Menu

11.2.17

{O menino que vê filmes} Estrelas além do tempo




Direção: Theodore Melfi
Elenco: Taraji P. Henson, Octavia Spencer, Janelle Monáe, Kevin Costner, Jim Parsons, Kirsten Dunst, Glen Powell, Mahershala Ali, Aldis Hodge
Sinopse: Quando os cientistas da NASA implantaram um programa de inserção para jovens negras em seu programa espacial não imaginavam se depararem com Katherine, Dorothy e Mary, três jovens que buscavam mais do que um simples cargo como computadoras e, apesar de seus esforços e colaborações durante a corrida espacial, viriam a ter seus feitos reconhecidos somente muito mais tarde.

ATENÇÃO: Alerta de Spoilers! Se você ainda não assistiu ao filme, prossiga por sua conta e risco!

Resenha

Oi, gente! Já assistiram ESTRELAS ALÉM DO TEMPO (Hidden Figures, 2017)? Aquém de todas as minhas expectativas, esse maravilhoso longa baseado em fatos reais optou não por focar naquela história já batida (cinematograficamente falando, gente) sobre o sofrimento dos negros nos EUA, mas por contar uma história de superação e triunfo contra todas as possibilidades.


Apesar do tema sério, o diretor conseguiu transportar para a telona, de uma maneira muito leve, o sofrimento e a luta das mulheres negras norte-americanas no final dos anos 50, e que de certa forma perdura até os dias de hoje.

Ambientação

O longa se passa nos EUA, no período que compreende a chamada corrida espacial, quando os governos americano e soviético disputavam palmo a palmo os avanços na área da exploração espacial. Afinal de contas, naquela época, quem controlasse o espaço controlaria, em certa medida, o mundo.

O cosmonauta russo, Yuri Gagarin 
Nesse período, a população norte-americana vivia em constante tensão, principalmente porque os russos saíram na frente quando lançaram ao espaço o primeiro ser vivo, que não foi um ser humano, mas sim uma cadela chamada Laika, que acabou morrendo poucas horas após o início do experimento. O próximo a ser enviado às fronteiras do planeta Terra seria o russo Iuri Gagarin, que disse a famosa frase “A Terra é azul.”

Diante dos avanços da União Soviética, fez-se urgente para os americanos ultrapassar os russos na corrida espacial. Nesse período, a NASA mantinha em seus quadros uma equipe de “computadoras”, que cuidavam do grosso dos cálculos antes que os mesmos fossem enviados aos cientistas. Esse programa abrangia, quase que em sua totalidade, mulheres negras, que faziam, resumidamente falando, o trabalho que um notebook faz nos dias de hoje. Ocorre que, na época, a IBM estava desenvolvendo o que viria a ser um dos primeiros computadores da história exclusivamente para a NASA, o que custaria aos cofres públicos alguns milhões de dólares.


Ressalte-se que, na época em que se passa o longa, ainda havia segregação racial institucionalizada em alguns estados, o que dificultava o progresso de qualquer jovem negra, sobretudo num ambiente dominado por homens brancos.
Porém, dizem que é na adversidade que desabrocham as mais belas flores...

As adoráveis protagonistas


Nossa história se desenrola basicamente ao redor de três jovens mulheres: Katherine Johnson, Dorothy Vaughn e Mary Jackson.

Taraji P. Henson (à direita) como Katherine Johnson
Katherine é uma jovem viúva, mãe de três filhas, que aos 6 anos de idade já apresentava inteligência muito acima da média, motivo pelo qual foi escolhida dentre suas colegas computadoras para compor a equipe de cálculos chefiada por Al Harrison (Kevin Costner), um rígido físico, bem como Paul Stafford (Jim Parsons), que tratava Katherine com desdém. O fato de Katherine ser mulher a atrapalhava, pois tratava-se de um ambiente quase exclusivamente masculino. Por ser negra, Katherine tinha que deslocar-se por quase um quilômetro apenas para usar o banheiro, já que o prédio onde trabalhava não tinha banheiros para negros. Apesar de tudo, Katherine acabaria sendo a grande responsável por levar ao espaço e trazer de volta em segurança o astronauta John Glenn (Glen Powel) e, posteriormente, trabalhando no projeto Apollo, que levaria o primeiro homem à Lua.

Octavia Spencer (à esquerda), como Dorothy Vaughn 
Dorothy Vaughn era uma computadora que acumulava as funções de supervisão e coordenação, embora não fosse reconhecida como tal, nem recompensada por isso. Quando o primeiro computador IBM cruzou as portas da NASA ameaçando seu emprego e o de suas colaboradoras, Dorothy, que detinha conhecimentos de mecânica ensinados por seu pai, adiantou-se em aprender linguagem de programação e dominar a máquina quando nenhum dos engenheiros mecânicos da agência conseguiu. Levou consigo sua equipe de computadoras para auxiliar na operação da IBM, tornando-se, enfim, a primeira mulher negra a assumir um cargo de supervisão dentro da NASA.

Janelle Monáe (à esquerda), como Mary Jackson 
Por fim, mas não menos importante, temos a atrevida Mary Jackson. Mary era a mais jovem e impetuosa das três amigas e nutria o sonho de tornar-se uma engenheira. Incentivada por outros cientistas, Mary estava determinada a estudar engenharia, mas havia um obstáculo a princípio intransponível: Não havia universidades para negros no estado do Texas. Tal fato levou Mary a apelar para a suprema corte americana, onde conquistou o direito de frequentar o curso de engenharia no período noturno. Mary viria a tornar-se a primeira engenheira da NASA.

Título Original

Há anos que eu me faço a mesma pergunta que todo cinéfilo: Por que diabos mudam os títulos dos filmes de forma tão escabrosa no Brasil?

O filme de hoje, por exemplo. O título original (Hidden Figures, ou Personagens Ocultas traduzindo-se para o português) centraliza toda a ideia do enredo, ou seja, contar a história daquelas personagens de quem ninguém nunca tinha ouvido falar, mas que foram essenciais para a chegada do homem ao espaço.


Daí, quando o filme vem para o Brasil, dão-lhe um nome “sessão da tarde” tipo Estrelas Além do Tempo... pra quê? Já desisti de tentar entender...

Conclusão

Preconceito e segregação racial não são temas novos no cinema. Há uma centena de filmes que abordam o tema. Mas nenhum o fez como Estrelas Além do Tempo, que preferiu focar na perseverança ao invés do sofrimento.

De fato, vivemos tempos de crescente intolerância que parte de todos os lados, a mesma intolerância que assolou nações somente há algumas décadas atrás. As pessoas estão encarando o retrocesso cultural como aceitável, a despeito de progressos culturais, sociais e espirituais conquistados a custa de muito sangue e muito diálogo.

Resta-nos fazer frente à essa onda de intolerância, para que não voltemos a cometer os mesmos erros do passado. É no que eu acredito.

Até a próxima, gente!

18 comentários:

  1. ainda não assisti ao filme, mas já vi o trailer e dá pra sentir a força das personagens que não se deixaram abater e foram em busca dos seus sonhos, sem medo, sem parar
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá!! :)

    Eu já conhecia este filme, quer dizer, ja li algumas resenhas, quem sabe se verei? Mesmo não fazendo muito o meu tipo de filme! :)

    Que bom que gostaste, realmente o tema não e novidade, que bom que mesmo assim tem titulo original e boas personagens!! :)

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  3. Oi, Lucas!
    Esse é um filme que estou com muita vontade de assistir!
    Fico ainda mais com vontade por o filme não trazer só emoção e luta, mas também muita dedicação das três por aquilo que acreditavam.
    Espeor gostar desse filme. ^^
    Beijão!
    http://www.lagarota.com.br/
    http://www.asmeninasqueleemlivros.com/

    ResponderExcluir
  4. Oi!

    To bem doida para ir ao cinema assistir esse filme, justamente por ele abordar o preconceito e a segregação racial de uma forma diferente, com mais esperança e perseverança. Não é atoa que o filme tá sendo super bem elogiado. Adorei sua crítica, super completa e me deixou com aquele gosto de preciso ver logo. Hahahaha.

    beijos =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Anelise! Vai sim! Não vai se arrepender! Bjos!

      Excluir
  5. Oie! Tudo bem?

    Obrigada pelo alerta de Spoiler, assim li bem por cima a sua critica pois quero assistir ao filme, já li uma outra resenha sem spoiler que me apresentou um pouco do filme e curti bastante a proposta, irei esperar sair do cinema para assistir e tirar minhas próprias conclusões!

    Bjss

    ResponderExcluir
  6. Olá,

    Não assisti o filme, mas tenho uma grande vontade de assistir. Acho os atores bem escolhidos e com muita capacidade para atuar. Assim que eu animar a me desapegar das séries, irei assistir o filme. Obrigado pela recomendação!

    http://desencaixados.com

    ResponderExcluir
  7. Olá
    parece ser um livro extremamente bom, eu adoro as atrizes e o enredo está muito diferente e curioso, adorei poder ver alguma resenha sobre pois fiquei na curiosidade e tentarei ver em breve, bela dica

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Este filme é ótimo mesmo e ver a superação das pessoas me emocionou . Concordo contigo que o título original identificava melhor o conteúd filme.
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Olá Lucas,
    Confesso que não li sua opinião, pois quero muito ver o filme, então, fiquei com medo de pegar spoilers. Achei legal, entretanto, sua conclusão. São vários filmes, mesmo, que abordam esse tema e gostei de saber que essa obra preservou a perseverança ao invés da destruição.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Um assunto que me interessa demais é a segregação racial, então eu sou viciada em livros/filmes como histórias cruzadas e esse agora também irá tocar no assunto então estou ansiosa para conferir, e o elenco além de tudo está divino

    ResponderExcluir
  11. Ainda não vi o filme, mas quero muito assistir. Já vi alguns comentários muito positivos e achei maldade a crítica estar com spoilers...
    Como não sabia onde eles estavam já que o aviso está logo no começo da postagem, acabei não lendo o que você achou... Volto aqui depois de assistir ao filme...
    Beijinhos,
    Lica

    ResponderExcluir
  12. Oi!!
    Ainda não tive a oportunidade de assistir esse filme, mas ele está sendo muito bem recomendado e comentado por ai. Infelizmente ele não é muito o meu estilo de filme preferido, por isso estou protelando bem para assistir. Acredito que quando ele sair das telonas, será a minha vez de fato! haha

    Posso te falar uma coisa? Acho as suas críticas cinematográficas, realmente muito bem escritas, parabéns!

    beijos
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  13. Ainda não assisti o filme, mas já vi o trailer e me despertou o interesse. Não sabia sobre a existência dessas mulheres, e acho ótimo conhecer uma parte de sua história através da telona. Gostei também do fato de mostrar a força, luta e superação dessas mulheres, e não somente o sofrimento que temos consciência que existiu na época.
    Bjim!
    Tammy

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.