Menu

17.7.15

A Coisa Terrível Que Aconteceu com Barnaby Brocket - John Boyne



Edição: 1 
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2013
Páginas: 256
Autora: John Boyne

A Coisa Terrível Que Aconteceu com Barnaby Brocket - Os Brocket são as pessoas mais normais do mundo. São respeitáveis, quase enfadonhos, e muito orgulhosos da sua normalidade. Na verdade, Alistair e Eleanor Brocket torcem o nariz a tudo o que seja invulgar, estranho ou diferente. No entanto, assim que o seu filho mais novo Barnaby vem ao mundo, torna-se claro que ele é tudo menos normal. Para grande vergonha dos pais, Barnaby parece desafiar as leis da gravidade… e flutua! O pequeno Barnaby é uma criança solitária; afinal de contas, é difícil fazer amigos quando se passa a vida no ar.

Desesperado por agradar aos pais, faz tudo o que pode para parar de flutuar, mas simplesmente não consegue.


***
Sabe aqueles livros que são impactantes e te fazem se emocionar e chorar? Esse livro não é assim. Ele tem o impacto, mas não faz você chorar. Na verdade ele te faz sorrir. Ficar com um sorriso bobo no rosto, como quando aprendemos algo novo e conseguimos fazê-lo.
A Coisa Terrível Que Aconteceu com Barnaby Brocket na verdade foi a coisa mais maravilhosa que aconteceu com Barnaby Brocket.
A história trata de um garoto que é bem diferente. Esse é Barnaby Brocket. Ele nasceu em uma família normal. Os pais de Barnaby se orgulham de não chamarem atenção de ninguém, de seus trabalhos serem normais e receberem um salário descente condizente com o que fazem.

“Levava uma vida normal, numa casa normal, num bairro normal, onde fazia coisas normais, do jeito normal. Sua esposa era normal, assim como seus dois filhos.” Página 9

Porém, tem apenas um pequeno “problema” nessa perfeição toda. Seu terceiro filho não é “normal”. Ele flutua.



“Barnaby Brocket, terceiro filho da família mais normal que já se vivera no hemisfério Sul, estava provando ser tudo menos normal, pois recusava-se a obedecer à mais fundamental das leis. A lei da gravidade.” Página 18

E agora? Os pais não gostam nada dessa anormalidade de seu filho. Eles o culpam por não seguir a normalidade da família. Não passa pela cabeça deles que Barnaby não controla seu senso de equilíbrio. Que na verdade, ele não para de flutuar porque não quer ou por birra, mas pelo simples fato de que ele não sabe como ficar no chão.

“– Eu não sei como descer. – disse Barnaby. – Eu sou assim.
–  Então me desculpe – disse Eleanor, balançando a cabeça e finalmente baixando o tom de voz –  Mas sou forçada a dizer que não gosto muito de como você é.” Página 41

Barnaby vive escondido dos olhares de todos. Raramente saía e se fosse para ficar fora de casa, era apenas para pegar sol amarrado no varal de roupa. Quando chega a época de Barnaby ir para a escola, a escolha perfeita seria uma escola longe dos olhares curiosos dos amigos e vizinhos. Óbvio que a escola escolhida teria que ser bem peculiar. Apenas para garotos desajustados.

Agora com oito anos de idade, os pais vêm que Barnaby não está em uma fase e não irá ficar no chão. As consequências do seu ato “rebelde” de não ficar no chão, trazem grandes aventuras pelo mundo. Para um garoto que passou oito anos de sua vida apenas flutuando em casa escondido de todos, sendo a vergonha dos pais, significa agora a chance de conhecer o mundo. Porém, tudo o que ele mais quer é voltar para casa. Mas até chegar lá haverá muitas aventuras. A volta para casa trás ao nosso pequeno aventureiro muito conhecimento de outras culturas e costumes.


O livro é cheio de imagens de alguns momentos narrados pelo autor, o que deixa o livro mais interativo. A diagramação está perfeita, assim como essa história.

Esse foi o segundo livro do John Boyne lido por mim. Do primeiro eu gostei, mas por esse, eu me apaixonei. O autor abraça o diferente. Não teve medo de arriscar a temática da não aceitação para certos desejos e vontades de tantos personagens que deram o ar de sua graça nessa história. Eu não sabia o que esperar do final. Estava torcendo por algo "aceitável", mas foi algo impossível de acontecer. Grata! Palmas!


Uma história tão singela e marcante pela visão de um menino flutuante. Um dos favoritos do ano para mim. O que acontece com ele é terrível, mas abriu o maravilhoso também.



Resenha escrita por Crislane Barbosa, colabora do blog.
http://www.skoob.com.br/usuario/368409


2 comentários:

  1. Adorei a resenha e estou ansiosa para adquirir o livro.

    ResponderExcluir
  2. oi flor, os livros dele são sempre de arrepiar, tão bem escritos que cativam na primeira página
    felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.