Menu

27.8.14

No Limite da Ousadia - Katie McGarry


SINOPSE:
“No limite da ousadia” conta a história de Beth Risk, a miga durona de Noah, de No limite da atração. Este livro é um spin-off, passando-se no mesmo universo do primeiro, com participações especiais de Isaiah, Noah e Echo.
Se você é fã de No limite da atração ou está descobrindo este mundo agora, certamente vai se deixar envolver pela paixão perigosa e arrebatadora de Beth e Ryan
Quando li há quase um ano No Limite da Atração, não acreditava que em um único livro a autora Katie McGuarry pudesse reunir tantos temas, como: rebeldia, traumas de infância, perdas... e conseguisse nos manter ligados na leitura, parando apenas ao chegar a última página. Para quem não leu, ou não recorda, nele conhecemos o casal Noah e Echo e particularmente adorei a leitura. Porém quando dei início em No Limite da Ousadia, simplesmente me apaixonei.
Nele conhecemos mais a fundo Beth, amiga/irmã de Noah. A garota é simplesmente a versão masculina daqueles bad boys que já estamos habituados nesse tipo de leitura. Usa roupas rasgadas, de preferências em tons escuros; tem piercing no nariz e uma tatuagem nas costas e para completar é linda, deixando todos os garotos aos seus pés. Do outro lado temos Ryan, típico garoto certinho, ótimo jogador de beisebol e que adora um desafio com os amigos Chris e Logan.
E foi justamente em meio aos desafios com os amigos, que Ryan se depara com Beth e de cara sente uma atração por ela, que é o oposto de garota que costuma sair. Porém de boba ela não tem nada e acaba passando a perna no garoto, cujo o lema é: "Eu nunca perco um desafio". Daí vocês imaginam onde essa história vai dar, mas se engana quem imagina que o livro é voltado apenas para o romance de Ryan e Beth,. A autora nos mostra o quão complicada foi e ainda é a vida da nossa protagonista. Tendo que viver obrigatoriamente sob a guarda de seu tio e longe da mãe problemática, Beth consegue se envolver em vários conflitos que nos deixa com um frio na espinha de tão complicados que são.
Porém a garota tem uma sorte sem tamanho, pois mesmo com a vida recheada de problemas, está rodeada de pessoas que a amam, como: Isaiah, Noah, Echo e até mesmo Ryan. Mas quem pensa que o nosso mocinho não tem seus problemas particulares, mesmo que não sejam tão grandes quantos os de Beth, vai se surpreender com o que conhecemos de sua vida e a grande reviravolta que o amor trás pra ela, fazendo-o crescer e desvendar novos caminhos que não sejam os impostos por seus pais.
E vou ser sincera, até agora achei No Limite da Ousadia o meu favorito comparado ao anterior e se Katie continuar nesse ritmo, acho que poderei me surpreender com o próximo. Tomara que não demore tanto, pois meu nível de curiosidade em conhecer ainda mais de perto a história do lindo, tatuado e misterioso Isaiah está me deixando super ansiosa.

Espero que tenham gostado e até a próxima!

25.8.14

A cor do Leite – Nell Leyshon

A_COR_DO_LEITE_1401741058P 

essa é a minha resenha e eu estou escrevendo ela com as minhas próprias mãos. é o ano do senhor de dois mil e catorze.

Parece estranho uma resenha começar assim, mas é dessa forma que Mary, a narradora protagonista, escreve. Fiquei tão afeiçoada e conectada a esta personagem que não poderia começar o texto sem fazer uma deferência. Ainda estou tremendo com o desfecho e com todas as emoções crescentes e represadas, que desaguaram numa surpresa impactante.

Mary é uma mocinha de 15 anos, acaba de ser alfabetizada, nunca frequentou escola e não tem acesso a lazer ou informação. Trabalha arduamente, do nascer ao por do sol, nas tarefas da fazenda, cuidando dos bichos e da terra, ao lado do severo pai e das três irmãs mais velhas. Seus pais são muito rudes e a única relação de afeto é com o avô inválido, negligenciado pelos membros da família, seu parceiro e confidente. Não há diálogo, não há carinho. O ano é 1831 e a aridez da vida ensinou Mary a ser forte.

“o senhor não fica triste?, eu perguntei.

não por muito tempo.

nem eu, eu falei. tem umas vezes que eu tenho que ficar me lembrando que estou triste senão eu começo a ficar feliz de novo."

A jovem Mary é pura, ingênua, mas sua língua é afiada, diz o que pensa. Tem uma perna deficiente e os cabelos são da cor do leite. Vai trabalhar na casa do senhor Graham, presbítero da cidade, cuja esposa está doente. Em contato com uma vida completamente diferente da dureza da fazenda, é bem recebida, aprende novas tarefas, inquieta-se com os momentos ociosos e tem a oportunidade de aprender a ler e escrever. Apesar da grande mudança, permanecem a privação de liberdade e a subordinação à vontade masculina. Estamos na primeira metade do século XIX e a voz feminina não é considerada. Só lhe resta a resignação, mas não sem rebeldia.

“acabou?, ele perguntou.

não. sim.

ele sorriu. você fala o que vem na sua cabeça.

eu só tenho uma cabeça e tenho que falar o que vem nela, eu falei.”

A narrativa em primeira pessoa pode parecer cansativa e até irritante a princípio, porque Mary usa letra minúscula e é alheia às regras gramaticais. Mas é essa estrutura de texto que traduz toda a intimidade do relato. Mary repassa sua vida com a urgência de explicar algo, de justificar alguma coisa que fez, mas que só saberemos nas últimas páginas. O equilíbrio entre a sinceridade e a ingenuidade culmina num discurso cru, verborrágico, visceral. Toda a força expressiva de Mary torna o texto muito delicado e essencialmente confidencial. É isso que comove: você ama Mary exatamente pelo que ela é.

Cada capítulo é uma estação do ano, iniciando na primavera, quando “tudo são flores” e Mary ainda vive na fazenda ao lado da família. O frio do inverno fecha a narrativa com o inesperado, o ponto alto da trama, que até então caminhava deliciosamente morna. Essa marcação do tempo harmoniza-se com a pressa que Mary tem de contar detalhadamente o que sucedeu e que a levou a escrever sua história. E que história!

Ao longo das páginas o dia a dia parece monótono, mas ela sempre abre o capítulo avisando que algo vai acontecer, alimentando a tensão da iminência do clímax:

“esse é o meu livro e eu estou escrevendo ele com as minhas próprias mãos.

agora é o ano do senhor de mil oitocentos e trinta e um.

eu não gosto de contar tudo isso pra você. tem coisas que eu não quero dizer. mas eu falei pra mim mesma que eu ia contar pra você tudo que aconteceu. eu disse que ia contar tudo e é por isso que eu tenho que ir até o fim.”

Você vai se envolver, vai querer ajudar, acolher, sacudir Mary... Ela não é a mocinha doce e sonhadora dos romances de época. Mary é dura, casca-grossa, atrevida, mas todos esses predicados são frutos da desesperança, de sua vida difícil. Ela é contraditoriamente resignada e indomável. E vai surpreender. Este é um romance para ficar na memória, deixar um gosto amargo, inquietar.

“Tragicamente, Mary está certa: homens e feras têm muito em comum.” (Daily Mail)

A bela capa do livro não mostra o rosto de Mary, assim como o texto não revela logo sua força. Só no inverno de Mary, no ápice da leitura, conheceremos a verdadeira face da dor e da desilusão, sentiremos a fúria do instinto de sobrevivência. Então a enxergaremos, a imagem de Mary estará completa.

A Cor do Leite é uma história profundamente sensível. A autora Nell Leyshon criou uma personagem tão rica e intensa que facilmente figurará na galeria das personagens inesquecíveis.

Classificação no Skoob: 5 estrelas

http://www.skoob.com.br/estante/livro/44103787

10431528_457140047755038_7827353751796892210_n


Essa resenha foi escrita por Manuh Hitz, colaboradora do blog.

Facebook: https://www.facebook.com/manu.hitz.7?fref=ufi