Menu

10.9.16

{Filme} Tim Maia - Não há nada Igual






Direção: Mauro Lima, 2014.

Elenco: Babu Santana, Robson Nunes, Aline Morais, Laila Zaid, Cauã Raymond, George Sauma, Tito Neville, Renata Guida, Luís Lobianco

ATENÇÃO: ALERTA DE SPOILER! Se você ainda não assistiu ao filme, prossiga por sua conta e risco!

SINOPSE

     O longa transporta para o cinema biografia do cantor brasileiro Tim Maia, baseada no livro Vale Tudo – O Som e a Fúria de Tim Maia.

RESENHA

     Oi gente! Hoje decidi falar sobre um dos meus ídolos da MPB e, por que não dizer, do rock nacional e precursor da Black Music no Brasil: O grande Tim Maia!

     Falar de Tim Maia pra mim é uma tarefa simples, visto que, por influência principalmente do meu pai, cresci ao som de suas músicas, fosse no toca discos, fosse ao som do violão do meu velho que, vez por outra, dedilhava um som do síndico.

     O filme é na medida certa, sem enrolação: Mostra a vida de Tim, da infância pobre na Tijuca à adolescência nos EUA, do seu difícil retorno ao Brasil até um tumultuado estrelato.

      Não esquecendo que trata-se de uma biografia baseada no livro de Nelson Motta, produtor musical e grande amigo de Tim Maia, o que fica claro para quem assiste ao filme é que, gostemos ou não do "Tião marmiteiro" (apelido de infância que Tim detestava), fato é que ele nunca deixou de ser o que ele era: o menino encrenqueiro da Tijuca que nunca deixaria de perseguir seu sonho. Nada nem ninguém podia controlá-lo. 

     Com vocês, o grande TIM MAIA!

AMBIENTAÇÃO E TEMPORALIDADE

     A história se inicia no Rio de Janeiro dos anos 40, mais precisamente à partir do dia 28/09/1942, quando nascia Sebastião Rodrigues Maia, filho de dona Maria e seu Altivo.



     Uma década e meia depois, começaria a despontar no país a revolução musical que ficaria conhecida como Jovem Guarda. Era o Rock n` Roll, invenção dos norte americanos importada pelo então apresentador de TV, Carlos Imperial, que começava a tomar conta do Brasil.

     Nessa época, Tião (Tim) formava no salão paroquial da igreja na Tijuca a sua primeira banda, The Sputniks, ao lado de ninguém menos que Roberto e Erasmo Carlos, conseguindo algumas apresentações, até mesmo na TV. 



     Porém, o temperamento explosivo de Tim colocaria tudo a perder, como aconteceria diversas vezes em sua vida. 
  
DESVENTURAS NOS EUA

     Tim tinha uma tendência a culpar o mundo por seus fracassos. Portanto, se as coisas não estavam dando certo pra ele enquanto musico no Brasil, era hora de ir tentar a sorte noutra freguesia. Em outras palavras, se a Tijuca, o Rio e Brasil ficaram pequenos demais para ele, por que não tentar a sorte nos EUA?

     Afinal, Tim ouvira falar que as coisas por lá andavam pipocando com Elvis, Chuck Berry, James Brown e tantos outros... Ao mesmo tempo, no Brasil, as oportunidades pareciam se descortinar pra todos, menos pra ele. E não podia ser diferente já que, nas palavras do próprio Tim, por aqui ele seria sempre o `mulato sem chance`.

     Nada disso importava mais. A paróquia da Tijuca iria mandar alguns garotos para uma missão nos EUA e Tião, na malandragem, conseguira uma passagem.


A chegada aos EUA


     Mas a vida no estrangeiro não seria um mar de rosas. Afinal, se Tião se considerava discriminado aqui no Brasil por sua cor, imaginem o preconceito que ele sofreu lá.

     Tim vivia sendo preso por pequenos furtos (ele furtava, sobretudo, comida em pequenos mercados) para o desespero da família que o acolheu nos EUA.

     Porém, entre uma prisão e outra, Tim acabou formando a banda The Ideals com alguns amigos (alguns dos quais ele havia conhecido na cadeia).

     Assim tinha início a carreira musical de Tim Maia nos EUA, que seria encerrada tão logo ele fosse deportado para o Brasil, sendo obrigado a assinar um documento perante a justiça americana, comprometendo-se a nunca mais pisar naquele pais. O motivo? O de sempre: pequenos furtos e posse de drogas.



     Encerrava-se assim a aventura do Tião marmiteiro nos "states".

O DIFÍCIL REGRESSO

     Tim voltou ao Brasil e, também, à estaca zero. Sem dinheiro e sem perspectivas, voltou a praticar pequenos furtos, o que o levou a mais uma estadia na carceragem.

     Após esse período, Tim decide tentar a sorte em São Paulo, onde seus antigos companheiros de banda estavam, com sucesso, construindo suas carreiras.



     Tentativas frustradas e até humilhações por parte de `velhos camaradas` foram experimentadas por nosso herói, até que, um dia, ele se encontrava no lugar certo, na hora certa.

     Após fechar uma parceria com Roberto Carlos envolvendo a música NÃO VOU FICAR, Tim conseguiu gravar seu primeiro disco. Potencial e talento não lhe faltavam.

     Com seu disco vendendo e alguns poucos shows agendados, Tim ainda mora de favor na casa de seu amigo e também músico Fábio, no Rio de Janeiro, onde aconteciam muitas festas. Foi nessa fase que Tim iniciou seu envolvimento com drogas mais pesadas.



O SÍNDICO: A PERSONALIDADE AVASSALADORA DE TIM MAIA

     O filme retrata (não tão bem quanto o livro, obviamente) a personalidade conturbada, explosiva e, por vezes, agressiva de Tim Maia.

     Desde o começo, quando ainda tocava com os Sputniks, Tim já dava sinais claros de como seria a sua tumultuada carreira. Nessa época, conta a história que ele expulsou da banda, aos berros, ninguém menos que Roberto Carlos. "Você não canta nada seu magrelo, some daqui!", teria dito. Não se sabe se os episódios tiveram de fato relação, mas, ainda segundo o livro, tal fato teria levado `O Rei` a humilhar Tim Maia anos mais tarde, quando mesmo foi pedir-lhe ajuda para alavancar sua carreira. 




     Tim Maia tinha algumas manias muito peculiares, como dar apelidos a pessoas e lugares (ele apelidou de Garrastazu os locais escondidos que ele escolhia para fumar maconha), transportar todo seu dinheiro em um cofre que ele constantemente carregava debaixo do braço, ou, ainda, recusar-se terminantemente a entrar em aviões, preferindo ir do Rio ao Nordeste do pais dirigindo, para o desespero de sua equipe e de seus contratantes. 

     Tudo com Tim era em excesso. Drogas e bebidas eram parte do cotidiano. Porém, de todas as suas compulsões, a maior era por comida. Tim comia compulsiva e desesperadamente. Para tentar aplacar esse impulso, Tim misturava num liquidificador tudo o que encontrava na despensa (como guaraná, suco de caju e goiabada, tal como na canção). Segundo relatos, era capaz de fazer um `lanchinho` utilizando uma dúzia de ovos para uma fritada.



     Como brigou em quase todas as gravadoras por onde passou, Tim acabou fundando seu próprio selo, a SEROMA, onde passou a produzir e a gravar seus próprios discos. Segundo relatos, era quase impossível de se gravar com Tim Maia, que nunca estava satisfeito com a qualidade do som. Se não era a aparelhagem, era a regulagem da mesa e assim por diante...

     Nessa fase, Tim já era reconhecido como uma das maiores vozes do Brasil. Porém, sua vida de excessos o levava a esculhambar suas apresentações ou, até mesmo, não aparecer para se apresentar. Quando cobrado por tais atitudes, Tim explodia aos berros, o que lhe rendeu o apelido de síndico.



     Tim terminaria sua carreira cantando músicas, em sua maioria, românticas. Segundo ele próprio, tinha sofrido tanto na mão das mulheres que havia se tornado especialista em `cornitude`. Rsrsrs

     Mas, antes do fim, Tim ainda se converteria para uma religião um tanto controversa, como veremos a seguir.

O SUPERIOR RACIONAL

     No auge de suas loucuras, Tim Maia encontrou na casa de um amigo o livro denominado Universo em Desencanto, proveniente da doutrina do Superior Racional, uma seita brasileira fundada por Manoel Jacintho Coelho em meados de 1930.

     A doutrina, entre outras coisas, pregava a abstinência total, tendo Tim, nesta fase, abandonado por completo todas as drogas de que fazia uso.



     Segundo relatos de Nelson Motta, autor da biografia, Tim não só converteu-se fervorosamente como tentava a todo custo converter seus conhecidos, amigos e colaboradores, motivo pelo qual muitos desses afastaram-se dele nesse período.

     Tim chegou a produzir, nessa fase, o espetacular disco Tim Maia Racional (volumes 1 e 2), inteiramente à sua recém abraçada seita.



     Porém, em determinado momento, Tim cismou que os integrantes da seita estivessem se aproveitando de seu talento e, da mesma forma inesperada que abraçou a Cultura Racional, foi embora aos berros, encerrando o que, curiosamente, teria sido o período mais lucido de sua vida.

CONCLUSÃO

     No auge dos seus 55 anos de idade, Tim Maia, que quase nunca tinha ido a uma consulta médica, mesmo com sua vida insalubre e regada a excessos, deixava os palcos terrenos para compor a constelação dos grandes nomes da música brasileira que partiram. E, ironicamente, morreu praticamente  no meio de um show, quando passou mal e veio a falecer. Chegava ao fim a fúria de Tim Maia, mas seu som seria eterno.

     Até a próxima, gente!



9.9.16

{Dica de Leitura} As Estações do Nosso Amor



 A dica de leitura dessa semana é:

Autora: Aline Bassoli
Editora: Amazon Books
Sinopse: Nanda Gouveia é uma brasileira de vinte e poucos anos que terminou seu curso de idiomas em Londres e quer aproveitar os dois meses antes de seu visto expirar para conhecer um pouco do velho continente.
Joshua Black é um famoso ator de Hollywood chegando à casa dos trinta anos, que está cansado da falta de privacidade, e decide lançar mão de um disfarce para poder sair às ruas sem ser reconhecido.
Após se conhecerem em Paris, num cômico encontro, Nanda e Josh embarcam em uma viagem por alguns países europeus. Ao longo da jornada, e envolvidos pelas belezas das paisagens por onde passam, eles vão se dando conta de que estão se apaixonando um pelo outro.
Finalmente eles se entregam a esse sentimento, mas a rotina de Josh faz com que eles tenham que viver de breves encontros, cada vez em uma localidade diferente, até que Nanda volta para o Brasil.
Entre viagens e tentativas de proteger a identidade de Nanda da imprensa, eles vão descobrir que o glamour das telas não é tão presente assim na rotina diária.
Romance, tórridas cenas de amor, fofocas, traição e invasão de privacidade recheiam a história dessas duas pessoas que se esbarram numa manhã em Paris e decidem seguir juntas por essa aventura.

Sobre a autora

Nascida e criada em Monte Alto, interior de SP, sempre gostou de escrever. Apesar da formação na área biológica, o amor pelas palavras sempre marcou presença em sua vida. A primeira poesia registrada surgiu quando tinha nove anos. Depois dela, muitas vieram. A prosa também estava presente, nas estórias que ela se imaginava vivendo, mas raramente mostrava para alguém.
Foi em meados de 2009 que decidiu entrar na brincadeira de escritora; tinha acabado de descobrir o universo das fanfictions e apostou em um site de divulgação desse tipo. Ganhou comentários e mais comentários, criou um blog para divulgá-las, o Fics da Line, e decidiu, em 2013, publicar pelo Clube de Autores um livro de poesias intitulado “O Eu Platônico”.
Em 2015 criou a página Palavras ao Vinho no Facebook onde, semanalmente, posta textos dos mais variados assuntos. Após o incentivo dos amigos, principalmente os que fez por causa das fanfics, decidiu investir em uma história original e foi assim que nasceu “As Estações do Nosso Amor”.
Tem 33 anos, é solteira, adora a natureza e há pouco se descobriu apaixonada por gatos. Adora ler, principalmente romances e mistérios policiais, além de filmes e seriados do gênero. Aos poucos está descobrindo a literatura nacional e já é apaixonada pela Carina Rissi e suas deliciosas histórias.
A presença nas redes sociais ainda é discreta, mas a cada dia ganha mais admiradores e seguidores.

Email: autora.aline@gmail.com

Acesse: 

Blog Fics da Line: http://ficsdaline.blogspot.com
Livro “O Eu Platônico”: http://clubedeautores.com.br/book/142406--_Eu_Platonico#.VQ3x1nl0xdg
Página Palavras ao Vinho:  https://www.facebook.com/palavrasaovinho
Página Autora Aline Romances: https://www.facebook.com/autoraalineromances
Twitter: @alinebassoli
Wattpad: @LineB32
Instagram: @palavras.ao.vinho

Adquira o livro aqui: https://www.amazon.com.br/dp/B01K5MXZKY



8.9.16

{Resenha} Pureza




Autor: Jonathan Franzen
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2016
Sinopse: A jovem Pip Tyler não sabe quem é. Ela sabe que seu verdadeiro nome é Purity, que está atolada em dívidas universitárias, que divide um apartamento com anarquistas de Oakland e que sua relação com a mãe – a única família que tem – vai de mal a pior. Mas há coisas que ela não sabe: quem é seu pai, por que a mãe a força a uma vida de reclusão, por que seu nome é inventado e o que precisa fazer para levar uma vida normal. Uma típica jovem norte-americana, se algo pudesse ser chamado de típico num romance de Jonathan Franzen.
Até que tudo muda. Um breve encontro com um ativista alemão leva Pip à América do Sul, mais precisamente a um estágio no Projeto Luz do Sol, uma organização que contrabandeia segredos do mundo inteiro – inclusive sobre a misteriosa origem de Pip, ou pelo menos é o que ela espera. O gênio por trás do projeto é Andreas Wolf, um líder carismático que se tornou célebre após a queda do Muro de Berlim e com um passado tão obscuro e perigoso quanto sua própria organização. Foragido na Bolívia, Andreas se aproxima cada vez mais de Pip por razões misteriosas, e a intensidade desse encontro vai subverter as ideias de certo e errado que ela carrega sobre o mundo.
Imaginar uma galeria de tipos tão reais quanto originais é um prato cheio para o autor de As correções e Liberdade. Da California à Alemanha Oriental, este livro traz pais relapsos e mães dedicadas, ciberativistas e jornalistas ambiciosos, além de tantas figuras deste e de outros tempos e cujos caminhos irão se cruzar em terrenos tão contemporâneos quanto a onipresente internet, e tão antigos quanto a guerra dos sexos. Pureza é uma história sobre idealismo juvenil, lealdade extrema e assassinato, e o mais ousado e profundo trabalho de um dos grandes romancistas de nosso tempo.

Resenha:

Preciso começar falando dessa capa!! Que delicadeza, que lindeza, que sensação de paz que ela transmite!! Junto com esse título, só podemos imaginar uma história bela e leve, o que não condiz com o real conteúdo desse livro.

Voltando à minha constante crítica quanto às sinopses não serem impressas na contracapa, e sim, nas orelhas dos livros... Caraa!! A passagem do livro escolhida para a contracapa não poderia ter menos importância... De verdade, a editora fez um trabalho maravilhoso com a capa desse livro, que me chamou a atenção logo que vi, o céu azul, as nuvens, a luz do sol... Mas além de não ter a sinopse na contracapa, ainda colocaram uma passagem tão rasa comparada à profundidade do livro, que me decepcionou (mais do que nunca).

A história acontece simultaneamente em três lugares (Alemanha, Estados Unidos e Bolívia) e em várias épocas diferentes, conforme os personagens nos são apresentados. Os capítulos muito longos algumas vezes dificultam o acompanhamento da linha do tempo, que não é cronológica (para não dizer que é totalmente confusa).

Na verdade eu não gosto de capítulos muito longos, pelo simples fato que gosto de parar minha leitura ao final de um capítulo, por uma questão de organização das memórias. Em capítulos longos, nunca sei onde parar, onde acaba o assunto, e muitas vezes quando pego o livro de novo tenho que voltar na última página para entender do que estão falando.

A escrita de Franzen é extremamente sensível, detalhada. Descreve a vida, o passado e as características de cada personagem importante, o que garante a profundidade da trama e toda a sua costura.

Purity Tyler, mais conhecida como Pip, é uma garota que sonha conhecer o pai, segredo que sua mãe guarda a sete chaves, junto com seus próprios nomes verdadeiros. Com uma dívida estudantil que tira seu sono, Pip aproveita a oportunidade que lhe foi dada de trabalhar em um projeto na Bolívia do famoso Andreas Wolf, que fundou o Projeto Luz do Sol com o intuito de vazar informações, no estilo Wikileaks.

Andreas Wolf, alemão, mulherengo, algumas questões mal resolvidas com a mãe (um Complexo de Édipo talvez), esconde um segredo terrível que ainda o atormenta nos dias de hoje. O contexto político apresentado em sua história antes e depois da queda do Muro de Berlim e mais alguns outros fatores, tentam justificar suas atitudes. Porém, ao final do livro, penso que o peso carregado por ele todos esses anos acabou se tornando sua ruína.

Tom Aberrant era o dono do Denver Independent, jornal onde Pip foi trabalhar após voltar da Bolívia. Patrão e namorado de Leila ao mesmo tempo, Tom também tem seus segredos, como, por exemplo, sua relação com Andreas Wolf, sobre a qual ele não gosta de comentar.

Anabel, a ex-companheira de Tom, era filha de um milionário que rejeitava os negócios do pai, rejeitava sua herança, porém apresentava um comportamento extremamente infantil, como uma criança mimada. Sinceramente, tive muita dificuldade em passar desse capítulo, pois as discussões entre o casal eram insuportáveis.

Leila Heilou, uma jornalista investigativa que leva uma vida dupla, ao cuidar do marido paraplégico Charles parte dos dias da semana, e dormir na casa do namorado Tom nos outros. Após o tempo que passou na Bolívia, Pip conseguiu um estágio para trabalhar ao lado de Leila, e ganhou o coração da colega, inclusive indo morar com ela e Tom em determinado momento.

Passei o livro inteiro curiosa, tentando descobrir quem é o pai de Pip, por que sua mãe age de forma tão estranha, e que cargas d’água a história de um personagem tem a ver com a do outro. Tudo parece tão distante... É uma leitura densa, por vezes cansativa, mas que ainda assim consegue nos prender para seguirmos até o final.

A princípio, não consegui entender o porquê do autor detalhar tanto o passado de cada um, até compreender que eram peças de um quebra-cabeça e que tudo se encaixaria no final, para formar uma história de mágoas, crimes, segredos, mas que acima de tudo, é também, uma história de amor.

Ahh!! E parece que em breve poderemos acompanhar essa história na TV também... O canal Showtime será o responsável pela adaptação, que terá Daniel Craig (sim, o 007) como Andreas Wolf (além de ser o produtor executivo da série). O contrato inicial é de 20 episódios para dois anos de produção (prevista para começar em 2017), mas acredito que essa história dá muito mais pano para manga. Ainda sem data para lançamento, aguardo ansiosa por essa adaptação!!!




7.9.16

{Lançamentos} Editora Sextante - Setembro



Como sempre, a Editora Sextante nos traz muita coisa de autoajuda para nos fazer refletir sobre diversos assuntos importantes! Para mim, o carro chefe deste mês é Muito Amor, Por Favor (que não é autoajuda). A capa está muito bonita e agrada muito aos olhos - e ao coração!

Abaixo estão os principais lançamentos deste mês, confira!

30 DIAS PARA MUDAR - WHOLE30
Melissa Hartwig e Dallas Hartwig

Lançamento: 1/9
Preço: R$ 79,90
Saúde • 416 págs.
ISBN e EAN: 978-85-431-0403-4
21 x 25 cm • 12.000 exemplares
E-book:
Preço: R$ 49,99
eISBN: 978-85-431-0404-1

30 dias para mudar apresenta o badalado programa Whole30, de Melissa Hartwig e Dallas Hartwig, que já ajudou centenas de milhares de pessoas a transformar de vez a relação com a comida. Sua abordagem leva a uma perda de peso sem grandes sacrifícios, além de melhorar significativamente a qualidade do sono, os níveis de energia, o humor e a autoestima.
A partir de um plano de apenas cinco passos, você vai eliminar todos os alimentos que possam estar lhe fazendo mal, ver como se sente e depois reintroduzir os grupos alimentares pouco a pouco, escolhendo com consciência o que quer ou não manter de acordo com os seus sintomas.
Com esse conhecimento, você será capaz de erradicar hábitos pouco saudáveis, reduzir compulsões alimentares e a gula relacionada ao estresse, melhorar a digestão e fortalecer o sistema imunológico.
O livro ainda apresenta um cardápio completo para uma semana e um superbônus: mais de 100 receitas práticas e deliciosas com comida de verdade, desenvolvidas para saciar o apetite e estimular o paladar.

DIÁRIO DE UM ZUMBI DO MINECRAFT #8
DE VOLTA À ESCOLA MONSTRO

Lançamento: 1/9
Preço: R$ 24,90
Infantojuvenil • 144 págs.
ISBN e EAN: 978-85-431-0399-0
14 x 21 cm • 25.000 exemplares
E-book:
Preço: R$ 16,99
eISBN: 978-85-431-0400-3

O zumbi chegou ao oitavo ano... e à adolescência. E agora?
Assim como os humanos, zumbis também sofrem durante a adolescência. A voz muda, uma perna fica 10 centímetros maior do que a outra, os primeiros mofos começam a crescer no rosto... O quê? Isso nunca aconteceu com você?
A boa notícia é que você pode sempre contar com os amigos durante essa fase difícil. E o zumbi precisará de toda a ajuda possível de Esquely, Slimey, Creepy, Sally e do humano Steve, porque o oitavo ano da Escola Monstro acabou de começar.
Além de ter que sobreviver a um concurso de soletrar e ao temível professor Matsumoto, nosso zumbi preferido terá um desafio muito especial: se conseguir tirar nota 7 em todas as matérias, vai ganhar um video game novinho em folha!
Só tem um detalhe: como o zumbi vai conseguir tirar uma nota boa na aula intermediária de susto com aquela carinha inofensiva dele?
NESTE VOLUME: O ZUMBI VAI FICAR MONSTRUOSO!

MUITO AMOR, POR FAVOR

Lançamento: 2/9
Preço: R$ 29,90
Não ficção • 240 págs.
ISBN e EAN: 978-85-431-0406-5
14 x 21 cm • 15.000 exemplares
E-book:
Preço: R$ 19,99
eISBN: 978-85-431-0407-2

Este livro reúne textos que mostram o amor do ponto de vista de quatro jovens que escrevem sobre relacionamentos legítimos e atuais. Sem medo de expressar seus sentimentos, deixam para trás estereótipos já obsoletos e falam sobre viver a dois e sobre a natureza das relações em todos os seus aspectos.
Assim, cada autor reflete sobre o amor representado por um elemento: Arthur Aguiar escreve que “O amor é água”, dizendo que ele é fluido, mas por vezes gelado; ora tempestade, ora profundo. Fred Elboni explica que “O amor é ar”, mostrando a leveza de se amar sem sofrer, da brisa que envolve os apaixonados, mas que por vezes torna-se furacão. Ique Carvalho se debruça sobre quando “O
amor é fogo”, que arde, aquece a alma, mas que também pode incendiar até doer. E Matheus Rocha conta que “O amor é terra”, estável, tranquilo, mas que não escapa dos terremotos da vida, que tiram tudo do lugar para que a rotina não o extermine.
Um livro apaixonante, para quem ama e para quem quer amar um dia... e sempre.

A MAIOR DE TODAS AS MÁGICAS

Lançamento: 12/9
Preço: R$ 29,90
Espiritualidade • 240 págs.
ISBN e EAN: 978-85-431-0410-2
14 x 21 cm • 10.000 exemplares
E-book:
Preço: R$ 19,99
eISBN: 978-85-431-0411-9

Jim teve uma infância difícil. Cresceu com o pai alcoólatra e a mãe depressiva numa pequena cidade da Califórnia. Para ele, a vida se resumia a uma sucessão de dias tristes, violentos e sem esperança.
Mas tudo mudou ao completar 12 anos, quando entrou numa loja de artigos magia e conheceu a misteriosa Ruth. Enxergando todo o sofrimento do menino, generosa senhora resolveu ajudar e prometeu ensinar a ele a maior de todas mágicas.
Ao longo de seis semanas, Ruth guiou Jim por diversas técnicas de meditação, ensinando-o a relaxar o corpo, esvaziar a mente e abrir o coração – os passos necessários para qualquer pessoa aprender a lidar com a dor e com as próprias emoções.
Os anos se passaram, Jim incorporou as práticas e se tornou o Dr. James Doty, neurocirurgião proeminente e empresário de sucesso. Mas esqueceu de manter o coração aberto, o que gerou terríveis consequências.
Nesta emocionante história real, Dr. Doty mostra o poder que a compaixão tem de transformar vidas e a força que cada um de nós possui para transformar o mundo.

SE MEU CACHORRO FALASSE



Lançamento: 19/9
Preço: R$ 29,90
Autoajuda / Livro presente • 176 págs.
ISBN e EAN: 978-85-431-0427-0
17,5 x 17,5 cm • 10.000 exemplares

Menos preocupação, mais alegria.
Os cachorros nos ensinam a receber cada manhã com entusiasmo e otimismo, a amar de forma incondicional, a perdoar com facilidade e a saber quando fugir e quando descansar. Verdadeiros filósofos de quatro patas, eles nos mostram que cada dia é uma dádiva — e que cada refeição é a melhor de todas!




A CORAGEM DE SER IMPERFEITO

Lançamento: 19/9
Preço: R$ 34,90
Autoajuda • 208 págs.
ISBN e EAN: 978-85-431-0433-1
16 x 23 cm • 8.000 exemplares
E-book:
Preço: R$ 22,99
eISBN: 978-85-7542-959-4

Quando fugimos de emoções como medo, mágoa e decepção, também nos fechamos para o amor, a aceitação, a empatia e a criatividade. Por isso, as pessoas que se defendem a todo custo do erro e do fracasso se distanciam das experiências marcantes que dão significado à vida e acabam se sentindo frustradas.
Por outro lado, aquelas que mais se expõem e se abrem para coisas novas são as mais autênticas e realizadas, ainda que se tornem alvo de críticas e de sentimentos como inveja e ciúme. É preciso lidar muito bem com os dois lados da moeda a fim de alcançar a felicidade de realizar todo o seu potencial.
Brené Brown descobriu que todos nós fazemos uso de um verdadeiro arsenal contra essas sensações e explica em que consiste cada escudo e quais estratégias devem ser usadas nesse “desarmamento”. Ela também combate os mitos que afirmam que ser vulnerável é o mesmo que ser fraco.
Depois de estudar a vergonha e a empatia durante seis anos, a autora chegou à conclusão de que compreender e combater a vergonha de errar e de se expor é fundamental para o sucesso.
Mostrar-se vulnerável pode parecer uma atitude subversiva, mas ter a coragem de ousar e nos mostrar como somos de verdade é a única forma de aproveitar todas as oportunidades que a vida tem a oferecer.

EMPREENDEDORES INTELIGENTES ENRIQUECEM MAIS

Lançamento: 20/9
Preço: R$ 34,90
Negócios
ISBN e EAN: 978-85-431-0412-6
16 x 23 cm • 12.000 exemplares
E-book:
Preço: R$ 21,00
eISBN: 978-85-8041-413-3

Quem empreende ou tem o desejo de empreender em geral baseia seu negócio em uma ideia, que se traduz em um produto ou em um serviço, ou seja, o próprio coração da empresa. Por isso, em geral é raro que o empreendedor entenda a fundo de finanças ou não lide diretamente com elas, já que não estão no centro de seu novo empreendimento.
Mas isso é um grande risco. Em geral, quando um negócio é iniciante ou pequeno, duas situações costumam acontecer com a área financeira: ou o empreendedor não tem ainda condições de contratar especialistas ou gestores financeiros para cuidar dos números, e por isso tenta resolvê-los com seus conhecimentos básicos, ou então delega a alguém que o ajude, por vezes até informalmente. Só que em ambos os casos, o empreendedor fica “no escuro”, pois se não cuidar como se deve das finanças, tratando apenas de seu produto ou serviço, ou se delegá-las a alguém, a verdadeira gestão do seu negócio – e o consequente sucesso e lucro – não estará plenamente em suas mãos.
Este livro propõe-se a discutir sobre os conhecimentos necessários para que os empreendedores conheçam todos os aspectos fundamentais para lidar com as finanças de seus negócios, oferecendo estratégias para que eles sejam bemsucedidos em seus propósitos, e consigam dar lucro, crescer, prosperar e perpetuar-se.



6.9.16

{Resenha} O Herdeiro Encantador




Título Original: The Enchanter Heir
Série: As Crônicas do Herdeiro #4
Autora: Cinda Williams Chima
Editora: Farol Literário
Sinopse: Embora Jonah tenha sobrevivido ao Massacre do Monte dos Espinheiros, um ataque brutal ocorrido em uma próspera comunidade Weir no Brasil, não saiu ileso: como os outros sobreviventes, ele possui dons mágicos especiais que o diferem dos membros das ordens convencionais. Aos dezessete anos, tornou-se o assassino mais mortífero da Dulcamara, uma rede de caça a mortos-vivos. Emma Greenwood cresceu a quilômetros dessa realidade. Criada pelo avô, que lhe ensinou mais sobre música do que sobre magia, teve sua vida transformada na noite em que o viu morrer. Ele deixou um bilhete alertando que ela poderia correr perigo, com algumas pistas que a levaram a Jonah e a um legado cheio de segredos e muitas perguntas. Juntos, Jonah e Emma irão em busca da verdade sobre o Monte dos Espinheiros e sobre quem planejou o grande massacre. Enquanto isso, terão que correr contra o tempo, pois crescem a preocupação e o medo de que o inimigo ataque novamente. No quarto e último livro da saga Herdeiro, todas os mistérios serão desvendados.




"Eu gosto da verdade. Só isso. Eu só desejo que a verdade fosse diferente."

Este é o quarto livro da série As Crônicas do Herdeiro e foi meio que “jogado” na linha temporal dos três primeiros livros, na minha opinião. Não que isto o torne ruim, mas você fica desejando uma continuação melhor com os personagens já conhecidos. Embora se tenha notícias deles no decorrer dos acontecimentos, eles não são o principal, ainda. É como se fosse toda uma nova saga...

A narrativa conta a história de Jonah Kinlock, um jovem de 17 anos (se não me falha a memória) que sobreviveu ao massacre realizado no Monte dos Espinheiros, uma fazenda localizada no Brasil que estava sendo alvo de críticas da Ordem dos Magos por, na opinião deles, estarem criando aberrações. Poucas crianças sobreviveram e, em consequência, tiveram sequelas terríveis. Nenhum adulto viveu para contar o que viu. 

Gabriel Mandrake era o responsável pela operação e não estava presente na noite do ataque. Ele é um mago com diversos dons e muito rico. Por isso, criou uma escola nos EUA onde os sobreviventes poderiam viver em “paz” e a chamou de Ancoradouro. Porém, não só de aulas a escola vive: Gabriel criou uma... Facção chamada Dulcamara, uma rede formada pelos jovens sobreviventes que são fortes o suficiente para lutarem contra os mortos-vivos. Em nenhum outro livro da série temos notícia dessas “sombras”, mas há de se entender o porque, pois os “savants”, as crianças com poderes diferentes que sobreviveram ao Monte dos Espinheiros são meio que uma lenda.

Para além de tudo isso, temos Emma Greenwood, uma jovem de 16 anos que morou em Memphis grande parte de sua vida. Cuidada por seu avô Sony Lee, um senhor com uma habilidade extrema na fabricação de guitarras – luthier – e que lhe ensinou a ser independente, forte e lhe passou o ofício.

“Além disso, conhecia aquele mundo bem o bastante para dizer não aos garotos bonitos que, com lisonjas, a tentavam persuadir a cometer aquele primeiro grande erro. Aos homens mais velhos que se ofereciam para lhe comprar uma bebida. Era a música que a seduzia - nada mais. Emma tomava conta de si mesma porque ninguém mais o faria.”

Apesar de poder retornar para o avô, de ter uma família... Notei certo abandono na criação de Emma, o que poderia ter realmente acabado com sua vida. Ela se criou sozinha. E, ainda assim, a perda do avô significou uma pequena morte dentro dela mesma, como se tudo aquilo que amasse fosse embora com ele. Não querendo lidar com o Serviço Social, a jovem foi de encontro a Tyler Boykin, um antigo conhecido de seu avô que ela nunca havia visto e nem sabia de sua existência até encontrar o recado do velho luthier. Ela tem descobertas que acredita serem difíceis de acreditar, mas tenta dar uma chance à vida que está disposta a ter. 

Jonah, por outro lado, fica em cima do muro por não saber o que fazer, exatamente. Bem, ele sabe o que quer, mas não sabe como. Há muitas teorias envolvidas e mesmo o leitor fica meio perdido. Há intrigas, conspirações... E senti certo “coitadismo” em Jonah. Há personagens novos melhores, como a Natalie, uma curandeira que rouba a cena até mesmo da Emma algumas vezes. Muitas situações deixam mistério no ar, apenas te cutucando e te fazendo criar suposições sobre O Ancoradouro, o Monte dos Espinheiros... E incrivelmente você acaba querendo saber mais dos vilões do que simplesmente vê-los se dar mal.

Mas não senti a mesma emoção que senti no Herdeiro Dragão ou no Herdeiro Mago... Claro, você quer saber o que acontece, pois a autora escreve muito bem e sabe te prender.

Há a presença dos personagens dos livros anteriores, mas muito rápida. Acredito que a próxima obra tenha uma participação maior de Madison e Seph e as outras pessoas de Trinity.

É uma boa leitura, se você deseja ter uma nova perspectiva da estória narrada pela autora.



5.9.16

{Resenha} Thomas e Sua Inesperada Vida Após a Morte



Titulo Original: The Accidental After Life of thomas Marsden
Autora: Emma Trevayne
Editora: Seguinte
Número de Páginas: 240
Sinopse: Roubar túmulos é um negócio arriscado. É, na verdade, um péssimo negócio. Para Thomas Marsden, a partir de uma noite de primavera em Londres (véspera do seu aniversário de doze anos), esse passa a ser um negócio também assustador. Isso porque, deitado em uma cova recente, ele encontra um corpo idêntico ao seu. 
Esse é apenas o primeiro sinal de que alguma coisa muito esquisita está acontecendo. Muitos outros vêm em seguida, até que Thomas vai parar num mundo estranho, habitado por fadas e espiritualistas, onde a morte é a grande protagonista. Desesperado para conhecer a sua verdadeira história e descobrir de onde vem, Thomas vai ser apresentado à magia e ao ritual, e vai se dar conta de que, de vez em quando, aquilo que faz dele um garoto comum pode torná-lo extraordinário.

 Resenha: 

Thomas quando chega a uma certa idade sai para trabalhos noturnos com seu pai,toda noite eles vão a cemitérios para saquear túmulos e assim colocar comida na mesa e todo dia a rotina é essa,Thomas tem que escolher um túmulo e ao cair a noite eles vão descobrir o que pegar, até que em uma certa noite ao desenterrar um túmulo bem simples e sem identificação Thomas e seu pai se deparam um morto identico a Thomas,o que deixam os dois sem fala e pasmos e diante do choque momentâneo eles decidem encerrar a noite por ali.

De alguma forma isso mexeu bastante com Thomas que toma a seguinte decisão de retornar ao túmulo misterioso sem seu pai e tentar descobrir alguma pista,mas é em vão,a única coisa que descobre é um pedaço de papel com um nome "Cadu" o que é bem estranho pois ele não conhece ninguém com esse nome e acaba concluindo é que esse garoto no túmulo só pode ser seu irmão gêmeo,e diante disso decide procurar por mais pistas e descobrir quem são seus verdadeiros pais e o porque de o terem abandonado em uma noite no cemitério para ser encontrado pelo pai de Thomas.

Sem perceber,Thomas é seguido e em determinado momento recebe mais pistas do que pensava conseguir,por "pessoas" que sabem quem era o garoto no cemitério e o que realmente Thomas é,mas isso custa um preço e bem alto por sinal, e é aí começa a jornada de Thomas de descobrir sua própria identidade.

Quando vi esse livro fiquei bem curiosa em saber como seria a estória e do que se tratava,pois afinal não é todo dia que nos deparamos com uma garoto numa cova e outro igualzinho olhando pra ele numa capa com esse título,mas qual foi minha surpresa a iniciar a leitura??!! O livro é chato deeeeeeemais,é maçante,arrastado e os acontecimentos demoram demais pra acontecer,apesar de ser um livro fininho duzentas e tantas páginas demorei mais ou menos 1 semana pra terminar.

Não indico o livro se alguém me pedir dicas de leitura,mas cada um é cada um né?! Eu não gostei mas tem gente que possa vir a gostar. No mais achei o livro bem fraquinho mesmo.