Menu

21.6.16

{Lançamento} Quadrinhos na Cia. em Junho!




Sou fã de quadrinhos e gosto muito do André Dahmer, suas tirinhas sempre fazem boas criticas ao nosso sistema. 
Persépolis não é lançamento, mas o livro foi escolhido pela Emma Watson em seu Clube da Leitura esta mês, é bom marcá-lo por aqui também!



André Dahmer


Lançamento: 24/05

Difícil definir os anos 1910. Na esteira das revoluções tecnológicas da virada do século, o ruído ampliou-se e a dispersão tomou conta. Todavia, a torrente de informações e opiniões não assusta André Dahmer. Na verdade, é desse caldo que ele tira algumas de suas melhores histórias. Quadrinhos dos anos 10 tem uma receita simples: três ou quatro quadros em sequência, contendo a mais dolorosa e mordaz crítica à vida moderna.

O humor dessas páginas nasce da mesma angústia que sentimos diante das complicações contemporâneas que o autor tenta destrinchar. Mas as tiras não são pesadas e duras: pelo contrário, são tão engraçadas quanto os absurdos do dia a dia. Um riso meio doído, mas um riso mesmo assim.




PERSÉPOLIS (COMPLETO)


Marjane Satrapi tinha apenas dez anos quando se viu obrigada a usar o véu islâmico, numa sala de aula só de meninas. Nascida numa família moderna e politizada, em 1979 ela assistiu ao início da revolução que lançou o Irã nas trevas do regime xiita - apenas mais um capítulo nos muitos séculos de opressão do povo persa.
Vinte e cinco anos depois, com os olhos da menina que foi e a consciência política à flor da pele da adulta em que se transformou, Marjane emocionou leitores de todo o mundo com essa autobiografia em quadrinhos, que só na França vendeu mais de 400 mil exemplares.
Em Persépolis, o pop encontra o épico, o oriente toca o ocidente, o humor se infiltra no drama - e o Irã parece muito mais próximo do que poderíamos suspeitar.




1 comentários:

  1. Priscila, faz tempo que quero ler Persepolis. Sabe que nunca leio quadrinhos? Acho que tem muito a me ensinar sobre uma cultura distinta, que tb está sob um véu de preconceito e que devemos desfazer com o conhecimento. A ignorância é a mãe do preconceito. Então, acho que os quadrinhos são uma maneira divertida e leve de falar de um tema espinhoso.

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.