Menu

19.9.17

{Resenha} Por Isso a Gente Acabou




Título Original: Why We Broke Up
Autor: Daniel Handler
Ilustrações: Maira Kalman
Editora: Seguinte
Sinopse: Por isso a gente acabou trata, com a comicidade típica do autor, de uma situação difícil pela qual todos um dia irão passar: o fim de uma relação amorosa e toda a angústia, tristeza e incerteza que essa vivência pode gerar. Min Green e Ed Slarteron estudam na mesma escola e, depois de apenas algumas semanas de convívio intenso e apaixonado, acabam o namoro.
Depois de sofrer muito, Min resolve, como marco da ruptura definitiva, entregar ao garoto uma caixa repleta de objetos significativos para o casal junto com uma carta falando sobre cada um desses objetos e do episódio que ele representou, sempre acrescentando, ao final, uma nova razão para o rompimento. Essa carta é o texto de Por isso a gente acabou, que é, assim, carregado de um tom informal e tragicômico - características da personagem - e traduz com um misto de simplicidade e profundidade a história de uma separação.
Imerso neste universo adolescente, o leitor conhecerá a divertida personalidade de Min, uma garota apaixonada por filmes cujo sonho é ser diretora de cinema, e as idas e vindas deste romance, desde o dia em que os dois conversaram pela primeira vez até o instante em que tudo acabou. A artista Maira Kalman, autora de diversas capas da revista The New Yorker, ilustrou cada um dos objetos da narrativa, trazendo cor e descontração a esta história dolorida.

Esse é um daqueles livros que se pode acabar em um dia, de tão gostosa que a história decorre. Eu demorei um tempinho para ler, mas sempre que pegava ele, iam cem páginas.

Minerva ou Min, como prefere ser chamada, é uma amante do cinema antigo, sonha em ser diretora de cinema, e essa protagonista nos conta os motivos de ter terminado um namoro com o cara mais famoso do colégio, Ed Slaterton.

O livro é narrado em primeira pessoa, na forma de uma carta escrita por Min para seu ex. Começa com uma caixa cheia de presentes que ela ganhou de Ed, e cada um dos presentes são aos poucos descrito como um dos motivos.

Conhecemos a história do casal desde a primeira vez que se conheceram em uma festa de aniversário de Al, o melhor amigo de Min (e meu personagem favorito). Conforme a história decorre, mais e mais motivos vão se juntando, vamos percebendo como a relação vai fazendo com que a protagonista mude sua vida para encaixar nos gostos de seu namorado e como ela escreve com pesar cada palavra para ele. São diferentes demais um do outro.

Percebe-se que Ed é um babaca, é o clichê de cada escola nos EUA, o cocapitão de um time de basquete, teve várias e várias namoradas, e com Min, ele jura que será diferente, que ele gosta do jeito dela, ela é diferente, “das artes”.
“ _ O.k.., por isso que eu trouxe café.  _ Eu não tomo café. [...] Nunca fui chegado _ Chegado? Você já tomou café? _ Não _ Você enfim disse _ Quer dizer, não muito. Sim, já tomei uns goles. Já provei. Mas eu sempre, tipo, eu nunca gostei, então quando todo mundo está tomando eu... [...] Eu jogo fora._ Então prova. Creme extra, três colheres de açúcar, do meu jeito. _ O quê? Não. Tem que ser preto [...] Se não for preto, é para menina ou gay.”
Ed chega a ser irritante sempre, quase o tempo todo, com pequenas exceções. Mas ele disse que a ama, e ela, pobrezinha, sente o mesmo.

O impressionante mesmo o motivo final o qual levou ao término, ainda clichê dos caras imaturos de ensino médio, mas não deixa de ser surpreendente. Sério. Não vou falar, vocês precisam ler, sério.
Em algumas partes a narração das conversas entre os personagens fica um pouco confusa, às vezes é difícil saber quem é quem.

As ilustrações ocupam algumas páginas, o que contribui para o livro ficar menor e ainda sim divertido.

Mencionei que “Daniel Handler” é um pseudônimo do Lemony Snicket? O moço sabe muito bem entreter as pessoas na leitura.

O que me agradou é que não foi um romance clichê que, nossa senhora, estou cansada de ler. É uma perspectiva muito interessante de romance. Além de dar dicas de diversos filmes, e eu adoro um filme antigão.

12 comentários:

  1. eu tenho o livro na lista de desejados já faz um tempinho, curti a proposta da trama
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. O livro realmente parece ser de fácil leitura, sem dizer que ficou uma graça com as ilustrações.
    Quem sabe não surja a oportunidade de me deliciar com este livro, gostei muito do enredo.

    Beijos Nicoli ;
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/2017/09/o-bilhete-na-garrafa-thiago-andrey.html

    ResponderExcluir
  3. Adoro leituras gostosas que nos envolvem e que dê para ler em um dia! Com certeza vou querer ler esse e já até adicionei no Skoob. Ainda não conhecia, mas adorei a premissa e sua resenha me deixou com muita vontade de ler!

    beijinhos!

    ResponderExcluir
  4. Oi. Tudo bem?
    Estou conhecendo esse livro agora e confesso que ao mesmo tempo que fiquei interessado, fiquei sem interesse. O fato de dispensar o clichê me animou, mas saber que tem alguns aspectos negativo, como as confusões na narrativa me deixaram desanimado com as histórias. Mesmo assim, vou guardar o nome, pois tem potenciais que me chamam a atenção. Adorei a resenha.
    Abraço 😀

    ResponderExcluir
  5. Nossa, me admirei mesmo de saber que o autor na verdade é o Lemony Snicket! o.o
    Esse cara tem muitas facetas, então! Eu fiquei curiosa com a história, mas confesso que ainda falta algo para me fazer ler. Pretendo ler em algum momento, mas não será prioridade.
    Bjos!
    Por essas páginas

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Não conhecia esse livro, mas achei a sua resenha muito interessante. Quando vi a capa, pensei que era algo mais clichê e fiquei contente por apesar de ser não ter te desagradado. Achei muito legal você ter se sentido tão apaixonada assim.
    Não sabia que era pseudônimo do Lemony e fiquei contente com isso.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Adoro os livros do Lemony e não imaginava que este fosse escrito por ele, só por isso ele já ganhou vários pontos comigo heheeh.
    Gostei também de saber que não é apenas mais do mesmo, que não segue a onda dos romances clichês.

    ResponderExcluir
  8. Olá!

    Eu tentei ler esse livro um tempo atrás, mas não funcionou para mim na época, mesmo eu achando a ideia ótima e interessante, talvez tenha sido o momento, não sei dizer. Mesmo assim pretendo dar uma segunda chance mais para frente e espero gostar como você.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Oie amore.

    Não conhecia esse livro até então, mas gostei do que vi por aqui!
    Que fofura!

    Beijokas!

    ResponderExcluir
  10. Oie!
    Não conhecia esse livro nem a autora, mas gostei bastante da capa edas ilustrações <3
    E fiquei meio confusa com o único diálogo que você colocou, e você disse que ta cheio desses no livro. Eu me perco fácil se os diálogos ficam desse jeito, isso atrapalharia a leitura?
    Outra coisa, to pensando em ler, mas pode me mandar uns spoilers do final?
    katherslynne@gmail.com
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Oi!
    Ainda não conhecia esse livro, mas achei muito linda sua resenha e também toda a diagramação com ilustrações e um tema fofinho e nada clichê.
    Com certeza é um livro que eu leria, assim que tiver oportunidade vou querer lê-lo

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Eu tenho lido alguns romances clichês de um tempo pra cá e estou até gostando, por isso acho que esse seria uma leitura gostosinha pra fazer entre um livro e outro. Fiquei curiosa para saber porque os personagens se separaram, já que o outro disse que seria diferente. Eu tenho um problema com narrações duplas, pq na maioria das vezes me parece que é o mesmo personagem falando e fica confuso, a não ser que o autor saiba diferenciar as personalidades e diferenças na entonação das palavras. Eu gostei dessa história, vou adicionar na minha lista!
    Beijos,
    Nay
    Traveling Between Pages

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.