Menu

8.9.17

{Resenha} Garota em Pedaços




Título Original: Girl In Pieces
Autora: Kathleen Glasgow
Editora: Planeta
Sinopse:  Quando o plano de saúde de sua mãe suspende seu tratamento numa clínica psiquiátrica – para onde foi após se cortar até quase ficar sem vida –, Charlotte Davis troca a gelada Minneapolis pela ensolarada Tucson, no Arizona (EUA), na tentativa de superar seus medos e decepções. Apesar do esforço em acertar, nessa nova fase da vida ela acaba se envolvendo com uma série de tipos não muito inspiradores.
Cansada de se alimentar do sofrimento, a jovem se imbui de uma enorme força de vontade e decide viver e não mais sobreviver. Para fugir do círculo vicioso da dor, Charlotte usa seu talento para o desenho e foca em algo produtivo, embarcando de cabeça no mundo das artes. Esse é o caminho que ela traça em busca da cura para as feridas deixadas por suas perdas e os cortes profundos e reais que imprimiu em seu corpo. Romance de estreia de Katlheen Glasgow, que figurou na lista dos mais vendidos do jornal The New York Times e dos melhores livros do ano de 2016 da Amazon (EUA) e da revista TeenVogue. Nele, os leitores vão se emocionar e se inspirar na história da adolescente de 17 anos que, por conta de sofrer de Transtorno do Controle do Impulso, pratica o “cutting” – um distúrbio que afeta um grande número de jovens brasileiros e também personalidades do universo teen, como Demi Lovato e Britney Spears, entre outras.
Olá!

Sabem a sinopse? Então, esqueçam tudo, tudinho, o livro é super diferente do resumo da sinopse, sério.

Eu adoro livros assim, não sei se perceberam, mas sempre procuro histórias pesadas, carregadas de sentimentos para ler, e “Garota em Pedaços” é exatamente assim.

Narrado em primeira pessoa, conhecemos Charlotte Davis, ou Charlie, aprendemos que ela sofreu um grande trauma que a levou a “mudez seletiva” e que é uma artista que sente falta de seu caderno de desenhos. O começo é bem parecido com “Garota Interrompida” ( já ouviram falar? Indico esse filme/livro também). Charlie está internada em uma clínica psiquiátrica para pessoas que automutilam. São apresentadas várias outras personagens, algumas se cortam, algumas se queimam, mas o foco é o mesmo: autoflagelação. Dentre essas personagens, Louisa é quem mais me conquistou, mais até mesmo que Charlie, a protagonista, que se corta, a única coisa correta na sinopse (risos)
“Na primeira vez que me cortei, a melhor parte veio depois: passar uma bola de algodão de um lado para o outro no ferimento, secando-o com cuidado, inspecionando-o, aninhando o braço de forma protetora na barriga. Pronto. Pronto”
Bom, como eu disse, é só o começo. Poucas páginas depois, o convênio da avó de Charlie não pode mais pagar sua estada no hospital, então ela precisa sair. Não que ela queira, muito menos sua mãe.

Logo que sai, sua mãe lhe dá dinheiro e uma passagem só de ida para Tucson, Arizona, milhares de quilômetros de distância de onde estava. Sua mãe diz que Mike, um antigo amigo de Charlie se prontificou a ajuda-la, deixando-a ficar em sua casa no Arizona até que consiga se virar.

E somente nesse novo lugar, conhecemos verdadeiramente a protagonista. Aos poucos entendemos seu passado, conhecemos mais e mais personagens e um deles, Riley, um rapaz que tocava em uma banda, lhe oferece um emprego em um café voltado a artistas e punks.

Esse amor que Charlie desenvolve pelo rapaz não é nada legal, sua urgência em ser tocada e o medo de ser rejeitada por conta das cicatrizes é o que a prende no relacionamento.
“ Com o que a gente fez, ninguém vai amar a gente. Não de um jeito normal”
A vida de Charlie segue com altos e baixos, sempre que algo acontece que dá vontade de se cortar novamente, ela bebe ou desenha, isso que ela escolheu fazer, lembrando-se dos conselhos de sua psiquiatra do hospital.

Cada personagem que surge é importante, nenhum deles deve ser taxado de “figurante”, todos tapam um “buraco na peneira” da história, e os que já apareceram são constantemente relembrados.
“Todo mundo tem esse momento, eu acho, o momento em que uma coisa tão crucial acontece e que parte seu ser em pedacinhos. E aí, você tem que parar. Por um tempo, para recolher os pedaços. E demora tanto, não para juntá-los novamente, mas para montá-los de um jeito novo. Não necessariamente melhor, mas de um jeito com o qual você possa viver até ter certeza que essa peça devia ficar ali e aquela outra aqui.”
Juntando os pedaços do quebra-cabeça, é o que eu diria que Charlie tenta fazer, mas sempre de forma errada. Ela consegue? Leiam para ver, não iram se arrepender. Têm muito o que aprender observando a vida dessa moça.

A autora é um amorzinho, conta no final sobre quanto tempo levou para escrever o livro, para criar coragem de usar uma blusa de manga curta, mostrando suas cicatrizes, e ainda deixa vários telefones para ajudar pessoas como ela.

Acho engraçado o enorme preconceito com pessoas que praticam a automutilação, como dizem que estão chamando atenção, que é frescura. A sociedade precisa evoluir muito ainda no quesito de preconceitos, vou deixar as palavras da autora falarem por mim:
“ A automutilação não é uma tentativa de obter atenção. Não quer dizer que você é suicida. Quer dizer que você esta lutando para resistir a uma confusão muito destrutiva guardada na cabeça e que esse é seu mecanismo de lidar com isso. Quer dizer que você ocupa um pequeno espaço  no grande cânion real de pessoas que sofrem depressão ou doenças mentais”
Sabe um livro necessário? É esse. A vida de Charlotte Davis é como a de muitas outras pessoas que existem por aí.

11 comentários:

  1. Parece ser um livro triste e tocante ao mesmo tempo... já quero ler! :D
    Amei sua resenha e esses quotes.. ai de partir o coração já! </3

    Beijos!
    https://tamigarotaindecisa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. a temática é interessante e confesso que fiquei curiosa
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi tudo bem?
    Pelo que li da sinopse e da sua resenha e mesmo diferente hahaha. Assim como você eu também gosto de livros que transbordam sentimento e claro que já anotei a dica.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Fiquei curiosa com o livro, ainda mais com sua descrição do tipo de história contida nele.
    Adorei a premissa do livro e as palavras da autora.
    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/2017/09/voce-quer-um-balao.html

    ResponderExcluir
  5. Oiee ^^
    Eu sempre achei que esse livro era um thriller psicológico *-* quando você mencionou "Garota, interrompida", fisgou minha atenção, pois eu adorei o livro/filme ♥
    Gostei muito da sua resenha, conseguiu me deixar curiosa e animadíssima para ler esse livro, principalmente pela maneira como abordou os acontecimentos e tudo o mais ♥
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi, tudo bem?
    Eu sempre vejo muitos elogios a esse livro, mas confesso que ainda não criei coragem de ler. Ao contrário de você, eu costumo evitar livros com temas mais pesados, porque sempre me deixam mal.
    No entanto, o assunto abordado é muito importante e, sinceramente, também não sei como tem pessoas que falam que automutilação é frescura ou só uma forma de chamar a atenção. É uma realidade tão triste, que atinge tantas pessoas e que precisa ser discutida sim.
    Sua resenha conseguiu despertar minha curiosidade e, por esse motivo, vou deixar a dica anotada. Por enquanto, ainda estou preferindo leituras mais leves, mas pretendo ler futuramente.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Oie!

    Estou com esse livro na minha lista de desejados e não é de hoje, acho bastante interessante a proposta da obra, e super importante livros o abordarem para as pessoas começarem a tomar uma iniciativa sobre esse assunto e principalmente tirarem da cabeça que quem se corta é para chamar a atenção etc, dica mais que anotada! Espero ler em breve e com certeza irei indicar para uma amiga também a obra!

    Bjss, Vem participar do nosso Sorteio! Não perca a oportunidade de ser um dos 3 ganhadores! http://resenhasteen.blogspot.com.br/2017/08/sorteio-do-desapego-3-ganhadores.html

    ResponderExcluir
  8. O que mais gostei nos seus comentários sobre o livro foi saber como a autora escreveu o livro e o caminho que ela levou para fazer isso. São poucas histórias que trazem este background dos enredos.
    Espero poder ler também.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Olá!

    Livro adicionada a lista com sucesso! Você me ganhou mesmo no "livro necessário" gosto de leituras que me fazem evoluir um pouco e entender melhor o outro e pela sua resenha esse é um livro nesse sentido. Já coloquei na lista e pretendo adquirir e ler o mais breve possível.

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oie...
    Adorei sua resenha!!!
    Eu estou looooouca pra ler esse livro!!! Desde que a editora o lançou estou com essa vontade, pois, pela premissa, é exatamente o tipo de leitura que curto.
    Fiquei muito feliz em saber que todos os personagens são importantes, isso sem dúvida deixa a obra mais interessante.
    Bjo

    ResponderExcluir
  11. Oie, tudo bem?
    A capa já é linda, e a narrativa parece ser muito emocionante. Espero poder conferir em breve, pois é um tema que precisa de muita atenção e quanto mais leitores, mais discussão sobre. Adorei!

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.