Menu

24.9.16

{Filme} O Senhor dos Anéis - Trilogia






Direção e adaptação: Peter Jackson

Elenco: Elijah Wood, Orlando Bloom, Viggo Mortensen, Ian McKellen, Christopher Lee, Andy Serkis, Cate Blanchett, Sean Austin, Dominic Monaghan, Billy Boyd, Liv Tyler, Sean Bean, Hugo Weaving, John Rhys-Davies, Ian Holm, Bernard Hill,

ATENÇÃO: ALERTA DE SPOILER! Caso você ainda não tenha assistido ao filme, prossiga por sua conta e risco!

Sinopse

Um mal antigo em forma de anel de poder desperta no leste. O destino da Terra Média e dos povos que a habitam encontra-se nas mãos da mais improvável das criaturas: um hobbit.

Resenha

Oi gente! Hoje escolhi tratar (e render homenagens) a esta magnífica obra, tanto da literatura mundial como do cinema.

Quando começaram no mundo os rumores de que a saga dos corajosos hobbits seria adaptada para o cinema, eu já havia lido a obra completa de J.R.R. Tolkien durante o colegial (que hoje é conhecido como ensino médio). Naqueles dias, as pessoas olhavam pra mim abismadas por eu já conhecer a estória que viria a tornar-se febre mundial, como se eu fosse uma nova espécie super avançada de nerd hahaha…



Na verdade, meu encontro com a obra se deu muito por acaso. Sempre tive o hábito de ler. Um belo dia, a trilogia cruzou meu caminho. Simples assim! Quero dizer, não foi algo que eu tenha pesquisado, buscado ou perseguido. Simplesmente a biblioteca da minha escola na época dispunha de um exemplar de cada, empoeirados num canto de prateleira. Quando os vi, pensei: Por que não?

Quando Peter Jackson decidiu transportar toda a estória para as telas do mundo (e durante a fortíssima campanha publicitária que precedeu o lançamento do primeiro filme), todos ficaram extremamente ansiosos. Após o lançamento da Sociedade do Anel (que praticamente suspendia a narrativa abruptamente antes de começar a segunda parte, que viria só um ano depois) meus amigos mais afoitos começaram a perguntar como a estória terminava. Vocês me conhecem, não gosto contar o final do filme. Mas de tanto me importunarem um dia soltei um “Frodo morre no final, ok?” Todos ficaram consternados. Pensei em desfazer a mentira em seguida, mas não o fiz. Não preciso dizer que quase tive que correr pra não apanhar quando terminou O Retorno do Rei. Sério! Tem gente que nunca mais falou comigo por causa da pegadinha! Hahaha



De qualquer modo, hoje quase todo mundo já assistiu a trilogia. E particularmente eu acho que não menti totalmente quanto à morte do protagonista. Por que? Voltaremos a esta questão ao final da resenha.

A TERRA MÉDIA: O MUNDO NA MENTE DE TOLKIEN

Não posso esquecer de mencionar que, quando do lançamento da trilogia no cinema, eu já conhecia não apenas as três partes da estória que envolvem a jornada para a destruição do anel. Minha curiosidade me levou além e acabei lendo também O Silmarillion, que trata da gênese de toda estória.

Nesta obra (que segundo rumores será produzida como série de TV pelo canal HBO) testemunhamos a criação não só da Terra Média, que é o universo onde se passa a trama, como de todos os seres que nela habitam.



É assustador pensar na riqueza de detalhes que a mente do autor foi capaz de gerar! Lendo O Silmarillion, às vezes temos a impressão de que Tolkien não só criou a estória, mas participou da criação como um observador/narrador atento, tamanha a criatividade e a riqueza de pormenores.
Em outras palavras, tudo o que se vê em O Senhor dos Anéis saiu da mente detalhista e meticulosa do autor.

A leitura de O Silmarillion pode ser por vezes cansativa por conta da riqueza de detalhes criada para a obra. Ora, Tolkien criou seres de raças e espécies distintas, cada qual com seu próprio alfabeto, seu próprio idioma e cultura. Mas nem tudo é fantasia, já que, para dar veracidade à narrativa (leia-se para dar ao espectador a impressão de que aquele mundo e aqueles seres em algum momento da história realmente existiram), o autor misturou seus cenários e criaturas à seres humanos (tal como nos percebemos) e animais do nosso convívio, como os cavalos, por exemplo.



Tudo na Terra Média é grandioso. Nas filmagens, foram utilizadas como locações as maravilhosas (e insólitas) paisagens da Nova Zelândia. Inclusive, se um dia você for visitar aquele país, pode dar um pulinho na vila dos Hobbits, que continua lá para visitação. Tolkien criou, pra que ninguém fique perdido, um complexo mapa de toda a Terra, que está presente em todos os exemplares dos livros.

A SOCIEDADE DO ANEL

O Silmarillion é a gênese de toda a narrativa, e termina com a criação dos anéis de poder por Sauron, o Senhor do Escuro, anéis estes que foram forjados no fogo de Mordor com o objetivo único de ludibriar, corromper e submeter todas as raças dos homens, anões e elfor, habitantes da Terra Média, à escuridão.

Fato é que houve uma violenta batalha, que uniu homens e elfos numa tentativa desesperada para derrotar Sauron e seu anel, conhecido como “O Um”, que foi forjado para controlar todos os outros anéis.

Porém, após a batalha, e embora Sauron tenha sido derrotado, o anel perdeu-se, devido à cobiça e sede de poder dos homens, assim permanecendo por séculos, até que fosse encontrado por Smeagol (conhecido como Gollum) e posteriormente roubado por Bilbo Bolseiro, um Hobbit do Condado.

Com o passar dos anos, o mago conhecido como Gandalf, o cinzento, amigo e companheiro de aventuras de Bilbo, sente o despertar do poder do anel, reunindo um grupo envolvendo Hobbits e guerreiros com a finalidade de destruir o Um, o que só pode ser feito no mesmo fogo onde ele foi criado.



O grupo, além do mago, envolveria:

Frodo Bolseiro, sobrinho de Bilbo e portador do anel, bem como seus amigos Sam (Samwise Gamgi), Merry (Merryadoc Brandenbuc) e Pippin (Pilgrin Tûk) do Condado;
Legolas, do Reino dos Elfos da Floresta;
Gimli, do Reino dos Anões de Erebor, e;
Boromir, da cidade branca de Minas Tirith.

Durante a jornada, juntaria-se a eles um misterioso homem, da ordem dos guardiões da Terra Média, conhecido como Passolargo, e que mais tarde teria sua identidade revelada como Aragorn, decendente de Isildur, do reino dos homens.

Estava assim formada A Sociedade do Anel.


AS DUAS TORRES

Neste ponto da estória, o mal ganha um poderoso aliado: Saruman, o mago Branco da Torre de Isengard. Sauron seduz o mago para que o mesmo produza nos porões de Isengard um poderoso exército de Orcs (seres que um dia foram elfos, mas que foram corrompidos pela escuridão) conhecidos como os Uruk-Hai, que viriam a lutar contra todos os povos na última guerra pela terra média.



É nesse momento em que também a sociedade do anel se esfacela, com a morte de alguns de seus membros e a separação dos que restaram, deixando Frodo praticamente por conta própria, contando apenas com a fiel companhia de Sam, seu inseparável amigo do Condado.

O RETORNO DO REI

No último filme da trilogia, Aragorn tem sua ascendência real revelada, tendo como destinação tornar-se o rei dos homens da Terra Média e, como tal, unificar e liderar seu povo rumo à batalha final.



Aragorn contará com a ajuda dos Rohirrin cavaleiros da cidade de Rohan, guerreiros serventes ao Rei Théoden, que estava sob o feitiço de Saruman e precisou ser libertado por Gandalf, que após cair na escuridão lutando com o Balrog (um demônio de fogo e sombra), havia retornado do reino dos mortos, agora como um mago branco.



O plano final se resumiria em levar a guerra aos portões de Mordor, criando uma distração para que Frodo e Sam conseguissem atravessar a planície escura, alcançando o topo da montanha da perdição e, enfim, destruir o anel, não sem antes travar uma batalha com Gollun, que desejava o anel de volta para si.


A DERROTA DA ESCURIDÃO E O RETORNO PARA O CONDADO

Após uma terrível batalha, que custou muitas vidas ao reino dos homens e dos elfos de Valfenda, Sauron, o senhor do escuro, foi mais uma vez derrotado.

Aragorn foi finalmente coroado rei de Gondor, o reino dos homens, dando início à chamada “Era dos Homens”, já que o tempo dos Elfos, segundo eles próprios, havia terminado na Terra Média, pelo que agora eles deveriam partir para Valinor, as terras à oeste do oceano, de onde ninguém jamais voltava.



Dentre a raça de elfos, apenas Arwen, filha de Elrond, senhor de Valfenda, permaneceria na Terra Média, já que havia se desfeito de sua imortalidade (elfos são criaturas eternas, podendo morrer apenas de tristeza ou por um grave ferimento que esteja além de seu poder de cura) para passar seus dias ao lado de Aragorn, seu grande amor.



Frodo e os Hobbits, responsáveis diretos pela destruição do Um anel, retornam ao Condado após uma longa jornada para viverem o resto de seus dias em paz. E assim seria, menos para Frodo, que carregara o anel por tempo demais e, de alguma forma, sentia que uma parte de si havia sido destruída junto com ele.

É aqui que eu retomo o que eu havia dito no começo da resenha sobre a “morte” de Frodo.

Conforme eu expliquei, diante da insistência de alguns amigos em saber, na época do lançamento do primeiro filme da trilogia, o final da estória, acabei inventando que Frodo morria, pra trollar a galera e pra que eles parassem de me atormentar. É chato contar o final! Sempre foi! Mesmo antes do termo “spoiler” cair na boca do povo! Por isso faço questão de deixar sempre um alerta no início das minhas resenhas.



O fato é que, depois de assistir à trilogia de novo, e de novo, e de novo, acabei me questionando o seguinte: Será que Frodo não teria, de fato, morrido?

Como sabemos, Frodo já não conseguia mais aquietar seu coração no Condado, uma vez que parte da maldade e do horror do anel tinha ficado encrustada na sua alma. Os elfos, que estavam de partida para Valinor (pra nunca mais voltar, diga-se de passagem), perceberam sua agonia e ofereceram-lhe um lugar no barco.

Ora, não seria a sua partida para Valinor (que era conhecida como ‘terras eternas’ ou simplesmente ‘o oeste’) uma analogia do autor para a morte do personagem? De certa forma, ele meio que “adoeceu” de forma permanente após transportar o anel e partiu com os elfos para um lugar de onde não se volta mais! O que é isso senão um eufemismo para a morte?

Mas isso é só uma impressão minha, uma teoria dentre tantas que já li por aí.

Fato é que Peter Jackson conseguiu captar com maestria toda a magia da obra de Tolkien, transformando-a numa trilogia espetacular para o cinema.

O mesmo não aconteceu com a trilogia O Hobbit, cujo livro conta os eventos que antecedem os acontecimentos de O Senhor dos Anéis. A adaptação, neste caso, parece não ter agradado nada a família de Tolkien, que prometeu nunca mais deixar Peter Jackson aproximar-se de nada que o patriarca da família tenha escrito. Mas isso é assunto pra uma outra resenha.



Até a próxima, gente!





23.9.16

{Dica de Leitura} Filhos da Lua - O Legado



Nossa dica de leitura desta semana é Filhos da Lua - O Legado, de Marcella Rosetti!

Em breve resenha aqui no blog!



Autora: Marcella Rosetti
Editora: AVEC
Sinopse: Você consegue imaginar que a vida que te ensinaram a viver pode não ser aquela para a qual nasceu? Que tudo o que acredita pode não ser inteiramente verdade? E que existem criaturas conhecidas como trocadores de pele vivendo entre nós? 
Em Filhos da Lua: o Legado, você descobre um novo universo de fantasia urbana, tendo como cenário o nosso país. A autora apresenta uma aventura cheia de mistérios cuja personagem principal é Bianca, uma adolescente que não imagina que sua chegada na cidade desencadearia uma série de acontecimentos capazes de transformar completamente a sua vida e revelar os segredos de um perigoso mundo.


Booktrailer:




A Autora

A autora Marcella Rossetti é brasileira e nasceu em 23 de fevereiro de 1981 em Santos, SP, cidade onde acontece parte da história de Filhos da Lua: o Legado.
Formada em bacharelado e licenciatura em História. Quando criança adorava brincadeiras de faz de conta e ao se tornar adolescente se apaixonou pelos jogos de RPG, onde era capaz de usar sua imaginação para criar inúmeros personagens e cenários.
A inspiração de “Filhos da Lua” veio ao desejar criar um universo fantástico com mitologia própria, dentro do Brasil. Um ano e quatro meses depois a obra foi finalizada e apresentada aos leitores da Amazon. Recentemente os direitos autorais foram comprados pela editora AVEC, que a está lançando em formato físico. Pré-venda já disponível na livraria Saraiva.

Marcella Rosseti nas Redes:




22.9.16

{Resenha} Gigantes Adormecidos




Título Original: Sleeping Giants – Livro 1 dos Arquivos de Têmis
Autor: Sylvain Neuvel
Editora: Suma de Letras
Sinopse: Rose passeia de bicicleta pelo bosque perto de casa, quando de repente é engolida por uma cratera no chão. A cena intriga os bombeiros que chegam ao local para resgatá-la: uma menina de onze anos caída na palma de uma gigantesca mão de ferro. Dezessete anos depois, Rose é ph.D em física e a nova responsável por estudar o artefato que encontrou ainda criança. O objeto permanece um mistério, assim como os painéis que cercavam a câmara onde foi deixado. A datação por carbono desafia todas as convenções da ciência e da antropologia, e qualquer teoria razoável é rapidamente descartada. Quando outras partes do enorme corpo começam a surgir em diversos lugares do mundo, a dra. Rose Franklin reúne uma equipe para recuperá-las e montar o que parece ser um robô alienígena gigante quase tão antigo quanto a raça humana. Mas, uma vez montado o quebra-cabeças, ele se transformará em um instrumento para promover a paz ou causar destruição em massa? Parte ficção científica, parte thriller, Gigantes adormecidos é uma história viciante sobre a disputa pelo controle de um poder capaz de engolir todos nós.



Empolgante é o mínimo que eu posso começar a dizer de Gigantes Adormecidos.

“Essa coisa cospe na cara da física, da antropologia, da religião. Esses artefatos reescrevem a história e nos desafiam a questionar tudo o que sabemos sobre nós mesmos... sobre tudo.”

Sinceramente, acho que foi um dos melhores livros de Ficção Científica que li até hoje. A escrita é fluida e bem feita, prende a atenção de modo incrível, pois a trama é muito bem feita. Os capítulos são arquivos de entrevistas gravadas e diários dos personagens no decorrer das missões, mas são separados em partes que traduzem os próximos acontecimentos.

As entrevistas são realizadas por um homem que em momento algum é identificado. O cara é incrível, só para começar. Tem sempre uma carta na manga e sabe surpreender a todos com sua genialidade e manipulação. E ele quem dá início ao projeto e busca as pessoas perfeitas para trabalhar com o gigante que, no decorrer dos acontecimentos, vamos entendendo um pouco mais sobre o mistério que nos é apresentado.

O gigante está dividido em várias partes. Para consegui-las, o nosso homem contrata Ryan e Kara. Mas, quem primeiro encontra o gigante é Rose, uma menininha que ganhou sua primeira bicicleta de presente de aniversário e, em seu primeiro passeio, caiu em cima de uma mão absurdamente grande. Muitos tentaram investigar o objeto, mas não descobrem muita coisa e resolvem arquivar o caso depois de criar uma teoria absurda. Muitos anos depois, Rose torna-se responsável pelo projeto e precisa estudar e montar o gigante cuja mão ela caiu há anos atrás. 

Para auxiliá-la, nosso mistery guy contrata dois pilotos militares. 

“- Você espera que eu veja alguma ironia nisso, mas não. É um grupo de operações especiais, eles só aceitam mulheres no papel de coadjuvantes.
Quem são eles?
- O Exército dos Estados Unidos não permite que mulheres participem de operações especiais.
E o que você acha disso?
- O que eu acho? Do fato de mulheres não poderem participar de operações especiais? Eu já sabia disso quando entrei para o Exército. Ainda assim, a carreira militar oferece muitos trabalhos gratificantes para mulheres. Quer saber se estou chateada por não poder mais pilotar? Pode ter certeza que sim. Parece que me cortaram as pernas.”

O trecho acima é a conversa com Kara Resnik, 3ª subtenente do exército e a piloto de resgate do projeto. É o tipo de mulher que já teve sua dose de sofrimento na vida. Não quer confiar em ninguém, não se aproxima realmente de ninguém. Mas a vemos mudar com o passar das coisas. Ainda mais com a convivência com as outras pessoas escaladas para a equipe. As reflexões que ela faz acerca do projeto são sempre muito pontuais e mostram alguma humanidade, apesar de seu dever a ser cumprido.




“Não sei se eu estava nervoso ou muito cansado, mas o fato é que acabei ficando bêbado. Muito. Uma cerveja, um uísque, dois. Duvido que fosse escocês. Eu estava na segunda rodada quando destravei a língua.”

Ryan é o “capitão américa” da história: o soldado bonitão e fortão, salvador da pátria. É copiloto de helicóptero e foi convocado para o projeto junto com Kara para resgatar as peças do gigante.

Sim, você leu certo. O gigante está dividido em peças e a mão foi só o começo. Elas estão espalhadas por todo o globo terrestre, o que é um problema enorme... como você carrega uma peça de muitos metros através de um país que não é o seu, sem levantar suspeitas do governo local? Pois é. Complicado. 

E, para descobrir como ele funciona e descobrir/traduzir a língua em que as placas (descobertas juntas com as mãos) estão, Vincent Coulture, um linguista canadense se junta a equipe. Completamente contrário ao jeito de Ryan, Vincent é sarcástico, de humor ácido e extremamente inteligente. Tem um sério problema com frustrações, mas acaba se dando bem com todos.

E, por fim, Temos Alyssa Papantoniou. Ela é a geneticista encarregada de descobrir as funções internas do nosso robô. É insegura, maluca por poder e com atitudes que podem ser consideradas... Não consigo encontrar a palavra certa. Erronêas? Inconstantes? Questionáveis? Mas ela tem uma teoria interessante, pelo menos. Você verá.

A equipe funciona muito bem, cada um com sua personalidade e, depois de meses (talvez anos) trabalhando juntos horas a fio, vínculos vão sendo formados – até mesmo com o mistery guy.

A trama é bem mais profunda do que eles imaginavam, e no final, o que era um gigante, se torna um big robô da altura de um prédio de 20 andares... Que provavelmente não pertence a este planeta.

Vamos de conflitos entre nações a teorias interplanetárias. Nos faz pensar muito na razão de estarmos aqui, nas teorias que conhecemos e que, inevitavelmente, eu acabei comparando com as histórias egípcias (gigantes... sabe.). E ver que a única coisa que pode nos destruir somos nós mesmos... De certo modo. É... aterrorizante. 

Um brinquedo desses nas mãos humanas... As capacidades que este robô tem ainda vão muito além de nossa compreensão... Mas isso não impede a equipe de tentar. Acompanhá-los nessa descoberta, sofrer e comemorar com eles... Foi incrível.

Livro muito bom, trama excelente, ótimos personagens, acontecimentos inesperados.

Perfeito!!!

Ansiosa pelo livro 2: Wakings Gods, com previsão de lançamento (lá fora) no dia 4 de abril de 2017.

Para conhecer mais sobre a série, entre no site oficial (em inglês). O site é lindo!




21.9.16

Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo



Título: Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo
Editora: Seguinte
Autor: Benjamin Alire Sáenz
Sinopse:  Dante sabe nadar. Ari não. Dante é articulado e confiante. Ari tem dificuldade com as palavras e duvida de si mesmo. Dante é apaixonado por poesia e arte. Ari se perde em pensamentos sobre seu irmão mais velho, que está na prisão. Um garoto como Dante, com um jeito tão único de ver o mundo, deveria ser a última pessoa capaz de romper as barreiras que Ari construiu em volta de si. Mas quando os dois se conhecem, logo surge uma forte ligação. Eles compartilham livros, pensamentos, sonhos, risadas - e começam a redefinir seus próprios mundos. Assim, descobrem que o amor e a amizade talvez sejam a chave para desvendar os segredos do Universo.


Opinião: Devo começar dizendo que foi um livro que lutei para ler devagar, para que não acabasse depressa.

Temos como principal, Aristóteles, ou Ari como gosta de ser chamado. Vemos o mundo do livro através de seus olhos e de seus sentimentos.

Sentimentos é uma palavra que descreve perfeitamente esse livro, é carregado de sentimentos e emoções.


Ari não sabe bem como se expressar ou como viver, relata a si mesmo como “nasci um pouco atrasado”, suas irmãs são mais velhas e já possuem suas próprias famílias e seu irmão mais velho, Bernardo, se encontra na cadeia e parece que nunca existiu. O personagem em questão está sempre questionando a si mesmo. Até que conhece Dante.

“Minha mãe e meu pai deram as mãos. Imaginei como era – como era segurar a mão de alguém. Aposto que as vezes é possível desvendar todos os mistérios do universo na mão de uma pessoa.” (Página 156)

Dante é o oposto de Ari, é filho único e ama os pais, é louco por eles. Ambos vivem uma amizade improvável, já que são tão diferentes. Costuma descrever Ari como uma cadeira de balanço vazia e solitária.

“Dante era engraçado, focado e impetuoso. Quer dizer, podia ser impetuoso. E não tinha nenhuma maldade. Eu não entendia como alguém podia viver em um mundo mau e não absorver um pouco de maldade. Como um cara era capaz de viver sem um pouco de maldade?” (Página 28)

Passaram todo um verão juntos, com diversos acontecimentos, até que Dante vai para outra cidade devido ao trabalho do pai, mas retornaria no outro verão.

Nesse tempo separados, Ari encontra amizade de duas outras meninas, mesmo que não admita e um amor que não dá certo. Além de trocar cartas com Dante.

Devo dizer que nessa parte, em determinada carta, Dante diz ter beijado uma menina. E isso me irritou um pouco, para alguém que gosta de formar casais entre pessoas do mesmo sexo, uma garota aparecer e atrapalhar é um grande incomodo. Mas então em outra carta Dante revela que prefere beijar rapazes, isso me sossegou (risos).



Depois de certo tempo, Dante retorna à El  Paso, onde Ari vive. E conhece um certo rapaz, onde acaba ficando com ele. Um episódio anterior com um beijo entre Dante e Ari, Ari afirma que isso não funciona para ele.

“Outro segredo do Universo: às vezes a dor era como uma tempestade que vinha do nada. A mais clara manhã de verão podia acabar em temporal. Podia acabar em raios e trovões.” (Página 287)

A narrativa é simples e sentimental, com um “Q” de quero mais. E demonstra a descoberta e aceitação de si mesmo dos dois garotos.

Mostra também diversos problemas da sociedade “LGBT”, aceitação da família e agressão a esse público.

Um livro recomendável para todas as idades, para que compreendam que o amor vem de diversas formas.



20.9.16

{Lançamento} Setembro - Suma de Letras



Lançamento arrasador da Suma de Letras este mês!!!



Camila Moreira




Lançamento: 25/08


Você se apaixonou por Dereck em O amor não tem leis. Chegou a hora de conhecer sua história.

Dereck chegou ao fundo do poço. Sem suportar a dor de perder um grande amor, ele se entrega ao sofrimento e mergulha no lado obscuro do rock; com sexo e drogas.
Com a carreira em risco, o astro volta ao Brasil um ano depois do casamento de Maria Clara e Alexandre Ferraz, em uma última tentativa de retomar o sucesso e superar o passado.
Ao chegar, Dereck reencontra a mulher que nunca esqueceu. A mulher que conheceu no momento mais difícil de sua vida e que conseguiu acalmar seu coração com um sorriso. 

“Reconheci em sua voz o mesmo sofrimento que o meu, mas também vi em seu olhar a vontade de seguir em frente.”




18.9.16

{Dica de Leitura+Sorteio} Uma chance para Recomeçar


Nossa Dica de leitura de hoje pe: Uma Chance para Recomeçar, de Diana Scarpine!
Em breve resenha aqui no blog!



Autora: Diana Scarpine
Editora: Pandorga Nacional
Número de páginas: 432
Ano: 2016
Sinopse: Carina é uma workaholic rica e bem-sucedida cuja vida se resume ao trabalho. Afogada em estresse, ela não se importa com a solidão que habita seu coração, pois o amor nunca foi uma de suas prioridades, até que algo inusitado acontece. Repentinamente, ela se vê privada do trabalho e, desesperadamente, desejando aplacar a solidão que a consome, principalmente quando conhece Aurélio, que a trata de uma forma diferente da qual ela está acostumada. Consumido pela tragédia que vitimou sua família e deixou-lhe sequelas físicas e emocionais, Aurélio não quer nada além de se afundar cada vez mais na dor e na culpa que sente. Suas certezas começam a ficar abaladas à medida que Carina se aproxima cada vez mais dele. Quantos obstáculos são necessários vencer para recomeçar? O amor é capaz de vencer as amarras do passado e o preconceito?



Sobre a Autora: Diana Scarpine é baiana da cidade de Jequié, possui graduação em Ciências Biológicas, mestrado na área de saúde e atualmente cursa doutorado, no qual tem se dedicado ao estudo da deficiência e da Tecnologia Assistiva. Apaixonada por literatura, escreve desde os treze anos de idade, transitando entre a prosa e a poesia. Além de “Uma Chance para Recomeçar”, é autora de “Entrelace: Caminhos que se Cruzam ao Acaso” (2012).



Nas redes

Fan Page de Uma Chance para Recomeçar e Entrelace no facebook: https://www.facebook.com/pages/dianascarpineromances
Perfil no skoob: http://www.skoob.com.br/usuario/572800-diana

E, se você quer já garantir a sua sorte, estamos fazendo uma parceria com a autora e diversos blogs! Leia abaixo com atenção todos as informações passadas pela autora:




Olá, querido(a) leitor(a)!

Você quer ganhar de presente o romance “Uma Chance para Recomeçar” (lançado na Bienal do Livro de São Paulo), um marcador do livro, e conhecer a linda história de amor de Carina e Aurélio? Então, esta é a sua chance; pois o blog Diana Scarpine Romances [http://dianascarpine.blogspot.com.br/] (juntamente com os blogs parceiros Acordei com Vontade de Ler [http://www.acordeicomvontadedeler.com/], Apaixonada por Romances [http://www.apaixonadaporromances.com.br/], As Meninas que Leem Livros [http://www.asmeninasqueleemlivros.com/], Fantastic Books [http://www.some-fantastic-books.com/], Fonte da Leitura [http://fonte-da-leitura.blogspot.com.br/] e Litherarium [https://litherarium.wordpress.com/]) presentará um leitor(a) com o romance “Uma Chance para Recomeçar” e um lindo marcador do livro. Confira as regras:

- Curtir a fan page do facebook de todos blogs participantes;
- Compartilhar a postagem da promoção no Facebook e marcar 2 amigos (as) para participar da promoção;
- Não há restrição de residência (os ganhadores poderão morar em qualquer país).
- Preencher o formulário do Rafflecopter abaixo com perfil e e-mail válidos para contato.

a Rafflecopter giveaway

INFORMAÇÕES ADICIONAIS:
— O concurso é recreativo e não está vinculado a marcas, compras e vendas de serviços.
— Resultado será divulgado nas redes sociais da autora Diana Scarpine e dos blogs participantes em 19/10/2016.
— Os ganhadores terão três dias para entrar em contato por e-mail com a autora Diana Scarpine, informando os dados para envio do livro e do marcador. Findo esse prazo, será feito novo sorteio.
— A  autora Diana Scarpine terá 30 (trinta) dias para envio do livros autografado, após o contato dos ganhadores.
— Não serão aceitos perfis fakes ou criados exclusivamente para promoções.
— As regras serão devidamente conferidas!
— As despesas de envio são por conta e responsabilidade da autora Diana Scarpine, que não se responsabilizará em caso de demora ou extravio dos correios.
— Regras sujeitas a alterações sem aviso prévio!

BOA SORTE!

<3 Diana Scarpine




{Lançamentos} Setembro - Editora Seguinte


Confira abaixo os lançamentos de Setembro da Editora Seguinte!
Eu já to de olho no Ninguém vira adulto de verdade! Adoro as tirinhas da Sarah Andersen, acompanho no Facebook sempre que posso!!!



Lobo por lobo #1
Ryan Graudin


Título Original: Wolf by wolf
Lançamento: 19/09


Era uma vez, em outra época, uma garota que vivia no reino da morte.

O Eixo ganhou a Segunda Guerra Mundial, e a Alemanha e o Japão estão no comando. Para comemorar a Grande Vitória, todo ano eles organizam o Tour do Eixo: uma corrida de motocicletas através das antigas Europa e Ásia. O vencedor, além de fama e dinheiro, ganha um encontro com o recluso Adolf Hitler durante o Baile da Vitória.
Yael é uma adolescente que fugiu de um campo de concentração, e os cinco lobos tatuados em seu braço são um lembrete das pessoas queridas que perdeu. Agora ela faz parte da resistência e tem uma missão: ganhar a corrida e matar Hitler. Mas será que Yael terá o sangue frio necessário para permanecer fiel à missão?





Sarah Andersen


Título Original: Adulthood is a myth
Lançamento: 19/09


Um livro para quem não está nem um pouco empolgado com os desafios da vida adulta.

As tirinhas certeiras de Sarah Andersen, que já contam com mais de 1 milhão de fãs no Facebook, registram lindos fins de semana passados de pernas pro ar na internet, a agonia de andar de mãos dadas com alguém de quem estamos a fim (e se os dedos ficarem suados?!), a longa espera diária para chegar em casa e vestir o pijama, e a eterna dúvida de quando, exatamente, a vida adulta começa. Em outras palavras, este livro é sobre as estranhezas e peculiaridades de ser um jovem adulto na vida moderna. A sinceridade com que Sarah Andersen lida com temas como autoestima, timidez, relacionamentos e a frequência com que lavamos o sutiã torna impossível não se identificar com esses quadrinhos hilários e carismáticos.




Reckless #3
Cornelia Funke

Título Original: Reckless: Das Goldene Garn

Lançamento: 13/09


Terceiro volume da série Reckless, da mesma autora da trilogia Mundo de Tinta.

Jacob Reckless continua viajando para o Mundo do Espelho através do portal que encontrou tempos atrás no escritório abandonado do pai. O garoto é reconhecido nesse lugar mágico graças à sua fama de melhor caçador de tesouros de todos os tempos, mas o preço por se envolver com os dois mundos pode ser alto demais… e está prestes a ser cobrado — inclusive de Will, seu irmão mais novo, e de Fux, a companheira transmorfa por quem Jacob nutre sentimentos que vão além da amizade. 
Quando Will atravessa o portal em busca de uma cura para a misteriosa doença que atingiu sua namorada, Jacob e Fux vão atrás dele até o leste do Mundo do Espelho, terra de baba yagas, exércitos de ursos e tsares. Enquanto isso, um ser que conhece nosso mundo tão bem quanto o do espelho os observa de longe, pronto para se vingar...