Menu

10.1.15

A maldição de Long Lankin - Lindsey Barraclough



Edição: 1
Editora: Bertrand Brasil
ISBN: 9788528616354
Ano: 2013
Páginas: 448

Quando Cora e sua irmãzinha, Mimi, são enviadas para a casa da tia-avó, no isolado vilarejo de Bryers Guerdon, não recebem calorosas boas-vindas e ficam desesperadas para voltar para Londres. A vida de tia Ida foi devastada da última vez que duas meninas estiveram em Guerdon Hall, e agora a chegada das sobrinhas-netas desperta um mal que permanecia à espreita havia anos.


Disse meu lord à milady, ao seu cavalo montar: “Cuidado com Long Lankin, que no musgo costuma morar.”
Disse meu lord a milady , ao se afastar: “Cuidado com Long Lankin, que no feno costuma morar.”
“Deixe todas as portar aferrolhadas e todas as janelas trancadas, cuide para nem um buraco deixar onde um rato possa se esgueirar.”
As portar foram todas aferrolhadas e as janelas todas trancadas, exceto uma janelinha por onde Long Lankin tratou de entrar.
“Onde esta o dono desta casa?”, perguntou Long Lankin. “Viajou para Londres”, respondeu a falsa ama-seca.
“Onde esta o herdeiro da casa?”, Perguntou Long Lankin. “Adormecido no berço”, respondeu a falsa ama-seca.
“Vamos furá-lo, furá-lo todinho com um alfinete, e isso fará com que milady desça para o pequeno acolher.”
Então ele furou, furou o bebê todinho com um alfinete, e a ama-seca segurou a bacia para o sangue recolher.
Como a ama-seca dorme, como a ama-seca descansa. Meu pequenino John, como berra e não se amansa.
“Como me arriscar a no meio da noite descer sem vela acesa e sem fogo a arder?”
“Possuis três mantos prateados mais brilhantes que o sol. Desce, minha formosa milady, apenas com a luz de um só.”
Milady então desceu. Temerosa, o coração na mão. Long Lankin estava a postos, e ela caiu em suas mãos.
Aqui tem sangue na cozinha. Na sala também tem sangue. Nas escadas onde milady caiu também tem sangue.
“Meu senhor; meu senhor, não me culpe. Foi ali que a falsa ama-seca e Lankin mataram milady”
Long Lankin foi pendurado bem alto num cadafalso. E, numa fogueira próxima, queimada a ama-seca falsa.

E assim começa um dos livros mais assustadores que já tive o prazer de ler... @_@
Baseado nessa sinistra música folclórica acima, “A maldição de Long Lankin” nos conta a história de Cora e de sua irmãzinha menor Mimi, que são mandadas pelo pai para morar com sua tia em uma casa velha, cercada por charcos e mato no interior da Inglaterra. Logo na chegada, as meninas se deparam com várias regras estranhas estabelecidas por sua tia: “Nunca deixe sua irmãzinha sozinha, Cora”, “Nunca abra as janelas da casa, nunca!” e “De maneira nenhuma, vá ate a igreja velha que esta no alto da colina”. Isso tudo sem mencionar o fato de que definitivamente, sua tia não as quer lá... Pois é, tenso... Será que existe algo mais assustador por trás da recusa de sua tia em recebê-las?! Que forte aura de medo e superstição é essa que permeia a todos?! Que sinistra ameaça ronda o vilarejo e principalmente a casa da tia das meninas?!
E essa é a premissa inicial de “A maldição de Long Lankin”, o livro que conseguiu me deixar sem dormir durante as duas noites que levei para lê-lo. E tenho de salientar que ele me manteve acordada não só por ser incrível, mas por ter me metido medo mesmoooo... Serio! (pausa para choque coletivo de todos os meus amigos). Nunca havia encontrado um livro que fosse tão delicado e bem escrito como este, mas ao mesmo tempo, tivesse o poder de me fazer dormir com a luz acesa. E como todos os meus amigos podem atestar, eu não sou uma pessoa que se assusta facilmente.  o_O
As descrições são muito bem trabalhadas e o mistério vai se criando aos poucos, mantendo o leitor preso ao livro e querendo sempre descobrir o que pode estar à espreita nas próximas páginas. Os capítulos costumam ser curtos e a narrativa é em primeira pessoa e sempre do ponto de vista de um dos 3 personagens principais: Cora, sua tia e Roger (um garoto do vilarejo com quem as irmãs fazem amizade). Quem me conhece sabe que detesto livros em primeira pessoa, mas nesse livro tive de admitir que a escolha da narrativa funcionou de maneira magistral, fazendo o leitor se sentir ainda mais amedrontado por estar presenciando tudo do ponto de vista dos personagens.
O livro é o primeiro trabalho da autora inglesa estreante, Lindsey Barraclough... Que na minha humilde opinião, detonou! Indico a todos que estejam querendo uma história incrível de terror, com um clima mais incrível ainda (ok, parei de falar incrível ¬¬) e nos moldes dos grandes clássicos de terror como: “a volta do parafuso”. O trabalho de edição e tradução ficou bom, não encontrei nenhum erro massss... Tenho dar um pequeno puxão de orelha na editora Bertrand Brasil com relação à capa, que poderia ter ficado bem melhor. Já conversei com vários amigos que relataram terem deixado de comprar o livro porque a capa simplesmente não chamava atenção... Acreditem a capa não faz justiça ao conteúdo, então não julguem esse livro pela capa! Pelo amor de Jesus, Jeová e Buda!
Ótimas leituras a todos, tenham sonhos terríveis e não se esqueçam de fechar bem suas portas e janelas, porque Long Lankin esta vindo esta noite.       

***

Essa resenha foi escrita por Mary Zombie, colaboradora do blog. 
http://www.skoob.com.br/usuario/45011



8.1.15

Extraordinário - R. J. Palácio

"Toda pessoa deveria ser aplaudida de pé pelo menos uma vez na vida, porque todos nós vencemos o mundo." August Pullman

Título Original: Wonder
Editora: Intrínseca
Sinopse: August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso ele nunca frequentou uma escola de verdade... até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.
Narrado da perspectiva de Auggie e também de seus familiares e amigos, com momentos comoventes e outros descontraídos, Extraordinário consegue captar o impacto que um menino pode causar na vida e no comportamento de todos, família, amigos e comunidade - um impacto forte, comovente e, sem dúvida nenhuma, extraordinariamente positivo, que vai tocar todo tipo de leitor.

“Quando tiver que escolher entre estar certo e ser gentil, escolha ser gentil." – Sr. Browne

Não lembro a ocasião em que li sobre Extraordinário, mas me lembro que ele estava na minha lista de compras de novembro do ano passado (extinto 2014). Me atraiu pelo tema em si: um menino com suas deformidades escancaradas, convivendo numa sociedade em que ser diferente é um crime. Qual pessoa que nunca teve problemas na escola (podemos expandir isso para trabalho, nova cidade, novo grupo de amigos, etc.) por se sentir diferente e ser julgada como um pária? É algo que sempre me atrai em livros, para me empolgar com eles, basta seus personagens terem algo parecido comigo para que eu passe horas a fio lendo e me lamentar pelo livro terminado.

E, para além disso, ficar encantada com final “tudo termina bem, aqui está sua lição do ano, até da sua vida.”

“Sei que não sou um garoto de dez anos comum. Quer dizer, é claro que faço coisas comuns. Tomo sorvete. Ando de Bicicleta. Jogo bola. Tenho um Xbox. Essas coisas me fazem ser comum. Por dentro. Mas sei que crianças comuns não fazem outras crianças comuns saírem correndo e gritando e gritando do parquinho. Sei que os outros não ficam encarando as crianças comuns onde quer que elas vão.”(...)

Por sua deformidade – e a reação que ela causava nas “pessoas comuns ”- , os pais de August – Auggie para os íntimos e como eu me sinto íntima dele, vou chama-lo de Auggie, o.k.? -  nunca deixaram que ele frequentasse a escola, mas sua idade já demanda mais do que sua mãe pode lhe ensinar em casa. É quando então procuram uma escola com ensino especial – daquelas particulares que tem um estilo de ensino próprio – acreditando que será o melhor para seu filho. Mas ninguém da família está realmente pronto para encarar essa situação. Todos da família de Auggie estão acostumados com o casulo que criaram para ele, o que também acabou se tornando seu próprio casulo. Seu pai, sua mãe e sua irmã adolescente que dedicou sua vida a protegê-lo e também está passando por alguns bocados difíceis em sua vida.

O menino aceita o desafio de ir para escola e enfrenta todas as dificuldades que uma pessoa com sua diferença escancarada em seu ser enfrenta: com crianças criando brincadeiras malvadas para afastar seus amigos dele, pais de alunos tratando-o com preconceito, um professor – Sr. Browne -  genial que ensina com pequenos trabalhos a definição de preceitos e lhe faz refletir sobre tudo o que fez até hoje. Quem você é, quais são seus feitos...? São coisas que todos nós precisamos parar e pensar em alguma parte da vida. Somos o que fazemos e o que você tem feito?

“Não precisamos dos olhos para amar, certo? Apenas sentimos dentro de nós. É assim no céu. É só amor. E ninguém se esquece de quem ama.” Pag. 233

Será que amamos  uma pessoa como ela realmente é? Será que a amaríamos se seus “defeitos” forem realmente profundos?  Auggie nos ensina isso em apenas um livro, um pequeno ano de sua vida fantástica. Com pequenos gestos e indagações de uma criança com a qual o “o universo não foi legal”.

A autora faz um trabalho extraordinário, que nos faz abrir os olhos para o diferente e abraçá-lo como algo simplesmente incrível.

Essa foi a minha primeira resenha aqui no blog! Espero que gostem! ^-^
 

 
Feita por Priscila Alexandre, colaboradora do blog!

7.1.15

Para onde ela foi – Gayle Forman


Se você tivesse uma segunda chance para o primeiro amor… Você aceitaria?

Já faz três anos que o amor de Adam salvou Mia após o acidente que mudou a vida dela. Três anos desde que Mia saiu da vida de Adam para sempre. Vivendo agora em lados opostos do país, Mia é um talento em ascensão na Juilliard, a conceituada escola de música, e Adam é o típico astro do rock de Los Angeles, com direito a notícias nos tabloides e uma namorada-celebridade.
Quando Adam se vê sozinho em Nova York, o acaso reúne o casal mais uma vez. Por uma noite.
Com a mesma força dramática de Se Eu Ficar, agora pela voz de Adam, Para Onde Ela Foi expõe o desalento da perda, a promessa de esperança e a chama do amor que renasce.

A primeira palavra que me veio a mente para descrever o livro foi : Desnecessário. Não estou dizendo que é uma leitura ruim ou sem sentido, apenas desnecessária. Porque  escrever um livro inteiro para falar dos três anos que Adam e Mia ficaram separados depois do terrivel acidente que ela sofre, e não acrescentar nada de relevante? Tá, ver a versão do Adam “do após Se eu ficar” era pra ser uma ideia interessante,  até por que gosto de livros que mostram o depois do “Felizes para sempre” ou no caso deles o “Não tão felizes para sempre”, mas  a história tem que trazer algo de novo, aquele sentimento de compreensão , sensação de estar revendo velhos amigos e compartilhar das alegrias e da dor de cada personagem. Nesta continuação só consegui ver um cara que tem tudo e não dá valor a nada, egoísta e um encontro sem grandes emoções e até um tanto insípido entre Mia e Adam. Temos um vislumbre de tudo que a Mia se tornou, mesmo depois de toda a perda que sofreu, mas pra mim  foi apenas isso … um pequeno vestigio de uma história que poderia ser muito, muito emocionante.

6.1.15

A Última Vitima - Tess Gerritsen


Edição: 1
Editora: Record
ISBN: 9788501404589
Ano: 2014
Páginas: 384
Tradutor: Marcelo Schild

Quando a família adotiva de Teddy Clock, de 14 anos, é massacrada e o menino torna-se o único sobrevivente, a detetive da polícia de Boston Jane Rizzoli é chamada para investigar o caso. Descobre que a morte cerca o menino: sua família biológica também foi assassinada. Por causa dessa estranha coincidência, Jane logo leva Teddy para Evensong, uma escola isolada no Maine que protege crianças que perderam suas famílias de forma violenta. Porém, o passado de Teddy revela semelhanças assustadoras com as tragédias de outros dois alunos do colégio, Will Yablonski e Claire Ward. Estariam os três adolescentes, já tão marcados pelas cicatrizes da violência, seguros dentro dos portões de Evensong?

Teddy Clark é um menino normal de 14 anos... Isso se deixarmos de lado o fato de que todos ao seu redor têm o terrível costume de serem vitimas de mortes horrivelmente violentas. o_O Teddy foi o único sobrevivente de um massacre que vitimou toda a sua família adotiva e a detetive Jane Rizzoli é chamada para investigar o caso e descobrir todo o mistério que permeia o presente e o passado desse garoto.
O problema é que essa não é a primeira vez que uma coisa assim acontece com pessoas próximas a Teddy... Sua família biológica também foi morta em circunstancias suspeitas. A detetive Rizzoli assume o caso e leva Teddy para uma escola no interior do Maine chamada Evensong, onde crianças como Teddy que foram vitimas de violência, podem se sentir seguras e superar seus traumas. 
De maneira intrigante, começam a aparecer paralelos entre a historia de Teddy e de outros dois internos do colégio, Will Yablonski e Claire Ward, que tem passados tão sinistros e nebulosos quanto Teddy. Que estranhas coincidências levaram esses 3 adolescentes a passarem por situações tão horríveis e também, tão semelhantes? Jane Rizzole não acredita em coincidências (e particularmente nem eu. Heheh), então a detetive mais uma vez se vê envolvida em uma trama macabra em busca da verdade.
Mais uma vez Tess Gerritsen envolve o leitor com uma trama que flui muito bem, mas que infelizmente, esta ficando meio batida para o meu gosto... :/ Estou começando a sentir uma certa "repetição de formula" nos livros da autora. Não me entendam mal, eles continuam sendo muito bons, mas não estão conseguindo despertar a mesma animação que despertavam antes. Encarei certa dificuldade ate para escrever essa resenha, pois senti que eu mesma estava começando a soar repetitiva ao falar da autora. -_-
Talvez minha época de Tess tenha passado, não sei. Vou esperar o próximo livro para tirar minhas conclusões. Espero sinceramente que a autora de um tempo na série "Isle e Rizzoli" e tente outros assuntos como já fez antes.
De qualquer maneira, recomendo o livro para quem goste de um romance policial bem escrito e de um bom mistério.
Por hoje é só pessoal, boa leituras e tenham sonhos terríveis. ;)

5.1.15

Primeiro Amor – James Patterson

 

1907656_707502719288536_2806864860442983268_n

 

 

Edição: 1
Editora: Novo Conceito
ISBN: 9788581633909
Ano: 2014
Páginas: 240

Axi Moore é uma garota certinha, estudiosa, bem comportada e boa filha. Mas o que ela mais quer é fugir de tudo isso e deixar para trás as lembranças tristes de um lar despedaçado. A única pessoa em quem ela pode confiar é seu melhor amigo, Robinson. Ele é também o grande amor de sua vida, só que ainda não sabe disso. Quando Axi convida Robinson para fazer uma viagem pelo país, está quebrando as regras pela primeira vez. Uma jornada que parecia prometer apenas diversão e cumplicidade aos poucos transforma a vida dos dois jovens para sempre. De aventureiros, eles se tornam fugitivos. De amigos, se tornam namorados. Cada um deles, em silêncio, sabe que sua primeira viagem pode ser também a última, e Axi precisa aceitar que de certas coisas, como do destino, não há como fugir. Comovente e baseado na própria vida do autor, este livro mostra que, por mais puro e inocente que seja, o primeiro amor pode mudar o resto de nossas vidas.

***

Primeiro amor, conta a história de dois adolescentes Axi e Robinson, que moram em uma cidade pacata chamada Klamath Falls. Axi é estudiosa, certinha e sonha em ser escritora, ela cuida do pai bêbado, e sofre pela perda de sua irmã. Por outro lado, Robinson o “patife”, assim chamado por Axi, largou os estudos e detesta ler. Embora essa contradição de personalidade, eles se dão bem e tornam a relação engraçada, com brincadeiras e apelidos peculiares.

Em uma reviravolta na sua vida, Axi decide deixar tudo pra trás, e usar o dinheiro de suas economias para viajar pelo país, e para isso, ela conta com a companhia de seu melhor amigo Robinson. Apesar de Axi ter planejado tudo, Robinson dá um novo rumo às coisas, tornando a aventura ainda mais inesquecível para ambos.

Eles se tornam parceiros de crime, e Axi experimenta coisas que nunca imaginou experimentar. Juntos, eles descobrem um sentimento muito lindo que há muito tempo estava dentro deles, apenas faltava admitir. A forma como eles se conheceram, e como se tornaram dependente um do outro, o carinho e a vontade de cuidar são de dar inveja em quem sonha com um amor.

No geral, é um livro romântico e melancólico. Eu não achei tão surpreendente, desde o começo eu já imaginava o que vinha nas próximas páginas, não despertou muito minha curiosidade, é tanto que eu nem chorei. Outro ponto negativo, pelo menos pra mim, foi o foco somente no romance. Eu criei muita expectativa em relação à aventura e tal, mas apesar disso, achei o livro divertido e em alguns momentos engraçado. Os capítulos são bem curtos, a linguagem fácil. Uma boa opção para pessoas sensíveis que gostam de uma boa e comovente história de amor, até porque é baseado em fatos reais.

10365956_325255944304732_6205995820296839769_n

Essa resenha foi escrita por Luana Oliveira, colaboradora do blog.

Facebook: https://www.facebook.com/profile.php?id=100004609879348&fref=ts