Menu

17.9.16

Uma Canção de Ninar - Sarah Dessen




Edição: 1
Editora: Seguinte
Autor: Sarah Dessen
Ano: 2016
Páginas: 320


Sinopse: Remy não acredita no amor. Sempre que um cara com quem está saindo se aproxima demais, ela se afasta, antes que fique sério ou ela se machuque. Tanta desilusão não é para menos: ela cresceu assistindo os fracassos dos relacionamentos de sua mãe, que já vai para o quinto casamento. Então como Dexter consegue fazer a garota quebrar esse padrão, se envolvendo pra valer? Ele é tudo que ela odeia: impulsivo, desajeitado e, o pior de tudo, membro de uma banda, como o pai de Remy — que abandonou a família antes do nascimento da filha, deixando para trás apenas uma música de sucesso sobre ela. Remy queria apenas viver um último namoro de verão antes de partir para a faculdade, mas parece estar começando a entender aquele sentimento irracional de que falam as canções de amor.

***

O coração de Remy nunca foi partido por conta do amor.
Remy mantém as pessoas longe o suficiente para não correr o risco de ficar arrasada quando o fim da relação chegar.

Remy Starr está prestes a entrar na Universidade de Stanford. O que a separa de lá são apenas os três meses de verão. O que poderia ter sido um calmo verão de despedida de sua antiga vida, torna-se algo muito maior quando sua mãe vai para seu quinto casamento e Remy tem que organizar tudo sozinha, novamente.


A mãe de Remy sempre foi sonhadora, vivendo em mundo em função do amor de seus novos companheiros e todos eles deram errado no final. Remy aprendeu que o amor é um sentimento que não vale a pena. Seu coração está bastante protegido desse sentimento. Em todos os seus relacionamentos, quando as coisas estavam no auge, Remy sempre tinha um discurso preparado para frear a relação.

“Eu já não tinha mais nenhum ilusão a respeito do amor. Ele vinha, ele ia, deixava vitimas ou não. As pessoas não eram feitas para ficar juntas para sempre, independente do que diziam as músicas.” Página 64

As coisas saem de seu esquema quando Dexter aparece em sua vida, ou melhor dizendo, quando ele se joga quase em cima dela, alegando que os dois são perfeitos juntos. Dexter é um rapaz totalmente fora dos padrões de Remy: magrelo, desengonçado, desleixado, extremamente otimista e músico.


Remy nunca namora músicos, isso lhe remete ao pai que nunca conheceu e que se separou de sua mãe antes dela nascer: mais um motivo para se afastar do amor. A única coisa que seu pai lhe deixou foi uma canção que virou o maior sucesso, “Canção de Ninar”.

De alguma maneira, Dexter rompe um pouco do bloqueio que Remy criou ao seu redor e os dois começam a namorar, mas ela sabe que ainda assim, esse namoro não vai durar, principalmente por ele ter prazo de validade até o fim do verão. No entanto, Dexter não é o tipo de rapaz que desiste facilmente de um desafio. Será que Remy vai conseguir seguir firme com sua resolução?

“– Me ama. – ele entoou, olhando para trás. – Você. Me. Ama.
Fiquei parada na entrada, antes dos degraus, sentindo, pela primeira vez em um longo tempo, que as coisas estavam completamente fora do controle.” Página 179

Narrado em primeira pessoa, temos acesso direto aos sentimentos de ceticismo de Remy. Em como ela se sentiu ao crescer sem ter uma infância de verdade, sempre estava cuidado da mãe, em uma inversão de papéis. Remy nos conta um pedaço de como levava a vida alguns meses antes de se dedicar aos estudos para poder ficar o mais longe possível da cidade. Conhecemos suas melhores amigas: Jess, Lissa e Chloe. Essas são as maiores questionadoras das mudanças que Remy vai sofrendo no decorrer da história.


Esse é o terceiro livro da Sarah Dessen que leio e suas histórias sempre trazem uma carga emocional familiar bastante palpável. Com esse livro, contudo, eu não pude sentir o mesmo que senti com Just Listen e Os Bons Segredos. Os sentimentos de Remy são extremamente fortes, mas eles não tiveram todo o aprofundamento que mereciam e algumas situações familiares foram mal trabalhadas. Uma revelação sobre Remy, que me chocou, não foi abordada. Foi apenas citada mais de uma vez no livro e logo esquecida. Não é o tipo de coisa que se deve deixar passar em branco. Além disso, algumas cenas eram sobre coisas bobas que não iam acrescentar de modo significativo à história e isso acabou tirando o foco do que realmente era importante.

Ainda assim a leitura é agradável e delicada. A amargura de Remy vai sofrendo uma transformação. A relação com a mãe vai sofrendo uma mudança significativa e mundo de Remy vai sendo testado e questionado. Remy terá que finalmente enfrentar o seu maior medo e quem sabe assim encontrar a verdadeira felicidade.

1 comentários:

  1. nunca li um livro da autora, mas a proposta é interessante e intrigante... creio que dar uma oportunidade a trama será uma reação natural depois de tantos bons comentários
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.