Menu

30.10.17

{O menino que vê filmes} Série: Sons of Anarchy



ATENÇÃO: ALERTA DE SPOILER! Este post contém revelações sobre o enredo da série em questão!

Resenha

Oi gente! Sem esquecer que já estão disponíveis os episódios da 2ª temporada da aguardadíssima Stranger Things, pela Netflix, hoje eu venho (finalmente) falar da minha série do coração...

Ora, não é de hoje que, quem me acompanha, nota que sempre há uma ou outra referência a esta obra de arte da teledramaturgia mundial, pensada, produzida e dirigida pelo fabuloso Kurt Sutter e com a trilha sonora mais fodástica da história das séries televisivas.

Isso mesmo. Estamos falando de SONS OF ANARCHY (Os Filhos da Anarquia, no Brasil).
Tentando não puxar muito a brasa pra minha sardinha (assisti a série só 3 vezes), vou tentar fazer aqui um apanhado de todas as impressões que essa série me trouxe.


Advirto, desde já, que SOA não é para todos os paladares, já que o cardápio de violência é variadíssimo e, por mais que retrate um certo "charme" em ser um fora da lei, deixa mais que claro aquela antiga máxima de que o crime não compensa...

E aí? Vai encarar?

ENREDO

Bem vindos a Charming, uma cidadezinha fictícia no sul da Califórnia, mas que poderia muito bem ser real, dadas algumas peculiaridades de todo município do interior daquela região dos EUA.
Dentre essas peculiaridades, estão as gangues locais. 

A série em questão tem seu foco sobre os membros de uma organização criminosa que, dentre outros delitos, contrabandeia armas da Europa para os EUA. Trata-se de um clube de motociclistas que trabalham numa oficina mecânica para manter o disfarce funcionando. 

O clube é conhecido como SONS OF ANARCHY e funciona como uma grande família, com uma hierarquia, mas também com diversos conflitos internos envolvendo inveja, segredos mortais e traições.


No centro da trama está o jovem Jackson "Jax" Teller (Charlie Hunnan), que tenta a todo custo realizar o sonho de seu pai, John, que fora um dos membros fundadores do clube. Em seu caminho, ficarão não somente os inimigos naturais do clube, com as gangues dos Ninners ou os Mayans, mas também seu padrasto, presidente dos SONS, Clay Morrow (Ron Pearlman).

KURT SUTTER

A série foi criada e dirigida pelo estadunidense Kurt Sutter, que também atua na pele de Otto Delaney, antigo membro dos Sons.

Kurt como Otto Delaney...
Kurt, que na vida real é casado com a atriz Katey Sagal (que vive Gemma Teller, mãe do  protagonista) tem em seu trabalho forte referência a William Shakespeare, sobretudo em Hamlet.

... e na vida real, ao lado de Katey Sagal
Podes-se observar que os personagens de Hamlet são divididos entre os integrantes do clube, bem como alguns dos atos dos mesmos.

O CULTO ÀS MOTOCICLETAS

A história das motocicletas da marca Harley-Davidson se confunde com a própria cultura americana.
Criada em 1903, a marca atravessou décadas marcando de forma emblemática cada uma delas, como, por exemplo, o início dos anos 50, quando do surgimento do Moto Clube mais famoso da história e, por sinal, fonte inspiradora para filmes e séríes: Os Hells Angels.


Tal como o clube real, os SONS OF ANARCHY ocultam sob sua bandeira atividades criminosas, ao passo que pilotam as poderosas Harley-Davidson.

TRILHA SONORA

O que me chamou a atenção de cara na série foi a trilha sonora.


Recheada de clássicos originais e também releituras do rock mundial, a trilha sonora de SONS OF ANARCHY se destaca principalmente pelas execuções da banda The Forest Rangers, respponsável por grande parte dos arranjos das versões contidas na série.


Outro nome que ficou mundialmente conhecido com a série foi o da banda The White Buffalo, com composíções no melhor estilo Coutry/Folk Rock, bem como uma releitura da clássica House of Rising Sun e a magnífica canção Come Join The Murder, que compõe, de forma apoteótica, o último e trágico episódio da série.

CONCLUSÃO

Engana-se quem pensa que SONS OF ANARCHY é apenas mais uma das muitas séries/filmes que romantizam o crime, transformando bandidos em "caras legais", a exemplo da franquia Velozes e Furiosos. 

Ao contrário, a série retrata os criminosos tais como são: impiedosos, traiçoeiros e vingativos. 
Deixo aqui a recomendação para aqueles que gostam de emoções fortes e paixões violentas e novamente ressalto: SONS OF ANARCHY é uma série para poucos.

Até a próxima, pessoal!

1 comentários:

  1. bem legal a indicação, não é muito a minha praia, mas é uma dica válida
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.