Menu

27.11.17

{O menino que vê filmes} The Punisher



Elenco: Jon Bernthal, Deborah Ann Wolf, Ben Barnes, Amber Rose Revah, Ebon Moss Bachrach, Jamie Ray Newman, Daniel Webber, Paul Shulze, Jason R. Moore, Michael Nathanson.

ATENÇÃO: ALERTA DE SPOILER! Este post contém revelações sobre o enredo da série em questão.

Resenha

Oi gente! Enquanto não sai a resenha do tão aguardado LIGA DA JUSTIÇA, hoje eu vim fazer um apanhado de mais uma pérola da Netflix.

THE PUNISHER ou O JUSTICEIRO foi liberada na segunda quinzena do mês de novembro e sim, foi daquelas que eu assisti praticamente tudo de uma vez.


Também, pudera. O personagem, que já tinha causado na segunda temporada de O DEMOLIDOR, voltou agora com uma - mais que merecida - série solo que deixou quem assistiu atônito até agora.

O Justiceiro está longe de poder ser chamado de herói (terminologia comum a personagens de quadrinhos). Suas intenções baseiam-se tão somente no desejo de vingança de um homem assombrado por seus próprios crimes de guerra e pelo trágico assassinato de sua família.


Vamos embarcar nessa trama com muitos tiros, hematomas, pancadaria e muito sangue!

Quem vai encarar?

O PERSONAGEM

PUNISHER ou O Justiceiro é a alcunha dada ao ex-fuzileiro naval americano Frank Castle, um personagem fictício das histórias em quadrinhos do universo Marvel.


Trata-se de um soldado altamente treinado em técnicas de infiltração, artes marciais, manejo de armas e tortura. Castle usa de suas habilidades para caçar e matar criminosos, o que o torna eventualmente antagonista nas histórias de super heróis, como o homem aranha, por exemplo.

Justiceiro e Demolidor se estranhando... Nenhuma novidade.
As motivações de Frank nasceram do assassinato de sua família durante um tiroteio provocado pela máfia, no Central Park.

ADAPTAÇÃO PARA A SÉRIE

Se na HQ são os mafiosos quem assassinam a mulher e os filhos de Castle, na série as mortes ocorrem como uma espécie de queima de arquivo ordenada pela própria CIA, onde o próprio Frank teria sobrevivido por acidente.


Anos mais tarde, Frank acorda de um coma e sai à caça dos culpados por sua tragédia.

Após eliminar centenas de criminosos, Frank simula a própria morte e passa a viver sob outra identidade, até ser contatado por um hacker que diz ter informações sobre os verdadeiros mandantes do assassinato de sua família.

Após algumas trágicas tentativas de transportar o Justiceiro para o cinema (vide os longas envolvendo Dolph Lundgren, Thomas Jane e até John Travolta), eis que vem a fabulosa Netflix mostrar ao cinema como construir um personagem.

Jon Bernthal, como O Justiceiro.
Para tanto, escalou para o papel principal o carismático (e mal encarado) Jon Bernthal, mais  conhecido como o Shane da série THE WALKING DEAD.
Com a cara amarrada e um corte de cabelo duvidoso, Bernthal encarna com maestria o papel do ex-fuzileiro com uma interminável sede de vingança.

TRILHA SONORA

Pra variar, a Netflix acertou em cheio na trilha sonora do Justiceiro.
A série causou alvoroço já no trailler, que tinha como fundo musical nada menos que a clássica canção de guerra ONE, da banda Metallica.
No terceiro episódio, fui pego de surpresa numa fabulosa sequência de ação ao som de Wish It Was True, da banda The White Buffallo. Tudo a ver com o personagem!
Para quem quiser conferir, a trilha completa pode ser encontrada aqui.

CONCLUSÃO

Por mais violenta que a série seja, é praticamente impossível não criar empatia com Frank Castle, tão bem interpretado por Jon Bernthal. Afinal, se o homem é fruto do meio, um homem nascido e criado em meio à violência dificilmente poderia ter se tornado outra coisa.

Mais uma vez a Netflix acertando em cheio!

Até a próxima, pessoal!


Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.