Menu

18.10.16

{Resenha} Achados e Perdidos - Stephen King



Autor: Stephen King
Editora: Suma de Letras
Ano: 2016
Sinopse: “ – Acorde, gênio.”
Assim King começa a história de Morris Bellamy.
O gênio é John Rothstein, um autor consagrado que há muito tempo abandonou o mundo literário. Bellamy é seu maior fã – e seu maior crítico. Inconformado com o fim que o autor deu a seu personagem favorito, ele invade a casa de Rothstein e rouba os cadernos com produções inéditas do escritor, antes de matá-lo.
Morris esconde os cadernos pouco antes de ser preso por outro crime. Décadas depois, é Peter Saubers, um garoto de treze anos, quem encontra o tesouro enterrado.
Quando Morris sai da prisão, depois de trinta e cinco anos, toda a família Saubers fica em perigo. Cabe ao ex-detetive Bill Hodges e a seus ajudantes, Holly e Jerome, protege-los de um assassino agora ainda mais perigoso e vingativo.

Resenha:

Demorou, mas chegou! Toda a ansiedade que senti ao terminar Mr. Mercedes, o primeiro livro da Trilogia Bill Hodges, deveria ter terminado quando comecei a leitura de Achados e Perdidos. Porém, Stephen King nos trouxe um livro ainda melhor que o primeiro, ainda mais angustiante, mais tenso e até mesmo mais sangrento!

Como descrito na sinopse, Morris Bellamy invade a casa de seu escritor favorito (e já aposentado), John Rothstein, junto com parceiros mascarados. Morris o confronta sobre o destino de seu personagem mais famoso, com quem Morris tinha uma certa identificação (pelo menos antes do terceiro e último livro lançado). O que ele nem imagina é que o autor tem vários cadernos guardados que podem contar uma continuação da série de Jimmy Gold.

Bellamy rouba os cadernos, rouba todo o dinheiro do cofre, mata o autor, mata os companheiros, esconde tudo o que encontrou num baú e o enterra, como a um tesouro. Porém, ele acaba sendo preso, por um crime que ele nem se lembra de ter cometido (consequência de ter exagerado no álcool). Por este crime, Morris é sentenciado à prisão perpétua, e tem vários pedidos de liberdade condicional negados. Quando finalmente consegue ser libertado, Morris não vê a hora de colocar suas mãos naqueles manuscritos.

Tom Saubers era um pai de família que, desempregado, foi uma das vítimas do Assassino da Mercedes, e apesar de ter sobrevivido, ficou dependente de analgésicos e com problemas nas pernas. A situação financeira de Tom e Linda, sua esposa, não era das melhores. Ele não podia trabalhar, a esposa tinha que bancar a família com seu baixo salário de professora, e o casal não conseguia ficar no mesmo recinto sem desencadear uma discussão. Os filhos, Peter (13) e Tina (08) temiam que a situação fosse terminar em um doloroso divórcio.

E foi nesse cenário em que Peter encontrou o baú enterrado perto de sua casa, que por coincidência, também havia sido a antiga residência de Morris Bellamy há muitos anos atrás. Junto aos cadernos, Peter encontrou diversos envelopes de banco, contendo aproximadamente 400 dólares em cada. E foi então que Peter teve a brilhante ideia de usar o dinheiro encontrado para ajudar os pais, e passou a enviar, mensalmente, um envelope endereçado a eles. Com isso, o humor de Tom melhorou, as brigas foram cessando, Tom conseguiu um emprego e suas pernas também começaram a melhorar.

Peter já havia lido os livros de Rothstein, inclusive os manuscritos que continuavam a saga de Jimmy Gold e só ele tinha acesso. Decidiu estudar Literatura Americana, influenciado pelos dois últimos livros, que haviam mudado sua vida. Quando o dinheiro acaba, Peter precisa pensar em uma forma de continuar ajudando a família, e encontra um vendedor de livros raros que passa a chantageá-lo quando descobre o tesouro literário que Peter tem nas mãos.

Bill Hodges aparece já quase na metade do livro, com 66 anos e uma ótima aparência para quem sofreu um ataque cardíaco. Após o susto, o ex-detetive se rendeu aos exercícios físicos e à reeducação alimentar. Ele e Holly montaram uma empresa de investigação particular chamada Achados e Perdidos. Eles entram em contato com o caso de Peter Saubers quando sua irmã, Tina, pede ajuda à amiga Barbara, irmã de Jerome, para descobrir o que está acontecendo com o irmão, e revela (para ela, e posteriormente para Bill, Holly e Jerome), suas suspeitas de que ele seria a fonte misteriosa de dinheiro e poderia estar em perigo.

O problema se torna ainda maior quando, além do vendedor de livros, Peter passa a ser perseguido e ameaçado também pelo recém-saído da prisão Morris Bellamy. O que se segue são alguns banhos de sangue, corridas contra o tempo, muita ação e muita angústia para o leitor.

Nesse contexto, por onde anda Brady Hartsfield, o nosso Assassino da Mercedes? (Aqui eu vou ter que dar um spoiler sobre o primeiro livro, então se você não leu ainda, pode querer evitar.)

No primeiro livro da trilogia, Holly impediu Brady de detonar uma bomba em um show de uma boyband, lotado de crianças e adolescentes. Mas, para isso, usou o “Porrete Feliz” de Hodges, fraturando o crânio do assassino e deixando-o em coma por certo tempo. Até que um dia ele acordou. Fala alguma coisa de vez em quando, mas nunca com Hodges, que o visita com frequência. Dizem que está semicatatônico. Mas coisas estranhas começam a acontecer no hospital, coisas sem explicação racional. O que será que está acontecendo com Brady?

“No banheiro, a água na pia jorra, depois para.
Brady olha para a foto dele com a mãe, sorrindo com as bochechas pressionadas. Fica olhando. E olhando.
A foto cai. Clac.”

Stephen King ganhou ainda mais pontos comigo, ao fazer referências a séries como Criminal Minds e CSI, além do livro Divergente, mostrando que o mestre também acompanha os sucessos mais recentes do mundo da tv e dos livros, apesar de ele mesmo, ser um clássico por si só!

Não sei como são os livros de terror do autor (ainda), mas confesso que tenho me divertido a cada página de seus policiais, encaixando uma a uma a história de cada personagem em um enredo de tirar o fôlego!!



E é claro que o Assassino da Mercedes também teve seu lugar no segundo volume da trilogia, mas esse mistério, só conseguiremos decifrar com a leitura do terceiro livro... Último Turno já está na pré-venda e chega às lojas agora em outubro para matar a curiosidade do desfecho da trama. Aguardo ansiosa!!



11 comentários:

  1. querida Amanda, senti um misto de felicidade e desencanto ao ler "achados e perdidos". felicidade por me encontrar novamente com King e desencanto por não sentir conexão com "mr.mercedes", aliás acho até que não haveria necessidade deste livro para ligar ao último que terá, aí sim, Brady, a personificação do mal. isso não quer dizer que o livro é ruim, pelo contrário, ele é muito bom, mas até agora não entendi qual seria a motivação para se encaixar uma história desconexa a mr.mercedes (é como se ele tivesse iniciado um livro diferente e tivesse resolvido encaixá-lo aqui), a não ser que King ligue de alguma forma "achados e perdidos" ao primeiro e último livros da saga. isso não me surpreenderia, porque King é um mestre.
    e respondendo sua pergunta sobre os livros de terror de King: costumo dizer que o mestre escreve sobre pessoas, sobre índoles e vicissitudes do ser humano, na maioria das vezes pessoas comuns que de alguma forma são arremessadas no olho do furacão e precisam se salvar. então deixando de lado o horror ou a ficção, as reações das personagens são humanas e muito próximas ao que nós sentimos, por isso sempre nos identificamos com a escrita de King, seja em qual gênero ele resolver transitar, porque no fundo, ele é inclassificável (resolveram taxá-lo de escritor de horror, porque para vender é preciso atingir algum nicho).
    a trilogia Bill Hodges é a prova cabal, pois mesmo tendo alguns elementos do policial, não se enquadra nele.
    Amanda, continue navegando pelos escritos de King. sua resenha está muito gostosa de se ler. parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Amanda, querida, como sou completamente analfabeta no terreno de king, convidei o Rodolfo para ler e comentar sua resenha. Ele sim, um grande fã e conhecedor da obra do autor.
    Gosto da sua escrita, querida, parabéns!
    Bj

    ResponderExcluir
  3. king é um autor que todos leem e curtem, mas assim como a Manuh sou uma completa ignorante
    essa veia de terror não me atrai
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá Rodolfo!! Bom dia!!
    Entendo que tenha sentido falta de um pouco mais do vilão de Mr. Mercedes. Mas acho que foquei no fato de que a trilogia é sobre Bill Hodges, apesar de o autor deixar bem claro nesse segundo livro, que a história de Brady ainda não acabou...
    Ainda assim, Bill Hodges só vai aparecer lá pelo meio do livro... Mas a apresentação e ambientação dos personagens nos primeiros capítulos não me deixaram sentir incomodada pela falta do personagem principal na primeira parte do livro.
    De qualquer forma, como eu disse, ainda estou me aventurando na leitura de King. Li algumas críticas quanto a esta trilogia, pois realmente as pessoas estão acostumadas com seus livros de terror.
    Porém, a sua descrição da forma como enxerga King, "costumo dizer que o mestre escreve sobre pessoas, sobre índoles e vicissitudes do ser humano, na maioria das vezes pessoas comuns que de alguma forma são arremessadas no olho do furacão e precisam se salvar.", me deu mais vontade ainda de me jogar de cabeça em todos os seus livros!!
    Obrigada pelo comentário, e logo tem resenha de O Último Turno!!

    ResponderExcluir
  5. Manuh, obrigada pelo elogio e por me ajudar a encontrar pessoas mais próximas do "Universo King" para avaliarem meu entendimento sobre o autor!! hehehe Tb adoro sua escrita e suas resenhas!!
    Um beijoo!

    ResponderExcluir
  6. Thaila, tb nunca fui fã de terror... Por isso comecei pelos "policiais"... Mas sem dúvidas, King é Mestre do suspense e estou adorando conhecer seu trabalho!! um beijo!

    ResponderExcluir
  7. que bom querida Amanda, assim teremos muitos livros para comentar, King é sensacional, um mestre na arte de nos causar empatia. foi um prazer ler sua resenha. também lerei "o último turno", então teremos mais um assunto em comum :)

    ResponderExcluir
  8. Uma serie que estou muito afim de ler. São tantos elogios a ela que não posso deixar passar despercebido. Stephen King se aventurando com romance policial é novidade. Quero muito ler. Belissima resenha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Douglas! Espero que goste dos livros também hehehe

      Excluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.