Menu

3.3.16

Quando tudo volta: Porque eu estou acordado em um mundo de pessoas que dormem.

"...Quando pensei nisso por tempo suficiente, decidi que talvez todo mundo que eu conhecesse estava procurando algo de modos diferentes."

Título Original: Where things come back
Autor: John Corey Whaley
Editora: Novo Conceito
Ano: 2011/2014
Sinopse: Uma morte por overdose. Um fanático estudioso da Bíblia. Um pássaro lendário. Pesadelos com zumbis. Coisas tão diferentes podem habitar a vida de uma única pessoa?
Cullen Witter leva uma vida sem graça. Trabalha em uma lanchonete, tenta compreender as garotas e não é lá muito sociável. Seu irmão, Gabriel, de 15 anos, costuma ser o centrodas atenções por onde passa. Mas Cullen não tem ciúmes dele. Na verdade, ele é o seu maior admirador.
O desaparecimento (ou fuga?) de Gabriel fica em segundo plano diante da nova mania da cidade: o pica-pau Lázaro, que todos pensavam estar extinto e que resolveu, aparentemente, ressuscitar por aquelas bandas.
Em meio a uma cidade eufórica por causa de um pássaro que talvez nem exista de verdade, Cullen sofre com a falta do irmão e deseja, mais que tudo, que os seus sonhos se tornem realidade. E bem rápido.

Sabe um livro que quando você começa, você só larga quando chega ao fim? Então, esse é um desses. Me senti presa em suas páginas, lendo como a vida de Culler Witter se entrelaçava a outras que, aparentemente, não tinham nenhuma ligação. E isso ficava ainda mais claro por existir dois períodos temporais na história, que não contarei quais são, obviamente.

Cullen Witter é o irmão mais velho que tem aparência de ser mais novo que Gabriel, o irmão mais novo que todos gostam. Seus amigos são praticamente os mesmos, em especial Lucas Cader, o jovem cuja vida é problemática mas sempre tem uma palavra ou gesto de apoio. Cullen é um jovem que sonha em ser escritor e gosta de tornar cenas de seu dia a dia em nomes possíveis para livros que poderia escrever um dia, com tiradas sarcásticas e irônicas.

Já Gabriel Witter é o menino underground filosófico. Acha ruim e às vezes até mostra pena pelo comportamento do irmão, dizendo que deve ser algo muito triste viver sem nenhuma esperança.
Na pequena cidadezinha de Lilly, eles sabem que não há segundas chances. E o retorno de um pássaro desaparecido nos anos 40 parece mostrar à população de que a vida pode sim ter segundas chances. E os jovens vêem isso como idiotice, afinal... Eles ainda tem a vida toda diante de si. Mas não os adultos.

E, no meio de tudo isso, numa noite comum... Gabriel desaparece. 

O centro da vida de Cullen e Lucas. 

E tudo o que as pessoas conseguem falar sobre é o pássaro.

O texto do livro é narrado por Cullen e outros personagens, como os fanáticos religiosos Benton Sage e Cabot Searcy. É incrível ver como vidas sem nenhuma ligação com a deles acaba influenciando no rumo das coisas.

Me fez lembrar da teoria do caos e as batidas das asas de uma borboleta.


"O cérebro tem um jeito de não permitir que você se esqueça de coisas das quais gostaria de se esquecer. Principalmente com as pessoas. Por exemplo, você vai fazer o que puder para se esquecer de coisas que as pessoas dizem a você ou sobre você, mas sempre se lembra. E tenta se esquecer de coisas que já viu, e que ninguém deveria ver, mas simplesmente não consegue. Quando tenta se esquecer do rosto de alguém, não consegue tirá-lo da cabeça."


As páginas são um charme em si, com passarinhos nas margens que, quando eu dobrava as orelhas pra marcar trechos que me valem a pena copiar, pareciam voar livres pelo papel, como o pássaro Lázaro.

Se você quer um livro reflexivo e com surpresa no final, esse é um ótimo livro para ler num final de semana, numa noite em que se esteja pensativo e que se acredita que todas as pessoas são zumbis, vidas sem vontade própria que apenas se arrastam por aí, fingindo-se de vivos.


E acho o título em inglês melhor que o brasileiro, pois diz: Onde as coisas voltam. Encaixa muito melhor na história.

Por: 

2 comentários:

  1. é um livro que tenho faz um tempão, mas nunca nem folheie, sentia que a proposta não me atrairia, mas estava super enganada!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu sempre gostei de livros com essa temática, então logo que li a sinopse, gostei dele!

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.