Menu

3.6.13

O Sonho de Eva - Chico Anes

O Sonho de Eva Capa.indd

O sonho de Eva, de Chico Anes, narra a história da Dra. Eva Abelar, uma autoridade mundial em sonhos lúcidos, que vê sua vida desmoronar em um mesmo dia, quando recebe a notícia de que sua irmã Anna havia se suicidado e de que seu filho autista, Joachim, que havia sido deixado aos cuidados de sua irmã, havia desaparecido. Ao perceber que as autoridades brasileiras quase não progridem nas suas investigações, Eva decide procurar pelo filho, contando com a ajuda do Dr. Alec Lenz, colega de profissão, ex-amor de sua vida e atual amigo para todas as horas. Assim, Eva descobre que Anna também trabalhava com pesquisas em torno da manutenção da consciência em estados de sonho, em uma importante indústria oriental chamada Yume, que está tentando revolucionar o mercado desenvolvendo jogos dentro de sonhos lúcidos. A aparente necessidade de continuar o projeto em torno do primeiro jogo do tipo a ser lançado no mercado, o DreamGame, faz com que a diretoria da Yume procure Eva e lhe proponha continuar do ponto em que sua irmã parara.

A partir desse ponto, o enredo trata da jornada de Eva e de Alec, mas também parece se dividir entre a ciência e o lúdico, entre ficção e informações de teor histórico, de uma forma muito interessante e sempre muito lógica, muito planejada, o que permite que você consiga, sim, dissociar alhos de bugalhos. Por exemplo: ao trabalhar com dois mundos (o real e o dos sonhos lúcidos), o autor intercala os pontos de vista narrativos, entre a terceira e a primeira pessoa, respectivamente. Essa técnica proporciona uma chave de leitura para quando uma mudança ocorre, é sutil e funciona.

Se o tema dos sonhos lúcidos lhe parece estranho demais, tenha calma, pois você provavelmente já viu algo a respeito antes. Eu, por exemplo, me lembro de dois filmes muito bons sobre o mesmo tema: Vanilla Sky (com Tom Cruise e Cameron Diaz) e A Origem (com Leonardo DiCaprio e Marion Cottillard). Aliás, Chico Anes demonstra dominar algo da linguagem audiovisual, pois algumas das cenas do livro são perfeitamente adaptáveis a um filme e seria muito legal ver a transposição da história para os cinemas. Duvido muito que isso aconteça, por se tratar de um autor nacional, mas vai que a fezinha ajuda, né?

A pesquisa empreendida por Chico deve ter sido intensa, pois a leitura não é rasa e chega a propor, por exemplo, uma reflexão sobre o quão dependentes de tecnologia nós somos. Eu pelo menos, não me questionei quanto ao sucesso de um jogo como o DreamGame, que realmente parece ser o próximo passo em termos de entretenimento “virto-real” (para usar as palavras da protagonista). Mas não se preocupem: essa reflexão é tão sutil que, se você prefere apenas curtir uma boa história, vá em frente que não haverá problemas.

Vou elogiar a Novo Conceito, agora: a capa é muito bonita e chamativa! Com cores fortes, ela consegue representar bem vários elementos da história, que não vou comentar aqui, para que você, assim como eu, tenha o prazer de descobri-los à medida que adquirir e ler o seu exemplar. Contudo, não se engane com o fato de a editora ter lançado a história pelo seu selo infanto-juvenil, pois o que falta de cenas sobre sexo, sobra em cenas violentas e alusivas a abusos, de vários tipos.

Bom, tenho que apontar alguns problemas, não é? Então, para ser bem franca, tive dificuldades em me conectar com a protagonista... Ela perde a irmã, é informada sobre o desaparecimento do filho autista, as autoridades parecem não caminhar na investigação... e ela não se desespera! Ela se mostra capaz de balancear os prós e os contras de suas decisões de forma tão tranqüila que, em princípio, não consegui saber se isso significava que a personagem era forte e determinada ou simplesmente que era desconectada de suas emoções. Essas duas interpretações, provavelmente, não se excluem e podem até fazer mais sentido se estiverem juntas, mas enfim... não pude deixar de comentar a respeito.

Também achei as primeiras páginas confusas, mas isso provavelmente se deu por eu ter começado a ler o livro sem ter qualquer tipo de referência a seu respeito, coisa que espero que não aconteça a você, que lê esta resenha. Como se pode notar, O Sonho de Eva não é prioritariamente uma história de amor. É certo que o doutor Alec está lá para garantir alguns suspiros, mas o livro de Chico Anes trata, na verdade, de uma história de suspense, investigação e bastante teoria da conspiração. Então, se você curte histórias do tipo das que Dan Brown escreve, você vai fazer a festa.

Essa resenha foi escrita por Angícia Gomes, colaboradora do blog.

Facebook: https://www.facebook.com/angicia.gomes


5 comentários:

  1. Parabéns pela resenha! Estou ansiosa para ler O Sonho de Eva! Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  2. Apesar de ter esse livro há um tempão, ainda não o li (por falta de tempo e outras prioridades literárias, mesmo). Desde que li a sinopse, porém, o livro me atraiu. Toda essa coisa de mundos que se intercalam e o suspense contido na história me empolgam e ainda quero encaixar o livro nas minhas leituras em breve. Já tinha lido algo a respeito de que o livro traz uma trama mais adulta e para mim foi uma ótima notícia, fiquei com mais vontade ainda de lê-lo.

    Bjs, Livro Lab

    ResponderExcluir
  3. Ah já li vários comentários desse livro e não tenho nenhuma vontade em lê-lo.
    Tem até uma cotação boa no skoob, mas não despertou minha curiosidade.

    ResponderExcluir
  4. Tenho esse livro mas não me interessei a ler ainda. Na verdade achei que foge muito do que estou acostumada a ler, e pode de alguma maneira me causar estranheza. Um dia lerei com certeza, prometo voltar e deixar minhas impressões.
    ótima resenha!

    ResponderExcluir
  5. Assim como muitas comentaram eu tambem ainda não li esse livro apesar de tê-lo em casa, apesar de parecer interessante sempre tem outro livro que quero ler e ai chega na frente e esqueço ele la na estante

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.