Menu

6.7.16

{Resenha} Grim Reaper - Jornada da Morte






Autoras: Miss Nick e Bettina Winkler
Editora: Young Editorial
Ano: 2016
Sinopse: A morte espreita, à nossa espera, e nos chama a cada dia. Ruas sem saída, dimensões inimagináveis... É fácil viver sem se preocupar em olhar o que está além do mundo visível aos olhos e não prestar atenção nos seres encapuzados que transitam ao nosso redor. As criaturas andam entre nós e ao morrermos, elas conduzem as nossas almas. Quando caímos no abismo mortal, não há mais como voltar. Ver além do obscuro. Além do celestial.


Resenha:

Escrevi as primeiras impressões sobre esse livro há algum tempo (veja aqui), e posso dizer que ele superou as expectativas.

Amy é uma adolescente que mora com o pai em São Francisco e passa férias com a mãe em Oakland. Ela faz esse trajeto entre as cidades de barco, mas dessa vez as coisas não ocorreram da forma como Amy esperava. Um acidente com a lancha inundou sua cabine, mas ainda assim Amy sobreviveu. Aliás, ela foi a única que sobreviveu.

Após o acidente, Amy passou a ter pesadelos que a assombravam todas as noites, e a ver vultos que a assombravam durante o dia. Mas ela esconde isso de todos os seus amigos e família, e então ela começa a ser vista como a menina estranha da escola.



Mas também havia o menino estranho da escola, o garoto novo, que só andava de preto, que ninguém conhecia ou sabia nada a respeito, e que atraía Amy mais do que qualquer outro garoto comum. James se aproxima de Amy, e ela parece ser a única a tratá-lo bem, ao mesmo tempo em que Josh e Kay, seus melhores amigos, acham que ela deveria se afastar do garoto.

“Por um segundo, me pego pensando no quanto ele é diferente dos outros garotos daqui, pelo menos exteriormente. Aqui são todos lindos, perfeitos, iguais... Mas James não, ele foge do comum. Não posso deixar de notá-lo. Sua beleza é exótica, é escondida. Sua pele é de um tom mais claro que a minha e ele tem leves olheiras bem abaixo dos olhos.”

Josh e Kay são apaixonados um pelo outro, porém inseguros demais para demonstrar, e Amy acaba dando uma forcinha para que, eventualmente, os dois fiquem juntos.

Certo dia, durante a aula, Amy começa a se sentir mal e decide caminhar pela cidade para tentar melhorar. No caminho, percebe que está sendo seguida, e ao fugir acaba sendo atropelada por um carro. Nessa hora, Amy tem a sensação de que alguém está tentando mata-la. Mas por quê?

Amy e James se aproximam cada vez mais, mas quando ela lhe conta sobre seus pesadelos e visões, ele age estranhamente, deixando-a sozinha. Depois ele resolve apresentar seus amigos para Amy. A presença de Auguste faz com que ela sinta algo estranho, como um medo no fundo da alma, apesar de achá-lo extremamente bonito. Tara também dá arrepios em Amy, apesar de achar que também poderia ser uma pontinha de ciúmes, já que Tara parecia bem íntima de James.



Com eles, Amy aprende mais sobre os Ceifadores, que são figuras sombrias que carregam uma foice grande e usam um manto preto com capuz, e normalmente são pessoas que já morreram. Também descobre que foi salva por um destes seres, e entende que depois disso sua vida nunca mais será a mesma.

“Nós Ceifadores temos algumas regras. E a maior de todas é não interferir no tempo de vida de um ser humano. Como você já sabe, eu quebrei essa regra e minha punição é ir para o Inferno, caso alguém descubra. Quando eu entrei para o colégio, foi para encontrar você. Agora eu tenho que protegê-la, porque se descobrirem sobre você, também descobrirão sobre mim.”

Amy faz novas amizades, tem algumas brigas chatas com James, que achei meio repetitivas, mas cria laços importantes com os outros personagens. Ela confiava cegamente em James, porém ele tinha dificuldade em confiar nela quando ela dizia o que sentia em relação a Auguste. Na verdade, pareceu que James sentiu um certo ciúme de Amy com o amigo, mesmo ela tentando mostrar que não gostava nem um pouco dele. Além disso, eles eram amigos há muitos anos, e ele nunca o trairia, certo?

Junto de seus amigos, Amy vive inúmeras aventuras assustadoras, estando no meio de uma luta do bem contra o mal. Ela desenvolve uma habilidade que a ajuda até o final do livro, que é sua intuição, seu dom de premonição (que se recusava a usar com James, portanto nunca sabia o que ele realmente estava sentindo). Mas, pelo que pude entender, a história não termina por aqui...




A escrita das autoras é extremamente jovem, leve, e sinto que às vezes escorregam por tentar mudar esse estilo, colocando termos ou palavras mais rebuscadas, que se tornam desnecessárias em um enredo tão envolvente e com tanta história para contar. Será que podemos esperar por uma continuação de Grim Reaper?



3 comentários:

  1. que bom que esse livro trouxe tantas emoções e sensações positivas e que cumpriu o papel de superar as suas expectativas

    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Amei o livro. Agora a ansiedade me consome

    ResponderExcluir
  3. Amei o livro. Agora a ansiedade me consome

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.