Menu

29.6.16

O Herdeiro Guerreiro - As Crônicas do Herdeiro #1

o herdeiro guerreiro


o herdeiro guerreiroTítulo Original: The Warrior Heir
Série: As Crônicas do Herdeiro
Autora: Cinda Chima Williams
Editora: Farol Literário
Ano: 2008
Sinopse: Jack tinha 16 anos e, a não ser pela cicatriz no peito e o remédio que tomava todos os dias, era um garoto normal. Até que se esquece de tomar o remédio e logo descobre a verdade: Jack é um dos últimos guerreiros Weirlind, uma sociedade secreta que está em guerra pelo poder, e terá de lutar para se defender de seu destino.
Jack segurou com cuidado o punho da espada e a desembainhou, notando que o punho cabia em sua mão sem escorregar. A espada criou uma luz própria ao emergir, uma chama prateada que correu ao longo da lâmina. Tinha dois gumes, e o metal parecia ondulado de um jeito que indicava que havia sido dobrado e redobrado em reforço. Como Jack sabia disso, ele mesmo não saberia dizer. Após um século enterrada, não tinha nenhum traço de ferrugem. Parecia pronta pra ser usada. Will e Fitch, atraídos pela luz, olharam por cima do ombro de Jack.
- Sinistro - murmurou Fitch.
- Não - disse Jack. - Não tem nada de sinistro.
Jack ergueu a arma em frente ao corpo com as duas mãos e soube que ela pertencia a ele, embora houvesse sido forjada muito antes de ele ter nascido. Era mais leve do que imaginara, mais leve do que seria de esperar, considerando-se o tamanho dela.
- Sombra Assassina - sussurrou Jack, como se a arma falasse com ele.
E o poder na lâmina correu-lhe para as mãos e subiu-lhe pelos braços como se, de alguma maneira, a espada o estivesse segurando.




Primeiro livro das Crônicas do Herdeiro, O Herdeiro Guerreiro nos apresenta ao mundo criado por Cinda Chima Williams: um mundo onde existem magos, feiticeiros, guerreiros... Misturado ao mundo tal qual o conhecemos. Isso quer dizer que Jack Swift é um jovem adolescente de 16 anos que está no ensino médio, que tem problemas com os populares da escola e só quer entrar para o time de futebol (e não é o americano, é o que eles chamam de soccer!). Sua mãe, Becka, é uma advogada brilhante e protege o filho com unhas e dentes, tentando também deixá-lo responsável por cuidar de si mesmo.

O livro começa com uma história há mais de cem anos atrás, através da perspectiva de Lee e sua família. Eu fiquei meio confusa com o prólogo porque lembree que o nome do protagonista não era Lee... Mas aí veio o primeiro capítulo e entendi o que estava acontecendo, então tuuuudo bem!

“(...) Magia não é uma ferramenta para ser usada de maneira imprudente ou insensata. Precisa ser domada por um intelecto forte o bastante para mantê-la sobre o controle.”

Descobrimos com Jack (o livro é em terceira pessoa, mas te engana com uma primeira pessoa na visão de Jack) sobre os Weir: são aqueles que possuem dons, divididos em castas: guerreiros, magos, encantadores, feiticeiros e adivinhos; porém a supremacia é dos magos. São eles quem mandam nos outros, que são considerados inferiores. Há uma guerra entre duas casas: Rosas Vermelhas e Rosas Brancas (York e Lancaster, a Guerra das Rosas aconteceu de verdade na história da Inglaterra) mas, para sangue mago não ser desperdiçado, apenas os guerreiros, que são a classe mais inferior, lutam no que chama de Jogo.

“-Claro, está ótimo. – disse ele, o sabor do remédio prolongando-se na parte de trás da língua. Tinha um gosto de velhas tristezas, velhos arrependimentos. Esfregou os olhos com os dedos, assaltado por uma misteriosa sensação de perda.”

Jack nasceu com uma doença grave e a única coisa que mostrava isso era a cicatriz em fora de estrela. Cresceu sem saber nada sobre o mundo mágico, até que, após um acidente durante um jogo de futebol, ele lança longe um parceiro do time. A única coisa anormal (além disso) em seu dia, foi a ausência de sua medicação, a qual ele esqueceu de tomar pela primeira vez em sua vida. E sentiu-se bem, como nunca antes havia se sentido.

Depois disso, sua tia Linda fica mais próxima, investigando o que estava acontecendo com o sobrinho. Ela é quem lhe explica o que está acontecendo e que ele é um guerreiro. Isso causa um impacto enorme em sua vida, pois ser guerreiro não é um bom sinal.

(...)“O mundo vai tentar transformar você em outra pessoa. Não deixe. É o melhor conselho que qualquer um pode dar à você.”

Guerreiros são caçados pelas casas para lutarem em seu Jogo: depois de tantos anos sendo mortos nessa disputa, existem poucos deles no mundo ainda vivos e são caçados como espécie rara. Preocupada com a segurança do sobrinho, ela pede para Leander Hastings treiná-lo nas artes do guerreiro. Ela confia nele para isso, já que o mago não concorda com o atual sistema que ordena o mundo Weirlind.

Em meio à tudo isso, Jack ainda acha tempo para se apaixonar por Ellen, uma menina que veio de fora da cidade e que é esportista: não faz parte de nenhum grupinho da escola e aparentemente nem tem paciência para isso. Ela se mostra forte em suas opiniões, embora não apareça tanto quanto eu gostaria.

É uma história repleta de reviravoltas e com descobertas que te deixam boquiaberto. A coisa toda de Herdeiro surge de modo especial – não é a toa que na capa existe uma espada, né? Não vou contar muito sobre porque senão tiro a surpresa de vocês quando forem ler.


Estou gostando muito das Crônicas do Herdeiro, é bem melhor do que imaginei que seria.



2 comentários:

  1. apesar do livro estar sendo tão bem discutido na resenha, evidenciando os pontos fortes e as emoções vivenciadas ao longo da leitura por você, confesso que não é o tipo de livro que me atraia
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Pela sinopse, também não é um livro que eu escolheria, Thaila. Mas me surpreendi bastante ao dar uma chance para a leitura!

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.