Menu

13.10.15

Trilogia Millenium de Stieg Larsson

Título: Os homens que não amavam as mulheres – Millenium 1
Nº de páginas: 524

Título: A menina que brincava com fogo - Millenium 2
Nº de páginas: 608

Título: A rainha do castelo de ar - Millenium 3
Nº de páginas: 688 

Autor: Stieg Larsson
Editora: Companhia das Letras
Nota (0 a 5) : 5


Há um tempo venho lendo uma trilogia chamada Millenium de Stieg Larsson e somente agora terminei o terceiro livro, por isso decidi resenhá-los aqui para vocês.
Conheci os romances de Larsson através do filme de David Fincher, que foi estrelado por ninguém mais ninguém menos que Daniel Craig, o atual James Bond. O Longa tem o mesmo nome do romance: Millenium - Os homens que não amavam as mulheres (Livro 1). O filme é MA RA VI LHO SO!, o que me levou a ler os livros, e não me arrependi.

Protagonistas do filme

Como são três livros, vou falar bem pouco de cada um, e em seguida falar minha opinião sobre eles...
No primeiro livro que se chama Os Homens que não Amavam as Mulheres (o meu preferido), temos uma história intrigante, onde os personagem passam por problemas que a sociedade atual enfrenta: corrupção, jogo de poder e violência e em meio a tudo isso, vamos conhecer a dupla de protagonistas da trilogia: Lisbeth Salander, uma hacker de personalidade bastante complexa, e Mikael Blomkvist, um jornalista investigativo que não mede esforços para fazer o que julga correto, e preparem-se porque é impossivel não se apaixonar por eles. O fato é que o caminho dos dois se cruzam numa investigação de um misterioso desaparecimento de uma moça chamada Harriet Vanger, e é sério, a investigação do caso é magnífica. Pois, se tratando de suspense, Larsson realmente sabe o que faz: O livro te prende do inicio ao fim, e é cheio de reviravoltas, já que Harriet some num espaço fechado, levando a todos acreditarem que se trata de assassinato, porém nenhum nunca corpo foi encontrado e cabe a Mikael investigar o caso, já que ele se encontra afastado da revista Millenium devido a um escândalo político, o qual ele tentou desvendar sem nenhum êxito. E é Lisbeth a única pessoa que pode ajudá-lo. Não vou mais me prolongar, a verdade é que este livro é imperdivel.

 “O alvoroço em torno do romance é plenamente justificado. Seu desempenho é excelente em todos os quesitos - personagem, história, atmosfera." - The Times
Em A menina que Brincava com Fogo, o segundo livro da trilogia, nos aprofundaremos na conturbada vida de Lisbeth que é uma personagem única, diferente de qualquer coisa que tenhamos lido anteriormente, pois não existe a menor possibilidade de você já haver conhecido uma personagem como a Lisbeth Salander na literatura. Dessa vez, a hacker está sendo acusada de triplo assassinato e mesmo tendo o país inteiro a sua caça, pois, todas as pistas deixadas, só a incriminam, porém, Mikael Blomkvist, que conheceu todos os demônios de Salandere sabe até onde a moça é capaz de chegar, se nega acreditar em sua culpa e faz o possível para ajudar a moça. E o mais empolgante é que inconscientemente você passa o romance inteiro torcendo por um romance entre Mikael e Salander.... Diferente do livro anterior, este, não acaba quando chega ao fim das páginas, já que é somente no terceiro livro que saberemos onde essa engenhosa trama vai parar. Assim, um livro é sequencia do outro. e foi isso que me incomodou, pois ao juntar os dois romances, Larsson parece nos apresentar um livro de 1300 páginas o que para mim foi enfadonho.

Então finalmente chegamos no terceiro e último livro da trilogia com A rainha do Castelo de Ar,  e lá pelas trinta e poucas páginas tudo vai ficando chato... pelo menos para mim foi assim. E acredito que o que explica isso é também o fato de o enredo ter se tornado mais complexo, com mais personagens e muito mais intriga. Dos três, esse foi o que eu menos gostei, mas isso é meramente classificativo.  Neste ainda estaremos esperando o esclarecimento dos três assassinatos, e mesmo que já saibamos a verdade, Lisbeth continua sendo acusada pela polícia. E estaremos frustados, pois não rolou nada entre ela e Mikael, sem falar de como foi chato esperar ela se recuperar num leito de hospital, enquanto seu pai (isso mesmo! o homem que vinha destruindo a vida dela desde criança) tenta matá-la.
Mas para ser sincera, qualquer um dos livros da trilogia Millenium é interessante e apresenta tramas diferentes do que estamos acostumados a encontrar por aí. Pessoalmente posso dizer que é um mistério como nenhum outro que eu já tenha lido.
“Recomendo ao leitor se fechar durante um fim de semana munido de litros de café e alguns suprimentos, para se deliciar com a trilogia Millennium." - Rolling Stone
Também não posso deixar de falar do autor Stieg Larsson que foi um brilhante jornalista e grande ativista político muito respeitado na Suécia, morreu subitamente em 2004, aos cinqüenta anos, vítima de enfarte, e não pôde desfrutar do sucesso estrondoso de sua obra, o que é uma pena.
Stieg Larsson

"O problema com Larsson é que, se a gente se aventura e entra na história, está perdido: não tem mais como largar o livro. Talvez seja porque os protagonistas são animados por uma paixão que é muito parecida com a que motiva a curiosidade (grande ou pequena) de todos nós: os dois, o jornalista bem-sucedido e a adorável jovem hacker (punk de corpo e espírito), são indivíduos sem família (ou quase), decididos a desvendar, justamente, um segredo de família." - Contardo Calligaris

Espero que eu tenha conseguido passar um pouco do muito que são as obras de Larsson, e apesar de alguns baixos, eu indico sim a leitura dessa trilogia, uma literatura rica e prazerosa. Vale a pena ler!


Carla M. 

1 comentários:

  1. com tantos elogios se torna meio que indispensável conferir
    felicidadeemlivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.