Menu

30.11.15

Julieta - Anne Fortier


“Tudo o que dizemos é uma história. Mas nada do que dizemos é apenas uma história.”


Título Original: Juliet
Autora:  Anne Fortier
Editora: Arqueiro
Ano: 2010
Sinopse: “Em seu excelente romance de estreia, Anne Fortier navega por entre pistas falsas e reviravoltas, e o resultado é uma história de amor que poderíamos chamar de O Código Da Vinci para mulheres inteligentes e modernas.” Publisher’s Weekly

Julie Jacobs e sua irmã gêmea, Janice, nasceram em Siena, mas, desde que seus pais morreram, foram criadas nos Estados Unidos por sua tia-avó Rose.

Quando Rose morre, deixa a casa para Janice. Para Julie restam apenas uma carta e uma revelação surpreendente: seu verdadeiro nome é Giulietta Tolomei.

A carta diz que sua mãe havia descoberto um tesouro familiar muito antigo e misterioso. Intrigada, Julie parte para Siena.

Mas tudo o que a mãe deixou foram papéis velhos – um caderno com diversos esboços de uma única escultura, uma antiga edição de Romeu e Julieta e o velho diário de um famoso pintor italiano, Maestro Ambrogio.

O diário conta uma história trágica: há mais de 600 anos, dois jovens amantes, Giulietta Tolomei e Romeo Marescotti, morreram vítimas do ódio irreconciliável entre os Tolomei e os Salimbeni. Desde então, uma terrível maldição persegue as duas famílias.

E, levando-se em conta sua linhagem e seu nome de batismo, Julie provavelmente é a próxima vítima. Tentando quebrar a maldição, ela começa a explorar a cidade. À medida que se aproxima da verdade, sua vida corre cada vez mais perigo.

Repleto de romance, suspense e reviravoltas, Julieta nos leva a uma deliciosa viagem a duas Sienas: a de 1340 e a de hoje. É a história de uma lenda imortalizada por Shakespeare. Mas é também a história de uma mulher moderna que descobre suas origens, sua identidade e um sentimento devastador e completamente novo para ela: o amor.




Não esperava gostar tanto desse livro como acabei gostando. Toda vez que retornava a ele, demorava a deixá-lo de lado pela envolvente narração de Anne Fortier. Repleta de mistério e reviravoltas, não há como ter certeza de nenhum acontecimento.
Quando você acredita que desvendou um dos mistérios – Ahá! Por essa você não esperava!

As personagens possuem personalidades contrárias – bem aquela coisa de gêmea boa, gêmea má. Enquanto Julie – Giulietta – é pacifista com um currículo de protestos por acidentes, contra armas, é boazinha e tenta propositalmente fazer tudo o que sua irmã não faz; já Janice – Gianozza – é aquela bom vivant que faz tudo o que tem vontade, carregando seu tom sarcástico e irônico, a típica personagem que você pode não gostar por passar por cima de qualquer um para ter o que quer.

“[...] Naquele dia, comecei a pensar nela e me dei conta de que era muito estranho ser Romeo quando não havia uma Julieta no mundo. Estranho e solitário.”

A história que se passa em 1340 é completamente diferente daquela que Shakespeare eternizou. A mãe da autora fez diversas pesquisas em Siena para que Anne pudesse escrever com a maior precisão possível sobre os fatos que aconteceram naquele século e a escritora trouxe de volta à vida pessoas que existiram há tantos. Talvez suas personalidades não fossem aquelas mesmas, mas sinceramente gosto agora muito mais de Julieta depois de ler seu romance do que da Julieta do Bardo. Giullieta é uma jovem vigorosa e forte em suas opiniões. Não aquela menina dócil e meiga que quase todos representam. Ela luta com todas as suas forças diante da Fortuna, mesmo quando já não via mais saídas em seu destino.

“Janice sempre dissera que a pessoa precisa sofrer pelo menos uma desilusão para crescer e descobrir quem realmente é.[...]”

Romeu é quase um coadjuvante, porém ainda tem seu valor quando enfrenta publicamente Salimbeni – o cara mais malvadão de todos – tomando para si Julieta e praguejando aos céus a injustiça que estava sendo cometida. Achei todos os personagens mais humanos, em todas as suas características: bons, maus, em cima do muro... Tomados por arrependimentos e com ações que na obra shakespeariana passa batido.

Julieta, Frei Lorenzo e Romeo
Diante da descoberta que seus antepassados eram figuras tão históricas, Julie se depara com essa maldição e pessoas que realmente acreditam nela! E, como ela está falida, um tesouro bem que cairia como uma luva em suas necessidades, uma vez que sua tia não deixou para ela nada mais que uma carta, dizendo que precisava ir atrás do que sua mãe, uma mulher obcecada com a história da família e essa maldição, havia deixado para ela no banco de sua família. A partir disso, ela se vê em perigo, sozinha em uma cidade que aparentemente todos sabem de sua história, menos ela.

Enfim, recomendo demais a leitura! Ela avança de um jeito gostoso de seguir, que torna a escrita longa nada chata de se continuar.

Resenhado por:


6 comentários:

  1. Fiquei muito interessada na história, mas tenho o medo de achar muito maçante, principalmente por parecer um livro bem clássico e geralmente os clássicos são cansativos...

    ResponderExcluir
  2. Gosto muito de histórias que sejam releituras de livros clássicos. Esse não conhecia ainda e fiquei muito interessada, principalmente por ter romance, reviravoltas e suspense.

    ResponderExcluir
  3. A trama me parece bem intrigante, era um livro pelo qual não dava muito pela capa, mas me surpreendeu pela riqueza dos pontos ressaltados na resenha

    ResponderExcluir
  4. Oi, Priscila. Julieta me interessou e muito. Gostei da autora representar duas personagens bem diferentes, mas valentes e com bastante personalidade. Todo a pesquisa de busca para construir a história foi muito valioso e rendeu uma boa narrativa. Fico feliz que Romeu apareça menos, pois não gosto muito da história deles juntos. Gostei do livro!

    ResponderExcluir
  5. Olá, Priscila!

    Tenho esse livro em casa e penso seriamente em ler. Ele tem a Itália e Sienna (com o famoso Pálio citado na trama) como cenários e isso me atraiu na hora de comprar.
    Agora só falta arranjar tempo e vontade e me jogar nessa que é verdadeiramente uma versão de Romeu e Julieta com um que de O Código Da Vinci.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  6. Giovana Santos, o livro não tem nada de maçante, isso te garanto!

    O livro é realmente muito bom, me surpreendeu bastante. A capa não me animou muito, o preço quando o comprei pesou mais, admito. Mas foi uma deliciosa surpresa e peguei realmente um apreço muito grande pela autora!

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.