Menu

24.3.17

{Resenha} Teoria da Felicidade

Título Original: Hidamari ga Kikoeru
História e Arte: Yuki Fumino
Editora: Canna Comics
Gênero: Vida Escolar, Drama
Status: em andamento
Sinopse: Esse mangá é um Shounen Ai, também conhecido como BL (Boys Love), onde é retratado romance entre personagens de mesmo sexo, ou ao menos um indício de romance; um “clima” de romance; romance não explícito. Sei que não é todo mundo que se interessa ou se sente confortável com o tema, então farei sempre uma nota, avisando, se for o caso. Essa história, porém não possui (pelo menos, não até o momento) nenhuma cena explícita de sexo ou algo que indique o mesmo.


Hidamari Ga Kikoeru começa contando a história de um estudante da faculdade chamado Taichi, que está à procura de um emprego, mas não acaba encontrando muita coisa por conta do temperamento meio “esquentado” que ele tem. No caminho ele acaba conhecendo inusitadamente (o que é algo que se deve esperar sobre mangás, sempre haverá cenas inusitadas, às vezes até absurdas) Kouhei, um rapaz que freqüenta a mesma Universidade que ele. Parecendo faminto ao ver seu almoço, Kouhei o entrega seu “bento” (uma marmita, no português) sem dizer uma palavra.

É assim que acontece o primeiro encontro dos dois, ainda meio intrigado pelo rapaz que saiu sem dizer nada (e precisando devolver a vasilha do outro dia), decide perguntar aos amigos se o conhecem. E para surpresa dele descobre que Kouhei tem problemas auditivos. Taichi, então decide se voluntariar para tomar notas para ele (uma espécie de programa que a Universidade possui para ajudar os alunos com problemas auditivos. Voluntários do campus tomam notas de aulas específicas, para poder ajudar aqueles que não podem ouvir com precisão as explicações) como um agradecimento pelo almoço. Mas acabam fazendo um acordo: em troca das anotações, Kouhei o trará almoço todos os dias. 

Bom, a história se desenrola ao passo que os dois se tornam mais próximos e outros sentimentos acabam nascendo.

A história em si já me atrai bastante, sempre me interesso por mangás que abordam assuntos sérios de uma forma “séria”, ainda mais quando se tratam de BLs ou gêneros parecidos. Muitas vezes simplesmente romantizam o problema todo ou o colocam em segundo plano para fazer o romance ser o foco.

Uma coisa que eu gosto bastante nos mangás é que essas séries longas (semanais, mensais, trimestrais, etc) têm espaço maior para uma exploração mais profunda do personagem. Quando se acompanha uma série por muito tempo, é possível ver o crescimento dos personagens, o desenvolvimento dele e o desenvolvimento do relacionamento dele com outros personagens. E é algo satisfatório, eu diria, algo prazeroso de se ver.

No caso da Teoria da Felicidade, o que me atraiu primeiramente foram os traços. Ele possui um traço meio delicado, mas ainda assim muito bem feito. Os efeitos também são lindos e transmitem bem a história. E o que me fez me apaixonar foram os personagens.

Taichi tem jeito de “personagem clássico de mangá”, um rapaz que adora falar alto, ele come demais e se irrita facilmente. Mas não é apenas isso, ele costuma se irritar por boas causas. Sempre é o primeiro a se levantar em nome de um amigo, luta pelo que acredita e sempre tenta ajudar, se estiver ao seu alcance. E é exatamente esse ponto que o leva ao seu crescimento ao longo da história (ou ao menos o seu caminho até esse amadurecimento). É do tipo direto, energético, às vezes até cansativo. Mas é o que atrai nele, essa bondade sem pedir nada em troca.

Kouhei é um rapaz gentil por natureza e justamente por conta de sua gentileza ele acaba se afastando das pessoas quando perde sua audição, não confiando nelas, ele cria um muro entre eles. 
“Do outro lado da cortina, não há lugar ao qual eu pertença...”
Ele diz que não pensa em si mesmo como alguém que deveriam sentir pena, por isso não gosta dos olhares das pessoas sobre si e por ser difícil “acompanhar” conversas e se manter a par de tudo ao seu redor, ele passa a andar só. 

Por possuir muitas inseguranças em relação às pessoas em geral, ele vê Taichi como uma pessoa com quem está fazendo “negócios”. 
“Ele está apenas andando comigo por causa dos benefícios. Se não fosse por isso, não haveria razão para ele estar comigo.”
Embora no fundo ele provavelmente saiba que Taichi não seja assim, ele ainda sente medo, pois já sofreu com experiências do passado.

O desenvolvimento deles e do enredo em si ocorre quando ambos passam a se ver de forma diferente e aprender com a própria relação. Mas claro que nada é um mar de flores, há intrigas, ciúmes e desentendimentos entre os dois também.

Quando Kouhei percebe que seus sentimentos por Taichi são mais do que deveriam ser, ele passa a enfrentar outras inseguranças e medos. Enquanto que Taichi, apesar de parecer um personagem “centrado” e “resolvido” em maior parte, no início da história, começa a pensar seriamente e de forma verdadeira sobre o que fará na vida, visando Kouhei em primeiro lugar. Sendo algo inconsciente ou não, a vida dos dois mudou por conta da presença do outro. É assim que eles começam a crescer como pessoas.

A história é autêntica ao retratar os personagens como pessoas reais, com personalidades, contradições, sentimentos, inseguranças e desejos reais. É uma leitura de fácil interpretação e que flui, pois você lê de forma direta seus pensamentos e como se sentem.

24 comentários:

  1. oi Bianca a proposta é bem intrigante e confesso que mesmo não lendo mangás me encantei por esse e fiquei curiosa
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá! Não costumo ler mangás, Mas confesso que a trama e o traço me chamaram muito a atenção. Também gosto quando eles tratam certos problemas, principalmente os sociais na literatura.. ... conheço pessoas surdas e sei como são estimagtizadas..... um beijo!

    ResponderExcluir
  3. Oi, Bianca!
    Essa história parece linda!!! Espero que dois possam ficar juntos apesar das inseguranças.
    Adoro quadrinhos e os japoneses também me atraem. <3
    Mas gosto mais de histórias únicas. Não aguento acompanhar uma série longa. rsrs...
    A única que acompanhei assim foi "Fushigi Yûgi". Já leu? É ótima!!!
    Beijão!
    http://www.lagarota.com.br/
    http://www.asmeninasqueleemlivros.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca cheguei a ler esse, mas me parece familiar, devo ter visto em algum lugar alguma vez haha!
      Eu também não sou muito boa acompanhando histórias, na verdade fico muito ansiosa pra saber o que vem depois, mas aí acabo encontrando histórias super boas como essa e não aguento parar! XD

      Excluir
  4. Sou uma perfeita ignorante em mangás e coisas parecidas, então, quando você falou que o personagem é um clássico personagem de mangá, já imaginaria outra coisa e ainda bem que você descreveu. Fiquei interessada e a história parece ser linda.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olha, nunca li nenhum Mangá mesmo por que não faz meu gênero, mas esse em particular me chamou a atenção por deixar bem claro a relação de amizade que se desenvolve entre eles. Achei bem interessante.

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Não me recordo de ter algum mangá Shounen Ai aqui em casa, são tantos que possuo desde 20001 que faço coleções. Mas, assisti um anime com o tema, Nabari no ou, que gostei muito. A proposta do mangá aqui resenhado é muito boa, fiquei curiosa. Deixarei anotado pra mais tarde me aventurar nesta leitura, apesar de estar correndo de séries.
    Abs
    Ni
    Cia do leitor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nabari no Ou é muito legal! Me lembro que comecei a ler o mangá dele também, mas acho que nunca acabei XD
      Quando ler, gostaria de saber o que achou! :)
      Obrigada pela visita~

      Excluir
  7. Oii
    Eu não posso me dizer super fã de mangá, mas as vezes eu leio alguns que me interessam. Este eu achei bem fofinho, com uma história mais profunda e um tema que ainda é muito tabu no Brasil (mesmo que já apareça em animes e mangá desde que eu me lembro). Anotada a dica!

    Vícios e Literatura

    ResponderExcluir
  8. Oi Bianca,
    Já li alguns Mangás ao longo da minha vida, mas não gostei e, portanto, não animo de ler mais. Gostei, entretanto, da ideia desse livro, pois ele tem um tema bem original e os personagens parecem ser extremamente marcantes e envolventes.
    Fiquei curiosa para saber o que vai acontecer.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  9. Oie!
    Nossa, faz tempo que eu não leio mangas. mas aceito todas as indicações, pois eu gostava bastante de ler. Só parei porque comecei a ler outros livros e revistas. Mas gostei da sua indicação, muito interessante.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  10. Oi, tudo bem? Acredita que nunca li nenhum mangá? Eu sou super curiosa em relação a esse tipo de obra e espero que em breve tenha oportunidade de ler algo assim. Apesar da premissa ser bacana e abordar um tema séria e de uma forma séria (o que me atrai) não me senti tão tentada a ler, mas obrigada pela dica messo assim. Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Eu não leio mangás, mas achei bem interessante o enredo deste. Eu nunca li nenhuma história com temática LGBT, é algo que eu tenho que riscar da minha lista.
    Gostei de conhecer este mangá, pois acho que o primeiro que vejo que aborda uma deficiência, nesse caso a auditiva, mas não leria somente por não curtir o gênero mesmo.

    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Oi, tudo bem?
    Não leio mangás, então, não conhecia esse ainda. Achei a temática interessante e parece ser uma história muito tocante. Os personagens parecem ser realmente bem construídos, com sentimentos e personalidades muito reais, algo que considero muito importante em uma história.
    Então, mesmo eu não gostando de mangás, sua resenha me deixou com vontade de ler esse. Vou anotar a dica.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Oie! Tudo bem?

    Não conhecia esse mangá, para falar a verdade conheço quase nada em relação a esse mundo, mas acho bem interessante, não sei se leria essa história, até porque fujo de coisas grandes e esse parece que será uma história bem comprida, mas irei com certeza esperar pelas suas resenhas dos próximos volumes!

    BJss

    ResponderExcluir
  14. Ooi!
    Não gosto de mangás, por isso, mesmo com sua ótima resenha e elogios, mesmo gostando de livros que abordem esses temas, a obra não despertou meu interesse. Já para os amantes de mangá essa parece ser uma boa dica!
    Dessa vez passo!
    Beijoos!

    ResponderExcluir
  15. Olá!
    Não tenho costume de ler mangás, até porque nunca achei um mesmo que me chamasse tanto a atenção, mas concordo com você que nessas histórias o desenvolvimento das personagens realmente é muito mais profundo. Parabéns pela resenha!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  16. Oie...
    Confesso que sou completamente leiga quando o assunto é mangás, mas, adorei a sua resenha e curiosamente até fiquei com vontade de ler ;)
    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Olá Bianca,

    Eu não conheço muito sobre mangás, mas há um tempo atrás eu li Orange e fiquei loucamente apaixonada, e sempre fico atenta a dicas para escolher a minha próxima incursão nesse mundo. Fiquei muito interessada com sua resenha, só fico com medo de não conseguir acompanhar esse lançamentos constantes e acabar me perdendo, mas vou considerar sua dica.

    Beijos e obrigada pela resenha
    http://floraliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Olá Bianca, tudo bem?

    Eu nunca li um mangá na vida (shame for me!),mas você me fez enxergar-los de outra maneira agora e estou me perguntando " porque não dá uma oportunidade a esse gênero também?", pois bem, um dos livros que mais me cativaram na vida conta a história de um amor entre dois rapazes, e com certeza fiquei interessada em ler esse também! Obrigada por compartilhar suas impressões desse livro, adorei!

    Beijos ❤
    Priscilla Monteiro,
    www.facesemlivros.com

    ResponderExcluir
  19. Olá!
    Eu nunca li um mangá (por falta de oportunidade) e achei muito interessante a premissa desse. O envolvimento dos dois. Achei a atitude do Kouhei muito legal e como boa shippadora que sou, já imaginei um futuro entre ele e o Taichi haha
    É uma boa história para começar minha aventura no mundo dos mangás.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  20. Oiii!!
    Nunca li mangás. Tenho bastante vontade de conhecer e fazer a leitura de um. Esse por exemplo, chamou bastante a minha atenção. Achei a troca entre Kouchei e Taichi justa, mas fico pensando em como deve ser dificil para o Taichi ter o problema na audição. A pior coisa é ser passado para trás, e no caso dele, só vai ficar sabendo depois que tudo acontecer. Ele ser desconfiado, é o mínimo que da para se esperar. Estou torcendo pelos dois rs. Já vou incluir na minha lista de leitura com certeza.

    ResponderExcluir
  21. Oi.

    Infelizmente, não curto mangás, tentei ler uma vez, mas não consegui, não é um gênero que eu leio. Vou passar a dica dessa vez.

    ResponderExcluir
  22. Olá
    muito legal sua resenha, eu não leio e nunca li nada do gênero mas com certeza bate a curiosidade, adorei a dica e irei pesquisar mais para quem sabe ler em breve, é sempre bom dar uma variada

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.