Menu

3.1.17

{Resenha} Apenas um Garoto




Autor: Bill Konigsberg
Editora: Arqueiro
Sinopse: Rafe saiu do armário aos 13 anos e nunca sofreu bullying. Mas está cansado de ser rotulado como o garoto gay, o porta-voz de uma causa.
Por isso ele decide entrar numa escola só para meninos em outro estado e manter sua orientação sexual em segredo: não com o objetivo de voltar para o armário e sim para nascer de novo, como uma folha em branco.
O plano funciona no início, e ele chega até a fazer parte do grupo dos atletas e do time de futebol. Mas as coisas se complicam quando ele percebe que está se apaixonando por um de seus novos amigos héteros.

“Tudo é mais fácil para os heterossexuais. [...] Não existe essa coisa de Hétero assumido”.

Confesso que fiquei confusa do começo do livro até a metade, mas então, pensando um pouquinho mais consegui entender e em parte concordo com as ações do personagem.

Rafe é um garoto cansado de rótulos. “Como assim rótulos?”. Bom, vamos parar e analisar nossa sociedade, há rótulos para religiões, sexualidade, cor, biótipos e outros mais. Quando vemos pessoas que achamos diferentes de nós em alguns aspectos, nossa tendência é rotular. Uma pessoa magra demais é “desnutrida, magrela, precisa de mais corpo”, com uma religião diferente “ah, não fale com eles, vão jogar sua religião em cima de você.”


No caso de “Apenas um Garoto”, temos a rotulagem de gays e LGBTQ+, por que olhar diferente e agir diferente com eles? Não seria necessário ver diferenças se, explicando com palavras fáceis, fossem considerados normais. Alguns em minha familia me olham diferente por não gostar do que consideram “normal”, o mesmo com as pessoas nas ruas quando passo de mãos dadas com quem namoro, além dos comentários.

A questão em si é: ninguém quer ser “tolerado”, muito menos “aceito”, seja qual for o rótulo colocado sobre as pessoas.

“ – Ah, uma palavra interessante. Tolerante. O que tolerante quer dizer?
- Significa que toleramos – Disse Steve, sem entonação – Aceitamos as pessoas.
- Na verdade tolerância e aceitação são duas coisas diferentes. Tolerar implica algo negativo a ser tolerado, não é? Mas aceitação, o que é? [...]
- Aceitação também tem algo negativo, não tem? – questionei por fim.
[...] – Bom, se você aceita alguma coisa, significa que ela não é como deveria ser, certo?  Você aceita alguém como é.
- Não- Retrucou alguém lá no fundo. – Você é aceito na faculdade. Isso não quer dizer que você não é como deveria ser. Ridículo.
- Não é ridículo – Disse Scarborough – Preste atenção. É uma acepção ligeiramente diferente da palavra. E, ainda sim, as faculdades aceitam alunos que, do  contrário, seriam rejeitados. Aceitação é uma afirmação de que você é bom o suficiente.”
Com esse diálogo podemos pensar em algo, nossa sociedade é tolerante, e quando não é, as pessoas estão por aí se matando.

Nessa história temos Rafe, que como mencionado quer escapar desse rótulo, quer ser apenas um garoto sem que todos olhem para ele como “o garoto gay”, quer ser tratado como um garoto comum independente de sua sexualidade. E então, muda de escola para começar uma nova vida, tentando seguir com o plano de “sem rótulo”, mas acaba percebendo que isso não tem que vir dele, e sim das pessoas que o cercam.

É um livro muito interessante, visto da perspectiva de Rafe, entendemos seus sentimentos e suas vontades, a escrita é equiparada com os acontecimentos, uma ótima história de temas atuais e para serem pensados.


“Éramos dançarinos, percussionistas, paradões e malabaristas, e não havia nada que alguém precisasse aceitar ou tolerar.” 

22 comentários:

  1. ótima resenha... vou comprar! Bjos!
    https://thaydreams.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. eu gostei bastante da proposta, acho-a relevante
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá
    Esse é um livro que eu sempre tive muita curiosidade em ler, e sem contar que a premissa chama muito a minha atenção e já li bons comentários a respeito. Claro que também adorei poder conferir suas impressões a respeito dele por aqui. Não tenho dúvidas de que deve ser uma história bem interessante mesmo!
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  4. Acho a capa deste livro bem simpática e quero conferir esse conteúdo. Adorei o quote que você compartilhou e quero conferir essa história e essa escrita agradável.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Acho que essa foi a resenha mais sincera que li desse livro. Essa coisa de rótulos e tentar "voltar pro armário" parece bem confusa, principalmente quando os livros do tema é exatamente o contrário. No entanto, a mensagem que o livro traz é bem reflexiva e devemos mesmo considerar isso. Adorei conferir suas considerações.

    Um abraço!
    Parágrafos & Travessões

    ResponderExcluir
  6. Olá,
    Proposta interessante a deste livro, afinal na nossa atual sociedade quem não rotula e não é rotulado ? Além de ser um universo que precisa cada vez mais de respeito, menos intolerância e isso só será possível quando as pessoas passarem a entender a necessidade do outro, enfim...
    O que me desanimou um pouco, foi apenas a questão do livro ter engrenado apenas do meio para frente, isso me deixa frustrada.
    Beijos
    www.estilo-gisele.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oi,

    Nunca tinha pensado nesses termos de ser aceito ou apenas tolerado. Um livro que com certeza vai me ajudar a refletir sobre o assunto.A capa é linda e sua resenha ficou ótima.

    Beijus
    jusemfrescura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Nunca tinha ouvido falar desse livro, nem do autor. Foi uma resenha muito legal. a capa chama atenção, mas as história não, livros com personagens com menos de 18 anos não me atrai.

    Abraços

    ResponderExcluir
  9. olá!
    A ideia da rotulação e de as pessoas agirem de uma forma tão doentia com quem é diferente foi o que me fez desejar ler esse livro, mas ele foi um banho de água fria. Acho que nós precisamos, de certa forma, de rótulos e quando não somos rotulados por nossa sexualidade, somos pelas escolhas que fazemos.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  10. Olá, tudo bom?
    Estou curtindo muito eles livros que questionam os tantos rótulos que a sociedade nos coloca, ainda que nesta obra se aborde apenas o de opção sexual. É muito importante desconstruir esse pensando através da literatura para que as pessoas vejam que somos muito mais que nossa opção sexual, cor, cabelo ou qualquer outro elemento. Fiquei super curiosa com a indicação, ainda que o início tenha te deixado um pouco confusa.


    Beijos!
    @PollyanaCampos
    Entre Livros e Personagens

    ResponderExcluir
  11. Olá, tudo bem?

    Já tinha visto esse livro, mas não sabia muito a respeito da obra. Fiquei bastante interessada no livro. Gosto desse tema, estou lendo no momento "Dois garotos se beijando" e está sendo uma ótima leitura. Já vou adicionar esse livro no Skoob e tentar ler em 2017.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Oi, eu acho a temática tratada no livro muito boa, mas acho que talvez o desenvolvimento não tenha sido tão bom assim. Quando você falou que ficou meio perdida até metade do livro só consegui pensar nisso e por isso acho que não é um livro que eu leria, mesmo que a ideia em si seja boa. Vou passar a dica, mas fica a dica para as pessoas refletirem! Afinal somos todos iguais independente do que gostamos ou fazemos...
    Um beijo
    www.brookebells.com

    ResponderExcluir
  13. Acho que viver sem rótulos é quase impossível. A tendência das pessoas é de rotularem tudo. Ainda não li este livro, mas o conheço e tenho intenção de ler.
    Bjs

    ResponderExcluir
  14. Eu entendi a intenção do personagem, realmente deve ser foda ser rotulado desse jeito, claro que suas ações machucaram outras pessoas, mas deu para entender. Foi uma leitura muito linda e fofa, gostei demais!
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  15. Olá, faz algum tempinho que quero ler este livro, saber como este garoto tenta fugir do que ele realmente é porque quer ser tratado como "normal". É algo que chama minha atenção, afinal temos muitos hoje que fazem isso. Obrigado por sua resenha.

    ResponderExcluir
  16. Tenho vontade de fazer a leitura desse livro por justamente sair dainha de raciocínio de muitos livros LGBT do momento, o fato de colocar o personagem sempre como o centro de maneira que eles acham "positiva" é o que me faz ter interesse pela obra. Ver ela se desenrolar por esse outro olhar.
    Bjim!
    Tammy

    ResponderExcluir
  17. Olá!
    Tenho muito interesse em fazer essa leitura. Infelizmente, nossa sociedade é baseada em rótulos e alguém sempre vai pegar uma característica marcante e tornar isso contra a você. Fiquei bem interessada em como o autor aborda isso e a sua resenha ficou super legal.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  18. Olá,
    Confesso que faz um bom tempo que quero ler essa obra pelo fato de ver vários elogios nas resenhas que acompanhei.
    Achei interessante o fato de o personagem Rafe estar cansado de ser rotulado como o garoto gay e que quer ser apenas mais um garoto normal, sem esse rótulo e para isso corre atrás e muda de escola para começar do zero. Gostei de saber suas impressões e os quotes selecionados me deixaram mais curiosa.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Olá, tudo bem?
    Já tinha visto esse livro antes e o achei bastante interessante. O tema lgbt vem aparecendo cada vez mais, mas nunca foi abordado dessa forma. Tinha visto algumas críticas negativas e até desanimado um pouco, mas agora vejo que talvez a pessoa não tenha pensado com a profundidade que o livro precisa. Vou tentar adquirir o mais rápido possível e tirar eu mesma as minhas conclusões.
    Gostei bastante da resenha.
    Bjs, Mila

    http://a-viagem-literaria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  20. O mais legal é que premissas assim vem se inovando. Quando li Will & will não senti tanta pressão, mas não gostei muito. Rafe me parece ser um garoto que apesar das dificuldades, tenta ultrapassar os Tabus. E, hoje é impossivel viver sem rótulos. Já que nossa sociedade o tempo inteiro monopoliza isso.
    Beijos

    ResponderExcluir

  21. Oi, tudo bem?
    Eu morro de vontade de ler esse livro, fico feliz em ver que você gostou da obra e recomenda, ainda mais que se trata de uma história sensível e gostosa de ler. Muito bom também que ele traz mensagens reflexivas no final. Ótima resenha!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  22. Olá!
    Adorei sua resenha! Este livro me pareceu bem interessante e o tema me chamou bastante a atenção. Não conheço muitos livros que discutem sobre rótulos e a orientação sexual das pessoas. O caso do Rafe deve ser ainda mais complicado, pois é um adolescente que está começando a formar sua mente e passar por tudo isso não deve ser fácil.
    Muito obrigada pela dica. Está anotada aqui.
    Bjs

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.