Menu

12.3.17

{Resenha} Queer

Autor: William S. Burroughs
Editora: Companhia das Letras
Sinopse: Embora tenha sido escrito em 1952, Queer só veio a público mais de três décadas depois por conta de sua explícita temática homossexual. Ambientado na Cidade do México do início dos anos 1950, o romance acompanha William Lee — alter ego de William Burroughs e protagonista dos livros Junky e Almoço nu — durante uma crise de abstinência de drogas, que ele tenta superar com álcool e com uma paixão obsessiva pelo ambíguo e indiferente Eugene Allerton. Juntos, os dois partem para a América Latina em busca da ayahuasca, a nova droga do momento. A atmosfera frenética e o ritmo alucinado marcam a narrativa e os monólogos do protagonista, antecipando o estilo visceral que estaria presente em toda a produção literária de Burroughs. Este volume ainda conta com a introdução do autor à primeira edição do livro, de 1985.

Em Queer, como a sinopse nos diz, encontramos um amor não correspondido entre Lee e Allerton. Um romance gay em 1950, ambientado primeiramente na Cidade do México.

Lee, um americano que passa tempo no México, alcóolatra e viciado, nos apresenta diversos outros personagens, amigos ou antigos parceiros de uma noite, sempre se encontrando com eles em bares voltamos ao público gay.
“Bobo, como a gente a chamava – quem me ensinou que eu tinha a obrigação de seguir em frente e carregar meu fardo com orgulho, para todo mundo ver, superar o preconceito, a ignorância e o ódio com conhecimento, sinceridade e amor. Sempre que sentisse a ameaça de uma presença hostil, liberar uma nuvem espessa de amor, como a de um polvo que libera sua tinta para se defender.”
Em especial, Lee persegue um determinado rapaz, Allerton. O rapaz não sabe bem o que quer, dorme com Lee mas se interessa por uma mulher, no entanto, mesmo não sabendo realmente o que deseja, com certeza Lee não é quem ele quer.

Lee é um personagem persistente, faz de tudo para agradar o rapaz que roubou seu coração, e em todas as vezes que tenta algo, o rapaz o afasta de maneiras cruéis, sempre machucando nosso personagem principal. Sempre sentado em algum bar lendo notícias de um jornal para o rapaz que ama, tentando fazê-lo ficar mais tempo em sua companhia. Quando as notícias acabam, conta histórias de seu passado, compra e venda de escravos em viagens, juntamente com demais relatos que parecem impossíveis.
“Obrigou-se a examinar os fatos. Allerton não era suficientemente bicha para tornar possível uma relação reciproca. A afetividade de Lee o irritara. Como acontece com muitas pessoas que não tem nada para fazer na vida. Allerton se ressentia quando solicitavam seu tempo. Não tinha amigos próximos, ficava contrariado com compromissos fixos. Não gostava de sentir que esperavam o que quer que fosse dele. Queria o quanto possível viver sem pressões.”
Independente do que Allerton seja, Lee não desiste. Sugerindo viagens com o rapaz por diversos países da América do Sul, desde que o rapaz se deite com ele pelo menos duas vezes na semana. Após dias de espera, Lee recebe uma resposta positiva. E então o livro se foca na viagem desses dois personagens e seu amor não correspondido, os dois buscando uma determinada droga que tomou o interesse de Lee, ainda mais por a demora para encontrar a droga, yage, dá mais tempo com seu companheiro.

É um livro com um público especifico que goste de amores correspondidos diferentes, e não se importe com um pouco de humor negro e escrita incômoda. A história é interessante e prende, desde que saiba apreciar o que te é mostrado para leitura.

~Livro cedido em parceria com a Companhia das Letras!~

17 comentários:

  1. a trama é diferente, fora do esperado e isso me atraiu, gostaria de conferir mais a fundo a trama
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A trama é mesmo diferente, se se interessou, leia o livro e me diga o que achou!

      Excluir
  2. Olá,

    Achei o enredo do livro incrível, os temas abordados são temas que tenho muita curiosidade e tem procuro estudar mais sobre eles. Adicionei o livro na minha lista de desejados, fiquei bem encantado por tudo que foi dito na resenha, é bem nítido notarmos a sinceridade nas palavras, parabéns pela resenha! ♥

    → desencaixados.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada!

      Acredito que se é um tema curioso para você, você gostará de lê-lo. <3

      Excluir
  3. Oi, Nicole!
    A história é bem diferente, mas infelizmente não me interessou. Não curto de livros que falam sobre drogas como algo positivo ou que não tratem o assunto como algo ruim.
    Ainda assim, obrigada pela dica! ^^
    Beijão!
    http://www.lagarota.com.br/
    http://www.asmeninasqueleemlivros.com/

    ResponderExcluir
  4. Oiee...
    Uma história bem diferente, né? De fato me surpreendeu. Não sei se realizarei a leitura, pq o ano mal começou e minha lista já está sem fim. kk... Mas, quem sabe, né?
    Dica anotada!!!
    Cantinho da Bruna

    ResponderExcluir
  5. Olá, que tenso isso de o personagem ficar insistindo em um amor não correspondido. Gostei da sua resenha, é um livro que se passa numa época interessante e que, pelas suas palavras, pode ser uma leitura bacana dependendo do que levarmos em conta.

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem?
    Só conheci esse livro recentemente e fiquei muito interessada.
    É um livro totalmente fora da minha zona de conforto, mas achei a premissa bem diferente e interessante.
    Sua resenha me deixou ainda mais curiosa, principalmente ao falar do humor negro e da escrita incômoda presentes no livro. Acho que isso deve deixar a leitura ainda melhor haha.
    Gostei da sua resenha e espero ler o livro em breve.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Achei a trama algo bem inusitado,mas gostei do fato de ser ambientado nos anos 50,se eu tiver a chance de ler com certeza irei aproveitar!

    ResponderExcluir
  8. Oie! Tudo bem?

    Não é o tipo de livro que me chama a atenção, mas gostei da proposta dele principalmente por se passar em 1950, com certeza irei deixar a dica anotada para quem sabe futuramente ler, e vou indicar para um amigo que acredito que irá gostar da história! ótima dica!
    Bjss

    ResponderExcluir
  9. Oiii
    Não senti interesse pelo livro. Achei uma história meio vazia, sei lá.
    Não me convenceu. =)

    Vícios e Literatura

    ResponderExcluir
  10. Mesmo tendo gostado da sua resenha não me senti envolvida pela história. Não tem os aspectos que procuro em uma resenha e o conteúdo não me agradou. Vou deixar a dica passar dessa vez.

    beijinhos!

    ResponderExcluir
  11. Amores são sempre amores e essa relação parece ter um lado dramático pelo que senti, afinal lutar por alguém que não corresponde o mesmo sentimento e batalhar pelo dia a dia a seu lado, como aceitasse migalhas desse relacionamento parece ser bastante pesado. O fato de se passar em 1950 também é interessante. Eu ainda não conhecia o livro, mas leria com certeza.

    *☆* Atraentemente *☆*

    ResponderExcluir
  12. Oi, tudo bem?
    Eu confesso que não conhecia esse livro ainda e que ele não é do tipo que eu gosto ler. No entanto, achei a temática muito interessante e por isso fiquei bem curiosa. Enfim, espero um dia ter oportunidade de ler e espero gostar

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  13. Oi Nicoli, como está?
    Uma resenha de "Queer" em um blog literário brasileiro?! Cara, esse livro é raridade no nível platina dupla! Da última vez que lembro de ter ouvido desse livro foi há uns 16 anos pelo menos. Ou até mais.
    Maravilhoso saber que a Companhia das Letras trouxe ele de novo ao Brasil. Dificilmente a editora traz livro ruim.
    Abraços e beijos da Lady Trotsky...
    http://rillismo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Olá! Eu não conhecia esse título, adorei a capa, porém devo confessar que o conteúdo do livro não me atraiu muito. No momento deixarei a dica passar, mas quem sabe futuramente?! De qualquer forma, foi bom conferir suas impressões a respeito dessa leitura.

    ResponderExcluir
  15. Olá!
    Gosto bastante de livros assim, com um pouco de realidade e com uma trama diferente.
    O que não curti muito foi a insistência de Lee em querer ficar com o personagem que não o queria.
    Mas fiquei curiosa em ler um pouco desse humor negro, e saber o desfecho que leva essa viagem.

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.