Menu

26.1.16

O Garoto Quase Atropelado





Autor: Vinicíus Grossos
Editora: Faro Editorial
Ano: 2015
Sinopse: O garoto quase atropelado conta a história de um adolescente que começa a escrever um diário, como sugestão de sua psicóloga, para poder expressar os seus sentimentos, pensamentos e desabafos, pois por causa de um trauma sofrido a alguns meses atrás, ele simplesmente parou sua vida – saiu da escola, se isolou do mundo e entrou num princípio de depressão.
Então ele conhece Laís, a cabelo de raposa. Uma menina impulsiva, misteriosa e instigante, que o tira de sua bolha de solidão. E na bagagem, seus dois amigos: Acácio, que ele apelida de o James Dean não-tão-bonito, um jovem gay que sempre tem uma piada pronta e o conselho para dar; e a menina de cabelo roxo, Natália, que sofre com problemas de autoestima e distúrbios alimentares.
De tão diferentes, os quatro constroem uma bonita, espontânea e sólida amizade. E todos eles, com seus próprios dramas, que se conectam para entender e lidar, contando com a ajuda um do outro.



"Realmente, é difícil lidar com a dor, que parece infinita, quando você perde a única pessoa que não o deixava se sentir a criatura mais solitária e perdida do mundo."



Então, você leu “As vantagens de ser invisível”? Eu não li, só vi o filme. Mas posso dizer que enquanto lia, muitas partes eu associei ao filme. Até a personagem principal tem uma personalidade parecida.



É narrado em primeira pessoa e, já no início, o autor nos diz: você não saberá o nome do autor. Não saberá, porque é em forma de um diário. Raramente vemos alguém usar seu próprio nome em um diário, não é? Eu pelo menos não me lembro de ficar escrevendo Priscila nos meus!



Então, para que possamos nos situar nos personagens, vamos usar os nomes que o próprio protagonista deu para cada um deles, ok? Nosso amiguinho narrador é o Garoto –quase-atropelado. Ele recebeu esse apelido vocês já fazem ideia do porque, né? 



O Garoto tem 18 anos, largou a escola depois de algo que o deixou em depressão ter acontecido. Ele não soube como superar e então se fechou para mundo. Ficou sem amigos, sem vontade de sair, de conversar, de viver. Pareceu que era feliz antes desse momento divisor de águas em sua vida... 

Alguns meses depois, ele encontra aos poucos uma nova razão para continuar seguindo, depois de quase ser atropelado [aeeee]. Ele encontra um grupo de amigos os quais conhecemos até por seus nomes, mas os apelidos são melhores: cabelo de raposa, menina de cabelo roxo e o James Dean não tão bonito, que veem nele um confidente que não um ao outro. É como se ele fosse a peça que faltava em seu pequeno círculo e que acaba indo com eles em várias aventuras, socorrendo-os em momentos necessários, essas coisas. 

Eu não sei, eu achei algumas coisas do livro meio forçadas. Laços forçados e exagerados, sabe? 

Cabelo de raposa é aquela amiga linda e porra-louca, cheia de atitude e boca suja com um
passado fodido (obs.: eu posso falar palavrões em resenhas?!) que age sem pensar e sem levar em consideração quem ela irá atropelar com seus impulsos. É dito sobre ela que, no fundo, é só uma menininha assustada com um coração e alma alquebrados.

James Dean não tão bonito é o elo masculino do grupo. Gay, foi mandado embora de casa e é com que nosso Garoto mais pode contar para lhe ouvir e ajudar em suas ideias. É alguém que luta muito pela vida, mas que geralmente só segue a onda de Cabelo de raposa.

Menina de cabelo roxo sofre de bulimia, é extremamente insegura e praticamente uma sombra da Cabelo de raposa. É a mais rica dos três e quase não tem presença. É tipo... A amiguinha que podemos deixar para trás que não vai fazer falta no nosso passeio, mas que faz parte do triangulo amoroso.

E é tudo sempre... Demais, sabe? Muitas emoções, muitas frases... Sei lá, não sei nem explicar. Não me soou muito verdadeiro enquanto eu lia.

O livro é repleto por uma trilha sonora boa. Tem Sia, Kids, White Lies... Algumas bandas que não conheço também. Geralmente acompanham momento que estão passando, está de fundo em alguma cena... O Garoto também é um devorador de livros, alguns que ele lê no decorrer do livro são On The Road e O apanhador no campo de centeio. Se não me engano, no comecinho ele está lendo Admirável Mundo Novo. Ele se identifica com as situações dos livros também, imaginando-se como os personagens.

No geral, é um bom livro, muito bem escrito. Não me prendeu muito, talvez por causa das personagens que não me atraíram. E a pior deles, foi porque achei meio machista... é como se o Garoto fosse a última bolacha do pacote para ter um triangulo amoroso. Me desagradou um pouco, mas enfim. Leiam para formar suas opiniões! 

Deixo para vocês o booktrailer do livro e encerro com uma das músicas chave do livro!



Death - White Lies:

See ya!





7 comentários:

  1. oi flor, li boas resenhas a respeito desse livro, a sua é a primeira sobre os pontos negativos da trama e confesso que não me animei a lê-lo, não só pelas suas ressalvas, mas por não ter achado a premissa muito interessante
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi.
    Será que esse livro é o estilo de "Eu, Você e A Garota Que Vai Morrer"? Não curti esse livro.

    Beijão!

    ResponderExcluir
  3. Olá Priscila!

    Já fazia algum tempo que queria ler esse livro, portanto, quando vi que você tinha postado a resenha corri e vim conferir... só que agora fiquei receosa... não por causa do personagem se 'achar', mas por você tê-lo considerado machista... isso faz o livro perder todos os pontos possíveis... E olha que essa capa me ganhou loucamente (que lindeza de capa), mas agora já não tenho muita certeza se irei lê-lo... apesar de gostar do tema abordado: depressão é coisa séria e a cada dia que passa afeta os mais jovens e não apenas os adultos... mas... enfim... vou pensar se leio ou não... se compro ou não...

    xoxo
    Mila F.
    @camila_marcia
    www.delivroemlivro.com.br

    ResponderExcluir
  4. Em nenhum momento o personagem principal da história soa machista, ele e apenas colocado em situações em que pensa com quem ficar, se vale a pena se arriscar por seu amor, mas uma pessoa totalmente louca e desprovida de certezas na vida ou com a outra personagem, mais na dela e com os pés no chão. Menções as vantagens de ser invisível sempre vão ter, aliás qual o livro com um dos temas presente em OGQA que não é comparado à o livro AVDSI? Enfim, eu recomendo bastante a leitura e tudo o que parece ser exagerado no livro pode ser mal interpretado, aliás eram os primeiros momentos do garoto fora da sua casinha, do seu cubículo, e as sensações foram totalmente espontâneas, desde uma saída ao gramado até as viagens mais duradouras, novas experiências, nova fase de vida. Enfim, cada um com sua opinião. ;)

    ResponderExcluir
  5. Thaila Oliveira: Acredito que o livro pode ser interessante quando já se gosta de uma premissa asism, ou se quer dar a chance para livros com esta temática. Se um dia se sentir a vontade, recomendo a leitura para ter suas próprias opiniões sobre ele também! Bjs!

    Cris: Sabe que num sei minina? É que se eu disser que parece vou dar spoiler e num gosto de estragar a bricnadeira u.u

    Camila: A capa é realmente linda, foi o que mais me atraiu para começar a ler o livro, na verdade (coisa feia, né?). Mas acredito que, apesar das opiniões que leia, você pode acabar gostando. Não vai saber se não arriscar. Muito obrigada por ter vindo ler a resenha, ver que há pessoas que correm para ler resenhas me aquece o coração!

    Ycaro: Moço, como você disse foi só uma opinião. eu me senti asism lendo o livro, e acho que esse é o intento de um escritor: causar reações diversas em quem lê o que ele tão dedicadamente escreveu. Quando as mençõesno estilo de As vantagens de ser invisível também não achei negativo. Gostei do filme, só não li o livro... Não li outros livros no mesmo estilo também, então só fiz uma pequena ligação.
    Vale a pena mesmo ler, foi bem escrito e pode agradar muito aquele que se dedicar à leitura. =)

    ResponderExcluir
  6. Pela sinopse, parecia o livro Mar da Tranquilidade. Já leu? Tinha ficado com vontade de ler, mas depois de você falar que é um tanto machista perdi totalmente a vontade :|

    http://somaisumapaginamae.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Luiza, ainda não li! To completamente apaixonada pela capa desse Mar de tranquilidade há meses e ainda não o consegui

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.