Menu

21.8.09


AMANTE ESCURO
J.R WARD
Irmandade da Adaga Negra - Livro 01

Nas ruas do Cadwell em Nova Iorque se mantém uma sangrenta luta entre duas bandas, duas raças: A Irmandade e seus caçadores e assassinos. A Irmandade é compsta por seis vampiros e guerreiros que arriscam sua vida pelo amparo e sobrevivência de sua raça, perseguida e dizimada o que a colocou em uma perigosa situação, a população de vampiros há diminuído alarmantemente. Warth, Rhage, Zsadist, Phury, Vishous e Tohrment se submeteram a duros treinamentos para poder lutar e proteger a sua espécie. São vampiros, são guerreiros e cada um deles carrega uma maldição própria que os mantém isolados, sós... tão só um deles Tohr tem companheira, o resto vivem só sem nenhuma companhia, só têm à Irmandade que os une em sua luta pela sobrevivência de sua raça contra os assassinos de seu povo. Os Irmãos, embora não de sangue, sim de vínculo, são selecionados por suas habilidades tanto físicas e mentais como por suas habilidades curadoras. Agressivos, auto-suficientes não se relacionam com outros membros a não ser que precisem alimentar-se. A sociedade de assassinos e caçadores de vampiros são humanos que venderam sua alma, o que os despoja de vínculos, de idade e com o tempo sua pele, cabelo e olhos empalidece visivelmente o que lhes outorga uns traços e aroma característicos da dita sociedade. Rhage é o melhor guerreiro do grupo além disso o mais atraente, mas tem um lado escuro e violento, Zsadist foi torturado e escravizado, uma cicatriz lhe cruza o rosto, usa o cabelo praticamente raspado e vários piercings em seu corpo, e o resto da Irmandade teme que esteja próximo à perda de sua alma, Phury é seu gêmeo, usa uma prótese em uma perna, cabelo multicolorido, e por decisão própria se mantém celibatário, Vishous é o especialista em tecnologia e lusa cavanhaque, uma boina vermelha e uma luva que oculta sua mão esquerda... e por último está Tohrment.

Warth é o rei dos vampiros, é o único de toda a irmandade que é um vampiro "puro", nascido de pai e mãe vampiros. É praticamente cego o que lhe faz ocultar permanentemente seus olhos com uns óculos escuros. Como todos, veste-se de couro e é imponente, enorme, uma massa de músculos e tendões duramente treinados para a luta. É o líder da Irmandade além disso o rei dos vampiros.

Pouco antes de sua morte Darius, o sétimo vampiro da Irmandade pede ao Warth que cuide de sua filha Beth, meio humana meio vampira que está a ponto de passar pela transição, converter-se em vampira, mas é um processo perigoso pode significar sua morte ou a conversão o que implica uma mudança de vida, estilo e raça, abandonar sua vida humana e passar a viver entre as sombras da noite. Warth se nega, mas depois da morte de seu "irmão" e amigo procura Beth para instrui-la e lhe advertir....
Beth desconhece suas orígens e procedência. Criou-se em orfanatos depois da morte de sua mãe após lhe dar a luz, nunca conheceu seu pai. É na atualidade uma jornalista que vive como uma mais entre a multidão de Caldwell, em Nova Iorque. Mas depois da irrupção de Warth em sua vida esta, sofre um salto de 180 graus. A entrada em uma vida na escuridão, a conversão em vampira e … uma intensa e sensual relação com o líder da Irmandade, a pesar da inicial reticência por parte de ambos. Beth teme a esse enorme desconhecido, Warth não quer vínculos nem laços de nenhum tipo, tão só a ajudará a passar pela transição diz, pois seu sangue é poderoso, antigo e o mais forte... Mas os planos são feitos para quebrar-se e o perigo lhes une em uma ardente e sensual relação que os vincula irremediavelmente.

Faz um bom tempo que eu vejo minhas companheiras de encontro comentando sobre essa e série e eu nunca começava a ler,mas como eu não sou de ferro e quero ser uma mocinha atualizada enfim comecei.
E valeu cada minuto.
Warth é maravilhoso mais que perfeito.Homem com H maiúsculo.
O primeiro encontro com a Beth...é hot bem hot...pegando fogo.
A autora maravilhosa conseguiu mostrar os vampiros por um lado bem difernte.
Olha que eu já vi muito vampiro.

Sexy, Envolvente e Misterioso.

Tô desesperada pra terminar a série... Já sei que vou amar.


20.8.09

Cerimônia Mortal



Em seu mais novo caso, Eve Dallas - detetive do Departamento de Homicídios da Cidade de Nova York - descobre que, mesmo perto do fim do século 21, velhas crenças ainda se mantêm intactas. Investigando a morte de um colega policial, Eve se vê obrigada a colocar a ética profissional acima de qualquer relação emocional. No entanto, quando encontra um cadáver na porta de sua casa, percebe que aquela pode ser uma ameaça bem pessoal. Ao lado do marido Roarke, ela se vê envolvida em uma aventura além da compreensão humana, no limite entre o bem e o mal.

Este é o 5º livro da Série Mortal - J. D. Robb. Vi algumas criticas dizendo que a História não era boa e tal. Ainda bem que gosto não se discute. Eu particularmente amei o livro. Todo o misticismo envolvido, a relação entre o bem e o mal. A incredulidade e a crença batem de frente, não medem força, mas mostra como cada um vê e interpreta a mesma cena. A forma que os crimes foram descritos me chocou um pouco, mas mesmo assim gostei demais.

18.8.09

Êxtase Mortal

No ano de 2056, a forma mais popular de entretenimento são os poderosos jogos de realidade virtual. Através deles, qualquer pessoa é capaz de ingressar facilmente em um mundo fantástico repleto de prazeres e perigos. A vantagem é que não há riscos; é tudo uma grande brincadeira, uma mera simulação. Ou, pelo menos, era isso o que todos pensavam até um brilhante engenheiro aparecer morto. Em 'Êxtase mortal', o quarto livro da famosa série de romances policiais futuristas que Nora Roberts escreve sob o pseudônimo de J.D. Robb, Eve Dallas - detetive do Departamento de Homicídios da Cidade de Nova York - descobre que essa morte é apenas uma das peças de um caso muito mais intrincado do que aparenta.


Falar sobre Êxtase Mortal é difícil. Ele é um livro mediano, nem tão bom ,nem tão ruim. As melhores partes são a lua de mel da Eve (aquele Roarke é tudo de bom e mais um pouco....ai, ai, ai) e as cenas de sexo que estão espalhadas ao longo do livro. Amei uma cena de uma festa na casa deles (não vou contar porque não sou estraga-prazeres. Ops! até que as vezes sou, mas não hoje) . Só uma dica: O Roarke consegue ficar mais lindo quando perde o controle.