Menu

21.1.11

O INVERNO, A POPULAÇÃO E OS GOVERNOS – EDMAR XIMENES

O INVERNO, A POPULAÇÃO E OS GOVERNOS

Tenho acompanhado pela televisão os acontecimentos pelo Brasil em relação às chuvas, principalmente no Rio de Janeiro e tem me causado certa indignação. Percebo a transformação da desgraça dos outros num espetáculo deprimente de busca por audiência e ali não se discute o cerne da questão, ou seja, o porque disso tudo estar acontecendo.

Apesar de todo o desenvolvimento tecnológico o homem não percebeu ainda que nosso planeta é um organismo vivo e que tem vontade própria embora não seja dotada da inteligência que nós conhecemos, mas uma inteligência dinâmica, amorosa, mas firme e que segue uma lógica própria que nós ainda não aprendemos a respeitar.

Os grandes doutores e sábios continuam achando que podem fazer do planeta o que bem querem e que ficaram impunes e a história tem mostrado que a coisa não funciona bem assim...toda ação tem uma reação.

Independente da ação do homem, a mãe terra (Pachamama) tem seus movimentos, que quando acontecem no meio de regiões não habitadas não percebemos, não se tem notícia e nem tem destaque na imprensa. Quando o homem passa a ocupar regiões mais dinâmicas (margens de rios e lagoas, encostas de serras, litoral e etc...) estes movimentos naturais desabrigam, ceifam vidas e causam pânico. E ai achamos que o homem causou tal desgraça, quando na realidade ele apenas estava na hora errada e no lugar errado.

Nas cidades sempre culpamos os governos pelas inundações, desabamentos e conseqüentemente mortes e desencadeamento de doenças, quando na realidade, ao invés de desqualificarmos o trabalho dos governos, poderíamos pensar um pouco mais e ver a atitude histórica da população. O que se observa na realidade, só que isso não interessa á grande imprensa que sobrevive de vender seu produto a qualquer custo, é que a população não cuida do seu patrimônio e não entende que é responsável pela sua cidade tanto quanto ou mais que os governantes. O que podemos constatar nas imagens de uma grande chuva, são cadeiras, sofás, garrafas pet e toda espécie de lixo flutuando nas enxurradas, impedindo que funcionem os equipamentos de escoamento d’água implantados nas cidades.

O que a imprensa deveria fazer com o poder que tem é responsabilizar também a população por estes caos e cobrar dela uma atitude mais responsável e educada, só que essa posição é antipática e não dá audiência.

Enquanto continuarmos nesta do quanto pior melhor e sem respeitar a vida própria de nosso planeta, vamos continuar construindo uma grande cova onde a humanidade será impiedosamente sepultada e ai o planeta terá a oportunidade de se reconstruir talvez aparecendo uma espécie mais consciente que, cuidando melhor dela, possibilite uma vida em harmonia com a natureza, filosofia que tanto se emprega nos grandes empreendimentos de concreto que a cada dia massacram a qualidade de vida do homem e das outras espécies vivas de nosso planeta.

Salvemos nossa espécie enquanto há tempo...o planeta não morrerá!!!

Edmar Ximenes

Geólogo e Discípulo do Movimento Mística Andina

www.misticaandina.com.br


1 comentários:

  1. Muito bem escolhida essa matéria, principalmente porque precisamos passar por um processo de reflexão profunda e mudança de atitudes, caso contrário, a natureza irá cada vez mais tudo o que lhe foi tirado.
    Concordo em gênero, nº e grau com o geólogo Edmar!
    Parabéns!
    cheirinhos
    Ruddy

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.