Menu

26.12.17

{O menino que vê filmes} Clube da Luta


 
Direção: David Fincher 
Elenco: Brad Pitt, Edward Norton, Helena Bonham Carter, Jared Leto, Meat Loaf 
ATENÇÃO: ALERTA DE SPOILER! Se você ainda não assistiu ao filme em questão, prossiga por sua conta e risco. 
Sinopse: Um homem deprimido que sofre de insônia conhece um estranho vendedor chamado Tyler Durden e se vê morando em uma casa suja depois que seu perfeito apartamento é destruído. A dupla forma um clube com regras rígidas onde homens lutam. A parceria perfeita é comprometida quando uma mulher, Marla, atrai a atenção de Tyler. 

Oi, gente! Bem vindos à última resenha de 2017 d'O Menino Que Vê Filmes! Pra fechar com chave de ouro, escolhi um dos clássicos do cinema moderno! Um filme que ocupa lugar de destaque na minha coleção e que já foi (e ainda é) motivo de grandes debates na internet Sim, eu estou falando de 


CLUBE DA LUTA (Fight Club, USA, 1999). Mas por que esse filme é tão cultuado? O que há de tão especial nele que leva os fãs a reassistir inúmeras vezes e sempre se surpreender? É um pouco difícil (e arriscado) explicar, já que o CLUBE tem regras rígidas e a primeira delas é não falar sobre o clube da luta. E a segunda também, por sinal. Mas hoje o menino aqui vai quebrar essas regras pra tentar trazer luz a esse clássico! Vai encarar? 

TYLER, MARLA E O NARRADOR 

A estória tem como ponto central o narrador, interpretado por Edward Norton, que sofre de insônia e, à medida em que seu médico recusa-se a prescrever medicações, ele começa a frequentar grupos de apoio a pacientes de câncer testicular, como forma de tentar curar o próprio sofrimento observando o sofrimento alheio.

 

Porém, o narrador começa a se viciar de tal maneira nos grupos de apoio que se começa a fingir que também é doente. Isso traz um certo conforto a ele, pelo menos até surgir uma outra impostora: Marla Singer (Helena Bonham Carter). Os dois se desentendem e concordam em não frequentar os mesmos grupos, já que ambos representam, um para o outro, fraudes.

 

Durante uma viagem de negócios, o narrador conhece um vendedor de sabonetes chamado Tyler Durden, Tyler revela ao narrador que, além de fabricar sabonetes de origem duvidosa, ele se ocupa de pequenos atos de terrorismo, como infiltrar-se em buffets para urinar na comida ou emendar fragmentos de filmes adultos em rolos de filmes infantis.
 
Após essa viagem, o narrador volta para casa e encontra seu apartamento destruído por uma explosão, o que o leva a abrigar-se com seu novo “amigo”, Tyler. Ambos vivem numa casa abandonada e começam um clube chamado CLUBE DA LUTA. O clube consiste em reunir homens em locais secretos para lutas corporais como forma de libertação espiritual. O clube ganha cada vez mais adeptos e começa a se espalhar pelo país, logo evoluindo para algo maior: O Projeto Caos. Paralelamente, Tyler se envolve com Marla, o que, de certa forma, interfere na sua parceria com o narrador. A este ponto, os membros do Clube da Luta tornaram-se soldados do Projeto Caos. Suas ações começam a se tornar cada vez mais perigosas, indo desde assaltos a atentados terroristas. Todos os membros agora vivem na casa abandonada e, conforme as coisas saem do controle, o narrador procura Tyler, que parece ter sumido. Quando Tyler retorna, ele e o narrador deverão se confrontar. Esse é o ponto chave de todo o enredo. 

NARRATIVA INOVADORA 

Em momentos decisivos da trama, em especial quando a figura do narrador é colocada em evidência, a figura de Tyler pode ser vista em um frame (mesma técnica usada por Tyler para inserir elementos pornográficos em filmes infantis), o que dá a entender que o narrador e Tyler, na verdade, são a mesma pessoa. Esse recurso utilizado pelo diretor foi algo estrondoso na época. Depois do lançamento do filme, vários concursos foram realizados no sentido de desafiar os fãs a descobrirem quantas vezes Tyler podia ser visto sem estar, efetivamente, em cena. 

 

POLÊMICA NO BRASIL 

A exemplo de MATRIX, o CLUBE DA LUTA gerou discussão no Brasil quando de seu lançamento pois, no momento da exibição do filme num shopping center em São Paulo, Mateus da Costa Moreira disparou uma metralhadora 9mm contra a platéia. O fato trouxe à tona os questionamentos sobre os limites da arte, já que a carga de violência observada em CLUBE DA LUTA é, por vezes exagerada. Porém, a discussão logo perdeu fôlego. Descobriu-se que o atirador planejava há meses o atentado e o filme nada teve a ver com seu plano. Tratava-se única e exclusivamente de um jovem perturbado levando ao extremo o seu desequilíbrio mental. 

O LIVRO O CLUBE DA LUTA é uma adaptação para o cinema do livro homônimo do escritor norte-americano Chuck Palahniuk. Palahniuk envolveu-se, certa vez, em uma briga durante um acampamento. Apesar de ter retornado ao trabalho machucado e inchado, seus colegas de trabalho evitaram perguntar-lhe o que havia acontecido durante a viagem. Tal fato inspirou Chuck a escrever o Clube da Luta. 

CONCLUSÃO 

Com esse clássico do cinema moderno encerramos esse ano de 2017. Deixo mais uma vez meus agradecimentos às MENINAS QUE LÊEM LIVROS pela oportunidade de estar por aqui mais um ano fazendo o que gosto, ou seja, dividindo com vocês leitores minhas impressões sobre os mais diversos filmes. 

No mais, um bom natal e um feliz ano novo! Até a próxima, gente!


Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.