Menu

19.11.14

Nosferatu - Joe Hill

 

Victoria McQueen tem um misterioso dom: por meio de uma ponte no bosque perto de sua casa, ela consegue chegar de bicicleta a qualquer lugar no mundo e encontrar coisas perdidas. Vic mantém segredo sobre essa sua estranha capacidade, pois sabe que ninguém acreditaria. Ela própria não entende muito bem. Charles Talent Manx também tem um dom especial. Seu Rolls-Royce lhe permite levar crianças para passear por vias ocultas que conduzem a um tenebroso parque de diversões: a Terra do Natal. A viagem pela autoestrada da perversa imaginação de Charlie transforma seus preciosos passageiros, deixando-os tão aterrorizantes quanto seu aparente benfeitor. E chega então o dia em que Vic sai atrás de encrenca... e acaba encontrando Charlie. Mas isso faz muito tempo e Vic, a única criança que já conseguiu escapar, agora é uma adulta que tenta desesperadamente esquecer o que passou. Porém, Charlie Manx só vai descansar quando tiver conseguido se vingar. E ele está atrás de algo muito especial para Vic. Perturbador, fascinante e repleto de reviravoltas carregadas de emoção, a obra-prima fantasmagórica e cruelmente brincalhona de Hill é uma viagem alucinante ao mundo do terror.

Meninos e meninas, subam à bordo do “Espectro” e apertem os cintos... Essa vai ser uma viagem assustadora. 

Vamos começar logo esclarecendo para os desavisados: Joe Hill é o filho de um dos maiores escritores de terror/horror de todos os tempos, Stephen King (pausa para palmas e suspiros apaixonados aqui *-*). Pois é, o grande rei do horror deixou seu herdeiro muito bem encaminhado e parece que o talento para nos assustar corre no sangue da família. Hehehe…

 

Em “Nosferatu”, Joe Hill nos leva a bordo de seu Rolls-Royce envenenado, placa NOS4A2 para uma viagem insólita por mundos inventados e por situações assustadoras e impossíveis. Então esteja já avisado para manter sua mente aberta e uma luz acesa para completar essa viagem.

Nesse livro Joe Hill parece finalmente abraçar o fato de que será sempre comparado ao seu pai e que a melhor reposta para isso, é tirar sarro da situação. Em vários momentos no decorrer do livro, podemos ver referências a outros livros e personagens dele e do próprio pai. “Estrada da noite” (o livro de estreia de Joe Hill) e “O pacto” figuram em algumas passagens do livro. Assim como referências a alguns livros de seu pai, “A coisa” e “Doutor Sono”. 

Joe Hill mais uma vez nos entrega um livro bem desenvolvido que te prende do começo ao fim, com um estilo todo próprio de escrita, mas que tem sim, pitadas da influência do pai. Recomendado para todos os fãs de terror e horror que NÃO tenham problemas com sangue e tripas, palavreado forte e situações desconfortáveis.

Pontos extras para o trabalho de edição que foi muito bem feito pela editora “Arqueiro”. Encontrei apenas alguns erros de português durante o livro e nada mais grave. Vale a pena ressaltar as belas figuras que foram incluídas por todo o livro.

Esteja avisado, uma vez que você suba a bordo do “Espectro” em direção a “terra do natal”, é possível que nunca mais queira voltar.

Abaixo alguns desenhos tirados da net (não do livro) de um dos personagens principais da história, o bom e velho "Charles Talent Manx", seu carro "espectro" e a "terra do natal", para onde ele leva as crianças e onde a infelicidade é proíbida. 


 
 
 
 
Beijos e sonhos terríveis para todos! :*

17.11.14

Colin Fischer - Ashley Edward Miller & Zack Stentz

 

colin-fischer_1.jpg.1000x1353_q85_crop

Colin Fischer é um adolescente de 14 anos bastante intrigante. Ele carrega para todos os cantos seu caderno de capa vermelha, onde faz anotações sobre os acontecimentos que julga interessante. Além disso, ele tem uma lista de cartões faciais, que o ajuda a compreender as expressões das outras pessoas. Colin tem síndrome de Asperger, o que explica muito do seu comportamento peculiar. Não gosta de ser tocado ( tolera quando é avisado), não gosta de azul, organiza suas coisas (pilhas de livros, revistas e brinquedos) com uma lógica que só ele compreende e evita o olhar direto dos outros,o que muitas vezes deixa-o parecendo triste.

Por sua dificuldade de interação social e comportamento diferenciado, Colin sofre bullying de seus colegas de classe. Principalmente de Wayne Connely, que logo em seu primeiro dia no colegial, na escola West Valley, demonstra sua animosidade à Colin. No entanto, há uma reviravolta quando em um intervalo das aulas, uma arma é disparada e Wayne é o principal suspeito. Colin com seu alto QI e incrível percepção, tem convicção de que não foi Wayne o autor do disparo, e tenta inocentá-lo. Inicia-se então, uma investigação onde Colin fica obcecado em descobrir a verdade.

O desenvolvimento do mistério, não tem tantas surpresas assim, e nada de muito instigador. No entanto, há um outro lado da história que é divertida, envolvente e muito fofa. O relacionamento de Colin com seus pais, também é uma maneira de mostrar o comportamento do portador da síndrome de Asperger. O seu jeito impassível, torna alguns momentos engraçados. Eu particularmente, adoro histórias de nerds e fiquei encantada com ele. É um livro breve, de fácil leitura e em algumas partes reflexivo.

A trama envolve outros personagens interessantes, como Danny, o irmão chato e provocador de Colin. Eddie , Cooper e Stan, que fazem parte da turma que o atormentam. E finalmente, Melissa Greer, uma amiga muito especial que excetuando seus pais, parece ser a única a compreendê-lo.

Sinopse

Resolvendo o crime. Uma expressão facial por vez. O ano letivo de Colin Fischer acabou de começar. Ele tem cartões de memorização com expressões faciais legendadas, um desconcertante conhecimento sobre genética e cinema clássico e um caderno surrado e cheio de orelhas, que usa para registrar suas experiências com a MUITO INTERESSANTE população local. Quando um revólver dispara na cantina, interrompendo a festinha de aniversário de uma das garotas, Colin é o único que pode investigar o caso. Está em suas mãos provar que não foi Wayne Connelly, justamente aquele que mais o atormenta, que trouxe a arma para a escola. Afinal de contas, a arma estava suja de glacê, e Wayne não estava com os dedos sujos de glacê…

Livro no Skoob: http://www.skoob.com.br/livro/374171ED422528

10365956_325255944304732_6205995820296839769_n

Essa resenha foi escrita por Luana Oliveira, colaboradora do blog.

Facebook: https://www.facebook.com/profile.php?id=100004609879348&fref=ts


14.11.14

Simplesmente Acontece – Cecelia Ahern

 

1

Edição: 1
Editora: Novo Conceito
Ano de lançamento: 2014
Páginas: 448
Autora: Cecelia Ahern

O que acontece quando duas pessoas que foram feitas uma para outra simplesmente não conseguem ficar juntas? Todo mundo acha que Rosie e Alex nasceram para ser um casal. Todo mundo menos eles mesmos. Grandes amigos desde criança, eles se separaram na adolescência, quando Alex se mudou com sua família para os Estados Unidos. Os dois não conseguiram mais se encontrar, mas, através dos anos, a amizade foi mantida através de emails e cartas. Mesmo sofrendo com a distância, os dois aprenderam a viver um sem o outro. Só que o destino gosta de se divertir, e já mostrou que a história deles não termina assim, de maneira tão simples.

***

A cada página um momento da vida de Rosie e Alex. De crianças a adolescentes, de adolescentes a adultos.

O livro nos é retratado através de cartas, bilhetes, e-mails, via bate-papo, cartões-postais, e etc. No primeiro momento conhecemos nossos doces protagonistas, quando Rosie convida Alex para seu aniversário de 7 anos. Eles se conhecem desde os 5 anos de idade e são inseparáveis. Unha e carne.

Os dois passam toda a infância e adolescência grudados, até que por uma reviravolta do destino o pai de Alex recebe uma proposta de emprego nos Estados Unidos, em Boston, tendo que se mudar de Dublin no seu último ano de escola. Rosie e Alex são separados. Contra toda a ordem do destino, os dois continuam sua amizade mesmo á longa distância.

Alex é aceito em Harvard, ele quer ser médico cirurgião. E desde que viajou com família, quando criança, Rosie teve a fascinação em querer trabalhar em um grande hotel de luxo. Então ela decide se candidatar ao curso de Hotelaria na universidade de Boston e ela é aceita no curso. Os planos estão traçados, porém o destino muda quando Rosie descobre que esta grávida.

“Não posso tirar uma folga, ligar para avisar que estou doente, nem pedir para minha mãe escrever um bilhete. Agora a mãe sou eu. Quem dera eu pudesse escrever um bilhete para mim mesma. Estou apavorada, Alex.” Página 45.

E agora? Em um momento nos vemos à perspectiva que eles finalmente poderiam ficar juntos quando ela se mudasse para Boston. Mas Rosie não pode mais fazer isso, ser mãe solteira é o que lhe aguarda. Em Boston, Alex continua sua vida, conhece Sally, se casa e se torna um grande cirurgião. Enquanto Rosie vive em uma constante reclamação, sem perspectivas de um futuro que lhe agrade.

Rosie teve que amadurecer rápido. Com a ajuda da família e amigos, Rosie recebe apoio ao cuidar de sua pequena filha Katie. Uma menina fofa e tão inteligente quanto à mãe.

“Obrigada pela carta. Fico feliz que você gostou do meu vestido, mas se eu fosse você tinha usado um vestido mais bonito, que nem o que a minha mãe estava usando no dia do seu casamento. Todo mundo falou que o vestido dela combinou muito bem com a roupa de Alex.” Página 80

O livro não tem foco apenas em Rosie e Alex, vários outros personagens dão o ar de sua graça na história. Um destaque é a melhor amiga de Rosie, Ruby. Essa mulher não tem juízo. Hahaha... Ela tenta tornar a vida de Rosie menos tediosa.

Acabei de visualizar você ali com uma escopeta na mão, mandando esses homens ficarem longe do seu imóvel.” Página 369

3

A cada leitura de correspondência, o leitor torce para que o destino de Alex e Rosie seja entrelaçado e eles possam finalmente viver o amor que deveria ter sido deles desde sempre. Passei o livro todo esperando, torcendo com um final feliz, com a felicidade dos dois juntos, que pudessem finalmente se amar. Que eles pudessem encontrar o silêncio que tanto queriam. Será que é pedir muito que esse casal (que tem tudo para dar certo e só eles não enxergam) fique junto logo? Um pertence ao outro.

“Cei bem como são esses silêncios.” Página 389.

Um livro cheio de reviravoltas. Muitas reviravoltas mesmo! Que fala de amor, amizade, companheirismo e lealdade. Não tem como não se emocionar e esperar apenas coisas boas para os dois.

O filme já foi lançado nos Estados Unidos, mas só será lançado aqui no Brasil ano que vem, 8 de janeiro de 2015. E claro que estou bem curiosa. Já deixando claro, pelo trailer, o livro e filme tem algumas diferenças. Porém sua essência está lá. Chega logo janeiro!

2

Confiram o trailer:

 

 

image

Essa resenha foi escrita por Crislane Barbosa, colaboradora do blog. http://www.skoob.com.br/usuario/368409


12.11.14

Em Meus Pensamentos–Bella Andre

Sullivan 8

Quantos de nós podemos contar com uma segunda chance? Grayson Tyler enfrentou uma tragédia três anos atrás. Agora, ele está recomeçando sua vida nas montanhas da Califórnia. Talvez a paisagem calma, com céu azul, mar e montanhas, o ajude a se esquecer do passado infeliz. Nesse refúgio, ele também deseja ser esquecido por todos que o fizeram sofrer. A tranquilidade vai embora para sempre no dia em que a energia vibrante de Lori Sullivan invade a sua vida. Uma bailarina tão linda quanto impertinente, que não costuma levar desaforo para casa e não está nem um pouco interessada em agradar. O magnetismo entre os dois promete tirar, literalmente, o sossego de Grayson, mas o fazendeiro solitário não está disposto a baixar a guarda. Ele não vai deixar essa novata virar sua vida de cabeça para baixo.

 

O livro da mázinha fecha com chave de ouro a série de irmãos Sullivans e já deixa a curiosidade acirrada para os primos Sullivans, os próximos que virão na série.

Lori Sullivan mostrou um lado frágil inimaginável nos livros anteriores porque ela sempre foi muito segura, irônica e afiada quando necessário. Daí vê-la abalada por um relacionamento fracassado, frágil por causa da incerteza que se abateu sobre si mesma, foi uma grande surpresa. Mas o furacão Sullivan se ergue imponente às custas de seu imenso coração que, para ajudar outra pessoa ferida, esquece até de sua própria dor.

Grayson é um homem ferido, amargurado, que não consegue esquecer o passado e deixa o fel traumático povoar seus dias iguais acreditando que, sem expectativas não poderá mais se ferir. Mas quando a linda e impetuosa Lori chega como um furacão sacudindo tudo e abalando as suas estruturas, a paixão faz toda a sua determinação de permanecer sozinho ruir (e olha que ele tentou, hein? Ficou até odiosamente bruto!). Grayson não tem chance, aos poucos, torna-se um humano novamente capaz de amar, capaz de se perdoar e aprende que a vida é cheia de altos e baixos, mas ainda assim, vale a pena gozar dela com toda a sua beleza e intensidade.

E assim, os dois antes perdidos, se encontram e juntos formam um dos casais mais lindos da família Sullivan.

Livro lindo, RECOMENDADÍSSIMO!

hasta la vista!

assinatura_1


10.11.14

Coração de Mãe - Jodi Picoult

 

CORACAO_DE_MAE_1412030040P

Jodi Picoult é o tipo de autora que prende o leitor a sua escrita, cria personagens complexos e dúbios, repletos de sentimentos que permitem o leitor amar e odiar ao mesmo tempo. Nas primeiras páginas de Coração de Mãe eu detestei a Paige, estava pronta para seguir odiando-a até o final, mas a autora me mostrou que as coisas nem sempre são como parecem ser.

Os capítulos são intercalo entre Paige e Nicholas, dessa forma conhecemos suas motivações e expectativas. Paige, é uma jovem simples, o abandono por parte de sua mãe sempre pesou muito em sua vida, tanto que algumas decisões são reflexo dessa falta. Aos poucos vamos descobrindo mais sobre as complexidades de Paige, eu passei a admira-lá e torci muito para que conseguisse preencher o vazio deixado pelo abandono maternal. Quando Paige conhece Nicholas ele é estudante de medicina, seu maior objetivo sempre foi esse, mas Paige irá mudar sua vida de cabeça para baixo, é com ela que ele percebe o quanto sua vida é vazia. Eu me encantei por Nicholas imediatamente, assim  como Paige, o imaginei como o príncipe que mudaria as coisas e traria felicidade. O envolvimento do casal acontece rapidamente, tanto que logo estão casados e Paige se torna o pilar de apoio de Nicholas que estuda cada vez mais.

Paige e Nicholas são de classes sociais diferentes, e é muito difícil para Paige lidar com o circulo social do marido, ela acaba se anulando na tentativa de atender seus desejos e fica cada vez mais distante da pessoa que deseja ser. Durante anos viveram assim, até que Paige engravida e as complicações aumentam. A partir daqui o verdadeiro drama começa, quando era Paige que narrava eu ficava tremendamente chateada com Nicholas e seu egoísmo em não ver que Paige é uma pessoa com necessidades e não sua empregada, mas quando era Nicholas que narrava eu ficava chateada com Paige em não mostrar ao marido suas necessidades reais, foi assim que percebi que o que falta para esse casal é dialogo. A falta de comunicação é a culpada por grande partes das dificuldades e momentos de sofrimento, quando enfim percebem isso, talvez, seja tarde demais para consertar as coisas.

Eu curti muito a leitura, me emocionei em vários momentos, ou seja, várias vezes me peguei chorando em lugares públicos, desejando poder consolar Paige e Nicholas, dizer que no final tudo iria acabar bem. Minha única ressalva ao livro é que terminou abruptamente, eu esperava mais, quase não acreditei quando virei a última página. Na minha percepção existia muito mais a ser dito.

Sinopse

Paige tem apenas algumas lembranças de sua mãe, que a abandonou quando ela era uma garotinha. Agora, aos dezoito anos, ela deixa o pai para trás em Chicago em busca do sonho de cursar a faculdade de artes. Mas Paige vê seus planos mudarem quando conhece Nicholas, um ambicioso estudante de medicina com quem logo se casa. Depois de alguns anos tentando se encaixar nos ambientes abastados que Nicholas frequenta e se sentindo mais deslocada do que nunca , Paige engravida inesperadamente. Sobrecarregada pelas exigências de ter uma família, ela não consegue esquecer a ausência da mãe e as memórias dolorosas do passado, que a fazem duvidar de si mesma. Lutando para se encontrar e finalmente acreditar nas próprias capacidades, Paige toma uma atitude chocante, que trará consequências avassaladoras para todos os envolvidos. Em Coração de mãe, Jodi Picoult constrói com perícia um romance cativante, que examina emoções e problemas com os quais todos nós podemos nos identificar.

Livro no Skoob: http://www.skoob.com.br/livro/413513


5.11.14

A Maquina de Contar Histórias – Maurício Gomyde

 

a-maquina-de-contar-historias-capa3.jpg.1000x1353_q85_crop

Terminei de ler essa história me sentindo um alien, ou melhor, alguém sem coração, principalmente porque já tinha recebido boas recomendações dele, porém para a minha frustração eis mais um livro que não me convenceu.

Quando li a sinopse do livro fiquei imaginando um dramão com direito a muitas lágrimas, uma jornada grande de sofrimento e dor até a redenção final, porém o que acontece nessa história é bem diferente do que vende a sinopse, pelo menos para mim. Na metade da leitura eu não sabia dizer se gostava ou não do livro. Talvez por ter sido precedido por três livros que me fizeram pensar, chorar e vivenciar todo o drama da história, a máquina de contar histórias ficou na minha mente como um livro bonzinho pra passar o tempo. E isso só porquê apesar de achar o personagem principal um chato sem fim, a escrita do autor conseguiu que eu não largasse a história. Apesar de querer matar o Vinícius logo nas primeiras páginas, eu precisava saber como terminava.

O meu maior problema com esse livro foi o personagem principal que não me conquistou, simplesmente não consegui me conectar de forma nenhuma com o Vinícius, achei ele um chato, prepotente, arrogante, egoísta e ainda por cima mais falso do cédula de 3 reais. Vinícius é um autor de sucesso de lindas histórias de amor, e está vivendo uma grande noite de glória no lançamento do seu mais novo livro. Até aí nada demais, minha antipatia pelo personagem começa a surgir quando ele começa a falar sobre o processo criativo dele, aliás durante todo o livro uma coisa que me fazia querer morrer era quando o Vinícius começava a falar sobre o processo que ele seguia pra escrever um livro, odeio manuais, odeio, odeio ,odeio e em alguns momentos da leitura eu jurava que estava lendo um. Bom além desse motivo que até seria bobo se Vinícius não fosse tão presunçoso sobre isso, a redenção do personagem não me convenceu.

Eu sou uma chorona assumida, e geralmente choro rios quando personagens morrem em um livro, porém quando Vinícius recebe a notícia da morte da esposa eu não senti absolutamente nada, e quando ele chega no enterro aos prantos tudo que eu podia pensar era que ele estava derramando lágrimas de crocodilo. Me crucifiquem mas não consegui acreditar por um minuto sequer na dor dele, fiquei pensando só que aquilo era lágrima de arrependimento por ter sido tão egoísta com a pessoa que ele dizia ser o amor da vida dele. Sei que existem várias formas de lidar com a dor e a perda de alguém e que algumas pessoas vivem em estado de negação quando descobrem que alguém próximo vai morrer ou tem alguma doença grave mas pelo amor de Deus você viver em um estado de negação por 4 anos é demais pra minha compreensão. Veja bem o amor da sua vida tá morrendo, e vocês tem duas filhas, sinto muito mas na minha opinião você não tem o direito de esquecer isso e sair por aí vivendo pro seu trabalho como se nada estivesse acontecendo.

O modo como Vinícius tenta se aproximar das filhas me pareceu tão forçado, tão falso, é como se ele tivesse descoberto que era um paizão do dia pra noite e querendo saber tudo da vida das filhas. Não gente, não dá pra mim não. O cara sumiu da vida das filhas um tempão aí do nada quer que elas aceitem ele de volta, e pra isso o que ele faz??? Tenta conversar?? Procura uma terapia familiar?? Busca ajuda?? Claro que não, ele leva as filhas pra fazer um tour pela Europa, com direito a várias coisas que as filhas gostam, inclusive deixa a mais velha fazer uma tatuagem. Era tão óbvio que ele estava comprando o amor das filhas que até a filha mais velha comenta isso.

Enfim, pra não dizer que não senti nenhuma emoção além de antipatia pelo personagem e que não me comovi com a história, fiquei comovida em uma passagem em que a Viviana mulher do Vinícius aparece mas, tirando isso, achei que faltou algo mais no livro. Algo que transformasse ele no drama que eu imaginei que seria, tinha tudo pra ser maravilhoso mas ficou só no bom.

10670147_741727365882500_4812370948101535346_n

Essa resenha foi escrita por Rafaela Carvalho, colaboradora do blog.

Facebook: https://www.facebook.com/RafinhaSy?fref=ts