Menu

28.8.15

Objetos Cortantes - Gillian Flynn



"Você pode me ler. Quer que eu soletre para você? Eu certamente dei a mim mesma uma sentença perpétua."


Título Original: Sharp Objects
Autora: Gillian Flynn
Editora: Intrínseca
Ano: 2006/2015

Sinopse: Uma narrativa tensa e cheia de reviravoltas. Um livro viciante, assombroso e inesquecível. Recém-saída de um hospital psiquiátrico, onde foi internada para tratar a tendência à automutilação que deixou seu corpo todo marcado, a repórter de um jornal sem prestígio em Chicago, Camille Preaker, tem um novo desafio pela frente. Frank Curry, o editor-chefe da publicação, pede que ela retorne à cidade onde nasceu para cobrir o caso de uma menina assassinada e outra misteriosamente desaparecida.
Desde que deixou a pequena Wind Gap, no Missouri, oito anos antes, Camille quase não falou com a mãe neurótica, o padrasto e a meia-irmã, praticamente uma desconhecida. Mas, sem recursos para se hospedar na cidade, é obrigada a ficar na casa da família e lidar com todas as reminiscências de seu passado. Entrevistando velhos conhecidos e recém-chegados a fim de aprofundar as investigações e elaborar sua matéria, a jornalista relembra a infância e a adolescência conturbadas e aos poucos desvenda os segredos de sua família, quase tão macabros quanto as cicatrizes sob suas roupas.



Livro de estréia de Gillian Flynn, gostei dele muito mais que do Garota Exemplar. Talvez por identificação. Camille é uma pessoa angustiada. Jornalista que não tem sido a grande promessa que seu editor acreditou que ela seria, não parece ter muitos relacionamentos – seja de amizade ou amorosos – e tem o peso do passado em sua pele. Ficou internada alguns meses em um hospital psiquiátrico por se automutilar, durante a vida toda. Primeiro, precisava escrever compulsivamente, por ter medo de que as palavras fossem embora. Depois, escrevia palavras em sua própria pele. Palavras que para ela faziam algum sentido; palavras que, se você fosse ler, não fariam nenhum sentido juntas. Mas que falavam com ela em separado, dependendo do momento que passava. Eu as imaginava quase brilhando em seu corpo nesses momentos.

É um livro extremamente interessante, pois para além dos crimes, há uma análise da sociedade a partir de Wind Gap, a cidade natal de Camille e para onde ela precisa ir. Uma cidade feita de aparências, onde os ricos sempre são ricos (especialmente fazendeiros) e os pobres sempre ficarão pobres. Simplesmente por não terem coragem de deixar a cidade e tentar a vida em outro lugar. Se você é feio e pobre, sofrerá bullying na escola por essa razão, pelas meninas ricas e bonitas. Então todos crescem e aqueles que sofreram bullying e continuaram na cidade trabalham para os ricos, como seus criados. E sempre serão lembrados que são inferiores, mesmo que não sejam. Ela não entende como algumas pessoas simplesmente se contentam com isso.

Há também, neste livro, a questão do feminismo. Por exemplo, uma menininha morreu. Um menino viu uma mulher levando a desaparecida embora e ninguém dá atenção ao que ele diz. Simplesmente porque ninguém acredita que uma mulher cometeria um crime! Uma mulher é fraca demais para sequestrar ou matar alguém, ainda mais uma criança! Ainda mais porque né, tem o instinto materno, toda mulher quer ser mãe! Ou... Se uma menina transa com quatro caras ao mesmo tempo numa festa, é considerado estupro, e não que a menina quis ficar naquela situação. Vi isso também quando uma das antigas amigas de escola de Camille estão reunidas e uma começa a chorar porque voltou à trabalhar. Achou que isso poderia preencher seu tempo, ajudá-la a ter mais alguma personalidade mas se arrependeu demais. Elas disseram que tudo bem, não precisava trabalhar só porque as feministas diziam que era bom ser independente! Você deve ficar em casa cuidando das crianças e tomando seu Martini enquanto vê tv, se quiser! Elas não entendem que você é mulher e pode fazer o que quiser da sua vida, ora bolas!

Há também o quanto você se submete para fazer o outro gostar de você. Especialmente pensando nas relações pessoa-parceiro(a). Quantas vezes você já se deixou fazer algo apenas para agradar seu(a) parceiro(a)? Seja de sexo a algo que você não estava muito afim de fazer. Isso pode dar a falsa sensação de controle da situação: eu faço porque faço tal pessoa feliz, tenho controle sobre a felicidade dela. Pelo menos, para mim isso é falso.

“... Às vezes acho que a doença mora dentro de toda mulher, esperando o melhor momento para florescer. Conheci muitas mulheres doentes. Mulheres com dores crônicas, com doenças sempre em evolução. Mulheres com quadros. Os homens, claro, quebram os ossos, têm dores nas costas, passam por uma cirurgia ou duas, tiram as amídalas, inserem próteses plásticas. Mulheres são consumidas. Não surpreende, considerando apenas o volume de tráfego que o corpo da mulher experimenta. Absorventes internos e espéculos. Paus, dedos, vibradores e mais, entre as pernas, por trás, na boca. Homens adoram colocar coisas dentro das mulheres, não? Pepinos, bananas e garrafas, um colar de pérolas, uma caneta hidrográfica, um punho...”

Anular-se pela felicidade e prazer do Outro deixa qualquer pessoa doente.

Há um grave conflito familiar no livro, pois Camille nunca se deu bem com a mãe, que nunca demonstrou nenhum carinho e cuidado para com a filha. Isso também é parte central do enredo que não vou me prolongar muito senão acaba todo o mistério. Apenas digo uma coisa: A família é (quase) sempre a raiz de todos os problemas do ser humano.

Adorei a leitura deste livro, diferente do Garota Exemplar. Há muitas outras coisas a serem tiradas dele proveitosamente, mas deixarei que vocês leiam e comentem aqui comigo depois!

Resenha de:





3 comentários:

  1. oi flor, comprei recentemente garota exemplar e ainda não li, amos ver o que acho e se me arrisco a ler mais algum da autora futuramente
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Pri!!
    Eu em particular não li Garota Exemplar, só vi o filme e confesso que não gostei muito não. Mas me interessei em ler este livro, todo mundo fala super bem dele!! Fiquei de queixo caído quando vi que era o seu livro de estreia.
    Beijos!!!
    Umlugarparaleresonhar.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Realmente, para um livro de estreia foi muito bom, melhor até que Garota Exemplar, na minha opinião =3 Recomendo a leitura!

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.