Menu

30.12.16

{Resenha} A Vampira



Autora: Martina Romero
Editora: Talentos da Literatura Brasileira – Novo Século
Sinopse: "Katherine Miller é uma vampira que foi transformada há mais de três séculos por seu grande amor, Daniele. Depois de oito anos juntos, ele decide abandoná-la para mantê-la segura, já que ao seu lado ela corria perigo. Antes de partir, porém, Daniele promete protegê-la, ainda que de longe, sob qualquer circunstância. Para um vampiro, a palavra é tudo, mas Kath não se convence e, a partir daquele momento, abdica de qualquer sentimento. Agora, trezentos anos depois, sozinha e diante da eternidade, Katherine é uma vampira sem compaixão, que mata sem parar. Para se entreter, ela se matricula na universidade e, logo no primeiro dia de aula, reencontra alguém de seu passado. O choque é enorme. O que ele fazia ali? Mesmo com sede de vingança, Katherine começa a perceber que, apesar de tudo, ainda sentia algo por Daniele. Negando esse sentimento para si mesma, tenta mascará-lo com raiva, mas, aos poucos, começa a ceder. Ele ainda quer protegê-la, pois há um grande perigo à espreita. Para ficarem juntos, porém, ela terá que deixar seu rancor de lado."

“Não podemos mais fugir juntos. Você está correndo riscos assim. Não quero você em perigo.”

Sabe uma situação terrível que poderia ter sido evitada se uma decisão não tivesse sido tomada? 

É isso que resume basicamente a história de Daniel (Daniele) e Katherine (Catarina). 

Ele, um vampiro de setecentos anos, já com algum poder acumulado, que se apaixonou por uma camponesa cujos pais já estavam planejando um casamento com algum homem de classe baixa, já que nobres nunca se casariam com a filha de camponeses – e Catarina desejava muito mais que um pobre para si mesma. Sorte que um certo dia (sim, dia. Explico depois.), seu caminho se cruzou com o de um rapaz alto, forte, de cabelos meio longos... Um deus romano! Sim, era Daniele, o vampiro.

Cada autor tem sua própria versão destas criaturas míticas, os vampiros. Então não estou aqui para criticar a visão de Martina, já passamos muito desta fase de criticar o que é um vampiro de verdade, né? Porque... Na realidade, vampiros não existem! 

Daniele é um vampiro bom. Não mata, nem gosta de o fazer. Mas também não se alimenta apenas de animais para sobreviver, bebe sangue de humanos e os faz esquecerem do que aconteceu depois. A única coisa que o vi matar de verdade foram Caçadores Originais. E Catarina uma jovem menina doce e boba que se encanta com este homem diferente e ele lhe conta toda a verdade sobre sua raça, afinal deseja passar com ela a eternidade. Apaixonada, Catarina não vê a hora de ter sua vida sugada pelo homem que ama.

Porém, este amor a destrói. Abandona-a depois de poucos anos juntos e a história do livro começa trezentos anos depois, quando agora conhecida como Katherine Miller decide se matricular na faculdade de medicina de New Orleans, cidade onde reside com sua amiga bruxa fantasma Tatia. A bebedora de sangue já diz não ter nenhuma humanidade restante em seu ser, chama a si mesma de monstro, de A Vampira. Afinal, ela mata impiedosamente, gaba-se de ter eliminado todos os Caçadores Originais e de um clã de bruxas que os auxiliava. Mata indiscriminadamente e não liga para nada a não ser si mesma. O abandono do ser amado matou o ser humano que existia dentro dela e ela é feliz assim.

Ou...
“A aula se arrastava, e foi a primeira vez, em séculos – literalmente – que eu sentira o tempo passar. Foi então que ele se virou para mim e sussurrou:
- Nós nos conhecemos de algum lugar?
- Não. – respondi apressada.”
Como vemos na sinopse, ela reencontra uma figura de seu passado, e o timing não poderia ser mais errado: um Caçador Original parece ter sobrevivido ao extermínio e deseja vingança, tanto quanto Kath deseja se vingar de Daniel por tê-la abandonado, mesmo dizendo que iria protegê-la até o fim.

Um Caçador Original não é reconhecido como ser humano, uma vez que ele vive por volta de cento e cinquenta anos. Possui força extra, agilidade também, pelo que pude perceber (corrijam-me se eu estiver errada, pessoas que leram o livro!) e já nascem com o instinto de matar vampiros, então são capazes de senti-los se estão nas proximidades. Este do livro, em particular, parecia o próprio Jason (sim, o cara da máscara de hóquei que pune adolescentes que não estão fazendo sexo seguro!). Não importa onde estivessem, lá estava ele!

Na faculdade, Kath conhece Jessie, um vampiro legal que a faz começar a sentir uma coceirinha dentro de si. E ver que Daniel sente ciúmes é melhor ainda! Enquanto os três fogem, uma ligação se forma entre eles e Kath, embora ainda se chame de monstro, a vampira mais poderosa de todos, ela percebe que sente. E ainda mais quando seu ex não sai de perto, pois ele prometeu protegê-la trezentos anos atrás. E promessas para vampiros não são o mesmo que para humanos, eles não podem quebrá-la de modo algum. É como se a gravidade agisse à favor da promessa. Sim, os vampiros de Romero possui características de vampiros clássicos, como não poder entrar em um lugar sem ser convidado, mas ela também criou novos sinais.
“(...) Ele fizera aquilo comigo porque quisera, não porque os instintos mandavam. Ele fez aquilo porque quis. Para proteger-me ou não, ele partiu meu coração.”
Temos flashes de memória do passado em que nosso casal protagonista vivia junto, que atingem a memória de Katherine conforme sua muralha vai se partindo, com os perigos que ambos dividem. Não vemos a resolução final da trama, mas vemos o que acontece com ambos. 

Admito que no começo não gostei muito, não pareceu uma história que fosse prender a minha atenção. Ainda mais porque vi que a protagonista fica toda fragilizada propositalmente (no nível de desenvolvimento da história), para que Daniele a protegesse. De vampira poderosa supersegura de si, monstruosa e matadora, a uma menina medrosa que precisa de alguém para lhe proteger e sentir-se bem. 

“Como vampiros, não costumamos aproveitar nossos infinitos dias. Os humanos reclamam do pouco tempo de vida que têm, mas, pelo menos, eles desfrutam desses anos limitados. Já nós, não nos importamos tanto com isso, pois saber de nossa imortalidade permite que vivamos sem nos preocuparmos com a morte que se aproxima. Mas... de que adianta a eternidade se não for para viver de verdade?”
A história é muito bem escrita, Martina escreve e descreve as cenas de maneira proveitosa. As páginas do livro são amareladas, o que torna bem confortável ler horas a fio (que foi o que fiz!). Recomendo a leitura!

6 comentários:

  1. Não conhecia a autora, nem o livro. Gostei muto da sua resenha, eu gosto bastante de vampiros e livros sobrenaturais mas confesso que ultimamente não ando tendo muito sucesso nas leituras do genero, tudo bem parecido não? Originais, New Orleans... Parece bem com The Originals né rs

    Beijos!
    http://tamigarotaindecisa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também gosto muito de coisas sobre vampiros, e siiim, foi minha primeira impressão, que era parecido com The Originals... Até me dediquei a ver alguns episodios da série, mas calhou de ser cadin diferente!
      Beijos!

      Excluir
  2. Oiiii, ameeeeei a resenha! Quem é Jason, omg? Não conheço mesmo hahaha
    Beijos! ❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, fico feliz que tenha gostado, Martina!
      E Jason é um cara de filmes de terror dos anos... 80~90 XD terrível!

      Excluir
  3. Olá Priscila, amei seus posts e blog desde já te seguindo.

    www.sramaia.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. eu ja li muitos livros com esse lado sobrenatural, mas hj não me atrai tanto quanto antes!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.