Menu

6.9.16

{Resenha} O Herdeiro Encantador




Título Original: The Enchanter Heir
Série: As Crônicas do Herdeiro #4
Autora: Cinda Williams Chima
Editora: Farol Literário
Sinopse: Embora Jonah tenha sobrevivido ao Massacre do Monte dos Espinheiros, um ataque brutal ocorrido em uma próspera comunidade Weir no Brasil, não saiu ileso: como os outros sobreviventes, ele possui dons mágicos especiais que o diferem dos membros das ordens convencionais. Aos dezessete anos, tornou-se o assassino mais mortífero da Dulcamara, uma rede de caça a mortos-vivos. Emma Greenwood cresceu a quilômetros dessa realidade. Criada pelo avô, que lhe ensinou mais sobre música do que sobre magia, teve sua vida transformada na noite em que o viu morrer. Ele deixou um bilhete alertando que ela poderia correr perigo, com algumas pistas que a levaram a Jonah e a um legado cheio de segredos e muitas perguntas. Juntos, Jonah e Emma irão em busca da verdade sobre o Monte dos Espinheiros e sobre quem planejou o grande massacre. Enquanto isso, terão que correr contra o tempo, pois crescem a preocupação e o medo de que o inimigo ataque novamente. No quarto e último livro da saga Herdeiro, todas os mistérios serão desvendados.




"Eu gosto da verdade. Só isso. Eu só desejo que a verdade fosse diferente."

Este é o quarto livro da série As Crônicas do Herdeiro e foi meio que “jogado” na linha temporal dos três primeiros livros, na minha opinião. Não que isto o torne ruim, mas você fica desejando uma continuação melhor com os personagens já conhecidos. Embora se tenha notícias deles no decorrer dos acontecimentos, eles não são o principal, ainda. É como se fosse toda uma nova saga...

A narrativa conta a história de Jonah Kinlock, um jovem de 17 anos (se não me falha a memória) que sobreviveu ao massacre realizado no Monte dos Espinheiros, uma fazenda localizada no Brasil que estava sendo alvo de críticas da Ordem dos Magos por, na opinião deles, estarem criando aberrações. Poucas crianças sobreviveram e, em consequência, tiveram sequelas terríveis. Nenhum adulto viveu para contar o que viu. 

Gabriel Mandrake era o responsável pela operação e não estava presente na noite do ataque. Ele é um mago com diversos dons e muito rico. Por isso, criou uma escola nos EUA onde os sobreviventes poderiam viver em “paz” e a chamou de Ancoradouro. Porém, não só de aulas a escola vive: Gabriel criou uma... Facção chamada Dulcamara, uma rede formada pelos jovens sobreviventes que são fortes o suficiente para lutarem contra os mortos-vivos. Em nenhum outro livro da série temos notícia dessas “sombras”, mas há de se entender o porque, pois os “savants”, as crianças com poderes diferentes que sobreviveram ao Monte dos Espinheiros são meio que uma lenda.

Para além de tudo isso, temos Emma Greenwood, uma jovem de 16 anos que morou em Memphis grande parte de sua vida. Cuidada por seu avô Sony Lee, um senhor com uma habilidade extrema na fabricação de guitarras – luthier – e que lhe ensinou a ser independente, forte e lhe passou o ofício.

“Além disso, conhecia aquele mundo bem o bastante para dizer não aos garotos bonitos que, com lisonjas, a tentavam persuadir a cometer aquele primeiro grande erro. Aos homens mais velhos que se ofereciam para lhe comprar uma bebida. Era a música que a seduzia - nada mais. Emma tomava conta de si mesma porque ninguém mais o faria.”

Apesar de poder retornar para o avô, de ter uma família... Notei certo abandono na criação de Emma, o que poderia ter realmente acabado com sua vida. Ela se criou sozinha. E, ainda assim, a perda do avô significou uma pequena morte dentro dela mesma, como se tudo aquilo que amasse fosse embora com ele. Não querendo lidar com o Serviço Social, a jovem foi de encontro a Tyler Boykin, um antigo conhecido de seu avô que ela nunca havia visto e nem sabia de sua existência até encontrar o recado do velho luthier. Ela tem descobertas que acredita serem difíceis de acreditar, mas tenta dar uma chance à vida que está disposta a ter. 

Jonah, por outro lado, fica em cima do muro por não saber o que fazer, exatamente. Bem, ele sabe o que quer, mas não sabe como. Há muitas teorias envolvidas e mesmo o leitor fica meio perdido. Há intrigas, conspirações... E senti certo “coitadismo” em Jonah. Há personagens novos melhores, como a Natalie, uma curandeira que rouba a cena até mesmo da Emma algumas vezes. Muitas situações deixam mistério no ar, apenas te cutucando e te fazendo criar suposições sobre O Ancoradouro, o Monte dos Espinheiros... E incrivelmente você acaba querendo saber mais dos vilões do que simplesmente vê-los se dar mal.

Mas não senti a mesma emoção que senti no Herdeiro Dragão ou no Herdeiro Mago... Claro, você quer saber o que acontece, pois a autora escreve muito bem e sabe te prender.

Há a presença dos personagens dos livros anteriores, mas muito rápida. Acredito que a próxima obra tenha uma participação maior de Madison e Seph e as outras pessoas de Trinity.

É uma boa leitura, se você deseja ter uma nova perspectiva da estória narrada pela autora.



1 comentários:

  1. serei sincera: não foi um enredo que me convenceu.... a proposta não me atraiu e infelizmente é uma leitura que eu passo
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.