Menu

10.4.17

{Resenha} Como se estivéssemos em palimpsesto de putas


Autora: Elvira Vigna
Editora: Companhia das Letras
Sinopse: Dois estranhos se encontram num verão escaldante no Rio de Janeiro. Ela é uma designer em busca de trabalho, ele foi contratado para informatizar uma editora moribunda. O acaso junta os protagonistas numa sala, onde dia após dia ele relata a ela seus encontros frequentes com prostitutas. Ela mais ouve do que fala, enquanto preenche na cabeça as lacunas daquela narrativa.
Uma das grandes escritoras brasileiras da atualidade, Elvira Vigna parte desse esqueleto para criar um poderoso jogo literário de traições e insinuações, um livro sobre relacionamentos, poder, mentiras e imaginação.



Este é mais um livro que prendeu minha atenção pelo título, mas que também me atraiu pela autora: faz tempo que quero conhecer a escrita de Elvira Vigna. Como esbarrar em “palimpsesto” e não perscrutar seu significado? (De acordo com o Aurélio, “manuscrito em pergaminho que os copistas na Idade Média apagaram, para nele escrever de novo”). Como ficar indiferente a um “puta” que grita no título?

Premiado com o APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes) 2016 na categoria Literatura: Romance/Novela, Como se estivéssemos em palimpsesto de putas (Companhia das Letras) trata de conversas acontecidas na sala de uma editora falida, entre uma designer e João, contratado para salvar a empresa, nas tardes em que o calor incomodava, mas também suas histórias de vida. Ao falar das garotas de programa com quem transou, João repassa, sem perceber, sua relação com a ex-mulher. E a narradora (sem nome) que ouve as aventuras, preenche as lacunas que ele vai deixando com criativas invenções sobre o não dito. Ou sobre o omitido. Também ela passa a própria vida a limpo.
"João também desenhava. Por cima. E no ar, e com palavras. E nele mesmo. Uma garota de programa por cima de outra garota de programa, sem nunca individualizá-las, acabá-las, sempre faltando alguma coisa, calcando mais da próxima vez, quem sabe agora. Até a última."
Estariam os dois tentando entender como chegaram ali, ele quarentão, ela vinte e poucos anos? Ele fala à vontade, julgando-a lésbica pelo modo como se veste e por morar com uma prostituta, inofensiva então. Ela descobrindo muito mais dele pelo que conta das outras e o que não revela da própria relação com Lola, a ex. João ainda percebe a interação com as mulheres de maneira ultrapassada, ora usando uma para o sexo, ora não se conectando com a própria esposa – a invisível.
"Vem por cima de todas as outras. Lola incluída aí. Eu também. Nenhuma de nós de fato com uma existência separada. Só traços sobrepostos, confusos, não claros. Como se estivéssemos, todas nós, num palimpsesto."
É uma escrita labiríntica, com frases curtas e objetivas, quando também a autora brinca com um esconde e revela, e deixa ao leitor - generosamente - a sua participação ao ocupar um lugar na narrativa. Não sabemos no que vai dar, é uma puta atrás da outra (no termo exato que Vigna faz questão de usar), é um João vazio de amor, de coragem e de entrega. Os problemas banais de nós todos são tratados com a mesma interrogação que temos diante deles. Não há distinção entre a mulher e a garota de programa, o cara que paga pelo sexo e o vizinho transexual, são todos seres humanos que carregam suas cotas de dor e carência, tentando sobreviver e ser feliz. 

Lola, a ex-mulher, tem um papel importante na trama, que nas entrelinhas me soou como um sorriso da autora em sua abordagem sobre o machismo de João (e do tipo de homem que João representa) e as barreiras encontradas pelas mulheres. Ele, que usa as garotas de programa num palimpsesto de putas, apaga uma para usar outra, depois outra, e ainda uma outra, reescrevendo uma história que não se corrige, não muda, não satisfaz.
"Lola topa porque quer ver se ainda dói não existir. (...) Esse é o primeiro teste. E há o segundo. O dela com ela mesma. Vai para ver se ainda dói. Vai para enfrentar que de fato nunca existiu. (...) Vai para ver se reviver o não viver ainda dói."
Apesar da proliferação de tantas putas, não é sobre elas que versa o livro. Há no texto escancarado e destemido uma análise das inter-relações pessoais. Há uma densidade estética desafiadora, leitores pouco acostumados à provocação de uma autora deste porte sentirão o incômodo. Vigna não anestesia a mão e usa termos crus, quando ali cabem tão bem. E mais que impressionar pelos sentidos, desconcerta por expor as vísceras das relações nós-conosco, nós-convosco.

Tive alguns problemas durante a leitura, que nada têm a ver com o livro, mas com o momento pessoal que estou vivendo. A escrita de Elvira Vigna é inteligente, madura, tem um estilo arrojado e, posso dizer, desafiador. Para leitores sofisticados. O que reclamou de mim mais do que eu poderia dar então, reconheço. Quero reler este palimpsesto em momento mais despreocupado, quero estar mais focada para apreciar toda a grandeza da obra desta autora maravilhosa. Quero outros livros seus.



~Livro cedido em parceria com a editora~

26 comentários:

  1. Cara manuh, é por demais prazeroso ler suas resenhas, fico me perguntando de onde vem esta carga sinestésica que tanto me faz bem. Sempre espero que suas palavras caibam diretamente em minha vontade, mas elas sempre extrapolam, ganham liberdade, esparramam-se, ganham novos significados. Já havia lhe falado sobre o título chamativo, então li e reli a resenha, esta prosa poética e me ative aos trechos, o encantamento se deu aqui: "Lola topa porque quer ver se ainda dói não existir. (...) Esse é o primeiro teste. E há o segundo. O dela com ela mesma. Vai para ver se ainda dói. Vai para enfrentar que de fato nunca existiu. (...) Vai para ver se reviver o não viver ainda dói."
    Quantas vezes me peguei em xeque, naquela encruzilhada da vida em que olhamos para trás e tudo está apagado, como se nada tivesse realmente valido a pena. Talvez, crise existencial, não sei ao certo. Livros como este são fundamentais para nos entendermos, para sabermos nosso papel em meio ao caos.
    Fui remontando sua resenha, tentando adivinhar os passos de João, seriam eles reais ou ficcionais e perfeitos? A vida é um misto realizações e desejos, realidade e ficção num mesmo pacote, afinal de contas, quantas vezes fantasiamos algo que realmente não somos? Indiscutivelmente, o tempo nos traz paz, a maturidade para sermos quem somos, sem subterfúgios laterais, sem sabotagens pessoais. Mas e o que passou? Bom... aí não há remédio, é consertar o que quebrou ou abandoná-lo.
    Ao contrário do que você está passando, este seria o momento ideal para que eu lesse tal tesouro. A fase é de me colocar à prova e nada melhor que uma escrita vigorosa e provocativa. Sei que fico confuso quando este turbilhão de palavras me inundam, espero ter conseguido explicar o porquê de meu fascínio pela obra ainda não lida e por suas palavras trabalhadas, encaixadas e sensíveis. Adorei o livro, amei a resenha. E poderia ser diferente?

    ResponderExcluir
  2. Olá
    Eu nao conhecia esse titulo, mas preciso confessar que essa premissa não chamou a minha atenção. Os elementos não conseguiram me deixar curiosa. Gostei de ler suas impressões a respeito, e o que mais se destacou para mim foi o fato de haver uma analise no texto e pela narrativa demonstrar ser mais inteligente e igualmente densa! Obrigada pela indicação..
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  3. Manuh a trama é completamente diferente desde o título ao enredo principal da trama e caracterização de personagens tão reais, tão semelhantes com o ser humano em suas angustias, medos e desejos que a trama por mais diferente que seja daquilo que sempre procuro ler me deixou bem curiosa
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Eu não conhecia o livro e fiquei bem impressionada com a trama e curiosa com a escrita, que você classificou como madura e inteligente. Quero muito ler e acredito que será uma leitura proveitosa par amim.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá!! :)

    Eu não conhecia este livro mas ainda bem que gostaste de fazer a leitura! :) Contudo, não me interessei muito...

    Não e muito o meu tipo de leitura, e a escrita labiríntica, assim como essas pautas, não me agradariam la muito... :(

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Manuh, tudo bem?
    Amiga, esse livro não cabe no meu gosto literário... até suporto um autor confrontador, mas em outro estilo.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  7. Olá,

    Apesar do livro ter temas que me agradam eu não consegui ficar interessado por ele. A forma que a premissa fora me apresentado e as suas impressões foram narradas não chegou a me levar à curiosidade. Infelizmente vou ter que deixar a dica passar!

    → desencaixados.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Manu!
    Que resenha atenciosa e explicativa!!! Adorei!
    Então, ainda não tinha conhecimento da autora e tenho quase certeza que me deparei com capa/título alguma vez. Como você mesma disse, esse é um livro que merece total apreciação e concentração, não por ser complexo demais, mas por não ser uma obra simplista. E como você também assumiu, não estou vivendo em um momento propício para a leitura de tal. Então me resta dizer que senti curiosidade a respeito do livro sim, porém não me vejo o lendo em um futuro tão próximo. Mas não descarto a leitura que promete ser prazerosa...
    Bjs e até mais!

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oii, tudo bem?
    Não conhecia o livro nem a autora, mas gostei bastante, é bem explicativa. A premissa me chamou bastante a atenção, achei bem diferente dos livros que costumo ver por aí. Pena que você não esteja passando por um bom momento, achei ele bem original. Pretendo ler em breve.
    http://oxenteleitora.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oie...
    Adorei a resenha!
    Fico feliz que tenha gostado da obra, mas, pelo que li na resenha temo que não será uma leitura agradável pra mim, então, passo a dica.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Oi, tudo bom?
    Não acho que eu gostaria da leitura, pois o tema não é muito de meu agrado, porém já vi várias resenhas e todas elas sempre elogiaram muito a obra. Parece ser divertida, porém, não daria uma chance no momento.

    ResponderExcluir
  12. Realmente, o título é bem chamativo mesmo, e super entendo que esse tipo de leitura pede uma atenção a mais da gente, e por isso, no momento, acho que vou deixar sua dica de lado, pois ainda preciso entrar nesse momento propício pra ler esse livro.
    E confesso que não conhecia a autora, então vai ser bom pra conhecer sua escrita, já que elogiam tanto!

    Virando Amor

    ResponderExcluir
  13. Pelo título, não seria um livro que leria, porém você conseguiu passar boas impressões acerca d que foi lido, não só impressões, mas conseguiu passar a verossimilhança do livro, a verdade contida nos personagens e na escrita da autora. Gostei bastante de sua resenha e do modo como foi apresentado o livro: claro o objetivo.

    www.porredelivros.com

    ResponderExcluir
  14. Oi Manuh, como está?
    Gente, que título é esse? "...palimpsesto de putas"? Nunca ouvi falar de nada parecido com isso na vida e olha que já vi muito livro com título estranho nesse mundão afora de Deus. E o que eu falo da trama e modo como ela se desenvolve, segundo as tuas palavras? Esta aí um livro que preciso dar uma boa lida.
    Abraços e beijos da Lady Trotsky...
    http://rillismo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Olá, tudo bem?
    Estou me sentindo mal depois de ler essa resenha, pois nunca ouvi falar da autora Elvira Vigna, não conhecia esse livro e não sei quais são os outros títulos da autora. No entanto, é impossível não ter a curiosidade despertada por este título. Aliás, obrigada por ter colocado o significado de palimpseto, que eu também não conhecia.
    Me parece ser um livro que fica totalmente fora da minha zona de conforto, então, fico em dúvida se leria. Talvez ainda não seja o meu momento para ler.
    De qualquer forma, adorei a sua resenha e fiquei curiosa para conhecer a obra. Vou deixar a dica anotada e aguardar um momento melhor para ler.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Olá tudo bem??

    Não conhecia o titulo, nem a autora e não me interessaria pelo nome, assustei só de ler.
    Ao ver do que se tratava cheguei até a interessar um pouco, mas no momento, estou passando por uma fase em que a dificuldade de leitura me toma, e acredito que não seria um livro para mim.
    Adorei a dica
    Bjus Rafa

    ResponderExcluir
  17. O titulo me chamou a atenção, mas lendo a sinopse, fui perdendo o interesse, acontece que você tem um dom incrível, ao relatar suas impressões, deixa qualquer um apaixonada pela leitura, isso é fantástico demais, acho lindo! Com toda a certeza eu repensarei sobre a obra.

    ResponderExcluir
  18. Olá Manuh,
    Ainda não conhecia esse livro nem a autora, mas fiquei bastante curiosa para ler, pois adoro obras mais robustas, como essa. Entretanto, sinto que estou parecida com você, que esse não é o momento correto para eu ler esse livro, que não aproveitarei completamente a obra se ler nesse momento.
    Beijos,
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Oi, Manuh

    Coincidentemente eu estou adiando está leitura justamente por achar que não é o momento certo para fazer essa leitura. O que mais me chamou a atenção na hora de solicitar também foi o título, aí entrei no google e fui pesquisar algo sobre a autora e encontrei uma entrevista interessantíssima dela. Achei-a mega inteligente e resolvi solicitar. Espero curtir e espero que na próxima leitura dele que vc fizer a leitura flua melhor.

    Beijos

    ResponderExcluir
  20. Olá, tudo bom?
    De fato, como se deparar com esse título e não ficar curioso para saber o que vem a seguir? Não conhecia autora mas só pelo modo inteligente que fora construída essa obra eu já fiquei extremamente interessada em conhecer sua escrita. Fiquei curiosa para conhecer esses relatos que dizem mais da construção do personagem que do ato em si, mas vou esperar um momento em que possa estar completamente focada para conhecê-la, para que possa aproveitar ao máximo.
    Ótima resenha!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  21. Olá, Manu
    Observei suas atualizações no Skoob quando estava lendo o livro.Como não poderia ser diferente o título me chamou muita atenção. Por seu relato vejo que esse é um daqueles livros que o ideal é que a leitura seja feita no momento certo, com dedicação especial. Sua resenha é convidativa. Anotei a dica para aquelas ocasiões em que busco uma leitura para me tirar da zona de conforto. Obrigada por compartilhar suas impressões. Bjs!

    ResponderExcluir
  22. Oiii!!!
    Não conhecia esse livro ainda. Achei ele bem diferente do que encontramos por ai. Um tema bem pesado, dependendo da forma que o personagem descrevia as suas relações com as putas. Nunca tinha ouvido falar a palavra palimpsesto e fiquei bem intrigada com seu significado. Vou incluir na minha lista de leitura com certeza. Gostos de livros que nos fazem refletir.
    Beijos

    ResponderExcluir
  23. Oi, tudo bem?
    Eu não conhecia a obra, a história tem algo peculiar, tenho certeza que eu iria adorar conhecer um pouco sobre, parece ser algo que me cative, sabe? Pelo fato de ser totalmente diferente do que leio atualmente, que possa abrir mais a minha mente e tal. As propostas dele me interessaram e espero ler brevemente, gostei do que você falou sobre a representação do machismo e concordo com o que você falou, fui pesquisar aqui, li um trecho e já estou desejando este livro!

    Beijos,
    Lu | http://justificou.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  24. Oi, Munuh!
    Foi uma delícia ler sua resenha! Não conhecia o livro e mesmo não sendo meu estilo de leitura, confesso que a temática me deixou muito curiosa e me fez ficar com vontade de ler. É um tema bastante oportuno para o momento em que estamos vivendo, já anotei a dica e vou ler assim que tiver oportunidade.

    Beijos,

    Rafa [ blog - Fascinada por Histórias]

    ResponderExcluir
  25. Oi Manu!
    Você tem razão, a primeira coisa que chama atenção nesse livro é o título! Aliás, característica marcante da autora.
    É a primeira vez que leio uma resenha desse livro. Fiquei muito interessada, principalmente pelas questões que a autora aborda sobre autoconhecimento dos personagens.
    Abraços, Manu.

    ResponderExcluir
  26. Oiee Manu ^^
    Acho que já tinha visto sobre esse livro antes, porque me lembrei da premissa e de estar curiosa...haha' Parece ser bom, e saber que você gostou da escrita da autora (e achou madura) me deixou ainda mais animada, apesar de eu saber que vou ficar meio "dãã", porque não sou nem um pouco sofisticada...haha'
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.