Menu

1.4.17

{Desafio a.k.a. Projeto} Escrevendo sem medo: Fevereiro e Março



Waaaa sei que me atrasei bastante no desafio! Não tem desculpas, então não vou nem tentar me justificar!


Maaaaaaaas! Preparei os dois em um só, me redimi e tudo o mais e sei que estou postanto março um cadinho atrasado também, mas está presente!!!

Em Fevereiro, eu deveria ter criado...

O poema da festa perfeita.

O tema é um desafio. Eu tenho dificuldades para escrever poemas, então decidi me desafiar. Aqui, você vai escrever um poema descrevendo como seria a festa perfeita para você. Faça da forma como desejar!
Na minha adolescência de um pouco mais de 15 aninhos atrás (já tenho a idade de duas adolescentes de 15 anos, aiai...), eu escrevia muitos, mas muitos poemas. Até ganhei alguns prêmios esoclares, apresentei em teatro e tudo o mais... Mas acho que era da época! Não sou mais boa com isso, então tive um bocado de dificuldade, ainda mais pelo tema que foi escolhido pela organizadora do projeto. Na minha adolescência eu fazia mais o estilo depressivo, então era fácil escrever. Hoje, ainda sou assim (huahuahua!) então foi bem difícil escrever sobre festas, que geralmente são coisas felizes e serelepes, porque tem bolo. Nada fica triste com bolo.

Soneto de perdição 

Sorrindo, observando a música do ar,
Dançando, as sílfides giram de mãos dadas
E , diante de seus olhos, a magia é iniciada
Cantando a canção que faz sua alma brilhar

As sereias saltam à superfície
Com suas vozes peroladas juntam-se ao coro
Em seus olhos brilham os mistérios do tesouro
Oculto através de seu romântico artificie.

O perfume de flores dominam meus sentidos
Perdida nesta floresta de fantasia
Onde, pela primeira vez me sinto benvinda.

Ó dríades de galhos partidos!
Deixem-me viver nesta terra por mais um dia
Onde a alegria e a festa sempre celebram a vida!

Amo fantasia... Fazêuquê. =D

Tudo bem. O mês de março atrasou um cadiquinho também, eu sei. Mas é que estava esperando a inspiração brotar! Não é fácil, gente!!!

O tema de Março é:
 Um pássaro engaiolado ganhando a liberdade.
Como é se sentir assim? Você também pode comparar as sensações (a sua e a do pássaro) de encontrar a liberdade. 

Liberdade, liberdade...?


Enquanto estavam caminhando em um dia relativamente quente quando, de repente, de mansinho... Uma brisa calma, fresca, se aproximou e acariciou sua pele? Já fechou os olhos e apenas sentiu o ar tocando seu corpo, balançando aos poucos seus cabelos? Primeiro, beeem devagar... E depois aumentando pouco a pouco, ligeiramente? Forte o suficiente apenas para que você o sinta de um jeito gostoso?

Para mim, essa é uma das sensações de liberdade que consigo sempre acessar, até mesmo se agora, enquanto digito, eu fecho meus olhos... Eu consigo trazer à minha memória a brisa tão gostosa que eu senti hoje. Não foi um dia quente, nem frio... Mas estava calorzinho. E a brisa gelada que bateu num determinado momento do meu dia enquanto eu caminhava pelas ruas após sair do trabalho realmente define para mim a liberdade.

É uma comparação estranha, de fato... Uma vez que gaiolas possuem grades que deixam o ar livre. Porém, não significa que estamos sentindo-a só por algum lugar ter janelas. A liberdade é muito subjetiva de cada criatura. Há alguns dias que eu li o tema e fiquei refletindo sobre o melhor momento de começar a escrever sobre ele.

E o tive enquanto passeava pela praça principal aqui da cidade onde moro. Estava indo para o trabalho – caçando Pokemons pelo caminho – quando vi uma senha inusitada: um cachorro de rua estava sentado no meio de uma faixa de pedestres, observando um homem catador de materiais recicláveis com seus próprios cachorros fazendo festa ao seu redor. Sei que o animal de minha história não é um pássaro, mas enfim...


Lá estava o bichinho, olhando esperançoso para aquele homem e os outros cachorros. Senti tanta solidão e esperança vindo do cachorro que me veio um estalo: e não é assim a liberdade? Apenas observamos uma vida, desejando... Enquanto estamos presos a uma outra que temos uma falsa sensação de liberdade, pois a escolhemos. Eu escolhi trabalhar no meu trabalho atual. Eu escolhi ser como sou,etc. etc. ... Mas até onde esse poder de escolha é verdadeiro?

Até onde nos sentimos como o cachorro, dono de uma vida livre... E ao mesmo tempo tão desejante de amor e carinho de algo que muitas vezes, desconhece na realidade.

Como encontrar a liberdade de escolher algo verdadeiramente, de sentir-se livre verdadeiramente... Sendo escravo de nossas vontades e desejos e ocasiões da vida?

Essa tal liberdade é complexa... E muito romantizada. Um pássaro que esteve toda sua vida preso em uma gaiola. Esteve ali, naqueles viveiros bonitos com outros pássaros numa mesma situação que ele, com comida, água boa... Um vento muito bom. Se ele se ver livre... Saberá viver naquele mundo tão grande e tão estranho? Tão cheio de variáveis e criaturas até então, desconhecidas? Saberá ele alçar voos altos e maravilhosos, esticar as asas o bastante para planar no ar...?

Será ele livre ou escravo de uma memória de outros tempos...?

Muitos de nós acabam presos em suas rotinas: acordar, escovar os dentes, lavar o rosto, fazer café, tomar café, ir trabalhar, voltar para casa, sair com amigos, ver tv... Que, quando se veem fora dela, estão completamente perdidos.

Trabalho com pessoas que perderam esse senso de rotina, por exemplo. Acreditam piamente que são livres dos padrões da sociedade: não precisam acordar cedo, podem fazer o que quiserem durante o dia e a noite... Não respeitam regras, estão abaixo delas. E acreditam estar felizes. Mas passam frio, fome, doenças, humilhações, violência... Muitas vezes desumanizados, até. Então eu penso muito sabe... Sobre essa tal de liberdade, rs.

Acredito que por conta do meu olhar sobre a liberdade, eu meio que saí um pouco do tema, mas é que é algo muito romantizado, que pode levar muitas pessoas à loucura. Afinal, por mais livres que possamos ser, ainda somos escravos de muitas coisas. De comida, de um teto, de dinheiro...

De um ninho.


Sei que atrasei bastante com o desafio, mas vou tentar me organizar melhor. Espero que tenham gostado das minhas palavras à deriva, tentei deixar minha imaginação livre.

Até o próximo desafio!

9 comentários:

  1. seus textos são ótimos, eu adorei seu poema, mas o texto sobre liberdade foi tocante!
    parabéns

    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Amei o poema!!! Parece aqueles poemas meio antigos que se ve em livros de escola haha!
    E o texto também é muito bom :) Acho que essa coisa de liberdade é a mesma coisa que com Felicidade, é algo muito singular pra dizer "é isso e acabou". Gostei muito :')
    E gostei pra caramba desses desafios também :D

    ResponderExcluir
  3. Olá
    Adorei os textos, você escreve super bem, e que bom que, por mais que tenha atrasado, não desistiu do projeto. Gostei muito do texto sobre liberdade e das reflexões que implicam nas atitudes. Vale a pena parar um pouco pra pensar!
    beijos.,F

    ResponderExcluir
  4. Eu não sou lá muito fã de poemas, mas adorei o primeiro que você postou, adorei a forma que usou as palavras. Eu sempre fui muito boa em produção de textos, adoro criar histórias e tudo mais. Poema eu tinha um pouco mais de dificuldade. Beijão!

    ResponderExcluir
  5. Pri, você tem muita intimidade com as palavras. Parabéns, seu texto me tocou e o soneto ficou muito inteligente!!!
    Escreva mais, o mundo merece!
    Meu Amor Pelos Livros
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá!! :)

    Eu gostei de ler novo texto da tua autoria, enquadrado neste desafio bem pensado e dinamizado, parece! :)

    O tema agradou, assim como a tua abordagem ao mesmo, ate porque a liberdade e muito idealizada! :) Por vezes, uma perspetivas realista não cai mal...

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  7. Olá, Priscila.
    Achei muito bonito seu soneto e sua história sobre liberdade. Me deixou bastante reflexiva e também achei inusitada essa cena do cachorro parado no meio da faixa de pedestres, rs.

    ResponderExcluir
  8. Parece que você tem talento para esse tipo de escrita. Adorei o termo "vozes peroladas", e achei que caiu perfeitamente para sereias.
    Parabéns!

    Bjs

    Pipoca com Café

    ResponderExcluir
  9. Olá, eu ia entrar nesse desafio,mais assim como você ia ficar atrasando, por isso acabei deixando de lado. Adorei o poema da Festa perfeita, mas nada como este texto sobre liberdade, me identifiquei com alguns trechos, e sua escrita é muito bela, adorei. Parabéns.

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.