Menu

28.3.16

Doce Perdão - Lori Nelson Spielman









Título: Doce Perdão
Autor: Lori Nelson Spielman
Editora: Verus
Ano: 2015 / Páginas: 322

Sinopse: Hannah Farr é uma personalidade de New Orleans. Apresentadora de TV, seu programa diário é adorado por milhares de fãs, e há dois anos ela namora o prefeito da cidade, Michael Payne. Mas sua vida, que parece tão certa, está prestes a ser abalada por duas pequenas pedras... As Pedras do Perdão viraram mania no país inteiro. O conceito é simples: envie duas pedras para alguém que você ofendeu ou maltratou. Se a pessoa lhe devolver uma delas, significa que você foi perdoado. Inofensivas no início, as Pedras do Perdão vão forçar Hannah a mergulhar de volta ao passado - o mesmo que ela cuidadosamente enterrou -, e todas as certezas de sua vida virão abaixo. Agora ela vai precisar ser forte para consertar os erros que cometeu, ou arriscar perder qualquer vislumbre de uma vida autêntica para sempre. Após o sucesso mundial de A lista de Brett, Lori Nelson Spielman retorna com este romance terno e esperto sobre nossas fraquezas tão humanas e a coragem necessária para perdoá-las - assim como para pedir perdão.

***

Antes da resenha, vale lembrar que Lori é autora de A Lista de Brett. Muita gente fala muito bem sobre ele. Não o li ainda e estou muito curiosa!!!



Quando seu coração está quebrado, o que você faz? Quando pessoas próximas te ferem e magoam, o que você faria?

Hannah Farr tem uma vida perfeita. Tem seu próprio programa de televisão em New Orleans, onde é apresentadora, tem muitos fãs que a adoram e namora o prefeito da cidade, Michael Payne, há dois anos. Toda essa perfeição está em risco quando duas pequenas pedras entram em sua vida.
Hannah está com o coração cheio de mágoa e rancor, mas para seguir em frente ela deve enfrentar o passado de uma vez por todas. A chance aparece quando as Pedras do Perdão são enviadas para ela por Fiona Knowles, uma colega de escola que a maltratou na adolescência.

“Está enfiada lá no fundo, no mesmo lugar onde a escondi dois anos atrás. Uma carta de desculpas de Fiona Knowles. E um saquinho de veludo contendo um par de Pedras do Perdão.” Página 18

O objetivo é passar duas pedras para alguém que você magoou como um pedido de perdão. Se uma das pedras voltar é porque a pessoa foi perdoada. E assim o ciclo se forma. Parece um pouco sem nexo? Até que sim, mas as pedras são apenas o símbolo de sentimentos negativos, elas servem ao propósito de liberar tudo que está magoando alguém. Adorei o conceito que a autora criou aqui!

Depois de receber as pedras, velhos sentimentos ressurgem como uma avalanche. O livro está recheado de lembranças de Hannah desde o momento em que a mãe decidiu separar-se do pai há 21 anos. A última vez que Hannah e a mãe se viram foi em sua formatura há 16 anos. Hannah, agora com 34 anos, guarda um forte ressentimento por ela ter abandonado a família para ficar com Bob. Por não ter ficado do seu lado em um momento difícil. Mas será mesmo que foi isso que aconteceu?


A cada momento vivido por Hannah, as lembranças vão sendo mostradas e dando uma nova perspectiva sobre suas atitudes e conceitos sobre tudo. Será que ela não acabou fazendo coisas que só a afastaram da mãe e não o contrário? Algumas lembranças foram de alguma maneira distorcida por conta de seu ressentimento? Agora Hannah vai ter que enfrentar seu passado para poder finalmente encontrar seu futuro.

“Porque agora começo a questionar todas as crenças que mantive com tanta firmeza nestes últimos vinte e um anos. E a própria missão deste dia, oferecer perdão para a minha mãe, de repente parece toda errada.” Página 111

Uma personagem me chamou atenção desde o primeiro momento que apareceu: Dorothy. Uma senhora de idade muito fofa e sábia. A cada página virada, eu ficava esperando ela aparecer e poder ver seus conselhos. Não tinha como não se apaixonar por ela. E também sofrer junto com ela em um momento de revelação, me doeu muito o coração.

“Eu sempre imaginei a vida como um quarto escuro cheio de velas. Quando nascemos, metade delas está acesa. A cada boa ação que fazemos, mais uma se acende, criando um pouco mais de luz. Mas, ao longo do caminho, algumas chamas são extintas por egoísmo e crueldade. Então, veja bem, nós acendemos algumas velas e apagamos outras. No fim, só podemos desejar ter criado mais luz que escuridão neste mundo.” Página 46 e 47

“Não é a mentira. Nunca é a mentira. É encobrir que nos arruína.” Página 149

Vamos a um ponto que deve ter deixado um tanto indignado alguns leitores: a reviravolta do segredo. O modo como a autora decidiu finalizar isso deixa dúvidas ou até certezas em aberto. Mas entendo a perspectiva da autora de deixar isso em aberto, por que é real. Não são todas as pessoas que decidem enfrentar esse tipo de problema. Hannah já tinha conseguido sua paz interior e reviver tudo outra vez não faria mais diferença.

Encerro Doce Perdão com um questionamento para os leitores: será mesmo que alguns segredos devem ser enterrados?








2 comentários:

  1. oi flor, eu estou louca para ler esse livro, adorei o livro anterior da autora e creio que também adorarei esse
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Os dois estão na lista, agora fiquei com mais vontade ainda de ler.
    Adorei a resenha! ;)

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.