor havia pego. A família Murphy acredita então que Evan era o melhor amigo e pode ter informações a respeito do filho. 

E Evan, ao invés de esclarecer as coisas, deseja dar conforto à família e leva o engano adiante como uma verdade. Pede ajuda a Jared, o filho de um amigo da família para conselhos e tenta ajudar, embora sua ansiedade e a vontade de dizer a verdade esteja sempre em sua cabeça. 

Cada vez mais ele vai se enrolando em sua mentira. Se ele era invisível, agora todos da escola o cumprimentam por ser “O melhor amigo de Connor”. Foi deixando de lado a medicação por conta própria, se aproxima da família e conta histórias sobre sua amizade. Tudo para o bem da família Murphy, é claro. 

Sua mãe, Heidi, apesar de ausente deseja que o filho interaja mais com os outros, faça amizades, busca para ele opções de bolsas de estudo… Insiste na terapia. Percebe que algo está acontecendo, mas Evan a deixa de fora, culpada na maioria das vezes. 

As coisas só vão piorando e ele consegue deixar ainda pior. Senti uma agonia imensa a uma determinada parte do livro porque pensei: ele não faria isso… Aí ele foi lá e fez. Foi um facepalm enorme enquanto eu lia, queria até parar a leitura de tão estúpido. 

Não sei muito como me senti durante a leitura. Enrolei um pouco para terminar porque não estava funcionando para mim. Não me identifiquei com os personagens que, apesar de bem trabalhados em suas questões, não foram muito marcantes. Acredito que o que ficou mesmo é a questão de nunca faltar com a verdade e esclarecer sempre as coisas, senão tudo vai virando uma bola de neve que fica difícil de resolver. Até mesmo a ideia do suicídio ficou meio de canto no livro. Fala-se em ser invisível, sufocar-se no sofrimento e tal, mas de maneira bastante leviana. 

Também vemos como boas intenções podem acabar se tornando coisas ruins, se não forem feitas diante da verdade. Não existe essa coisa de “mentira branca”, mentiras que usamos para fazer o bem. Se é baseado na mentira, não tem como fazer o bem. E como não houve consequências… Não sei como me sentir a respeito mesmo. 

Vale a leitura? Vale, claro. Mas depende do que você conseguir absorver do que irá ler. Acredito que os temas abordados não foram muito aprofundados e explorados. Foi divertido? Não… Até porque não sei como seria, pois há personagens com complicações humanas profundas, como um bom drama. 

Você já leu esse livro? O que achou? Me conte aí nos comentários, vamos debater!!!

8.5.19

{Resenha} Uma vida em dois destinos


 Oie amores. C-H-E-G-U-E-I!


Vocês sabem que tenho um fraco por estórias de bebês, e sempre procuro na Amazon ou pra baixar em algum site, estórias de gênero.
Confere aí mais um ebook lido durante meus dias de cama.


Sinopse:

" Laura é uma jornalista de 34 anos que trabalha em uma revista e adora sua profissão. Tem uma família louca e misturada e um namorado, seu apartamento próprio, carro e vive muito bem. 
A única certeza de sua vida é: não quer filhos. Porém, sua vida vira de ponta-cabeça quando flagra seu namorado a traindo com uma colega de trabalho e, em uma festa de fim de ano, 
envolve-se com seu chefe, Mauro, um homem que também passou por uma situação parecida e que sempre teve uma “quedinha” por ela. Mauro é um homem bonito e sedutor, 
por quem todas as mulheres babam, menos Laura. O que ela não esperava era que as consequências da noite maluca com seu supervisor e chefe a fariam repensar toda a sua vida e 
tudo o que pensou sobre si mesma e sobre Mauro".

Resenha

Juliana e Mauro, trabalhavam em uma revista, ele como um lindo macho alfa e ela chamava a atenção de todos.
Mauro é chefe de Juliana, que não o achava amável, mas sim "insuportável". Mas numa festa de fim de ano da revista, Juliana com o coração partido, conheceu um outro Mauro, risonho, com bom papo, então entre um trago e outro, tomaram todas e foram terminar a noite com total irresponsabilidade na cama de Mauro.

A vida na revista continuou, mas a vida de Juliana iria mudar para sempre... pois ela estava grávida!
E como falar para a família sobre sua nova condição? Como dizer ao Mauro? Como ele iria reagir? E ela que nunca pensou ter aptidões para ser mãe!
A autora dentro dessa situação, cria artimanha, momentos românticos e birrentos por parte de Juliana. É um ótimo livro, com um foco que eu amo -- bebês!
Recomendo!
Por hoje é só amores.
Até a próxima.
Tchau!


Título: Uma vida em dois destinos
Autor (a): Cris S Rocha
Editora: Amazon
Número de Páginas: 224

6.5.19

{Resenha} Stop This Sound!

Título Original: Kono Oto Tomare!
História e Arte: Amyuu Sakura
Editora: Jump SQ
Gênero: Drama, Música, Vida Escolar.
Sinopse: Desde a graduação dos membros mais velhos, Takezou Kurata se tornou o único estudante do clube de Koto e para que este não seja fechado, ele terá que encontrar novos membros. Quando de repente um delinquente se aproxima da sala quase abandonada, exigindo participar, Kurata terá que decidir se confia ou não no calouro com seu precioso clube.




 Essa semana estreou o anime de Kono Oto Tomare! e como o mangá é um dos meus xodós eu decidi fazer uma resenha sobre!

A história começa mostrando o nosso querido Kurata tentando recrutar novos membros pro clube de Koto, um instrumento de cordas tradicional japonês, em geral, visto como um instrumento "feminino", o que por si só, já é um dos motivos do presidente estar sofrendo para achar membros, além do fato de que no ano anterior, o clube não se destacou muito. Fosse pela habilidade dos membros ou por não se mostrar interessante, no mínimo.
Instrumento Koto

Na atualidade, quando se tem clubes mais populares entre os jovens, como bandas de rock e tudo mais, é meio improvável que os estudantes vão se interessar por um instrumento tradicional... No entanto, por conta de suas memórias preciosas e de uma promessa feita à antiga presidente, Kurata pretende a todo custo proteger seu clube. Mas não é uma coisa fácil de se fazer, quando a sala do clube foi tomada por um grupo de delinquentes e ele não tem como revidar.

E é aí, ele que conhece o novo calouro, rodeado por maus rumores, Chika Kudou, que acabou envolvido em um incidente com a polícia, consegue (de forma não tão amigável), recuperar a sala do clube, mas a confiança do presidente é outra história...


Isso muda quando ele descobre que o avô de Chika e seu único guardião, não só costumava ser um artesão de Koto, como também foi quem originalmente fundou o clube de Koto em sua escola. Agora, depois de sua morte, Chika deseja poder encontrar no instrumento algo para manter suas memórias, seu carinho e quem sabe aprender um pouco mais sobre o que seu avô tanto tentou lhe ensinar. Apesar de seu temperamento nenhum pouco amigável, por ser honesto em relação à música, Kurata decide intervir em seu favor, quando um incidente (causado por aqueles delinquentes de lá de cima) acaba apontando o Kudou como culpado. E é assim que o clube ganha um membro a mais.

Logo depois, outros calouros se juntam ao clube, três deles sendo amigos do Chika, que simplesmente decidiram participar por não terem mais o que fazer e o sexto membro, sendo a Satowa Houzuki, uma talentosa estudante, herdeira de uma das mais famosas famílias de Koto, que vai tomar a responsabilidade de ensinar aquele bando de delinquentes a tocarem no mínimo, decentemente. E mais pra frente, uma colega de classe de Kurata, também se junta a eles.

Nós acompanhamos esse grupo improvável de músicos ao longo do ano, conforme novas amizades e outros sentimentos vão sendo formados e mágoas antigas vão sendo discutidas e perdoadas.

Kono Oto Tomare nos conta os dias deles na batalha árdua de alcançarem seus sonhos, que no caso seria o primeiro lugar nas Nacionais, uma competição de alto nível entre as melhores escolas de Koto. Mas mais do que isso, o que mais os incentiva, principalmente os calouros é o desejo de chegarem lá com todos os membros, já que por conta do período entre as preliminares e a competição, os mais velhos, teriam apenas uma chance de irem para as nacionais com todo o resto. (As preliminares acontecem durante o outono e inverno, enquanto que a competição em si acontece durante o verão do próximo ano. No Japão o ano escolar é de Abril à Março, ou seja, mesmo que Kurata e sua colega consigam se qualificar para as Nacionais em seu último ano do colégio, até o tempo da competição, eles teriam se graduado.)

A série tem a quantidade certa de drama e emoção, é o tipo de história que faz seu coração bater mais forte e querer torcer pelos personagens.
Cada um deles tem uma complexidade e um aprofundamento muito grande, até mesmo os três amigos do Kudou,que no começo só parecem ser um bando de bagunceiros (o que não é mentira haha), se mostram muito determinados em ajudar o clube pelo amigo deles, por saberem o quanto aquilo significa para ele. Em geral a história tem como base o desenvolvimento e o crescimento do Kudou como pessoa, nos mostrando como ele foi "salvo" pela música que seu avô lhe deixou, o que é algo com toda certeza muito comovente.
"Não é meio misterioso? ... Eu quero dizer, esse momento![...]Alguns meses atrás, nunca teria passado pela minha cabeça que eu estaria tocando o Koto. E se eu não estivesse, provavelmente, eu nunca teria conhecido vocês na minha vida.[...] Eu estou realmente me divertindo agora. Mas o "eu" que está se divertindo, está aqui por apenas um instante. Se possível, mais e para sempre, eu queria que esse momento continuasse..."
Além disso, também vemos um certo preconceito que eles recebem logo de cara pela aparência dos alunos. Por muitas vezes o clube deles foi visto com desdém por adultos e outros estudantes, por terem um grupo tão diverso e pouco provável, eles são duvidados de sua seriedade em relação à música, o que acaba mudando uma vez que eles ouvem sua performance.

Fora os alunos, temos também as participações muito importantes na evolução e auxílio deles com os adultos. Em especial seu professor Suzuka Takinami, que é o orientador do clube e em boa parte do começo da história, também seu "antagonista". Suzuka é um professor de matemática que não parece ter nenhuma experiência com música e não se mostra muito interessado no clube nem nos alunos em si, mas ao decorrer da série ele se vê atraído pela música que eles produzem e acaba decidindo exercer seu papel corretamente. Apesar do que os estudantes pensavam, ele não só tem certo conhecimento musical, como também é um gênio compositor, filho de famosos músicos. Com isso, Suzuka passa a compôr músicas originais para o clube, além de conseguir uma professora profissional de Koto para que os ensine corretamente a partir do básico, tudo para que eles possam alcançar as Nacionais.

A adaptação em anime, no momento tem poucos episódios, sendo uma série semanal. Enquanto que o mangá possui 79 capítulos, mensais. Possuindo uma atmosfera leve, embora conte com alguns dramas familiares e escolares, a gente consegue dar boas risadas com os personagens e suas personalidades opostas dentro do clube. Além disso, uma coisa que devo mencionar, é que, durante os períodos das preliminares e competições, quando nos é mostrado as performances de algumas outras escolas, também nos é contato sobre seus conflitos e aspirações internas, suas complexidades, sonhos e frustrações, o que nos faz ficar com uma pontinha de desejo de querer torcer pra eles também!

Todos os personagens mostram lados incrivelmente reais, que me fez ficar muito emotiva diversas vezes. E é também o que mais me fez amar a história toda. Espero que vocês gostem de ler tanto quanto eu gostei (ou de assistir! Eu adorei o anúncio da adaptação, pois soube que teria a chance de realmente ouvir as performances!)


3.5.19

{Resenha} The Chase - A Busca de Summer e Fitz - (Briar U #1) - Elle Kennedy


Oie amores.  C-H-E-G-U-E-I!


Um novo romance pra alegrar os corações. 💗 💗
E não estou falando de qualquer casal não! Summer e Fitz estão na área negrada!
Quem já leu e se apaixonou pela Série Amores Improváveis da Elle Kennedy, sabe do que estou falando.
Confere aí!
*livro cedido pela editora
Sinopse:
"Bem-vinda de volta aos jogos de hóquei e às festas da Universidade Briar! No primeiro spin-off da série Amores Improváveis, conheça a apaixonante e misteriosa Summer, irmã de Dean.
Todo mundo diz que os opostos se atraem. E deve ser verdade, porque não tem nada que explique minha atração por Colin Fitzgerald. Ele não faz meu tipo e, o pior de tudo, me acha superficial. Essa visão distorcida que ele tem de mim é o primeiro ponto contra. Também não ajuda que ele seja amigo do meu irmão.
E que o cara que mora com ele tenha uma queda por mim.
E que eu tenha acabado de me mudar para a casa deles.
Mas isso não importa. Estou ocupada o bastante com uma faculdade nova, um professor que não larga do meu pé e um futuro incerto. Além do mais, Fitz deixou bem claro que não quer nada comigo, embora tenhamos uma química de dar inveja a qualquer casal. Nunca fui de correr atrás de homem, e não vou começar agora. Então, se o meu roommate gato finalmente acordar e perceber o que está perdendo…
Ele sabe onde me encontrar."
 
Resenha

Quem já leu a Série Amores Improváveis vem esperando essa estória há um bom tempo e vai adorar o novo casal que vem por aí.
The Chase - A Busca de Summer e Fitz (Briar U #1) é um spin-off dessa série maravilhosa, que foi protagonizada por Garrett, Tucker, Dean e Logan, amigos que jogavam no mesmo time de hóquei da famosa Universidade de Briar e compartilhavam a mesma casa. Essa nova série traz a irmã de Dean como protagonista e seu amigo de time Fitz.
Summer Heyward-Di Laurentis é transferida depois de um probleminha na antiga faculdade Bown, ela vai cursar moda na Briar. 


Sem ter onde morar por não ter sido aceita na sede da irmandade, a ajuda de seu irmão Dean chega em ótima hora... só não contava morar na antiga república e dividir a convivência diária com os amigos de seu irmão: Hunter Davenpot, Mike Hollis e Colin Fitzgerald. Pois é, o destino não estava pra brincadeira, pois a última coisa que Summer queria era morar com o cara por quem ela tinha uma atração e parecia que Fitz não lhe dava a mínima.
Ainda tem que conviver com TDAH (Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade), onde tudo era difícil demais para aprender, e ter que se superar aos olhos da família que sempre foi bem-sucedida. Um fardo que ela leva consigo há muito tempo, que na faculdade vai ser ainda pior.


Colin Fitzgerald abomina tudo que Summer é... odeia ser o centro das atenções. Fez de tudo para ser invisível e sempre evitou chamar a atenção. O trauma do divorcio de seus pais foi o que acabou afetando Fitz com essa fobia de não gostar de chamar a atenção.
Summer é sinônimo de encrenca, pelo simples fato dela ser irmã de seu amigo e ter que se afastar mesmo tendo algum sentimento por ela. Ter que conviver diariamente com ela não será uma tarefa fácil. Summer abala Fitz de um jeito que nenhuma outra garota conseguiu, o que acaba dificultando todo o seu esforço de não se envolver.
A atração feroz que um sente pelo outro, será mais forte que a obstinação de um se manter longe do outro? Cenas dos próximos capítulos...


Elle Kennedy sempre me surpreende com suas estórias, que aborda temas importantes, misturado com aquele romance gostoso, humor e a junção maravilhosa que muita leitora adora: universidade, time de hóquei e jogadores de tirar o folego.
O que me chateou um pouco foi o mimimi entre os dois, a demora de ficarem juntos... fiquei frustrada com isso, pois mais da metade da estória é essa luta obstinada que situações e pensamentos errados levam a não permitir que o que sentem um pelo outro venha à tona.
Uma estória incrível, que só me fez ficar ainda mais ansiosa pelo próximo livro.
As capas dessa série são lindas não são? Só aguardando... 💗
  

Por hoje é só amores.
Até a próxima.
Tchau!



Título: The Chase - A Busca de Summer e Fitz (Briar U #1)
Autor (a): Elle Kennedy
Editora: Paralela
Número de Páginas: 300

29.4.19

{Flipoços 2019} Evento de lançamento e primeiros dias!


Estão preparados para a Flipoços 2019?

Está na hora de conhecer esse Festival Literário reúne grandes nomes para debater os caminhos de nossa atualidade e também nos traz uma enorme Feira de Livros por vários dias! Está na hora de saber um pouco mais sobre ele, se você ainda não ouviu falar.

A Flipoços tem a missão de oportunizar a todos, de forma gratuita, o acesso ao mundo dos livros e contato com autores e amantes de livros! É um dos únicos festivais temáticos do estilo no Brasil e o tema desse ano é Literatura Sem Fronteiras.

Haverão atrações de Portugal, debates com indígenas aqui da região, da tribo Kiriri. Terá o amado Sérgio Cortella, Rosana Rios com lançamento de seu novo livro... Zeca Camargo e o lançamento da biografia de Elza Soares... Serão tantos eventos que precisei organizar uma agenda só pra isso huahuahuah!

Isso todos os dias, começando dia 27 de abril a 4 maio! Este será a 14ª Feira Nacional do Livro de Poços de Caldas. Palestras, eventos infantis na Flipocinhos com contação de histórias, SENAC móvel onde todo dia poderá aprender a cozinhar um prato diferente.  São muitas atrações e a feira é visitada por milhares de pessoas todos os anos. Sou assídua nesse evento, gente =D

Fomos convidadas pelo pessoal organizador do evento, a GSC, a prestigiar o evento de lançamento da festa. Muitas pessoas interessadas em literatura na cidade, discutimos alguns projetos que vamos ver se colocamos em prática. Conhecemos mais pessoas do meio e, então, saímos de lá bastante animadas!

Mas nada havia me preparado para o que tive logo no primeiro dia de evento. Quem nos acompanha no insta (não segue ainda? Vem cá!) viu um pouquinho nos stories. Assisti a uma mesa com o tema Mercado Editorial - "O Negócio do Livro no Brasil: Desafios e Oportunidades", com Vítor Tavares, presidente da CBL (Câmara Brasileira do Livro), João Scortecci, Diretor Editorial do sistema Abigraf SP (Associação Brasileira da Indústria Gráfica), Magda Krauss, Diretora da ANL (Associação Nacional de Livrarias) e Rachel Helena Balseiro, escritora e advogada em Direito Cultural e Autoral.

Foi incrível para mim estar ali naquele momento, ouvir essas pessoas falarem, cada uma em sua área. E a coisa maravilhosa que me fez vibrar foi: Só evoluiremos como sociedade através do livro. Sério. Ser leitor faz uma diferença enorme em quem somos. Desenvolvemos mais habilidades psicológicas, sociais e emocionais. Comparando com o Dia Internacional do Livro, só se precisa ler. Não importa o que, só ler.

O Brasil é um país continental e segundo pesquisas existem apenas um pouco mais de 23 mil leitores. A média de livro lido é 1.4 por ano... Então de fato, há uma queda acontecendo no número de leitores, mas não é isso que tem falido tantas livrarias... Má gestão, principalmente. Porque sabemos que os jovens nunca leram tanto comoe stão lendo agora, ainda mais com as facilidades... Talvez a quantidade de visitas a uma biblioteca tenham diminuído.

Mas conversando com Vitor durante a mesa, chegamos a mesma conclusão: os jovens são estimulados por suas refêrencias vinculares: pai, mãe, tia, avó... Grande parte das vezes é pela mãe e pela avó, que foi o meu caso. Minha mãe me comprava livros infantis, embora eu não conseguisse lê-los ainda, mas me lembro muito de muitos livros que eu folheava e, depois que aprendi a ler, me lembro que um dos que peguei foi Pollyana ilustrado. E depois minha avó, que já tinha baixa visão, me  pedia para ler para ela antes de dormirmos, pois dividíamos o quarto.

O hábito da leitura precisa vir de casa... E hoje o conhecimento está desvalorizado. Vemos a cada dia horrorizados as mudanças na educação e a ausência ao incentivo real à leitura na nossa sociedade. E, claro, a ausência de políticas públicas de incentivos à leitura.

Resido em uma cidade privilegiada em que a leitura é valorizada. Dispõe de vária bibliotecas espalhadas pela cidade, além de ter um evento grandioso de óde à leitura. E, ainda assim, conheço jovens qu enão leem e não tem interesse. 

Discutimos sobre isso ao final da mesa. Quando fui falar e me anunciei como blogueira literaria e depois de conversar com eles, um senhor que estava sentado próximo de mim pediu o microfone e agradeceu aos blogueiros literários que estavam fazendo um trabalho tão bom em propagar a leitura. Me emocionei com o discurso dele, pois ando me sentindo um pouco desmotivada. Agradeci... E o Scortecci o anunciou como ex-presidente da CBL. Eu fiquei tipo: UAU! E o Victor também agradeceu ao trabalho dos blogueiros e ambos incentivaram o nosso trabalho a continuar existindo. Juro que senti vontade de chorar huahuaha! Não é todo dia que se escuta elogios de dois presidentes de algo que amo tanto!

Então você, blogueira que também está se sentindo um pouco para baixo. Saiba que sabem que seu trabalho existe e é valorizado. E é lindo! Eu desejo que todas vocês estivessem lá para ouvir também. Mas não desistam, nunca!