Menu

29.9.14

Proibido - Tabitha Suzuma

PROIBIDO_1406045426P

Nem sei o que falar, sentir ou pensar.

É como se tudo estivesse pausado, como se o mundo nunca mais fosse voltar ao normal, parte de mim não irá mesmo, alguns livros nos acrescenta algo e nos muda. Pensamentos que antes lhe definiam, não significam mais nada e o imaginável se torna real.

Não quero lembrar porque doí, no entanto, esquecer é impossível. Nas poucas páginas desse livro, aprendi a amar Lochan, Maya, Tiffin, Willa e Kit, que me foram apresentados de forma brilhante.

A profundidade dos sentimentos de Lochan e Maya nos incomoda de início, a força do desejo que os atormenta, também atormenta o leitor. O socialmente aceitável não é suficiente, precisa existir um meio, de alguma forma o amor precisa vencer.

“Nós não fizemos nada de errado! Como o nosso amor pode ser considerado horrível, quando não estamos fazendo mal a ninguém?... Não sei - Como uma coisa tão errada pode parecer tão certa?

Página 131

Lochan é de longe o personagem mais atormentado que já conheci. São tantos conflitos internos, medos, dúvidas e responsabilidades que cada minuto é um verdadeiro suplicio, seu único conforto é Maya, generosa Maya, que finge normalidade diante todos. A dura tarefa de criar seus irmãos a impossibilita de viver experiências próprias da idade, seu melhor amigo é o irmão que sempre está lá para apóia-la. A fobia social de Lochan o isola de todos, somente com sua família ele consegue se expressar, e somente com Maya, ele pode ser sincero.


“É um sentimento tão imenso que às vezes acho que vai me engolir. É tão forte que sinto que poderia me matar. E não para de crescer, e eu não posso... não sei o que fazer para estancá-lo. Mas... nós não podemos fazer isso... Nos amar assim!”

Página 130

Desejei que um dia fossem livres, que pudessem realizar desejos bobos, voltar no tempo e serem as crianças que nunca tiveram a chance de ser. Desejei uma mãe amorosa, do tipo que ler histórias antes de dormir, que prepara o café e escuta os problemas. Que Whilla não precisasse usar roupas velhas ou remendar a mochila; Que Tiffin não precisasse fingir que tudo está bem. Que Kit não se voltasse contra a autoridade dos irmãos.

No fim das contas, o que importa mesmo é o quanto você pode suportar, o quanto pode resistir. Juntos, não fazemos mal a ninguém; separados, nós definhamos.

Pagina 154

Não pensem que é simples para Maya e Lochan assumirem seus sentimentos, não é. Eles lutam duramente contra isso. Lochan, ainda mais intensamente, sempre preocupado com seus irmãos, quer ter a certeza que nada irá prejudicá-los e sabe que seu amor proibido pode pôr tudo a perder. Em Londres incesto é crime, ainda que seja consentido, ou seja, ainda existe o risco deles serem presos e seus irmãos mais jovens serem levados pela assistência social.

"Você pode fechar os olhos para as coisas que não quer ver, porém, não pode fechar o coração para as coisas que não quer sentir."

Proibido nos presenteia com uma história controversa, profunda e impactante. Não é simples, não é fácil, é assustador! Vai lhe deixar em frangalhos, pisar no seu coração. Será impossível não derramar muitas lágrimas pelo que foi e também pelo que poderia ter sido. É isso que mais me magoa, a expectativa não concretizada.

"Mas então por que é tão terrível para mim estar com a garota que eu amo? Todos os outros têm permissão para ficar com quem quiserem, expressar seu amor se quiserem, sem medo de assédio, ostracismo, perseguição ou até mesmo da lei. Mesmo emocionalmente abusivas, as relações adúlteras são muitas vezes toleradas, apesar do dano que causam aos outros. Em nossa sociedade, progressiva e permissiva, todos esses tipos nocivos e insalubres de 'amor' são permitidos - mas não o nosso. Não consigo pensar em nenhum outro tipo de amor que seja tão completamente rejeitado, mesmo que o nosso seja tão profundo, apaixonado, carinhoso e forte que nos obrigar a nos separar nos causaria uma dor inimaginável. Nós estamos sendo punidos pelo mundo por apenas uma razão simples: por termos sido produzidos pela mesma mulher."

Me diz então, como não torce por esses dois? Como o preconceito pode ser maior que o amor nesse caso? Como dizer que algo tão forte é errado? Eu não consegui, torci por eles, que seus planos um dia se tornassem reais.

´Tentei passar parte da emoção que senti, nem sei se estou fazendo sentido, culpa do turbilhão de sensações que ainda me povoam. Recomendo que se dispam dos preconceitos e conheçam Maya e Lochan, será inesquecível.

Sinopse

Edição: 1
Editora: Editora Valentina
ISBN: 9788565859363
Ano: 2014
Páginas: 304
Tradutor: Heloísa Leal

Ela é doce, sensível e extremamente sofrida: tem dezesseis anos, mas a maturidade de uma mulher marcada pelas provações e privações da pobreza, o pulso forte e a têmpera de quem cria os irmãos menores como filhos há anos, e só uma pessoa conhece a mágoa e a abnegação que se escondem por trás de seus tristes olhos azuis. Ele é brilhante, generoso e altamente responsável: tem dezessete anos, mas a fibra e o senso de dever de um pai de família, lutando contra tudo e contra todos para mantê-la unida, e só uma pessoa conhece a grandeza e a força de caráter que se escondem por trás daqueles intensos olhos verdes. Eles são irmão e irmã. Mas será que o mundo receberá de braços abertos aqueles que ousaram violar um de seus mais arraigados tabus? E você, receberia? Com extrema sutileza psicológica e sensibilidade poética, cenas de inesquecível beleza visual e diálogos de porte dramatúrgico, Suzuma tece uma tapeçaria visceralmente humana, fazendo pouco a pouco aflorar dos fios simples do quotidiano um assombroso mito eterno em toda a sua riqueza, mistério e profundidade.

Livro no Skoob: http://www.skoob.com.br/livro/374026-proibido


17 comentários:

  1. Ju, Jujuzinha linda, que resenha! Gostaria de ter usado trechos que vc escreveu para traduzir o tamanho do impacto da leitura de Proibido. Queria ter escrito isso na minha resenha: "desejei que um dia fossem livres, que realizassem desejos bobos...". Eu tb desejei! Dar a eles o que nunca tiveram, a infância corrompida, a autoestima abalada, a obrigação de crescer... nossa! Tb fiz planos com eles, sonhei este lugar seguro para que se amassem sem medo.
    Entende por que eu precisava compartilhar este livro, esta lição de vida, este amor?
    Linda resenha, escrita com a alma. Bj

    ResponderExcluir
  2. o tema que traz é tão forte que além de colocar a gente pra pensar sobre as crenças, sobre o certo e errado e o amor é um livro forte e doce ao mesmo tempo, um mix de temas e consequentemente sensações
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Assim como você, também torci muito pelo casal e senti toda essa dor que parece ser inevitável durante a leitura. Além disso, acho que poucos finais me entristeceram tanto quanto em "Proibido", que se tornou de longe um dos melhores livros que já li. Realmente espero que todos busquem por essa leitura, porque é uma verdadeira obra-prima da literatura contemporânea e as pessoas precisam conhecer.

    Beijos,
    Ricardo - www.overshockblog.com.br

    ResponderExcluir
  4. Ola Manu,
    Sua resenha é perfeita, acabei de ler esse livro e nem sei por onde começar a escrever, não ei o que estou sentindo, fiquei confusa e confesso que mexeu demais comigo, um final que me surpreendeu e que eu não esperava, tinha muitas expectativas nesse livro e elas foram concretizadas, amei o livro, foi com certeza a melhor leitura do ano. Logo sai resenha lá no blog :)
    Beijus
    Camila Mazzetto
    Biblioteca Empoeirada

    ResponderExcluir
  5. Concordo com cada palavra escrita aqui. Meu coração está partido pelo final infeliz desses dois personagens incríveis. Como amar alguém pode ser tão errado? Como dois seres vivos podem se amar tanto? Meu Deus, faz tempo em que n encontro um personagem capaz de se sacrificar em nome do amor.E não só pela mulher que o faz querer viver, mas pela família também. Livro bom, não nego, mas absurdamente triste. Gostaria de um final diferente, mesmo compreendendo que nem sempre as coisas terminam bem.

    ResponderExcluir
  6. "Nem sei o que falar, sentir ou pensar.

    É como se tudo estivesse pausado, como se o mundo nunca mais fosse voltar ao normal, parte de mim não irá mesmo, alguns livros nos acrescenta algo e nos muda. Pensamentos que antes lhe definiam, não significam mais nada e o imaginável se torna real.

    Não quero lembrar porque doí, no entanto, esquecer é impossível"

    Esse trecho do seu texto definiu totalmente o q estou sentindo e nem conseguia por em palavras, só conseguia dizer que era um vazio.

    ResponderExcluir
  7. Eu li Proibido esse fim de semana e apesar de ter lido uma resenha e tentado me preparar para a leitura, não consegui :/ Quando li sobre o que se tratava , pensei que só acharia bizarro, porém Deus é testemunha do quanto torci por eles! Apesar da estranheza causada pela relação deles, não tem como não gostar dos personagens e torcer por um final feliz para os "irmãos". O fim me deixou de coração partido .

    ResponderExcluir
  8. Terminei a leitura faz poucos minutos e estou totalmente devastada e desolada. É incrível a capacidade da autora em expressar os sentimentos, as sensações, os pensamentos e a dor ! Algo realmente incrível. Nunca um livro mexeu tanto comigo assim. Uma leitura muito profunda, extremamente envolvente e absolutamente deprimente ! As lágrimas sao inevitáveis.
    Eu esperava tanta coisa para eles. Imaginei milhares de possibilidades de escapatória. Tantos pensamentos bons para a felicidade deles ......
    Em fim. Gostei muito da sua resenha. Parabéns por se expressar tão bem !

    ResponderExcluir
  9. Uma vez li em algum lugar que tem livros que lemos e que não demora muito e o apagamos de nossa memória, já outros nos apegamos tanto que levamos pra vida todo e este livro tào maravilho e triste que não tenho uma definição ele. Não tem como não se emocionar com este livro, não tem como não torcer por este amor tão. Chorei, chorei e não foi pouco. Me senti parte da históra, por varias vezes senti vontade de entrar no livro, senti vontade de ajuda-los de alguma maneira, senti vontade de apoiá-los, de dizer que acreditava que o amor dos dois poderia vencer. Como não ficar triste ao viver crianças se tornando adultos, tendo que conhecer as partes duras da vida tão cedo, como não sentir raiva desta mãe irresponsável e egoista que só pensa em si. Deus como estou angustiada e triste por não ter um final diferente, eu fiquei i.aginando tanto, querendo tanto vê-los felizes, se realizando, cuidando dos pequenos, ai Deus me cortou o coração essa história.

    ResponderExcluir
  10. Uma vez li em algum lugar que tem livros que lemos e que não demora muito e o apagamos de nossa memória, já outros nos apegamos tanto que levamos pra vida todo e este livro tào maravilho e triste que não tenho uma definição ele. Não tem como não se emocionar com este livro, não tem como não torcer por este amor tão. Chorei, chorei e não foi pouco. Me senti parte da históra, por varias vezes senti vontade de entrar no livro, senti vontade de ajuda-los de alguma maneira, senti vontade de apoiá-los, de dizer que acreditava que o amor dos dois poderia vencer. Como não ficar triste ao viver crianças se tornando adultos, tendo que conhecer as partes duras da vida tão cedo, como não sentir raiva desta mãe irresponsável e egoista que só pensa em si. Deus como estou angustiada e triste por não ter um final diferente, eu fiquei i.aginando tanto, querendo tanto vê-los felizes, se realizando, cuidando dos pequenos, ai Deus me cortou o coração essa história.

    ResponderExcluir
  11. Uma vez li em algum lugar que tem livros que lemos e que não demora muito e o apagamos de nossa memória, já outros nos apegamos tanto que levamos pra vida todo e este livro tào maravilho e triste que não tenho uma definição ele. Não tem como não se emocionar com este livro, não tem como não torcer por este amor tão. Chorei, chorei e não foi pouco. Me senti parte da históra, por varias vezes senti vontade de entrar no livro, senti vontade de ajuda-los de alguma maneira, senti vontade de apoiá-los, de dizer que acreditava que o amor dos dois poderia vencer. Como não ficar triste ao viver crianças se tornando adultos, tendo que conhecer as partes duras da vida tão cedo, como não sentir raiva desta mãe irresponsável e egoista que só pensa em si. Deus como estou angustiada e triste por não ter um final diferente, eu fiquei i.aginando tanto, querendo tanto vê-los felizes, se realizando, cuidando dos pequenos, ai Deus me cortou o coração essa história.

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. Agora entendo quando disseram que você "ama ou odeia" esse livro. Posso dizer que amei... eu realmente fiquei impactada com toda a profundidade dos sentimentos que foram descritos e o desenvolvimento da trama, mesmo quando me senti em conflito. Este é um tipo de livro que faz você refletir, chorar, sentir raiva e torcer para que as coisas fossem diferentes. Os sentimentos são tão reais, crus... já li alguns livros depois e ainda me pego relembrando o desfecho emocionante.

    ResponderExcluir
  14. Acho que Loch e Maya deveriam ter arcado com as consequências, preconceitos e normas legais como adultos porque, apesar da pouca idade, já eram "adultos" e responsáveis pelos irmãos.
    Eu senti que o que levou Loch a extremo foi sua personalidade atormentada, seu isolamento e o abandono total de seus pais.
    Ele poderia superar tudo? Talvez sim. Alguns conseguem. Ele não pôde! Tomou a medida que julgou a melhor.
    Eu discordo dessa medida, porém.
    Alguém, além de sua irmã, ofereceu ajuda a ele.
    Ele sempre recusou e se esquivou de tudo e de todos fora da sua casa e família.
    Isso não foi bom para ele. Nem para Maya.
    Só acho que a decisão dele não foi a melhor de todas!
    Mas, quem somos nós para julgar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tentei dizer a mim mesma o quanto isso foi uma mentira. Passei a chorar por todo o Comodo da casa acreditando na existência de Lochan e Maya. Ainda estou me recuperando

      Excluir
  15. Confesso que nunca achei estranho as relações entre irmãos acontecerem. São poucas as histórias que eu sempre procuro serem tão vibrantes e emocionantes como PROIBIDO foi para mim. De todos os livros que eu já li na minha vida, esperei tanto encontrar um conteúdo que sempre me chamou muita atenção. Incesto entre irmãos é o meu tipo de romance preferido. Mas quando me deparei com o livro eu pude realmente notar o quando eu era laica no assunto. Tabitha Suzuma não só amadureceu a visão que eu tinha sobre isso como mudou a mim de dentro para fora. Quando cheguei ao final tentei lutar com todas as minhas forças para voltar a minha vida. Por que eu já não conseguia me ver sem os personagens. Parte de mim se quebrou e ela não vai se recuperar nunca. De alguma forma nem eu quero que ela se recupere. O livro mais sensasional que já li em toda a minha vida.

    ResponderExcluir
  16. Adorei sua resenha! Acabei comprando o livro na Amazon depois de ler! Sou escritora e incesto é um dos temas que mais gosto de trabalhar. Estou escrevendo livro em que o casal de protagonistas também é de irmãos, mas com enfoque um pouco diferente e provavelmente com um final mais otimista.

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.