Menu

12.12.18

{Resenha} Como num Filme - Recomeços # 0.5


Oie amores. C-H-E-G-U-E-I!


Só tenho a dizer que esse livro é simplesmente fofo e delicioso de se ler.
Super recomendo!
Confere aí a resenha negrada!


*livro cedido pela editora

Sinopse:

“As regras são claras... até o momento em que são quebradas. Neste livro da série Recomeços, conheça a história de Ethan. As únicas coisas que o mauricinho Ethan e a rebelde Stephanie têm em comum são o curso de cinema na Universidade de Nova York e o roteiro que precisam desenvolver juntos. Mas, quando a proposta de recriar clássicos de Hollywood se confunde com a realidade, eles acabam se tornando os protagonistas de uma história de amor digna de Oscar! Ela quer um quarto confortável em uma boa casa. Ele quer ficar longe de sua ex. Eles precisam de uma boa nota. Convencidos a ajudar um ao outro, os dois entram em um acordo: Stephanie será a namorada de mentirinha de Ethan enquanto ele a deixa morar em seu apartamento. Para isso, ela deverá fingir ser uma perfeita lady: discreta, arrumadinha e, claro, completamente apaixonada… igualzinha à personagem do filme que estão criando. Contudo, à medida que os dois se aproximam, Ethan se vê completamente apaixonado pela garota cheia de mistérios e contradições ao seu lado. Agora, ele vai ter que decidir: será que seus sentimentos são pela Stephanie de verdade? Ou apenas pela versão que ele criou?”

Resenha

Stephanie Kendrick não acredita em encontros ocasionados pelo destino, que o amor bate e os dois se apaixonam perdidamente. Por tudo que passou sua opinião relacionada ao amor não poderia ser diferente. Sua vida familiar também não é uma das melhores, tudo parece acinzentar ao seu redor, escurecendo e deixando a raiva e o ressentimento lhe atingir em alguns momentos.

Ethan Price é lindo, charmoso e chama a atenção por onde passa, depois de ter o coração partido, quis se afastar dos traidores, familiares inconvenientes e do convívio social.
Passar o verão longe dos pais e do que eles representam, foi à escapatória perfeita!
Ethan se matricula em um curso de cinema na Universidade de Nova York, mesmo sem entender nadinha de cinema.
Essa também foi uma opção de Stephanie, de não ter que voltar “pra casa” se matriculou no curso de cinema que tanto esperava conseguir.
Apesar de se vestir totalmente diferente no aspecto “normal” que a sociedade pede, ela não liga de usar piercings, coturno, roupas pretas e maquiagem pesada.  Para ela se esconder através dessa nova Stephanie serve para camuflar suas dores e problemas relacionados à perda da mãe e o convívio nulo com o pai.


O encontro dos dois foi aquele esbarrão, de deixar tudo no chão inclusive coisas pessoais de Stephanie, que Ethan não deixou passar despercebido.
Ambos têm problemas pessoais e familiares grandes demais para se preocupar, o que não esperavam é que estariam matriculados no mesmo curso e que num sorteio das duplas para um projeto de roteiro durante três meses inteiros, iriam ser sorteados justamente os dois! A gótica esquisitona e o mauricinho playboy.

Stephanie sem ter pra onde ir depois de uns probleminhas nos dormitórios fica sem alternativa de onde dormir... e seu único e péssima opção é no apartamento de seu ex idiota David, que além de ter que aturá-lo, ainda de quebra o pivô da separação dos dois passa a morar lá também! Se pegando literalmente sem pudor ou vergonha nenhuma.
Fora esse “pequeno” probleminha os dois precisam elaborar juntos um roteiro de algum clássico de Hollywood e a convivência passa a ser constante e os conflitos pessoais parecem não deixa-los em paz, o que dificulta também o conflito de ideias, mas Ethan tem uma ideia que pode ser a solução perfeita para esse desfecho e para ambos.


Para Stephanie a ideia proposta é tão absurdamente ridícula e tão tentadora...que por um momento fica em negação, mas o que são três meses dormindo numa cama confortável somente dela, com um banheiro com banheira somente dela, e sem pagar nadinha durante todo o período em troca dela ser sua namorada de mentirinha.
Os dois são completamente diferentes um do outro em termos de aparência, vida social e financeira, mas algo muito em comum: os dois sofrem por traições recentes dos exs e também problemas com os pais.
As festas regadas a champanhe, caviar, finais de semanas em Hamptons com as famílias ricas dos pais de Ethan não parecia assustar Stephanie, mas sim ter que mudar radicalmente para ser aceita no círculo social elevado daquelas pessoas.

Só que o fingimento envolvendo o roteiro estava saindo pela culatra! Os dois lutam contra os sentimentos conflitantes e um conhecendo os problemas do outro parecia que os unia ainda mais.
Será que o amor que despertava no coração de ambos é o suficiente? As diferenças vão dificultar essa união?
O medo de se entregar a algo completamente novo e incrível, Ethan vai ter coragem de sair da sua bolha social e deixar o amor inundar seu coração?



Uma estória leve, doce, com um casal completamente inusitado, mas que deu tão certo quanto chocolate quente num dia frio e tempestuoso.
Tenho lido todos os lançamentos da Lauren Layne publicados pela Editora Paralela e estou amando cada personagem e enredo.
Gosto ainda mais porque a estória até parece clichê, mas tem uma leveza, beleza que não precisa de cenas fortes pra que o livro seja maravilhoso. A autora escreve as sensações e descobertas dos personagens de um jeito simples e cativante. Nada forçado ou o mesmo do mesmo entende? Simplesmente fantástico!


Por hoje é só amores.

Até a próxima. Tchau! 💟


Título: Como num Filme - Recomeços # 0.5
Autor (a): Lauren Layne
Editora: Essência
Número de Páginas: 224

10.12.18

{Resenha} A Caçadora de Dragões

Título Original: The Last Namsara
Trilogia: Iskari Vol.1
Autor: Kristen Ciccarelli
Editora: Seguinte
Sinopse: Quando criança, Asha, a filha do rei de Firgaard, era atormentada por sucessivos pesadelos. Para ajudá-la, a mãe lhe contava histórias antigas, que muitos temiam serem capazes de atrair dragões, os maiores inimigos do reino. Envolvida pelos contos, a pequena Asha acabou despertando Kozu, o mais feroz dos dragões, que queimou a cidade e matou milhares de pessoas - um peso que a garota ainda carrega nas costas.
Agora, aos dezessete anos, ela é uma caçadora de dragões temida por todos. Quando recebe de seu pai a missão de matar Kozu, Asha vê uma oportunidade de se redimir diante de seu povo. Mas ela não vai concluir a tarefa sem antes descobrir a verdade sobre si mesma - e perceber que mesmo as pessoas destinadas à maldade podem mudar o próprio destino.
"No começo... O Antigo se sentia solitário. Então, para ter companhia, criou dois seres. O primeiro foi formado a partir do céu e do espírito, e recebeu o nome de Namsara. Era um menino de ouro. Quando ria, estrelas brilhavam em seus olhos. Quando dançava, guerras chegavam ao fim. Quando cantava, doenças eram curadas. Sua presença por si só era o bastante para unir o mundo.
O Antigo criou o segundo ser com sangue e luar, e lhe deu o nome de Iskari. Era uma menina triste. Aonde Namsara levava risadas e amor, Iskari levava destruição e morte. Quando Iskari aparecia, as pessoas se escondiam em suas casas. Quando falava, todos choravam. Quando ela caçava, nunca errava o alvo." 
Asha sempre foi apaixonada pelas histórias que sua mãe lhe contava a noite, quando todos dormiam, mesmo que elas supostamente enfraquecessem a rainha, ela continuou contando-as para que a filha adormecesse tranquilamente. Ela cresceu fazendo o mesmo, contando sobre os antigos namsaras, os heróis do passado. Contava histórias e mais histórias para os dragões ouvirem. Quando o mais velho e mais terrível dos dragões a encurralou uma noite e a queimou sem piedade, destruindo casas e matando famílias, a filha do Rei foi odiada.
"[...]quando a garota fez um pedido público de desculpas e o povo cuspiu aos seus pés, seu pai ficou ao lado dela. Quando ela prometeu se redimir e eles sussurraram o nome de uma deusa amaldiçoada, seu pai transformou aquilo em título. Os heróis antigos eram chamados de namsara em homenagem ao amado deus. Mas sua filha seria iskari - como a deusa letal."
Agora aos dezessete anos, ela recebeu a maior missão de todas, uma que tem esperado por anos, desde o grande crime cometido: caçar Kozu, o mais antigo dos dragões, o maior dos inimigos dos draksors. Ela está mais do que determinada a matá-lo e trazer sua cabeça em uma bandeja para o rei, como forma de redenção ao povo e a si mesma. Mas isso não é tudo, seu pai lhe prometeu voltar atrás com a promessa feita anos antes, de casá-la com Jarek, seu tão chamado salvador. Aquele que a trouxe da Fenda, quando fora queimada pelo fogo venenoso do dragão negro, salvando sua vida. Alguém cuja mera visão simplesmente a enoja e que com toda certeza só está atrás do trono de seu pai.
Duas vitórias de uma só vez, mas as coisas não vão exatamente como ela planejava e ela vai acabar descobrindo mais do que gostaria sobre si mesma e sobre o passado que a assombra. Dessa vez, ela terá que, em vez de contar histórias, ouvi-las... dos próprios dragões. E, sendo guiada pelo primeiro namsara da história, ela terá que fazer escolhas que nunca imaginou ter que fazer.
"O Antigo a derrubou, deixando nela uma cicatriz tão longa quanto a cordilheira da Fenda. [...]ele tornou Iskari mortal, arrancando sua imortalidade como se fosse uma roupa de seda. O Antigo também amaldiçoou seu nome e a enviou para vagar sozinha pelo deserto,assombrada por ventos ardentes e tempestades de areia. Para secar sob o sol abrasador. Congelar sob o manto gelado da noite.
Mas nem o calor nem o frio foram capazes de matá-la.
Quem o fez foi a solidão insuportável.
Namsara procurou Iskari pelo deserto. O céu mudou sete vezes antes que encontrasse seu corpo na areia, sua pele queimada pelo sol, seus olhos comidos pelos corvos.
Ao ver sua irmã morta, ele caiu de joelhos e chorou."
Asha, que estava acostumada a ser a iskari, ver os olhares alheios evitarem suas cicatrizes por temor, vai ter que se acostumar com os olhares de um serviçal, um skral, o criado de seu noivo, ainda por cima. Um rapaz feroz que não pensa duas vezes em olhá-la nos olhos, quando ninguém mais vê, embora seja contra a lei. E as coisas vão apenas desandar ainda mais para a caçadora, quando ela recebe de seu próprio irmão, um pedido para que ela salve o skral de Jarek. E de repente ela está cheia de tarefas que uma iskari não deveria estar fazendo, mesmo assim ela se vê na necessidade de cumpri-las, mesmo não entendendo de fato a razão por trás de tudo isso. Afinal, poderia uma iskari, se tornar uma namsara? Asha com certeza não se vê assim, mas desobedecer o Antigo, pode ser muito perigoso...
"[...]Ouviu a morte chamando seu nome, então seu coração fraco e brilhante falhou.
- Meu amor - ela sussurrou. - Esperarei você nos portões da morte.
[...]Nos portões da morte, Willa firmou os pés e olhou novamente para a terra dos vivos. [...] então, a própria morte foi até ela. Willa não se moveu.
A morte enviou um frio intenso para congelar o amor em seu coração, e nem assim Willa se moveu.
Enviou um fogo furioso para queimar suas memórias, e Willa as manteve com firmeza.
Enviou um vento tão forte quanto o mar para forçá-la a seguir adiante, mas Willa segurou nas barras e não soltou.
[...] Ela esperou o próprio Elorma chegar ao portão, uma vida depois, e só então soltou as barras."
A Caçadora de Dragões me atraiu em tudo. A sinopse, a capa, o título. Não teve uma coisa sequer que não me faria pegar esse livro para ler e com certeza não me arrependi. A história parece tão simples com o resumo, mas ela se mostra muito mais que isso. A narrativa incrível é intercalada entre o presente, seguindo Asha, e histórias do passado, dela ou histórias mais antigas de Firgaard, nos trazendo mais pra perto das fundações desse universo fictício.

E claro, adorei a personagem principal. Uma caçadora de dragões! A melhor deles! Enquanto lia esse livro eu não conseguia não pensar em como a minha eu de 10 anos atrás teria ficado tão fascinada quanto eu fiquei ao ler esse livro. Definitivamente um livro empoderador para as mulheres. Além da principal, temos muitas outras mulheres incríveis que são mencionadas, como a prima da iskari, Safire, filha de um draksor e uma skral, um amor proibido por lei. E das histórias antigas, eu devo mencionar sem falta: Moria, a filha de uma sacerdotisa que matou o quarto rei de Firgaard, por ser tão cruel.
"[...] Moria fez uma mesura para ele. Não o encarou, com medo de que visse a fúria ardente em seus olhos. Não falou seu nome, com medo de que identificasse o tom afiado de sua voz.
O rei-dragão dispensou seus guardas.
A chama em Moria vacilou.
[...] Quando ele avançou em sua direção, Moria congelou.
Quando ele abriu os botões de seu caftã, ela tremeu.
Quando o tecido deslizou de seus ombros e caiu no chão, Moria pensou na sua amiga mais querida. Pensou em todas as garotas que haviam ficado bem ali, tremendo e com medo, com as roupas emboladas junto aos seus pés. Então ela pegou a faca amarrada em sua coxa.
Ao vê-la, o rei arregalou os olhos, surpreso.
Então Moria cortou a garganta dele.
[...] Ela manteve a cabeça erguida por todo o caminho até o bloco de execução."
A história tem a medida certa de romance, aventura e fantasia. Para alguém como eu, que já leu tantos romances na adolescência, ao ponto de até enjoar dos clichês melosos por aí, foi algo bem revigorante. Todas as histórias de amor em A Caçadora de Dragões são lindas e profundas, que te fazem sonhar com o "eterno".
A forma como foi narrada, intercalando as histórias antigas e o passado do ponto de vista de Asha, nos faz acompanhar seus pensamentos e dúvidas. Desvendando aos poucos, junto com a protagonista todas as lacunas de seu passado, o que ajuda a história a fluir com muita facilidade. Lembro de ficar até tarde da noite lendo o livro, porque simplesmente não conseguia largá-lo! (risos). Os detalhes nas páginas, nos títulos também me agradou imensamente.

Recomendo esse livro para todas as mulheres com toda a certeza e mais ainda para todas as meninas que sonham em verem a si mesmas como protagonistas de histórias tão intensas e incríveis! Espero ansiosamente pelos próximos volumes!

5.12.18

{Resenha} A Máquina do Tempo



Título original: The Time Machine
Autor: H. G. Wells
Editora: Suma
Sinopse: A bordo de sua Máquina do Tempo, o cientista que narra esta história parte do século XIX para o ano de 802701. Nesse futuro distante, ele descobre que o sofrimento da humanidade foi transformado em beleza, felicidade e paz. A Terra é habitada pelos dóceis Eloi, uma espécie que descende dos seres humanos e já formou uma antiga e enorme civilização. Mas os Eloi parecem ter medo do escuro, e têm todos os motivos para isso: em túneis subterrâneos vivem os Morlocks, seus maiores inimigos. Quando a Máquina do Tempo que levou o Viajante some, ele é obrigado a descer às profundezas para recuperá-la e voltar ao presente.Chamado de gênio e considerado um pioneiro, Wells abriu caminho não só para seus livros e sua visão de mundo, mas para novas possibilidades na literatura.

Bem, qual pessoa que gosta de ficção científica (e de The Big Bang Theory) nunca ouviu falar desse livro/filme?


Um cientista que é chamado apenas de Viajante cria uma versão em miniatura de uma Máquina do Tempo e a exibe para seus amigos, que não acreditam muito em sua criação. São todos figuras conhecidas por suas profissões, como o Escritor, o Médico ou o Jornalista. Então apesar do tom familiar da conversa, o leitor tem apenas uma visão ligeiramente impessoal do vínculo que une aquelas pessoas tão marcantes.

Porém, decidido a das cabo na versão final de sua obra, o Viajante consegue viajar no tempo e o alvo de sua curiosidade é o futuro. Assistimos com ele o avanço da tecnologia (uma vez que tal personagem deve viver por volta de 1890 e algo, suponho eu) e como o mundo vai sendo modificado pela presença humana, até o ano de 807, onde o local onde ele estava (seu escritório, digamos assim) nada mais é que um grande descampado, com figuras arquitetônicas grandiosas.


Não há muito para ver até onde seus olhos alcançam. Porém, ele avista pequenas criaturas humanoides, adultos em forma de criança, que se aproximam curiosas e falam um idioma desconhecido.

Tudo muito diáfano e pacato, eles apenas vivem. Uma sociedade hedonista que aparentemente já não produz nada, nem mesmo seu sustento. Aparentam felicidade, mas desconhecem sentimentos ou sequer parecem nota-los. São pequenas criaturas curiosas, as quais nosso protagonista estuda e acaba perdendo o foco – e sua grandiosa máquina.

Apesar de frustrado, ele se sente bem. Em suas análises, percebe que os Eloi – ele acaba por descobrir – tem muito medo do escuro e todos dormem juntos à noite. Quando indagados da razão, o Viajante apenas se frustra com a ausência de resposta. Mas sabe que há algo ali...

Indo em busca de como recuperar sua máquina, ele acaba se deparando com o terror dos Eloi, Os Morlocks: criaturas que vivem no submundo, aparentemente cegas e com um nível de evolução diferente dos Eloi. Talvez até mais bestial.

É sempre interessante analisar sociedades que possam ter evoluído da nossa. Imaginar como os humanos estarão daqui centenas de anos, se ainda serão a espécie dominante, as variações. No final, será que ainda existiremos? É tudo bastante filosófico se você dedica alguns momentos a pensar nessas coisas. Claro que não temos muito nenhum embasamento científico (eu não tenho, pelo menos), mas diferente das distopias, H. G. Wells apresenta um futuro bastante diferente.

Com poucas páginas e excelente escrita, acompanhado de ilustrações que nos ajudam a entender um bocado do futuro imaginado pelo autor, podemos entender porque o livro foi – e é- um sucesso tão grande até os dias atuais.


Já foi adaptado para as telonas algumas vezes, mas acredito que a mais recente seja de 2010, com algumas modificações em comparação ao livro. Pelo que me lembro, há bem mais ação e os Eloi são bastante diferente... Gostei mais do livro, obviamente! Posso afirmar isso agora, haha!

A edição em capa dura da Suma está linda também, páginas amareladas e grossinhas que facilitam bem a leitura.

Você já leu ou assistiu ao filme? Deixe nos comentários sua opinião sobre os dois!


4.12.18

{Indicação de Natal} Editora Arqueiro



E o Natal está chegando e é muito importante para nós, os leitores e leitoras deste país, nos apeguemos ao que mais amamos: livros!!!

Então vamos indicar cinco livros da Editora Arqueiro que foram muito bons em nossa opinião, porque coisa boa é para ser compartilhada, né? Assim já te facilita a escolher o que quer de presente ou dar presente, porque vamos combinar... esse ano tem que ser só livros de presente, okay?

Pedi ajuda das meninas para ter as indicações, assim fica bem variado! Afinal, o que mais tem aqui é diversidade literária!

Então eu começarei!
 
Indico A luz que perdemos, de Jill Santopolo! Indico ele pois me trouxe muita reflexão sobre como
eu estava levando alguns aspectos da minha vida e me fez perceber que algumas coisas não estavam certas.
“Se quiser uma bomba emocional, esse livro é uma boa pedida. A realidade de muitos relacionamentos, de muitas vidas que vivem em locais de guerra.”
Aqui você encontra a resenha completa dele!
Aqui você pode comprá-lo de presente!

Fiquei em dúvida de quais mais eu colocava no post, porque são tantos livros lindos e que podem te servir para algum momento de sua vida... Fiquei de fato indecisa, mas acho que estou mais para dicas de relacionamentos huahuhau! Então minha segunda indicação será...




Meus dias com você, de Clare Swatman! Acredito que também me fez pensar muito sobre muitas decisões que eu estava tomando, tive toda uma música que me inspirou a leitura, então espero que também tenha um efeito assim em vocês ou em quem vocês irão presentear!
“Aproveite cada momento de sua vida com as pessoas que você gosta e ama, tente tirar sempre o melhor proveito das situações... “
Aqui tem a resenha, também!
Aqui você pode comprá-lo para seu amigo, amiga, tio, tia, parente...




Confiram as indicações da Lauri!!

A Maldição do Tigre - vol 01 - Colleen Houck

Conheci a autora pela primeira vez através desse livro, me encantando com a sinopse do primeiro livro, que viraria a minha série favorita em todo o mundo. Sabe quando você cria um laço de amor e carinho com os personagens e a cada livro o amor cresce mais? 

Pois é! Foi assim que me senti quando li A Maldição do Tigre.

Sou #TeamRen desde o começo, isso não quer dizer que não ame o Kishan também, mas o casal maravilhoso já estava formado né mores? 

As aventuras que são tão fortemente detalhadas, como se você estivesse ali, do lado de Ren e Kelsey, tentando desvendar todos os segredos e libertar o príncipe dessa maldição. É simplesmente esplêndido!

Você que conhece ou já ouvi falar, mas nunca leu... amooooooor!

Uma indicação dessas bicho! 💗


Precisa mudar isso já!

Aproveita que tem o Box maravilhooooooso da série e já emenda um livro atrás do outro...pois vou te dizer: você não vai aguentar de tanta curiosidade e vai querer saber como tudo vai desenrolar. Eu sofri horrores porque tive que esperar lançar e foi um martírio, confesso!


Amo demais essa série e recomendo pra qualquer leitor que gosta de se aventurar por lugares mágicos e cheio de mistério.

Aqui você pode comprar essa lindeza!

E a segunda indicação é... Irmãos de Sangue - A Sina do Sete #1, da Nora Roberts!

O que falar dessa autora né mores?

Quem acompanha minhas resenhas, sabe o quanto sou A-P-AI-X-O-N-A-D-A por essa autora e por seus romances.

Nora Roberts sempre consegue arrebatar meu coração com seus livros, e essa trilogia magnifica não ficou de fora. 💗

São 3 livros regados de suspense, mistério e muito romance. Cada livro fala de um dos amigos que com toda a inocência e rebeldia, liberaram um demônio que não devia ter sido tirado do lugarzinho dele. E é aí que o negocio começa a ficar bom! Sou leiga pra falar dos romances da Nora, mas quem conhece e ama como eu, sabe o quanto extraordinária a cabeça dessa mulher é.




Muito amor por ela e seus personagens.


O que essa trilogia me ensinou foi que a amizade derruba barreiras, enfrenta os obstáculos e o amor transforma tudo.

Aqui você pode comprar o primeiro livro e os outros da trilogia!

E eu a Lauri entramos num consenso sobre uma série, hehe!!!

Nove regras a ignorar antes de se apaixonar, de Sarah Mclean!


Aqui tem uma resenha do primeiro livro para te animar!
E aqui você pode comprá-lo!

O que vocês acharam de nossas indicações? Tem alguma pra nos dar? Deixe aí nos comentários!!!

3.12.18

{Resenha} O Último Suspiro: Detetive Erika Foster #4


Título original: Last Breath
Autor: Robert Bryndza
Editora: Gutenberg
Sinopse: “Ele é o encontro perfeito. Ela é sua próxima vítima.”
Quando o corpo torturado de uma jovem é encontrado em uma lixeira, com os olhos inchados e as roupas encharcadas de sangue, a Detetive Erika Foster é uma das primeiras a chegar na cena do crime. O problema é que, desta vez, o caso não é dela.
Enquanto luta para garantir seu lugar na equipe de investigação, Erika rapidamente encontra uma ligação desse assassinato com um crime não solucionado de uma jovem quatro meses antes. Jogadas em um local semelhante, as duas mulheres têm feridas idênticas e uma incisão fatal na artéria femoral.
Procurando suas vítimas nas redes sociais a partir de um perfil falso, o assassino ataca jovens bonitas escolhidas aleatoriamente.
Então, uma outra garota é sequestrada… Erika e sua equipe têm que chegar antes que ela se torne a próxima vítima. Mas como a Detetive Foster pegará um assassino que parece não existir?
Eletrizante, tenso e impossível de largar, O Último Suspiro fará você correr para a última página.
Warning!!!!

Pode ter spoilers dos livros anteriores, okay pipol? Como sempre, evito ao máximo mas às vezes não é possível.

Olha a resenha:


Sabe aquele livro que te deixa com a pulga atrás da orelha com a segurança de seu perfil nas redes sociais? Um crime que acontece com sinais que estão muito próximos de suas vítimas, com indicações de um dia-a-dia corriqueiro.

Erika Foster está de volta em uma cena de um crime brutal: uma jovem com sinais de tortura e violência foi encontrada em uma caçamba de lixo e o assassino é muito bom em esconder-se.

Como tem sido muito comum, Erika está em uma cena de crime que não pode assumir, então precisa dar um jeito de provar-se útil mais uma vez. Não há muitas pistas para serem analisadas, não há nenhum sinal de que a vítima possa ser um caso especial para o agressor, nada. E, para completar o cenário, as meninas continuam aparecendo.

Diferente dos criminosos anteriores criados por Robert Bryndza, este gosta de se apresentar. E utiliza as redes sociais como local de caça de um modo extremamente perturbador.


Porque?

Hoje temos conectividade com o mundo 24 horas por dia. Estamos em nossos smartphones acessando nossas redes sociais, atualizando o tempo todo onde estamos e com quem estamos, nossos locais de trabalho, rotina... Nosso humor e pensamentos, às vezes muito íntimos. Mostramos o melhor e o pior de nós nesses locais, sem nos importar com quem está vendo. Sabemos do perigo e, na maior parte das vezes, os ignoramos simplesmente para nos mostrar para o mundo.

Não sabemos se as pessoas com as quais conversamos, algumas vezes, são quem elas de fato dizem ser. Se são boas ou más, se tem realmente as intenções que dizem ter. E simplesmente vamos nos unindo e aproximando de pessoas que podemos nunca ver “pessoalmente”. Eu mesma já fiz muito isso, admito. Tenho bons amigos virtuais cultivados por anos e anos... E nunca os vi fora da telinha.

Quando então nos apaixonamos por suas palavras e queremos nos encontrar, não esperamos que aquela pessoa possa nos ferir.


E é isso o que acontece com cada uma das meninas que encontraram seu fim tão cedo nas mãos de um psicopata. Os crimes são muito bem orquestrados, sem falhas e nenhuma pista é deixada. O que torna o trabalho dos policiais ainda mais complicado.

Paralelo ao crime, a detetive Foster tem seus próprios fantasmas para lidar, uma vez que seu romance com Peterson tem avançado. Seu passado ainda a corrói, bem como a culpa por tudo o que aconteceu. Mas ainda acredito no futuro, haha!

Esse foi um livro que peguei para ler e em poucas horas já havia terminado, de tão intenso que é. Não houve enrolações, nem muitos mistérios... Tudo aconteceu bem orquestrado e como se esperava, o final é simplesmente desesperador. Não esperava muito aquilo, mas acabei ficando feliz.

Robert Bryndza escreve de forma brilhante e acredito que há muita pesquisa envolvida para montar o psicológico de seus personagens, especialmente os criminosos. Querendo ou não, eles são as personagens chaves de suas histórias e não somente os bons policiais, que também são bem construídos. Gosto de todos e admito que agora até o Sparks tem um lugarzinho quentinho no meu coração.

Sinceramente, o melhor livro da série que li até agora. Ele não te deixa dormir até que a leitura chegue ao fim e ainda assim você ainda fica matutando sobre tudo o que acabou de passar diante de seus olhos!

29.11.18

{Lançamentos} Novembro: Companhia das Letras


Mas olha só os lançamentos da Companhia das Letras e seus demais selos desse mês de novembro!

Acredito que alguns são bastante interessantes e tem para todos os gostos e tipos de leitores!

Qual será o seu escolhido?

Romance tóxico

Heather Demetrios


Título original: BAD ROMANCE
Lançamento: 14/11/18
Páginas: 416
Uma história contemporânea, comovente e incrivelmente honesta sobre como encontrar forças para se libertar de relacionamentos tóxicos.
Grace quer sair de casa. Ela se sente sufocada pelo padrasto agressivo e pela mãe obsessiva, que a faz esfregar o chão até toda a poeira (que só ela enxerga) sumir. Quer ir embora da cidadezinha onde mora, na Califórnia, pequena demais para seus sonhos. Quer fugir da vida que leva e se tornar uma artista em Paris, uma diretora de teatro em Nova York… qualquer futuro que seja distante do medo e da solidão que sente. Então ela se aproxima de Gavin: charmoso, talentoso e adorado por todos da escola. Quando os dois se apaixonam, Grace tem certeza de que aquele romance é bom demais para ser verdade. Mas as suas amigas enxergam um outro lado do garoto — controlador e perigoso —, que, com o tempo, vai transformar o relacionamento dos dois em uma prisão da qual Grace será incapaz de escapar sozinha. 

Cloro

Alexandre Vidal Porto


Páginas: 152
LANÇAMENTO: 23/11
Até que ponto é possível se esconder de si mesmo? Neste livro, uma tragédia familiar desestrutura a vida burguesa de um homossexual no armário. Um pequeno estudo sobre a força irresistível da sexualidade.
Em Cloro, Constantino é um defunto autor. No limbo em que se encontra, ele rememora fatos decisivos de sua vida — até a morte inesperada, aos cinquenta anos de idade. Advogado bem estabelecido em São Paulo, aprendeu na infância que “ser bicha não era bom”. Sempre escondeu seu desejo. Desde cedo, incorporou um personagem heterossexual. Casou-se com Débora, sua namorada de adolescência, e foi pai de dois filhos. Um acontecimento trágico rompe o frágil equilíbrio em que se mantinha, e ele é confrontado com sua homossexualidade. Passa a levar uma vida dupla. Encontra-se com homens e apaixona-se por Emílio, diplomata que conhece em Brasília. Pela voz de Constantino e depoimentos de seus familiares e amigos, Alexandre Vidal Porto oferece uma narrativa lúcida e necessária para os tempos atuais — quando ser você mesmo é um ato de coragem.

Um crime da solidão

Andrew Solomon

Título original: BOOK ON SUICIDE
Acabamento: Brochura com Orelha
Lançamento: 09/11/2018
Uma seleção inédita de textos do extraordinário autor de demônio do meio-dia e Longe da árvore, que discutem com sensibilidade e empatia os vários aspectos do suicídio e da depressão.
O demônio do meio-dia foi um livro divisor de águas sobre a depressão. Seu autor, Andrew Solomon, tratou de forma singular e inédita sobre esse mal que afeta milhões de pessoas no mundo, mas que, muitas vezes, ainda não é tratado com a seriedade devida. O suicídio é o extremo a que a doença pode levar, e é muito mais comum do que imaginamos: a cada quarenta segundos, alguém tira a própria vida.
Nestes artigos que foram reunidos em livro pela primeira vez, numa edição exclusiva para o Brasil, Solomon reflete sobre casos recentes de suicídio de personalidades, como Anthony Bourdain, Robin Williams e Kate Spade, assim como de literatos, entre eles Sylvia Plath e David Foster Wallace, e ainda Virginia Woolf, que “tentou salvar-se pela arte” mas que sofria de um mal clínico intolerável e escolheu a água como um meio de morrer. Com sua narrativa fluida e seu olhar sempre empático, ele relata e analisa uma série de casos de pessoas que acabaram partindo antes da hora. 

O eleito

Thomas Mann


Título original: DER ERWÄHLTE
Páginas: 272
Lançamento: 29/10/2018
Neste romance de 1951, Thomas Mann reconta a fabulosa epopeia medieval do Papa Gregório, homem que vive a dualidade de ser fruto de um pecado e querer servir a Deus com toda sua alma.
Thomas Mann redescobriu a lenda do Papa Gregório, esse “Édipo cristão”, produto de um incesto, que tinha a “força do arrependimento para perdoar todos os pecados”, quando procurava um tema para o seu herói Adrian Leverkühn, protagonista de Doutor Fausto. Tempos depois, o escritor tomou consciência do fascínio da história em si e escreveu O eleito.
Narrado por um monge irlandês, o romance acompanha a vida de Gregor, lançado ao mar num cesto, ainda bebê, por ser o fruto pecaminoso de um casal de irmãos nobres. Ele sobrevive milagrosamente e é criado numa ilha por pescadores e um monge. Já adulto, o destino fará com que ele reencontre a mãe, agora rainha, e repita o pecado do incesto, pois ambos ignoravam seus laços de sangue. Banido de novo, ele buscará o caminho da evolução moral e espiritual, para então encontrar a redenção divina.

Ritmo louco

Zadie Smith 

Título original: SWING TIME
Páginas: 528
Lançamento: 26/10/2018
Duas amigas de infância apaixonadas por dança seguem caminhos diferentes neste novo e exuberante romance da premiada autora de Sobre a beleza. Best-seller do New York Times.
Duas garotas de ascendência negra sonham em ser dançarinas — mas apenas uma delas, Tracey, tem talento. A outra, a narradora, tem ideias: sobre ritmo e identidade, sobre música e raça, sobre o que torna uma pessoa verdadeiramente livre. É uma amizade próxima, mas complicada, que termina abruptamente por volta dos vinte e poucos anos, para nunca mais ser revisitada, mas também nunca esquecida.
Ritmo louco começa com a narradora voltando a Londres após ser demitida de seu emprego como assistente pessoal de uma cantora pop mundialmente famosa. Ao perambular pela cidade, a história do passado vai sendo revelada — e Tracey tem papel fundamental nela. Alternando entre estes dois tempos, o do presente e os anos 1980 e 1990, Zadie Smith cria um brilhante romance de formação que coloca em movimento reflexões profundas e atuais sobre cor, raça, gênero e, sobretudo, pertencimento. 

Sobrevivendo no inferno

Racionais MC’s 


Páginas: 144
Lançamento: 31/10/2018
A principal obra do maior grupo de rap do Brasil agora publicada em livro, contundente como sempre e atual como nunca. Leitura obrigatória do vestibular da Unicamp.
Na virada para os anos 1990, os Racionais MC’s emergiram como um dos mais importantes acontecimentos da cultura brasileira. Incensado pela crítica, o disco Sobrevivendo no inferno vendeu mais de um milhão e meio de cópias. Agora publicados em livro, precedidos por um texto de apresentação e intermeados por fotos clássicas e inéditas, os raps dos Racionais são a imagem mais bem-acabada de uma sociedade que se tornou humanamente inviável, e uma tentativa radical, esteticamente brilhante, de sobreviver a ela.
“Foi com Sobrevivendo no inferno que a juventude negra e periférica se formou. Por causa deste disco muita gente se graduou em autoestima e não entrou para a faculdade do crime.” — Sérgio Vaz
“O relato não frio, histórico e real da mentalidade que massacra e exclui no Brasil.” — Criolo

O clube dos jardineiros de fumaça

Carol Bensimon 

Páginas: 368
Lançamento: 27/11/2018
Ambientado na Califórnia e tendo como pano de fundo a descriminalização da maconha, O clube dos jardineiros de fumaça é um retrato magistral da geração hippie.
Em um cenário formado por coníferas milenares, estradas sinuosas e falésias, a região californiana do Triângulo da Esmeralda concentra a maior produção de maconha dos Estados Unidos. É lá que o jovem professor brasileiro Arthur busca recomeçar a vida, depois dos acontecimentos que o levaram a deixar Porto Alegre. Aos poucos, ele se insere na dinâmica local e passa a fazer parte de uma história que começa com a contracultura dos anos 1960 e se estende até o presente.
À vida de Arthur e daqueles com quem estabelece vínculos — o atormentado Dusk, a solitária Sylvia, a indecisa Tamara — mistura-se a de personagens reais que participaram do embate que levou à descriminalização do uso da maconha, fazendo deste um poderoso romance panorâmico. Cruzando história e ficção, com uma linguagem original e ousada, a meio caminho entre Brasil e Estados Unidos, Carol Bensimon compõe em O clube dos jardineiros de fumaça um brilhante retrato da geração hippie e de seu legado. 

Adulta sim, madura nem sempre

Camila Fremder

Páginas: 136
Lançamentos: 26/10/2018
A vida adulta chega de uma hora para outra e nem sempre estamos preparados para ela. E tudo bem.
Um dia você é a jovem moderna que ouve música alta e incomoda a vizinha. Num piscar de olhos é você quem está interfonando para o porteiro e reclamando, aos berros, do som da garota que mora no andar de cima. O que aconteceu? Simples: a vida adulta chegou. Quer dizer, não tem nada de simples.
Como Camila Fremder mostra neste seu novo livro, a vida adulta costuma chegar de uma hora para outra, sem avisar, sem um curso preparatório, sem nada. Ou pelo menos é assim que a gente se sente. E a consequência disso é muito estranhamento, reflexões e boas risadas. Saem de cena as noites agitadas e os dias sem grandes preocupações, sendo substituídos por fraldas (no caso de quem tem filho), boletos e muita paranoia com a aparência. Com observações perspicazes e bom humor, Camila nos ajuda a entender e aceitar melhor essa transição. Um livro que você não vai conseguir largar. A menos que o bebê acorde ou esteja na hora de você correr para o batente. 

O método Bullet Journal

Ryder Carroll 

Páginas: 328
LANÇAMENTO: 19/11
O aguardado primeiro livro oficial do famoso método Bullet Journal®.
O método Bullet Journal é muito mais do que uma forma de organizar tarefas através de anotações. É uma maneira de diminuir a ansiedade e “viver de forma intencional”. Ao remover as distrações e focar seu tempo e energia nas atividades que realmente trazem resultado, você vai transformar sua vida profissional e pessoal.
Aprenda neste livro a:
- Registrar o passado;
- Organizar o presente;
- Planejar o futuro.
Um guia certeiro para quem quer tomar as rédeas da própria vida e comemorar um aumento na produtividade. 

Minha história

Michelle Obama 

Título original: BECOMING
Páginas: 464
LANÇAMENTO: 13/11
Um relato íntimo, poderoso e inspirador da ex-primeira-dama dos Estados Unidos.
Com uma vida repleta de realizações significativas, Michelle Obama se consolidou como uma das mulheres mais icônicas e cativantes de nosso tempo. Como primeira-dama dos Estados Unidos — a primeira afro-americana a ocupar essa posição —, ela ajudou a criar a mais acolhedora e inclusiva Casa Branca da história. Ao mesmo tempo, se posicionou como uma poderosa porta-voz das mulheres e meninas nos Estados Unidos e ao redor do mundo, mudando drasticamente a forma como as famílias levam suas vidas em busca de um modelo mais saudável e ativo, e se posicionando ao lado de seu marido durante os anos em que Obama presidiu os Estados Unidos em alguns dos momentos mais angustiantes da história do país. Ao longo do caminho, ela nos ensinou alguns passos de dança, arrasou no Carpool Karaoke e criou duas filhas responsáveis e centradas, apesar do impiedoso olhar da mídia.
Em suas memórias, um trabalho de profunda reflexão e com uma narrativa envolvente, Michelle Obama convida os leitores a conhecer seu mundo, recontando as experiências que a moldaram — da infância na região de South Side, em Chicago, e os seus anos como executiva tentando equilibrar as demandas da maternidade e do trabalho, ao período em que passou no endereço mais famoso do mundo. Com honestidade e uma inteligência aguçada, ela descreve seus triunfos e suas decepções, tanto públicas quanto privadas, e conta toda a sua história, conforme a viveu — em suas próprias palavras e em seus próprios termos. Reconfortante, sábio e revelador, Minha história traz um relato íntimo e singular, de uma mulher com alma e consistência que desafiou constantemente as expectativas — e cuja história nos inspira a fazer o mesmo. 

Ironias do tempo

Luis Fernando Verissimo

Páginas: 208
Lançamento: 05/11/2018
Nas voltas e reviravoltas da vida, lá estão elas, as ironias do tempo, o tema da nova antologia de crônicas de Luis Fernando Verissimo.
Faz tempo que Luis Fernando Verissimo registra em suas crônicas nos jornais toda a poesia, graça e lógica dos principais eventos do Brasil e do mundo. Pensamentos, desastres, sentimentos, escândalos, está tudo ali, acontecendo em tempo real diante dos nossos olhos.
Adriana e Isabel Falcão se debruçaram sobre pilhas e mais pilhas de textos produzidos nos últimos vinte anos para montar esta antologia. O resultado é uma curiosa jornada pelo tempo. Fatos ou comportamentos que pareciam definitivos podem mudar radicalmente; outros impressionam justamente pelo motivo oposto: se mantêm iguaizinhos ao longo de décadas. E nessas idas e vindas que a vida dá, lá estão elas, as ironias do tempo. 

Fogo & Sangue #1

George R. R. Martin 

Título original: FIRE AND BLOOD
Páginas: 600
LANÇAMENTO: 20/11
A arrebatadora história dos Targaryen ganha vida neste novo livro de George R.R. Martin, autor de As Crônicas de Gelo e Fogo, série que inspirou a adaptação de sucesso da HBO, "Game of Thrones".
Séculos antes dos eventos de A guerra dos tronos, a Casa Targaryen - única família de senhores dos dragões a sobreviver à Destruição de Valíria - tomou residência em Pedra do Dragão. A história de Fogo e sangue começa com o lendário Aegon, o Conquistador, criador do Trono de Ferro, e segue narrando as gerações de Targaryen que lutaram para manter o assento, até a guerra civil que quase destruiu sua dinastia.
O que realmente aconteceu durante a Dança dos Dragões? Por que era tão perigoso visitar Valíria depois da Destruição? Quais foram os piores crimes de Maegor, o Cruel? Essas são algumas das questões respondidas neste livro essencial, relatadas por um sábio mestre da Cidadela.
Ricamente ilustrado com mais de oitenta imagens assinadas pelo artista Doug Wheatley, Fogo e sangue dará aos leitores uma nova e completa visão da fascinante história de Westeros - um livro imperdível para os fãs do autor. 

 Úrsula

Maria Firmina dos Reis 

Título original: URSULA
Páginas: 224
Lançamento: 06/11/2018
Obra inaugural da literatura afro-brasileira, Úrsula é considerado o primeiro romance escrito por uma mulher no Brasil. Maria Firmina dos Reis, mulher negra nascida no Maranhão, constrói uma narrativa ultrarromântica para falar das mazelas sociais decorrentes da escravidão.
Tancredo e Úrsula são jovens, puros e altruístas. Com a vida marcada por perdas e decepções familiares, eles se apaixonam tão logo o destino os aproxima, mas se deparam com um empecilho para concretizar seu amor. Combinando esse enredo ultrarromântico com uma abordagem crítica à escravidão, Maria Firmina dos Reis compõe Úrsula, um dos primeiros romances brasileiros de autoria feminina, em 1859. Por dar voz e agência a personagens escravizados, é vista como a obra inaugural da literatura afro-brasileira. Retrata homens autoritários e cruéis, mostrando atos inimagináveis de mando patriarcal e senhorial em um sistema que não lhes impõe limites. Com rica introdução e contextualização histórica, esta edição de Úrsula celebra uma das autoras mais importantes da literatura nacional e conta com estabelecimento de texto e introdução de Maria Helena Pereira Toledo Machado e cronologia de Flávio Gomes.