Menu

5.11.16

{Filme} Spotlight



Direção: Thomas McCarthy

Elenco: Michael Keaton, Mark Ruffalo, Rachel McAdams, Live Shreiber, John Slattery, Brian d’Arcy James, Stanley Tucci, Billy Crudup, Jamey Sheridan, Neal Huff, Paul Gilfoyle, Michael Cyril Creighton, Duane Murray.

ATENÇÃO: Contém spoilers (revelações sobre o enredo) referentes ao filme em questão. Se você ainda não assistiu, prossiga por sua conta e risco.

Sinopse

Uma equipe de jornalistas investigativos recebe de seu novo editor a missão de apurar possíveis casos de Pedofilia dentro da igreja católica. O que começa como uma simples especulação revela uma rede intrincada não só de padres pedófilos acobertados pela cúpula da igreja, mas de advogados que criaram uma indústria de acordos e indenizações envolvendo crianças vítimas de abuso.

Resenha

Oi gente! Já assistiram Spotlight? Esse ganhador de duas estatuetas no Oscar 2016 (Melhor Filme e Melhor Roteiro Original) narra a história real de uma equipe de jornalistas que, em 2001, trouxeram a público um escândalo que abalaria as estruturas da igreja católica, trabalho este que lhes rendeu um Pulitzer, o prêmio mais importante do jornalismo norte-americano.



O tema é extremamente polêmico. Historicamente todos ouviram falar, desde a infância, de casos de abuso sexual envolvendo, sobretudo, padres e menores de idade, mesmo antes do termo “pedofilia” tornar-se comum na mídia. Os fatos narrados em Spotlight marcam a primeira vez em que tais casos vieram oficialmente a público.
De fato, a revelação de escândalos ocorridos na cidade de Boston, Massachussets, mostrou-se como sendo apenas a ponta do iceberg, já que desencadeou milhares de denúncias ao redor do globo.

Ambientação

A história se desenrola nos bastidores do jornal The Boston Globe, mais precisamente na divisão investigativa denominada Spotlight, um grupo de jornalistas que passam meses (ou até anos) investigando assuntos relacionados à política, corrupção e crimes nos altos escalões do poder em geral.
Liderados pelo experiente Walter Robinson (Michael Keaton), a equipe é composta por Michael Rezendes (Mark Ruffalo), Sacha Pfeiffer (Rachel McAdams) e  Matt Carroll(Brian d’Arcy James) recebe de seu editor recém chegado ao jornal, Marty Baron (Liev Shreiber) uma árdua missão.

Ocorre que Marty havia lido um artigo acerca do advogado Michael Garabedian, que afirmava ter provas não só de abusos sexuais cometidos por padres da cidade, como do acobertamento desses abusos por parte da igreja, uma vez que, ainda segundo o advogado, o arcebispo de Boston tinha conhecimento dos casos e nada fazia. Pior: agia no sentido de compor acordos com as vítimas, objetivando o abafamento dos casos.



A história de Garabedian não era desconhecida do jornal, só que ninguém havia considerado relevantes as denúncias, já que o advogado era conhecido por ser um tanto quanto exótico.
Agora, a Spotlight tinha como foco investigar a fundo as denúncias, que levaria os membros da equipe à descobertas de proporções inimagináveis.
Quem conhece um pouco da cultura norte-americana sabe que o Estado de Massachussets, mais precisamente a cidade de Boston, é conhecida por sua população formada em grande parte por descendentes de imigrantes irlandeses católicos fervorosos, o que torna a investigação mais difícil. Sem falar na força da instituição que é a igreja católica...

A Investigação

Os jornalistas começam a levantar, de início, as supostas vítimas de abuso. Rapidamente descobrem o Sr. Phill Saviano, que não só diz ter sido vítima de abusos por parte de um padre, como lidera uma espécie de associação de vítimas (sobreviventes, já que muitas das vítimas acabam por se autodestruir, seja por meio do abuso de álcool e drogas, seja por meio de suicídio) dos mesmos abusos.



Num movimento seguinte, começam as entrevistas com advogados que trabalharam em casos envolvendo padres e supostas vítimas de abusos. Acontece que tais casos correm sob segredo de justiça, o que torna tudo mais complicado, pois não permite que os advogados falem a respeito. Desta forma, o jornal não vê outro caminho senão o de acionar a justiça para que seja retirada de processos dessa natureza a condição de segredo de justiça.

Eric McLeish (Billy Crudup)

No decorrer das investigações, a equipe da Spotlight é alvo de todo tipo de pressão, ora da comunidade religiosa fanática, ora da comunidade jurídica, ora da própria igreja. Mas nada é tão decepcionante como a descoberta de que, ao longo dos anos, o próprio The Boston Globe recebeu, das mais diversas fontes, denúncias de abusos dessa natureza, tendo arquivado todo o material sem a devida investigação.

Jim Sullivan (Jamey Sheridan)

A Verdade Desconcertante

Com os dados fornecidos por Phill Saviano, a equipe investiga inicialmente 13 padres que estariam supostamente envolvidos em casos de pedofilia.
Porém, no decorrer dos trabalhos, a Spotlight entra em contato com um ex-padre que há 30 anos abandonou a batina para tornar-se psicoterapeuta e, desde então, passou a trabalhar com reabilitação de padres pedófilos. As estatísticas desenvolvidas pelo padre são alarmantes: numa cidade com as proporções de Boston, o possível número de padres pedófilos seria não de 13, mas de 90 indivíduos.



Através das estatísticas e do cruzamento de dados, a equipe chega ao número de 87 padres envolvidos com abusos sexuais apenas na cidade de Boston.
Os dados utilizados na pesquisa consistem na observação da constante transferência de paróquia dos pedófilos, já que essa absurdamente parece ser a única providência que a igreja toma como forma de abafar o caso. Há um trecho do filme, inclusive, em que um dos investigados teria sido transferido pela igreja para uma paróquia da América do Sul, como forma de punição. Isso mesmo! Transferência para países sul americanos é usada pela Santa Sé como forma de ameaçar e/ou punir padres transgressores.

Cardeal Law, acusado de omissão nos casos de pedofilia
Durante minhas pesquisas, constatei que um dos padres citados no filme teria sido preso aqui no Brasil, numa cidade mineira, após abusar de um menino. Os relatos dão conta de que o sacerdote teria suicidado na prisão.
Voltando ao filme, os jornalistas descobrem que tão grave quanto os casos de pedofilia é a indústria de acordos pecuniários judiciais que se formou com o intuito de esconder os casos, já que a igreja oferecia vultosos montantes em dinheiro às famílias das vítimas para que as mesmas aceitassem apenas um pedido de desculpas (entre quatro paredes) e seguissem com suas vidas.

Conclusão

Abusos sexuais de qualquer natureza causam danos irreparáveis às vítimas, sobretudo no âmbito psicológico. Quando esse abuso parte de alguém em quem supostamente poder-se-ia confiar cegamente, o estrago é ainda maior. Spotlight veio para chamar-nos a atenção de que tais casos não devem de forma alguma serem ignorados, para que o mal que foi feito a uma criança não seja feita a outras e que ABSOLUTAMENTE NINGUÉM pode escusar-se da lei, mesmo que (e principalmente) se esconda atrás de uma batina.

Até a próxima, gente!

1 comentários:

  1. o filme é interessante, não é uma proposta que me atraia, mas é um ótimo filme sem dúvidas

    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.