Menu

31.1.16

Lançamentos de Fevereiro da Editora Arqueiro!


Todo mundo sabe que mês novo significa livros novos!

Hoje temos muitas novidades, entre elas (se você acompanha nossa página no facebook já deve estar sabendo. Se não acompanha, corre lá e dá um Like! Sempre postamos lá várias novidades do mundo literário!) que a Saída de Emergência agora também é um selo da Arqueiro!

Quem tá feliz levanta a mão!! \o/ (eu como fiquei bem feliz, faço uma Genki Dama.)


Era uma vez no outono - Lisa Kleypas




Lançamento: 1/2

Preço: R$ 34,90
Ficção • 288 págs.
ISBN e EAN: 978-85-8041-495-0
16 x 23 cm • 15.000 exemplares
E-book:
Preço: R$ 19,99
eISBN: 978-85-8041-496-7

A jovem e obstinada Lillian Bowman sai dos Estados Unidos em busca de um marido da aristocracia londrina. Contudo nenhum homem parece capaz de fazê-la perder a cabeça. Exceto, talvez, Marcus Marsden, o arrogante lorde Westcliff, que ela despreza mais do que a qualquer outra pessoa.
Marcus é o típico britânico reservado e controlado. Mas algo na audaciosa Lillian faz com que ele saia de si. Os dois simplesmente não conseguem parar de brigar.
Então, numa tarde de outono, um encontro inesperado faz Lillian perceber que, sob a fachada de austeridade, há o homem apaixonado com que sempre sonhou. Mas será que um conde vai desafiar as convenções sociais a ponto de propor casamento a uma moça tão inapropriada?

Neste segundo livro da série As Quatro Estações do Amor, Lisa Kleypas nos apresenta um homem de hábitos rigorosos, uma mulher disposta a quebrar tabus e uma deliciosa batalha entre razão e sentimentos na busca do amor verdadeiro.
Lisa Kleypas é autora da série Os Hathaways, que já vendeu mais de 100 mil exemplares no Brasil.

Volta pra mim - Mila Gray


Lançamento: 1/1
Preço: R$ 34,90
Ficção • 272 págs.
ISBN e EAN: 978-85-8041-487-5
16 x 23 cm • 10.000 exemplares
E-book:
Preço: R$ 19,99
eISBN: 978-85-8041-488-2

“Mila Gray conhece seu público e trabalha bem tanto cenas tórridas quanto temas sérios.” – Booklist
“A história romântica mais sensual que já li.” – Becky Wicks, autora de Before He Was Famous

Kit Ryan está de volta à sua amada Califórnia, de folga do serviço militar. Conquistador inveterado, ele só quer aproveitar as quatro semanas livres antes de retornar ao trabalho, mas se vê atraído pela irmã de Riley, seu melhor amigo. Há tempos Jessa Kingsley chama sua atenção, porém a família superprotetora dela sempre foi um obstáculo.
Desta vez, contudo, Kit desiste de lutar contra os próprios sentimentos e logo Jessa se rende ao seu charme. O que começa apenas como um romance de verão rapidamente se torna um relacionamento apaixonado.
Quando chega a hora de Kit voltar ao serviço com Riley, nem ele nem Jessa estão prontos para se despedir. Ela enfim está seguindo os seus sonhos e ele descobriu alguém por quem sacrificaria tudo. Jessa promete esperá-lo e Kit garante que voltará para ela. Não importa o que aconteça.
Mas então uma visita inesperada traz uma notícia trágica: uma das pessoas que ela mais ama morreu em serviço. Quem terá sido? Seu irmão ou seu namorado?
Em Volta para mim, Mila Gray constrói uma história de tirar o fôlego sobre amor, amizade e família, conduzindo o leitor por uma jornada de superação e autodescoberta.

“Um romance cativante, profundo e sexy sobre a força do amor.” – Liz Bankes, autora de Irresistible


A garota sem passado - Michael Kardos

Lançamento: 1/2
Preço: R$ 39,90
Ficção • 304 págs.
ISBN e EAN: 978-85-8041-491-2
16 x 23 cm • 8.000 exemplares
E-book:
Preço: R$ 24,99
eISBN: 978-85-8041-492-9

Uma história bem-construída sobre uma mulher em perigo com uma premissa incomum e um final inimaginável.” – The New York Times
“Kardos compõe um suspense extraordinário, com uma narrativa profunda e instigante sobre uma garota que tenta entender seu passado e construir um futuro possível. Os personagens sofisticados só fortalecem o texto.” – Publishers Weekly

Num domingo de setembro de 1991, Ramsey Miller deu uma festa em casa para os vizinhos. Depois, assassinou a esposa e a filha de 3 anos. Todo mundo na pacata cidade de Silver Bay conhece a história.
Só que todos estão errados. A menina escapou. Sob o nome falso de Melanie Denison, ela passou os últimos quinze anos escondida com os tios numa cidadezinha remota. Nunca pôde viajar, ir a uma festa na escola ou ter internet em casa, porque Ramsey jamais foi encontrado e poderia ir atrás dela a qualquer momento.
Mas, apesar das rígidas regras de segurança impostas pelos tios, Melanie se envolve com um jovem professor da escola local e engravida. Ela decide que seu filho não terá a mesma vida clandestina que ela e, para isso, volta a Silver Bay para fazer o que nem os investigadores locais, nem a polícia federal, nem o FBI conseguiram: encontrar seu pai antes que ele a encontre.

“Leia a primeira página e dê adeus às próximas 24 horas. Sensacional!” – Jeffery Deaver, autor de O
colecionador de ossos

O leão ferido - Mia Sheridan



Lançamento: 15/2
Preço: R$ 29,90
Ficção • 240 págs.
ISBN e EAN: 978-85-8041-489-9
16 x 23 cm • 6.000 exemplares
E-book:
Preço: R$ 16,99
eISBN: 978-85-8041-490-5

Leo se apaixonou por Evie quando os dois ainda eram crianças, no lar adotivo temporário em que viviam. No futuro difícil que parecia guardado para ele, a única certeza de seu coração era que nada jamais o afastaria daquela garota.
Mas, na adolescência, ele foi adotado e teve que se mudar para outra cidade. Durante anos eles ficaram afastados contra a vontade e, nesse tempo, Leo precisou superar muitos obstáculos – sobretudo os problemas criados pela mãe adotiva – para se tornar o homem que merecesse Evie e pudesse finalmente buscá-la.
O reencontro, porém, não foi fácil e Leo teve que se esforçar para se reaproximar de Evie, reconquistar seu amor e, com sua ajuda, deixar para trás toda a tristeza de uma infância de abandono.
Em O coração do leão, Evie narrou seu lado desse romance. Agora, em O leão ferido, é a vez de Leo contar tudo o que lhe aconteceu e revelar o desfecho dessa história de amor.

Cada livro da coleção Signos do Amor é inspirado nas características de um signo do Zodíaco. Esta história se baseia na mitologia de Leão e fala sobre as segundas chances que a vida nos dá.


A travessia (nova capa) - William P. Young

Lançamento: 5/2
Preço: R$ 34,90
Ficção • 240 págs.
ISBN e EAN: 978-85-8041-514-8
16 x 23 cm • 10.000 exemplares
E-book:
Preço: R$ 19,99
eISBN: 978-85-8041-116-4

Um derrame cerebral deixa Anthony Spencer, um  multimilionário egocêntrico, em coma. Quando “acorda”, ele se vê em um mundo surreal habitado por um estranho, que descobre ser Jesus, e por uma idosa que é o Espírito Santo.
À sua frente se descortina uma paisagem que lhe revela toda a mágoa e a tristeza de sua vida terrena. Jamais poderia ter imaginado tamanho horror. Debatendo-se contra um sofrimento emocional insuportável, ele implora por uma segunda chance.
Sua prece é ouvida e ele é enviado de volta à Terra, onde viverá uma experiência de profunda comunhão com uma série de pessoas e terá a oportunidade de reexaminar a própria vida. Nessa jornada, precisará “enxergar” através dos olhos dos outros e conhecer suas visões de mundo, suas esperanças, seus medos e seus desafios.
Na busca por redenção, Tony deverá usar um poder que lhe foi concedido: o de curar uma pessoa. Será que ele terá coragem de fazer a escolha certa?

William P. Young é autor do best-seller A cabana, que junto com A travessia já vendeu 5 milhões de
exemplares no Brasil.




30.1.16

Todos os Nossos Ontens - Cristin Terrill

Todos os Nossos Ontens

Autora: Cristin Terrill
Editora: Novo Conceito (20 de novembro de 2015)
Idioma: Português
ISBN-10: 8581637981
ISBN-13: 978-8581637983
Classificação:






Livro cedido pela Editora Novo Conceito

Sinopse:

O que um governo poderia fazer se pudesse viajar no tempo? Quem ele poderia destruir antes mesmo que houvesse alguém que se rebelasse? Quais alianças poderiam ser quebradas antes mesmo de acontecerem? Em um futuro não tão distante, a vida como a conhecemos se foi, juntamente com nossa liberdade. Bombas estão sendo lançadas por agências administradas pelo governo para que a nação perceba quão fraca é. As pessoas não podem viajar, não podem nem mesmo atravessar a rua sem serem questionadas. O que causou isso? Algo que nunca deveria ter sido tratado com irresponsabilidade: o tempo. O tempo não é linear, nem algo que continua a funcionar. Ele tem leis, e se você quebrá-las, ele apagará você; o tempo em que estava continuará a seguir em frente, como se você nunca tivesse existido e tudo vai acontecer de novo, a menos que você interfira e tente mudá-lo...

Resenha:

Não vou mentir que fiquei louca para ler esse livro por conta da capa super estilosa e claro na sinopse bem elabora. Posso dizer que não me decepcionei.
Somos apresentados a Em, que está aprisionada numa cela em uma instalação do governo. Em é torturada dia após dias por pessoas inescrupulosas que ela chama de diretor e doutor, e sua única companhia e confidente é Finn, o garoto na cela ao lado da dela, onde sua jovialidade e entusiasmo constante converteram-se em seu último recurso em se manter sã. Quando Em encontra uma lista com instrução escrita por suas próprias mãos que diz "Você tem de matá-lo", ela compreende que deve agir de modo a conter o aniquilamento do mundo ao seu redor.
[...] Eu tive medo por anos. Fugindo, isolada de todos que amo e depois trancada nessa cela, torturada e interrogada com a ameaça de morte sempre pairando sobre meu ombro. Mas juro que nunca tive tanto medo quanto no momento em que Finn se inclina para a frente para me beijar pela primeiríssima vez [...]
Também conhecemos Marina, uma típica adolescente que aparenta ter tudo – desde os melhores amigos, a melhor escola e dinheiro. Mas Marina ainda não possui o que realmente ela deseja o amor do seu extraordinário vizinho e melhor amigo James.
James é o cara! Ele já está na faculdade fazendo seu mestrado. Ele é muito inteligente e pulou várias etapas de sua vida estudantil devido o seu brilhantismo. Ele está voltando para casa para o feriado de Natal e definitivamente Marina quer falar pra ele sobre seus sentimentos.

Todos os nossos Ontens apresenta a viagem no tempo e eu tenho a mais absoluta convicção que vocês devem estar curiosos em saber como a vida de Em, Finn, Marina e James se entrelaçam... Bem, é só lerem o livro!

Todos os nossos Ontens da autora Cristin Terrill é um livro de estreia simplesmente brilhante, repleto de personagens bem construídos e posso dizer extremamentes interessantes. Possui uma trama emocionante que me deixou cativa por toda a narrativa. Adorei a história desde a primeira linha e essa sensação de arrebatamento seguiu fiel por toda a história.  Os incessáveis questionamentos e descobertas são como fios invisíveis que te prende e torna a leitura tão frenética que chega a ser até desesperador não conseguir parar de ler tão estupendas linhas.

O livro possui uma premissa única e original. A viagem no tempo criada por Cristin Terrill é diferente das outras em seu gênero e cada palavra da história grita para ser lida e o talento da autora é completamente inegável e promissor. A capa é linda, a diagramação simples e as folhas amareladas tornam o trabalho da Novo Conceito como o melhor do ano de 2015 para mim.

[...] O peso do futuro se acomoda sobre mim, ameaçando furar meu peito a cada suspiro [...]
Book Trailer









29.1.16

Google Friend Conect



Hoje venho até vocês para falar sobre o – oh! – Google Friend Conect.

Como muitos sabem , o blogger pertence ao Google, que tem o Gmail – o melhor “e-mail”, na minha humilde opinião, já tive péssimas experiências com outros .

Mas Pri, o que é (era) o GFC?

Caro padawan, era um modo de transformar o seu site ou blog em um lugar onde as pessoas podem se encontrar e se conhecer com recursos de fácil utilização do Google Friend Conect. Ou seja, (cerveja? Cof cof cof) uma maneira de seus amigos participarem do seu site, uma ferramenta para conhecer melhor quem frequenta o blog. Sabemos que nem todos os visitantes deixam comentários, entre eles alguns dos seguidores fiéis do blog que sempre querem saber nossas novidades (amo vocês demais, tá? Moram aqui no meu kokoro!)

Essas são apenas algumas das utilidades do GFC. Para além delas, ele permitia que vários tipos de e-mails (como Yahoo!, por exemplo) pudessem ser conectadas a ele. Uma maravilha, né?
Mas infelizmente, em 2011, as mudanças começaram a chegar. A partir do dia 11 de janeiro de 2016, apenas uma conta Google poderá ser utilizada no Google Friend Conect. E aqueles seguidores que utilizavam outras contas foram removidas da nossa base do GFC.

Sabemos que o blog só existe porque leitores o visitam todos os dias, comentam e seguem o blog para se manterem atualizados nele. E isso é muito importante para os blogueiros, pois quem faz o blog, são seus seguidores.

Agradecemos aqueles que se mantém fiéis ao As meninas que leem livros e gostaríamos de pedir que aqueles que nos seguiam, cliquem ali do lado de novo.



Aqueles que ainda não se aventuraram em nos seguir, recomendamos que o faça! Há um reino de
aventuras à nossa frente e é perigoso seguir sozinho!!!  Precisamos contar um com o outro para que consigamos chegar bem do outro lado!

É perigoso ir sozinho! Pegue isso!

Nosso muito obrigada à vocês, pessoas maravilindas que estão caminhando conosco neste vasto reino da internet.


Obrigada!



28.1.16

Star Wars: Estrelas Perdidas - Claudia Gray










Edição: 1
Editora: Seguinte
Ano: 2015
Páginas: 446
AutoraClaudia Gray




A sinopse contém spoiler!!! Algo dito lá só acontece quase na metade do livro, por isso não achei digno de colocar a sinopse aqui. Então vamos à resenha.










***

Star Wars: Estrelas Perdidas foi uma surpresa para mim. Não imaginava que ia me maravilhar com as provações que Ciena e Thane teriam que passar.

“Não. O Império havia achado um jeito de usar sua honra contra ela. A força de seu caráter era a exata razão que a manteria a serviço do mal.” Página 203

Ciena Ree e Thane Kyrell são nossos protagonistas, os dois são fortes e valentes. Ambos do mesmo planeta, mas com culturas diferentes. Ciena descende da primeira colonização em Jelucan, homens e mulheres que foram exilados no planeta, eles vivem de maneira simples, mas se orgulham de sua cultura e honra. Já Thane descende da segunda colonização. Esses vieram na esperança de fazer fortuna no planeta e conseguirem viver em meio ao luxo.



Nascidos no ano em que o Império surgiu, foi como se o destino quisesse que eles fizessem parte da história. O sonho de Ciena era se torna soldado do Império e o de Thane era poder pilotar e sair finalmente de sua terra natal.

“Só de pensar nisso, o coração de Ciena inchava de orgulho. Agora ela era parte do Império - não só o planeta, mas ela própria também.” Página 19

Quando os dois tinham oitos anos, finalmente o Império chegou ao planeta natal deles, Jelucan, na Orla Exterior. Nesse dia, o sonho dos dois acaba por se torna mais vivo. O próprio Grão-Moff Tarkin os incentiva a não abandonar esse sonho. Apesar da diferença de status, Ciena e Thane acabam por contrariar a probabilidade de que uma menina pobre da primeira leva de colonizadores poderia fazer amizade com um menino rico da segunda leva. O sonho dos dois os uniu, a partir daí eles se tornam inseparáveis. Estudam arduamente para entrar em alguma academia imperial. E assim conseguem ir juntos para a Real Academia Imperial, a academia mais prestigiada da galáxia, em Coruscant.



Com uma família amorosa, Ciena tem como maior característica a honra. Sua criação fez dela uma menina honrada e cumpridora dos seus deveres. Thane não teve a mesma sorte, sua família por alguma razão o detesta. Com um pai agressivo e um irmão, seguindo o exemplo do pai, Thane tem apenas como exemplo uma vida de gritos e espancamentos. Ele deseja muito ir embora. Ciena é única que o entende perfeitamente.

Me envolvi bastante com esse livro e torcia a cada página que as desventuras de nossos protagonistas fossem de alguma maneira os juntar. Um final feliz depois de tanto caos. Será?

“Entretanto, a dura verdade parecia distante quando ele a abraçava de novo e ela apoiava a cabeça nele. Ela e Thane nunca estiveram mais apaixonados... nem mais distantes.” Página 323



O livro relata a aventura dos dois desde antes do episódio IV e vai até depois do episódio VI. A história se alterna entre Ciena e Thane em terceira pessoa. Esse livro se torna incrível por nos dar uma visão de dentro do Império. Ele nos mostra as vidas por fora da história original de Star Wars. Além de nos dar informações depois da guerra, o que é um prelúdio para o episódio VII, lançado em dezembro do ano passado. Super ansiosa para assistir ao filme! Recomendo muito a leitura para quem é fã de Star Wars e até para aqueles que querem se aventurar nesse mundo galáctico.
Que a Força esteja com vocês.








26.1.16

O Garoto Quase Atropelado





Autor: Vinicíus Grossos
Editora: Faro Editorial
Ano: 2015
Sinopse: O garoto quase atropelado conta a história de um adolescente que começa a escrever um diário, como sugestão de sua psicóloga, para poder expressar os seus sentimentos, pensamentos e desabafos, pois por causa de um trauma sofrido a alguns meses atrás, ele simplesmente parou sua vida – saiu da escola, se isolou do mundo e entrou num princípio de depressão.
Então ele conhece Laís, a cabelo de raposa. Uma menina impulsiva, misteriosa e instigante, que o tira de sua bolha de solidão. E na bagagem, seus dois amigos: Acácio, que ele apelida de o James Dean não-tão-bonito, um jovem gay que sempre tem uma piada pronta e o conselho para dar; e a menina de cabelo roxo, Natália, que sofre com problemas de autoestima e distúrbios alimentares.
De tão diferentes, os quatro constroem uma bonita, espontânea e sólida amizade. E todos eles, com seus próprios dramas, que se conectam para entender e lidar, contando com a ajuda um do outro.



"Realmente, é difícil lidar com a dor, que parece infinita, quando você perde a única pessoa que não o deixava se sentir a criatura mais solitária e perdida do mundo."



Então, você leu “As vantagens de ser invisível”? Eu não li, só vi o filme. Mas posso dizer que enquanto lia, muitas partes eu associei ao filme. Até a personagem principal tem uma personalidade parecida.



É narrado em primeira pessoa e, já no início, o autor nos diz: você não saberá o nome do autor. Não saberá, porque é em forma de um diário. Raramente vemos alguém usar seu próprio nome em um diário, não é? Eu pelo menos não me lembro de ficar escrevendo Priscila nos meus!



Então, para que possamos nos situar nos personagens, vamos usar os nomes que o próprio protagonista deu para cada um deles, ok? Nosso amiguinho narrador é o Garoto –quase-atropelado. Ele recebeu esse apelido vocês já fazem ideia do porque, né? 



O Garoto tem 18 anos, largou a escola depois de algo que o deixou em depressão ter acontecido. Ele não soube como superar e então se fechou para mundo. Ficou sem amigos, sem vontade de sair, de conversar, de viver. Pareceu que era feliz antes desse momento divisor de águas em sua vida... 

Alguns meses depois, ele encontra aos poucos uma nova razão para continuar seguindo, depois de quase ser atropelado [aeeee]. Ele encontra um grupo de amigos os quais conhecemos até por seus nomes, mas os apelidos são melhores: cabelo de raposa, menina de cabelo roxo e o James Dean não tão bonito, que veem nele um confidente que não um ao outro. É como se ele fosse a peça que faltava em seu pequeno círculo e que acaba indo com eles em várias aventuras, socorrendo-os em momentos necessários, essas coisas. 

Eu não sei, eu achei algumas coisas do livro meio forçadas. Laços forçados e exagerados, sabe? 

Cabelo de raposa é aquela amiga linda e porra-louca, cheia de atitude e boca suja com um
passado fodido (obs.: eu posso falar palavrões em resenhas?!) que age sem pensar e sem levar em consideração quem ela irá atropelar com seus impulsos. É dito sobre ela que, no fundo, é só uma menininha assustada com um coração e alma alquebrados.

James Dean não tão bonito é o elo masculino do grupo. Gay, foi mandado embora de casa e é com que nosso Garoto mais pode contar para lhe ouvir e ajudar em suas ideias. É alguém que luta muito pela vida, mas que geralmente só segue a onda de Cabelo de raposa.

Menina de cabelo roxo sofre de bulimia, é extremamente insegura e praticamente uma sombra da Cabelo de raposa. É a mais rica dos três e quase não tem presença. É tipo... A amiguinha que podemos deixar para trás que não vai fazer falta no nosso passeio, mas que faz parte do triangulo amoroso.

E é tudo sempre... Demais, sabe? Muitas emoções, muitas frases... Sei lá, não sei nem explicar. Não me soou muito verdadeiro enquanto eu lia.

O livro é repleto por uma trilha sonora boa. Tem Sia, Kids, White Lies... Algumas bandas que não conheço também. Geralmente acompanham momento que estão passando, está de fundo em alguma cena... O Garoto também é um devorador de livros, alguns que ele lê no decorrer do livro são On The Road e O apanhador no campo de centeio. Se não me engano, no comecinho ele está lendo Admirável Mundo Novo. Ele se identifica com as situações dos livros também, imaginando-se como os personagens.

No geral, é um bom livro, muito bem escrito. Não me prendeu muito, talvez por causa das personagens que não me atraíram. E a pior deles, foi porque achei meio machista... é como se o Garoto fosse a última bolacha do pacote para ter um triangulo amoroso. Me desagradou um pouco, mas enfim. Leiam para formar suas opiniões! 

Deixo para vocês o booktrailer do livro e encerro com uma das músicas chave do livro!



Death - White Lies:

See ya!





24.1.16

Bom dia, Sr. Mandela - Zelda la Grange




“A secretária pessoal do líder humanitário em um relato emocionante”

Autora: Zelda la Grange
Editora: Novo Conceito
Ano: 2015
Sinopse: Bom Dia, Sr. Mandela conta a extraordinária história de uma jovem que teve suas crenças, preconceitos e tudo em que sempre acreditou transformados pelo maior homem de seu tempo. A incrível trajetória de uma datilógrafa que, escolhida para se tornar a mais leal e devotada assessora de Nelson Mandela, passou a maior parte de sua vida trabalhando ao lado do homem que ela passaria a chamar de “Khulu”, ou avô.

Resenha:

“Se não for bom, deixe morrer.”

Zelda nasceu e cresceu na África do Sul nos anos 70, durante o sistema do apartheid, que designava a política da segregação racial. Assim como o restante da população branca dessa época, a família de Zelda era extremamente racista, e ela cresceu aprendendo com a família esse tipo de preconceito.


“Ninguém nasce racista. Você se torna racista pela influência ao seu redor. E por volta dos treze anos de idade eu me tornei racista. Por esse cálculo, eu jamais poderia ter sido a mais duradoura das assessoras de Nelson Mandela. Mas foi o que aconteceu.”

Quando Zelda tinha doze anos, sua mãe (que sofria de depressão) tentou se matar trancando-se no carro ligado, enchendo a garagem de gás. Zelda a encontrou, mas não consegue lembrar-se bem do restante dos acontecimentos. Apenas relata que foi a última vez que sentiu algum cheiro na vida (o do gás), pois teve uma reação psicossomática ao trauma, que bloqueou sua capacidade de sentir cheiros.
Com esse acontecimento, Zelda desenvolveu um medo terrível de ser abandonada, e por isso, fazia de tudo para agradar as pessoas. Nelson Mandela precisava de alguém dedicado, que estivesse sempre lá. E assim ela justifica essa relação de codependência que surgiu entre os dois.

O livro tenta ter certa ordem cronológica, mas em vários momentos ela vai e volta, misturando sua própria história com o relacionamento posterior com Mandela.
Zelda trabalhou para Mandela durante seus anos na presidência da África do Sul e também após sua “aposentadoria”, período em que ele focou em angariar fundos para a Fundação Nelson Mandela, com o objetivo de desenvolver projetos de construção de escolas e postos de saúde, além da luta contra a epidemia de AIDS.

“Mesmo com nossa vida sendo tão diferente, compreendi que havia uma chance de que ele não me abandonasse. Nelson Mandela não me deixou para trás. Levou-me com ele. Foi uma das maiores, se não a maior honra da minha vida, ser escolhida por Madiba para servi-lo depois de sua aposentadoria.”

Zelda o conhecia tão bem, que foi escolhida para ajudar Morgan Freeman a compor a interpretação de Mandela para o filme Invictus, que retratou a Copa do Mundo de Rugby de 1995, na África do Sul. (Filme recomendadíssimo por sinal, tanto pela história quanto pela interpretação impecável de Morgan Freeman). O ator era amigo pessoal de Mandela, mas ainda assim aprendeu com Zelda os pequenos trejeitos e maneirismos cotidianos,  tornando-se o “Madiba perfeito”.

A assessora dedicou sua vida a cuidar dos interesses de Mandela, e ganhou (além da experiência) a oportunidade de conhecer sua história, sua luta, seus ensinamentos. Esteve ao seu lado nos melhores e piores momentos. Foi julgada e odiada por muitos, inclusive pela família de Mandela, que não permitiu que ela acompanhasse seu velório. Sofreu com a dor da perda como se fosse um parente próximo, da sua família branca, que aprendeu com ela a amar e respeitar o homem que ele foi.


“Mas o que faremos agora? Ele está em casa, e os heróis nunca morrem. Ele estará presente naquelas lindas montanhas para sempre, e agora eu sabia que ele seria até mais poderoso na morte do que foi em vida.”


É uma história muito interessante, contada do ponto de vista de alguém que conviveu quase 20 anos com essa figura importantíssima da história da África do Sul e do mundo. Várias passagens divertidas, que nos ajudam a conhecer melhor quem era Nelson Mandela no seu dia a dia. Confesso que a dificuldade na ordem cronológica e os capítulos muito longos às vezes cansam, mas valeu à pena conhecer essa história, com toda a cumplicidade, confiança e amor que existia entre os dois.





22.1.16

Só por Hoje e Para Sempre - Renato Russo





Entre abril e maio de 1993, Renato Russo passou vinte e nove dias internado numa clínica de reabilitação para dependentes químicos no Rio de Janeiro. Durante esse período, o músico seguiu com total dedicação os Doze Passos, programa criado pelos fundadores dos Alcoólicos Anônimos, que incluía um diário e outros exercícios de escrita. É este material inédito que vem à tona depois de mais de vinte anos em Só por hoje e para sempre, graças ao desejo de Renato de ter sua obra publicada postumamente. Entremeando as memórias do líder da Legião Urbana com passagens de autoanálise e um olhar esperançoso para o futuro, este relato oferece a seus fãs, além de valioso documento histórico, um contato íntimo com o artista e um exemplo decisivo de superação.





Como qualquer fã das músicas da Legião Urbana, fiquei entusiasmada com  o lançamento de Só por hoje e para sempre - O diário do recomeço, um conjunto de manuscritos feitos por Renato Russo durante sua estadia na clínica de reabilitação Vila Serena. O nome do livro 

O livro inicia-se com uma pequena - mas marcante - declaração de Giuliano Manfedrini, filho de Renato Russo. Além de falar um pouco sobre a convivência com seu pai, Giuliano afirma que este volume é o primeiro de uma série de livros que reuniram diários, letras, obras de ficção, desenhos e poemas que Renato deixou de legado para seus fãs; espero ansiosamente pela concretização dessa promessa. 

"Desse periodo, guardo uma imagem forte: meu pai sentado à mesa, no sofá ou numa poltrona preenchendo cadernos e cadernos com sua letra miúda e metódica. Um dia, intrigado, perguntei:  "Pai, por que você escreve tanto?". "Porque nos próximos cinquenta anos, Giuliano, as pessoas poderão saber o que eu sinto e penso hoje", respondeu ele."

Ainda nas primeiras paginas, uma nota editorial explica de onde vem o livro: um conjunto de folhas soltas onde Renato escrevia como havia sido seu dia, os sentimentos que sentia, episódios marcantes de sua vida e outras pautas requeridas pelo Doze Passos, o programa criado pelos fundadores dos AA que Renato Russo fez ao passar um mês recluso na clinica de reabilitação Vila Serena. 

A organização do livro foi muito bem executada, mantendo abreviações, estrangeirismos, notas de rodapé e até mesmo desenhos do compositor (vide imagens!). A única ressalva que faço diz respeito à decisão de, para proteger a intimidade de parentes e amigos, trocar nomes por iniciais, o que atrapalhou bastante minha leitura; as letras se embaralham durante o livro e acabam dificultando o entendimento das relações que Renato mantinha (ex: quem é S. mesmo? Ele já apareceu no livro?). Creio que trocar os nomes por codinomes teria sido uma opção mais sensata.




Confesso que, mesmo sendo um livro pequeno,  este foi um dos livros que mais demorei a finalizar em 2015. Trata-se de um mergulho não apenas num dos momentos de recolhimento do compositor e cantor, mas um mergulho em toda sua vida. Relatando seus altos e baixos (muitos, muitos baixos), Renato explica como chegou ao vício, como percebeu que precisava sair dele e o que aconteceu entre um extremo e o outro. 



Além dos relatos do cantor sobre episódios inúmeros de sua vida, Renato também disserta bastante sobre sua personalidade, seus pensamentos sobre ele mesmo e sobre o mundo. Fui surpreendida pela personalidade forte que ele possuía: às vezes fascinante, às vezes intrigante... um cara bem difícil de entender, sem dúvidas. 

"Eu me adoro, eu não gosto é do mundo."

"Posso estar completamente equivocado, mas sinto que minha dependência sempre foi provocada por esse sentimento de ser genial, inteligente e gentil e nunca ter retorno."

Como afirma Giuliano em sua pequena contribuição ao livro, Só por hoje e para sempre serve de inspiração para aqueles que precisam de forças para vencer desafios pessoais; mas além disso, serve para nos lembrar de que nunca é tarde demais para recomeçar e que devemos nos manter firmes na caminhada, nem que seja só por hoje.



Editora: Companhia das Letras
Ano: 2015 
Páginas: 167
ISBN: 978-85-359-2609-5

21.1.16

Vai ver o filme do Esquadrão Suicida? Informe-se antes para não se perder!




"Super heróis não são a resposta para todos os problemas. Às vezes, situações extremas requerem atitudes extremas... Os pessoas extremas. O tipo de pessoas que chamam o infame Belle Reve Prision de casa - super vilões."




Animada pelo lançamento de Esquadrão Suicida, decidi estudar um pouquinho sobre ele para passar para vocês, assim não vamos aos cinemas desinformados, né?! Então segurem-se em suas cadeiras que o post é loooongo!

Esquadrão Suicida (no inglês Suicide Squad) possui o nome oficial de Força Tarefa X (Task Force X). Faz parte do Universo Alternativo da DC Comics e uma equipe de anti-heróis supervilões presos que foram reunidos pela diretora do exército Amanda “The Wall” Waller, com a intenção de enfrentar missões de alto risco para receber redução de pena.
O Esquadrão Suicida que está no filme que será lançado é a segunda equipe. A primeira esteve nos quadrinhos em 1940, fundada por Capt. Richard Rogers Flag Sr., Dr. Hugh Evans, Jess Bright e Karin Grace, em 1940 e apareceu pela primeira vez em The Brave and The Bold #25, no ano de 1959) que reunia criminosos comuns dispostos a lutar por seu país, a soldados durante a Segunda Guerra Mundial.

A segunda formação apareceu pela primeira vez no ano de 1986 em Legends #3 e, ao contrário de suas antigas formações, é composta pelos piores vilões da DC, sob o comando de Amanda Waller, Rick Flag e o veterano da Segunda Guerra Mundial, General Frank Rock.

A equipe é formada por (tcham tcham tcham!!!):


Christopher Weiss (Amarra): Também conhecido por Slipknot, não foi muito famoso na DC. Trabalhou em uma companhia química que desenvolvia produtos para criar cordas mais duráveis (tá, já vi da onde veio o nome Amarra...). Como ser cientista parece que não era suficiente, ele aprendeu a lutar com cordas, aceitou o trabalho de matar um herói e acabou sendo preso (alguma surpresa?).

Não possui nenhum super poder, mas é um assassino super treinado e especialista em cordas (as suas são quase impossíveis de serem partidas)

Será interpretado por Adam Beach.



George Harkness (Capitão Bumerangue/Boomerang): (me intrometendo de novo: antes de continuar lendo, já sabem qual é a arma de escolha dele?!) Sua história, em resumo: um homem que foi um menino muito pobre que tinha bumerangues desde criança e caçava muito bem com eles. Como não conseguiu se virar, usou essa arma australiana (que sabemos que não volta, né gente?) para o crime!


Ele enfrentou o Flash diversas vezes, sendo que possui alguma importância para este personagem. O destaque maior é quando ele se junta ao Esquadrão Suicida. Dono de uma personalidade nada agradável (desprezível, cruel, covarde, racista e aparentemente a lista continua), do tipo que sacrifica (ou mata mesmo, sei lá) pessoas da própria equipe só por curiosidade.

Seus poderes... Bem, sua habilidade excepcional com o Bumerangue né? (texto usado por mim como referência diz que é tipo... tão bom quanto o Arqueiro Verde com o arco, por exemplo) Produz bumerangues especiais, também como o Arqueiro Verde e suas flechas. Meu palpite é que precisavam de um australiano para compor a equipe, de modo que seja um membro de outro país, mas que ainda fale inglês (pra não serem chamados só de americanos, sabe?), aí pegaram o estereótipo australiano: um cara que usa bumerangue pra caçar cangurus! 

Será interpretado por Jai Courtney.

June Moone (Encantadora/Enchantress): Uma das personagens mais antigas e já apareceu em Supergirl, Lanterna Verde e outros. Ganhou destaque por ser uma das primeiras vilãs da Liga da Justiça Sombria (juro que tentei ler e entender o que é isso para explicar para vocês também, mas a coisa é muito louca e vou perder algum tempo, basta saberem que é uma liga formada pelos personagens mágicos da DC. Mas descobri que também vai virar filme, dirigido por Guillermo del Toro, o que é ótimo!!! Aí então depois eu faço um post sobre essa liga, se tiverem interesse!).

Obteve seus poderes após uma festa à fantasia através de um ser mágico chamado Dzamor, que lhe concede a capacidade de banir energias negativas, aparentemente. Mas como ela era amadora, seu feitiço dá errado e como consequência, ela cria uma segunda personalidade malvadona, sendo uma ameaça até mesmo para os integrantes do Esquadrão.

Bem, ela tem poderes “bonzinhos”, como teletransporte, cura, intangibilidade e muitas coisas coisas (de defesa e de ataque). Suspeita-se que no filme ela tenha poderes diferentes, já que sua aparência não é a mesma dos quadrinhos.

Será interpretada por Cara Delevigne.

Tatsu Yamashiro (Katana): Parece que ela tá com os vilões, já assumiu esse papel algumas vezes mas... Não é uma vilã. Sua história é de um triangulo amoroso (ela e dois irmãos). Ela se casa com um, o outro fica revoltado e vai pra Yakuza e luta com duas espadas, sendo que uma delas é mágica. Se sentindo o fodão, vai e mata o marido da Katana! Aí ela luta com ele, toma as espadas e foge (para as montanhas! –sqn.) e treina com um mestre samurai. Aí ela parte para os EUA para ser uma heroína. Alguém aí, tanto quanto eu quer ler um livro contanto essa história?!

Tá, voltemos.

Seus poderes não são super, mas ela é especialista em artes marciais, arte da espada tem habilidade tática e estratégica (que aprendeu com ninguém menos que Batman, by the way). A espada mágica recebeu o nome de Soultaker, que como o próprio nome diz, toma a alma de quem ela matou e a armazena na lâmina. Tem mais um efeito aí: essa alma pode ser trazida em rituais de reencarnação e ser escravo de quem empunha a espada. Hmmmm....

Será interpretada por Karen Fukuhara.

Rick Flag (sem apelidos dessa vez, huh!): é um nome que aparentemente é passado de pai para filho e neto, mas no filme será usado o Jr.. Trabalha para o governo norte-americano, é instável e não gosta da ideia de trabalhar com criminosos e tem rivalidade com outro membro do Esquadrão. Mesmo odiando a equipe, acaba criando uma lealdade à ela.

É um humano comum, com habilidades militares excelentes, treinado nas Forças Armadas, Táticas de Guerrilha, combate armado e não armado, especialista em Stealth e invasões, eficiente com armas explosivas e de fogo.

Será interpretado por Joel Kinnaman.


Harley Quinn (Arlequina): Vista muitas vezes como a namorada do Coringa, é tão insana quanto ele e talvez uma das preferidas de muitas pessoas. Foi uma estagiária (esses estagiários...) de psiquiatria do Asilo Arkham, tornou-se médica do psicótico mais doido do mundo, o Coringa. Encantada por ele e sua história, enamorou-se.

Perdeu sua licença médica após terem descoberto sua participação na fuga de seu “Pudinzinho” e se tornou vilã após ela mesma escapar do hospital depois de um terremoto.

Acredita-se que ela já era uma maníaca antes de se envolver com o Coringa, ele apenas foi a razão de ter se libertado. Senso assim, ela não tem nenhum superpoder. Apenas uma insanidade tresloucada, inteligência, lábia, força, agilidade, e uma imunidade a venenos que não sei da onde surgiu. Tem várias aparições em Batman, já foi citada em Arrow, e sabe-se que ela e Coringa tem uma filha, Lucy. Por saber que seu pai a mataria, Harley a esconde. Louca e mãe, é isso aí!

Será interpretada por Margot Robie.

Floyd Lawton (Pistoleiro/Deadshot): Aparentemente é um vilão bem conhecido da DC, apareceu pela primeira vez numa revita do Batman em 1950. É um assassino contratado para matar inimigos de supervilões (acho que quem contrata ele deve ser bem incapaz ou não quer sujar suas mãos, né), sendo que o seu alvo na maior parte das vezes é o Batman – mas é claro que ele não consegue né, afinal é o Batman! Nem o Coringa conseguiu!

Pelo jeito é um porra louca, que não se importa em morrer desde que seja de uma maneira muito foda (de novo, sou permitida para falar palavrões?). É um personagem importante, embora não seja o líder do grupo. Se gaba de nunca ter errado um tiro (mentira! Óia o Bátima vivo!) mas é o melhor atirador da DC. Nos quadrinhos tem um olho biônico, no filme não, só um visor em uma máscara. Possui uma mira extraordinária, ótimo em luta desarmada e tem habilidades com dezenas de armas diferentes.

Será interpretado por Will Smith.

Waylon Jones (Crocodilo/Killer Croc): (só eu me lembrei das Crocs…?) É vilão do Batman, não muito conhecido. No original, conta-se que ele nasceu com um problema genético que lhe deu o aspecto de um réptil. Foi criado por uma tia, sofreu abusos e desprezo por parte dela. Resolveu isso a matando e entrou para a vida dos crimes. Foi levando até que decidiu ser o líder dos vilões de Gotham. Coringa e Batman não deixaram, é claro. Sabe-se nos quadrinhos que ele não tem muita ligação com o Esquadrão Suicida, embora tenha feito parte de muitas outras equipes de vilões.

Como é de se esperar, seus poderes tem ligação com os répteis. Instinto e habilidades, é um exímio nadador, tem pele dura como a dos crocodilos, auto cura, imune a venenos, força superior aos humanos comuns, velocidade, reflexo e agilidade melhorados. BTW, também é bom de mira.

Será interpretado por Adewale Akinnuoye-Akibaje.


Chato Santana (El Diablo): (chato huh?) Personagem mais desconhecido e mais novo do Esquadrão, entrou no pós-reboot da DC.


Embora a DC tenha 3 El Diablos (again?), o que está no filme é o 3º, que ganha seus poderes depois de encontrar o primeiro Chato, El Diablo, Lazarus Lane em coma num hospital mas não sei como o a transferência de poderes acontece. Antes de entrar pra equipe, já era um gangster e foi preso por matar inocentes num incêndio.

Seu poder é criar e manipular o fogo. Isso e sua personalidade violenta, o tornam o verdadeiro capeta.

Será interpretado por Jay Hernandez.

Poster \o/





Então, agora estamos todos informados a respeito dos personagens, podemos assistir o filme sem ficar boiando no cinema, como pelo menos eu ia fazer!

Não sou expert em quadrinhos, nem conheço tudo... Sei que meu conhecimento nem chega perto ao dos viciados em Marvel e DC, então sempre gosto de pesquisar... Espero que tenha sido útil para vocês!













fonte/fonte/fonte