Menu

14.1.17

{O menino que vê filmes} Especial Quentin Tarantino



Oi gente! Como foram de virada de ano? Espero que todos tenham entrado 2017 com boas energias! Afinal, mais “sangrento” que o ano de 2016, só se o mesmo tivesse sido escrito por George R. R. Martin e dirigido por Quentin Tarantino rsrsrs...

E por falar nisso, estou trazendo uma novidade aqui na categoria d'O Menino Que Vê Filmes. De vez em quando, pretendo fazer, além das usuais resenhas de filmes e séries, uma resenha especial sobre os grandes diretores do nosso cinema. E, já que toquei no nome dele, a resenha de hoje vai ser uma pincelada pela vida e obra de ninguém menos do que o sensacional (na minha opinião) Quentin Tarantino!

Vocês também podem deixar nos comentários o nome dos seus diretores prediletos, que eu anoto aqui e, na medida do possível, vou resenhando a respeito dos mesmos.

Espero que gostem!

Sobre Quentin

Nascido Quentin Jerome Tarantino, em 1963, este roteirista e diretor de Knoxville, Tenessee (EUA) não imaginava o sucesso que alcançaria, tão pouco que seus filmes tornariam-se as obras de arte que se tornaram.
Dono de estilos peculiares de escrita e filmagem, os clássicos “tarantinescos” primam quase sempre pela violência nua e crua e, por vezes, exagerada, pela forma não linear das narrativas e pela singularidade gráfica. Longos e pouco convencionais diálogos também são marca registrada de Tarantino (vide as conversas entre Jules e Vince, em Pulp Fiction, de 1994, por exemplo).


A temática de seus enredos sempre tem como pano de fundo narrativas baseadas em situações violentas, como o assalto que deu totalmente errado em Reservoir Dogs (Cães de Aluguel, 1992) ou a saga de uma noiva/assassina profissional em busca de vingança contra o seu antigo amor.

Cães de Aluguel

Kill Bill
Outra característica do diretor é a de usar quase sempre os mesmos atores em suas produções, como por exemplo Harvey Keitel, Samuel L. Jackson, Tim Roth, Michael Madsen, Uma Thurman, Christoph Waltz, entre outros. O próprio Tarantino atua ou faz aparições na maioria de seus filmes.

O trabalho e o estilo de Quentin são tão reconhecidos no meio artístico que o mesmo atuou diversas vezes como convidado em outras produções, como no caso do excelente Sin City, de 2005, baseado na Graphic Novel de mesmo nome de Frank Miller, onde atuou como diretor convidado ao lado de Robert Rodriguez e do próprio Frank, criador da estória.

Sin City
Em sua carreira, Tarantino recusou convites de Hollywood para dirigir diversos filmes, como no caso dos conhecidos “Velocidade Máxima” e “Homens de Preto”, preferindo dedicar-se às suas próprias estórias. 

O último filme escrito e dirigido por Quentin foi o sensacional Hateful Eight (Os Oito Odiados, 2015) depois do qual ele teria dito, durante uma entrevista, que iria se aposentar.

Os Oito Odiados
De qualquer forma, Quentin Tarantino deixou no cinema a sua marca, como um dos grandes diretores/roteiristas do nosso tempo.

Filmografia

A obra completa de Tarantino pode ser conferida aqui, de forma que vou me ater a criar aqui uma pequena sinopse dos meus favoritos, em ordem cronológica.





Cães de Aluguel
(Reservoir Dogs, 1992) foi o primeiro longa de Tarantino e contou com investimentos, inclusive, do próprio elenco, como foi o caso de Harvey Keitel, que teve acesso ao roteiro através de sua esposa. O filme conta a tensa saga de 8 homens que planejam e executam um assalto, onde tudo sai terrivelmente fora do controle, revelando a crueldade e violência exacerbada em cada personagem. 








Em Pulp Fiction, cujo nome remete a um tipo de graphic novel considerada de baixa qualidade, o diretor usa e abusa da falta de linearidade na narração da estória, que conta com diversos personagens e situações a princípio sem relação, mas que eventualmente colidem em determinado momento do longa. Muitas passagens desse filme tornaram-se ícones da cultura pop do nosso tempo, como a cena onde os personagens de John Travolta e Uma Thurman dançam num conscurso de Twist, ou como o versículo (fictício) da bíblia deliberadamente declamado pelo personagem de Samuel L. Jackson.









Outro clássico assinado por Tarantino e dirigido pelo polêmico Oliver Stone é Assassinos por Natureza (Natural Born Killers, 1994). Contado numa atmosfera de videoclipe (que foi um marco para a época, e a exemplo de Mad Max), o longa narra a saga alucinada de Mickey Knox e Mallory Knox, um casal de viciados tanto em drogas e violência quanto um no outro. Alguns sites dão conta de que Tarantino não teria gostado muito do resultado final mostrado no filme, tendo lançado o seu roteiro posteriormente em formato de livro.







Um DrinK No Inferno
(From Dusk Till Down, 1996) foi meu primeiro filme do diretor. Confesso que depois da primeira assistida eu fiquei meio WTF??? , já que o filme começa com um enredo “X”, que depois vira “Y” e termina como “Z” (não vou dar detalhes, vocês sabem que eu evito ao máximo spoillers). Com o tempo eu acabei querendo assistir outra, e mais outra, e mais outra vez, porque afinal de contas o filme tem outros elementos a serem observados. Enfim, tem gente que ama, tem gente que odeia. Eu gostei bastante =)











Em Bastardos Inglórios (Inglorious Bastards, 2009), Tarantino brinca com uma realidade alternativa, onde um esquadrão composto por americanos e judeus é formado com um objetivo apenas: Matar nazistas (roubando aqui a frase do impagável Tenente Aldo Raine, personagem de Brad Pitt). Como a mesma violência de sempre, a tensão e o senso de humor doentio de seus enredos, o diretor entrega com Bastardos mais um grande clássico do cinema moderno, com destaque para o já citado Brad Pitt, dono de algumas das cenas mais engraçadas da história do cinema (na minha opinião). Recomendo demais!





Não podia deixar de dar destaque também a Django Livre (Django Unchained, 2012), onde Tarantino mescla um clássico do faroeste americano com o drama escravagista vivido naquele país. Surge assim a dupla formada pelo caçador de recompensas, Dr. King Schultz (Christoph Waltz) e pelo escravo por ele liberto, Django (Jammie Fox). Juntos, ambos vão tentar resgatar a amada de Django das mãos de um cruel senhor de escravos vivido por ninguém menos que Leonardo DiCaprio.






Por fim, quando eu achei que nosso diretor não produziria mais nada, Quentin entrega o ótimo Os Oito Odiados (The Hateful Eight, 2015), que traz no seu roteiro a mesma tensão e a mesma violência características, numa trama muito parecida com seu primeiro filme, já que envolve confinamento, desconfiança, traição e muito, mas muito sangue. 





Conclusão

Pedindo a licença pra fazer um paralelo aqui, quando escutei o álbum Black Ice, da banda AC/DC, em 2008, minha sensação foi de que o álbum era igual a todos os outros, mas com outras músicas. E isso era simplesmente sensacional!

Parece contraditório? Pois é, eu sei. E é exatamente assim que classifico os filmes do Tarantino, em sua maioria. A “pegada” é sempre a mesma, mudando a estória. E, de alguma forma, alguns de seus filmes tornaram-se clássicos.

Enfim, recomendo a todos os filmes desse fabuloso diretor/roteirista contemporâneo. Essa lista aí de cima é um bom começo pra quem não conhece nada =)

Até a próxima, gente!

13.1.17

{Resenha} Mau Começo - Desventuras em Série - Livro Primeiro


Autor: Lemony Snicket
Editora: Seguinte
Ano: 2016
Sinopse: Caro Leitor,
Sinto muito dizer que o livro que você tem nas mãos é bastante desagradável. Conta a infeliz história de três crianças muito sem sorte. Apesar de encantadores e inteligentes, os irmãos Baudelaire levam uma vida esmagada por aflições e infortúnios. Logo no primeiro capítulo as crianças estão na praia e recebem uma trágica notícia. A infelicidade segue os seus passos, como se eles fossem ímãs que atraíssem desgraças.Neste pequeno volume, os três jovens têm que lidar com um repulsivo vilão dominado pela cobiça, com roupas que pinicam o corpo, um incêndio calamitoso, um plano para roubar a fortuna deles e mingau frio servido como café da manhã.É meu triste dever pôr no papel essas histórias lamentáveis. Mas não há nada que o impeça de largar o livro imediatamente e sair para outra leitura sobre coisas alegres, se é isso que você prefere.Respeitosamente,Lemony Snicket.

Resenha:

Meu primeiro contato com essa história foi com o filme, lançado em 2004, vocês se lembram? Estrelado por Jim Carrey no papel de conde Olaf, ele relata a história dos três primeiros livros da série. Não me lembro muito do filme para poder comparar aos livros agora, mas não podemos nos esquecer que temos uma série chegando por aí.


É isso mesmo! Dia 13 de janeiro (uma sexta-feira 13, por que será?) serão lançados na Netflix todos os episódios da primeira temporada da série, que dessa vez será estrelada por Neil Patrick Harris (o Barney, de How I Met Your Mother). Vamos aguardar a resenha do Menino Que Vê Filmes também!!


Mas vamos ao livro, que é o que tô aqui pra resenhar, né?

Quanto mais o autor nos tenta convencer a deixar o livro de lado, mais nos dá vontade de conhecer a história dos irmãos Baudelaire, sempre esperando por um final feliz. Será que ele chega, após 13 livros? Por que será que essa família é tão azarada assim?

As desventuras dos irmãos Violet, Klaus e Sunny Baudelaire começam com a morte de seus pais em um incêndio que destruiu sua casa. O Sr. Poe era o executor testamentário da herança dos Baudelaire e ficou encarregado de dar a notícia às crianças, além de lidar com a fortuna da família e resolver para onde eles iriam agora.

Nesse período, as crianças passaram alguns dias na casa do Sr. Poe, que não tinha um ambiente muito agradável, porém, era bem melhor do que estava por vir e eles nem imaginavam.

O Sr. Poe encontrou um parente afastado da família, conde Olaf, um ator que morava na cidade e deveria ficar responsável pelos irmãos. Mas o conde Olaf era um homem mau, que morava em uma casa velha e suja e só estava de olho na fortuna dos Baudelaire, criando um plano terrível para colocar suas mãos nela.

“E dava para eles verem, no intervalo de pele muito branca situado entre a surrada bainha da calça e o seu sapato preto, que o conde Olaf tinha tatuada a imagem de um olho em seu tornozelo, igual à do olho em sua porta da rua. Ficaram imaginando quantos outros olhos não haveria na casa do conde Olaf, e veio-lhes um pressentimento de que, para o resto de sua vida, estariam sempre se sentindo sob a estreita vigilância do conde Olaf, mesmo quando ele não estivesse por perto.”

Violet era uma garota de 14 anos muito inteligente e gostava de trabalhar com invenções. Klaus, com 12 anos, já tinha lido mais livros do que eu ou você. Sunny, apesar da pouca idade, também demonstrou sua esperteza em vários momentos, mas sua principal atividade era morder tudo o que via pela frente.

As crianças descobriram qual era o plano de seu tutor para ficar com sua herança, mas quando tentaram revelar a outras pessoas que poderiam ajuda-los, ninguém quis ouvi-los. Assim, eles fizeram muitas pesquisas nos livros de sua vizinha, a juíza Strauss, para encontrarem uma forma de não deixar que isso acontecesse.


E foi com essa esperteza, inteligência e criatividade que os irmãos conseguiram escapar do plano de conde Olaf para ficar com sua fortuna. Mas não podemos esquecer, que nossos protagonistas não têm muita sorte e sua história ainda não terminou...

“Nessa altura de nossa história, sinto-me obrigado a interrompê-la para lhes dar um último aviso. Como eu disse no comecinho, este livro que está na mão de vocês não termina com um final feliz.”

Os livros são curtinhos, de simples leitura, e a história se desenrola de tal forma que não conseguimos parar de ler. É daqueles livros que lemos em poucas horas e já queremos partir para o próximo. Além disso, conta com as ilustrações de Brett Helquist, que nos ajudam a visualizar os personagens e algumas situações descritas no livro.

Nosso autor-narrador escreve com muita atenção ao leitor, explicando termos complicados, ou qual significado ele mesmo está atribuindo aos termos naquele momento. Apesar disso, continua tentando nos fazer desistir de acreditar no final feliz dos irmãos Baudelaire. Será mesmo que a vida deles será só de tragédias? Continuaremos com os próximos livros e não se esqueçam de acompanhar a série também na Netflix!

{Resenha} Sou Fã! E Agora?





Autora: Frini Georgakopoulos
Editora: Seguinte
Sinopse: Com uma linguagem rápida e divertida, este livro é uma mistura de artigos breves e atividades interativas que te convidam a refletir e discutir o que todos nós, fãs, mais amamos: as histórias.
Escrito por uma fã de carteirinha, “Sou fã! E agora?” faz um verdadeiro raio X da literatura jovem adulta, analisa os principais elementos das narrativas e a relação intensa que se desenvolve entre os fãs e as histórias. A autora ainda dá algumas dicas valiosas para você conseguir extravasar todo o seu amor, como criar seu próprio cosplay, escrever uma fanfic, organizar um evento, começar um blog ou canal e muito mais!



Gentem, eu e a Frini (já me sinto íntima da moça!) temos muitas coisas em comum! Se eu fosse fazer um livro sobre o que sou fã, seria sobre livros! Ela fez de um gênero, eu faria de... sei lá, sou indecisa demais para escolher um só!



Sou fã! E agora? É um livro com muitas dicas para você que não sabe o que fazer para demonstrar o quanto é fã de algo. No caso do livro, Frini nos mostrou o quanto é fão de Young Adult. Para mim, foi muito proveitosa a leitura deste livro, pois até hoje eu não havia entendido muito bem o que significava o estilo YA e ela explicou de modo claro e divertido. Assim, o leitor aprende facilmente sobre o gênero: as características, os romances, enredo... Bem interessante, especialmente para quem quer se aventurar nesta linha!

Ela passa por todas as fases de um fã: a entrada no gênero, o que faz nos apaixonarmos pelas histórias. Aqui começa a aventura de verdade: o que nos faz nos identificar com aquilo que estamos lendo, bem como porque muitas vezes acabamos gostando do vilão (Voldemort, Darth Vader, as rainhas e madrastas más da vida do leitor...)

“O vilão não se vê como vilão. Para ele, ele está certo do que quer, do que está fazendo. É o herói, o mocinho que o impede de conquistar o que deseja.”

Para mim, não tem exemplo melhor de construção de vilão do que a Elsa, da animação Frozen. A cidade a transforma em vilã por algo que ela é incapaz de controlar. E ela se torna reclusa na montanha mais alta, para não ferir ninguém... Já imaginei as pessoas contando histórias sobre a bruxa má que vive no alto da montanha. E aí, pela solidão e todo o contexto, ela acabaria tornando-se má. Maldade é uma questão de perspectiva, na maior parte das vezes. É como a magia... Não existe magia negra ou branca, existe o uso que se faz dela e as consequências que existe. O que é bom para um, nem sempre é bom para o outro, entendem?

Ela dá dicas de como identificar uma boa história, pois esta é aquela que nos prende com seus conflitos – sabe aquela coisa de mal poder se conter para não pular logo pro final do capítulo, para saber o que vai acontecer, finalmente? Então. – bem como o ritmo que a história se desenvolve.

“Para o filósofo Aristóteles, a catarse se refere à purificação das almas por meio de uma descarga emocional provocada por um drama (tanto para o personagem quanto para o leitor/público). Intenso, né? E para fangirls e fanboys, depois da catarse ainda temos outra descarga emocional extrema: quando o livro acaba e ansiedade define nossa vida enquanto esperamos pelo próximo volume da série! Tá sorrindo agora né? Você já passou por isso e vai passar outras vezes! Estamos nessa, parceiro!”

Frini nos fala da parte cosplay de ser fã – porque amar o livro/filme/anime/etc apenas não é suficiente, você que experimentar a fundo o personagem! – como criar seu evento literário (depois de criar um clube da leitura, ela começou a realizar os eventos) e se deu muito bem com isso!

Com atividades que te fazem pensar em seus livros, histórias e personagens preferidos, a obra é extremamente prazerosa de se seguir. As cores são um charme atrativo e você identifica diversos títulos de livros que com certeza são seus preferidos – pelo menos encontrei vários meus!



Gostei muito do livro e consegui fazer várias das propostas! Gostei mesmo!




12.1.17

{Resenha} Cujo



Autor: Stephen King
Editora: Suma de Letras
Ano: 2016
Sinopse: Frank Dodd está morto e a cidade de Castle Rock pode ficar em paz novamente. O serial-killer que aterrorizou o local por anos agora é apenas uma lenda urbana, usada para assustar criancinhas. Exceto para Tad Trenton, para quem Dodd é tudo, menos uma lenda. O espírito do assassino o observa da porta entreaberta do closet, todas as noites. Você pode me sentir mais perto… cada vez mais perto.
Nos limites da cidade, Cujo – um são Bernardo de noventa quilos, que pertence à família Camber – se distrai perseguindo um coelho para dentro de um buraco, onde é mordido por um morcego raivoso. A transformação de Cujo, como ele incorpora o pior pesadelo de Tad Trenton e de sua mãe e como destrói a vida de todos a sua volta é o que faz deste um dos livros mais assustadores e emocionantes de Stephen King.


Antes de Tad Trenton se mudar para a  cidadezinha de Castle Rock,um maníaco assassino aterrorizou o local por anos,e sua estória passou a ser contada para as crianças como uma lenda urbana a fim de que elas se comportassem ou sofreria consequências. E assim anos se passaram.

Tad uma criança de 4 anos passou a ter pesadelos frequentes deixando seus pais preocupados mas sem dar muita corda para a aflição do filho. Dia após dias Tad via "Frank" o ameaçando de dentro do seu armário sem poder fazer muita coisa. Mas a família "feliz" nada aparenta ser o que é.

Em uma estrada mais afastada da cidade,mora outra família que assim como a de Tad irá mudar da pior maneira possível. O sr. Camber é o mecânico da cidade,apesar de ser turrão e machista ainda é o mecânico mais "honesto" da cidade. No encontro das duas famílias em um momento de necessidade Tad conhece o Cão da família Cujo,um São Bernardo,manso e que adora a companhia das pessoas.

Por uma infelicidade do destino,Cujo é atacado por um morcego raivoso e contrai Raiva,aquele cãozinho manso e amoroso se transforma em uma maquina de matar,aterrorizando quem cruzar seu caminho.

Essa foi minha primeira leitura de um livro do King e confesso que fui com muita sede ao pote,e infelizmente não foi nada daquilo que imaginei. Realmente esperava mais dessa leitura. Alguns personagens pra mim foram bem maçantes e chatos mesmo,o único que me cativou foi Cujo mesmo em sua forma assassina. Apesar de saber o já iria acontecer com Cujo o que fica bem obvio na sinopse me surpreendi com o que acontece com alguns personagens e com outros já era de se esperar at´gostei,mas realmente não esperava alguns desfechos. Não achei nada de tão assustador assim nessa leitura,mas darei uma nova chance ao King,quero livro mais "assustador" por favor!!!

11.1.17

{Resenha} Lobo por Lobo - Ryan Graudin



Autora: Ryan Graudin
Editora: Seguinte

Sinopse: "O Eixo ganhou a Segunda Guerra Mundial, e a Alemanha e o Japão estão no comando. Para comemorar a Grande Vitória, todo ano eles organizam o Tour do Eixo: uma corrida de motocicletas através das antigas Europa e Ásia. O vencedor, além de fama e dinheiro, ganha um encontro com o recluso Adolf Hitler durante o Baile da Vitória.
Yael é uma adolescente que fugiu de um campo de concentração, e os cinco lobos tatuados em seu braço são um lembrete das pessoas queridas que perdeu. Agora ela faz parte da resistência e tem uma missão: ganhar a corrida e matar Hitler. Mas será que Yael terá o sangue frio necessário para permanecer fiel à missão?"



Meu amor por livros ambientados no pós-Grande Guerra (e variações) não é segredo para ninguém. Lobo por Lobo tornou-se o segundo lugar da minha lista de livros preferidos sobre o tema, atrás apenas de O Menino dos Fantoches de Varsóvia (meu xodó!). Por que não o primeiro lugar? Vejamos...

Em Lobo por Lobo, Yael, uma sobrevivente do caos instalado por um Hitler vitorioso, é membro da resistência e tem grandes planos para a revolução: matar o Fuhrer em uma transmissão ao vivo para todo o mundo e, assim, incitar a guerra que levaria à liberdade. Suas desvantagens? A Gestapo, a ss, o fato de Hitler evitar aparições públicas. Sua vantagem? Ser a vítima de um experimento num campo de concentração que, com o intuito de dar-lhe feições arianas, acabou culminando em sua habilidade de trocar de rosto facilmente. 

Entretanto, a habilidade de assumir a pele de outras pessoas acaba fazendo Yael, pouco a pouco, perder sua identidade. Se eu pareço essa pessoa, se eu falo como essa pessoa, se eu me visto como essa pessoa, como eu posso não ser essa pessoa? A única coisa que a lembrava da garota que ela já foi e de tudo que ela já viveu era a marca em seu braço. Os números negros e tortuosos tatuados às pressas no campo de concentração. Com o tempo, Yael aprendeu a olhar para eles com outros olhos. Não como marcas de uma época ruim, mas como marcas de quem ela era e porquê ela devia lutar; assim sendo, tatuou, em cima dos números rabiscados, 5 lobos, levando consigo a lembrança de 5 pessoas que fizeram parte de sua reinvenção. 
"O reflexo de Adele pairou no vidro. Encarando Yael com a mesma ferocidade com que a verdadeira Wolfe havia encarado.Quem é você?Uma vez, apenas uma, Henryka teve o cuidado de perguntar a Yael como era sua verdadeira aparência. Antes das agulhas do dr Geyer. Antes da queimadura, do alvejante e das trocas de pele. Antes dos muitos rostos de outras garotas (...). Yael abriu a boca para responder e, com espanto, percebeu que não lembrava.Ela não lembrava. Ela não lembrava.Que tipo de pessoa esquece o próprio rosto?("Não tem problema", Henryka havia lhe dito. "O que importa é o que está dentro de você.")Mas o que estava dentro dela? Um coquetel invasivo de substâncias químicas, em que não confiava plenamente. (...) Reações em cadeia no corpo que ela havia tentado pesquisar, compreender, entender. Mas nada nos volumes de biologia e química orgânica de Henryka explicava seu metamorfismo.O que quer que espreitasse dentro de Yael, era novo. Revolucionário."

A missão da nossa protagonista, então, consistia em assumir a identidade de Adele Wolfe, participar de uma corrida de motos com outros jovens arianos, ganhar o primeiro lugar e garantir um encontro com o Fuhrer. Um encontro com a oportunidade de derramar seu sangue e libertar seu povo. Porém, nem tudo são flores. Yael podia ter a aparência de Adele Wolfe, mas não tinha sua experiência, não sabia como lidar com os outros corredores - principalmente com Luka Lowe, com quem Adele parece ter tido um passado misterioso. Ademais, Felix, irmão gêmeo de Adele, inscreve-se de última hora na corrida e, tentando proteger a irmã, Felix acaba colocando a missão da resistência em risco. 

"Yael sentou no colchão, arregaçou a manga esquerda e tirou a gaze sob a qual a matilha corria em sua pele. Vlad ainda estava inchado e em carne viva. Sensível demais para tocar. 

Ela passou o dedo de leve sobre os outros, deixando seus nomes se prolongarem na ponta de sua língua.

- Babuskha, Mama, Miriam...
Aqueles consumidos pelas cinzas.
-Aaron-Klaus, Vlad.
Yael engoliu em seco. Cinco lobos. Quatro lembranças e um lembrete. 
Sua perda era maior do que aquilo... no entanto, quatro mais um era um número que conseguia lembrar. Um número com o qual conseguia lidar sem deixar que a vastidão a cortasse feito as garras de um caranguejo. 
(...)
Por isso, toda noite antes de dormir, ela arregaçava a manga, traçava os lobos e dizia o nome deles. Em algum lugar ali, naqueles fragmentos de almas e memórias perdidas, estava Yael. 
Não nas substâncias químicas, mas na essência. A verdadeira Yael. 
Já tinha perdido seu rosto. Não podia deixar que o resto dela (por mais sombrio, por mais falho que fosse) escapasse. Então traçava e dizia os nomes. Sofria e sentia raiva.
Ela lembrava."

 Agradou-me ver que, mesmo com habilidades especiais, a nossa protagonista não era perfeita, não era uma máquina de matar. Era uma garota com algum treinamento, nada além disso. Facilmente enganada, facilmente sobrepujada por alguém maior (nada de "Yael lutou contra 3 fortes homens e os derrubou com 4 golpes"), facilmente encurralada - afinal, uma garota em sua essência. Uma garota susceptível aos encantos de um amor que não é realmente seu, susceptível à dor de um irmão com o qual ela não compartilha nenhum laço sanguíneo. 

Ryan Graudin produziu uma novela sobre um plano de fundo histórico, criou várias possibilidades e deixou minha mente matutando com tantos "e se" sobre a vida e a morte do Fuhrer. Creio que o fato de tantas possibilidades foi o que fez com que eu não amasse ainda mais esse livro - eis o motivo de eu não dar-lhe medalha de ouro. Por exemplo: Hitler em sua vida sofreu várias tentativas de assassinato; no livro, Ryan cria uma tentativa nova com uma motivação nova com um personagem novo. Por que não transformar uma tentativa real, alterar detalhes, dar história aos personagens que viveram anos atrás, dar um novo nome a eles? Por que não reinventar o que já está escrito, o que já aconteceu? Foi com esse pequeno detalhe que O Menino dos Fantoches de Varsóvia me ganhou: misturando história e arte. 

A capa do livro é belíssima, sério! Apaixonante! A diagramação, de modo geral, tem pequenos problemas que interferem no meu TOC mas não prejudicam demasiadamente a leitura - uma vírgula faltando aqui, uma troca de "Felix" por "Feliz" ali... O que me chateou de verdade foi ter que abrir o Google tradutor para entender algumas palavras em alemão, já que não havia um rodapé com a dita cuja. Custava colocar, poxa? Creio que o original em inglês também não possuía as traduções mas DEVIA, TÁ? Fica a dica aí pros gringos. 

Fora esse leve aborrecimento com as traduções inexistentes, é um livro maravilhoso. Tem história, tem ação, tem romance, tem tudo! Yael é uma personagem apaixonante desde a primeira página; as outras personagens, com o desenrolar da trama, mostram-se dignas de toda nossa empatia também. Vale a pena conferir esse enredo de pertinho; recomendo a leitura e ainda dou 5 estrelas ao melhor livro de 2016 - porque O Menino dos Fantoches de Varsóvia eu li em 2015, tá? haha.

10.1.17

{Lançamentos} Harlequin - Janeiro #2017


Olá meus amores, tudo bem?
Olha aí os lançamentos da Harlequin desse mês.
Confere aí negrada!


PAIXÕES DESTEMIDAS – ANNIE WEST, ANDIE BROCK & SUSANNA CARR

CORAÇÕES INDEPENDENTES - Annie West
Imogen Holgate acredita estar com a mesma doença terminal que levou sua mãe. Então, decide gastar todas as suas economias em uma viagem ao redor do mundo. E ao conhecer o sensual Thierry Girard, ela não hesita em se entregar a esse sensual parisiense. Porém, o romance de duas semanas resulta em uma gravidez inesperada. E Thierry acaba de pedi-la em casamento!

CAMINHOS PARA O PERDÃO - Andie Brock
Orlando Cassano adora sua vida de solteiro. Ele trabalha duro e se rende ao prazer sempre que deseja. Até sua amante, a CEO Isobel Spicer, revelar estar grávida! Orlando pode não ter tido uma figura paterna em sua vida, mas estará presente na vida do filho. Contudo, para convencer a independente Isobel a subir ao altar, ele precisará usar muito mais do que seu poder de sedução…

SENTIMENTOS PROIBIDOS - Susanna Carr
Stergios não via Jodie Little desde a noite em que cederam à atração proibida que sentiam. Mas agora ela está de volta,querendo consertar os erros do passado. Jodie não tinha a intenção de se envolver com ele outra vez. Porém, logo percebem que seria impossível resistir a essa paixão. Uma última noite deveria ser suficiente para saciarem o desejo. Contudo, ao ir embora, Jodie carrega muito mais do que apenas lembranças escaldantes…

3 HISTÓRIAS DE GRÁVIDA GENTE! 
 EU DISSE 3!




UNIÃO AVASSALADORA - AMANDA CINELLI

Adorável escândalo!

Perto de fechar o acordo mais importante de sua vida, o poderoso CEO Rigo Marchesi é surpreendido por uma notícia bombástica: a noite inesquecível que tivera com a atriz Nicole Duvalle resultara em uma gravidez inesperada. Com receio de o escândalo destruir seu império, Rigo decide pedi-la em casamento. Porém, ao passar mais tempo ao lado de Nicole, esse taciturno bilionário percebe que ela não é a interesseira que imaginara. E agora Rigo está determinado a mostrá-la todos os deliciosos benefícios de ser a esposa de um Marchesi.

MAIS UMA HISTÓRIA DE GRÁVIDA! 
A pessoa pira total! #AMO




PASSOS PARA O FUTURO - Sherryl Woods

Um amor inesquecível?

As irmãs de Jo D’Angelo acham que conhecem o remédio perfeito para curar seu coração partido: alguns dias relaxantes no idílico chalé que pertencera a sua avó. Contudo, para ela, Rose Cottage é apenas uma lembrança dolorosa do romance que tivera com Pete Catlett, anos atrás. Ele mal pôde acreditar quando descobriu que Jo estava de volta à cidade, mas teve a ligeira impressão de que era a última pessoa que ela queria encontrar batendo a sua porta. Pete jurou recuperar a confiança de Jo e ganhar seu perdão.
E, quem sabe, conquistar novamente a mulher que jamais conseguiu esquecer.


NÚPCIAS DE VINGANÇA - SARA CRAVEN

Apenas conveniência?

A bela Helen Frayne jurou fazer o que fosse preciso para manter a propriedade da família. Mas não imaginava que teria de ir tão longe… O arrogante milionário francês Marc Delaroche deseja Helen mais do que qualquer outra mulher. E está certo de que conseguirá persuadi-la a ser sua esposa em troca da preciosa mansão que ela chama de lar. Sem escolha, Helen aceita a proposta, acreditando que o casamento seria de conveniência. Contudo, não demora para ela perceber que é impossível resistir ao poder de sedução de Marc.



IRMÃOS E RIVAIS - Maya Blake

ACORDO IMPULSIVO

Alejandro Aguilar não mistura negócios com prazer. Porém,sua nova funcionária, Elise Jameson, o faz querer quebrar as próprias regras. Ao trabalharem juntos em uma fusão multibilionária, ficam tentados a se entregarem ao desejo.Contudo, Alejandro vê traição por todos os lados… inclusive nos olhos de Elise.

UMA NOITE DE PRAZER

O bilionário Gael Aguilar só tem duas regras em seus relacionamentos: o tempo limite é de seis semanas, e ele não dá segundas chances. Mas a aspirante a atriz Goldie Beckett acaba quebrando ambas ao invadir uma reunião para devolver o dinheiro que ele deixara após a noite de paixão que tiveram.

O QUE EU POSSO DIZER?


Até a próxima amores.
 Fui!


{Resenha} Último Turno


Autor: Stephen King
Editora: Suma de Letras
Ano: 2016
Sinopse: Brady Hartsfield, o diabólico Assassino do Mercedes, está há cinco anos em estado vegetativo em uma clínica de traumatismo cerebral. Segundo os médicos, qualquer coisa perto de uma recuperação completa é improvável. Mas sob o olhar fixo e a imobilidade, Brady está acordado e possui agora poderes capazes de criar o caos sem que sequer precise deixar a cama de hospital.
O detetive aposentado Bill Hodges agora trabalha em uma agência de investigação com Holly Gibney, a mulher que desferiu o golpe em Brady. Quando os dois são chamados a uma cena de suicídio que tem ligação com o Massacre do City Center, logo se veem envolvidos no que pode ser o seu caso mais perigoso até então.Brady está de volta e, desta vez, não planeja se vingar apenas de seus inimigos, mas atingir toda uma cidade.Em Último Turno, Stephen King leva a trilogia a uma conclusão sublime e aterrorizante, combinando a narrativa policial de Mr. Mercedes e Achados e Perdidos com o suspense sobrenatural que é a sua marcar registrada.

Resenha:

Quero começar essa resenha comentando a dedicatória do livro (coisa que quase ninguém presta muita atenção, inclusive eu!). Geeeenteeeee, Stephen King dedicou Último Turno para Thomas Harris!!!! O criador do psicopata mais amado dos livros e do cinema, Hannibal Lecter!! (táaa, talvez o psicopata mais amado por mim, mas enfim...) Voltando ao livro...

Ahhhh! Que ingenuidade a nossa pensar que a Trilogia Bill Hodges seria apenas mais uma história de suspense policial comum, sem envolver eventos inexplicáveis e sobrenaturais dos quais Stephen King sempre faz uso em seus livros. Finalmente sua marca registrada apareceu no terceiro livro da série, que veio para fechar com chave de ouro as aventuras do psicopata Brady Hartsfield.

Senti um pouco de falta das mortes impressionantes e banhos de sangue, tão presentes nos dois primeiros livros da trilogia. Podemos dizer que Último Turno mexe mais com o lado psicológico de seus personagens (e nosso também).

No segundo livro, eventos estranhos já começaram a acontecer no hospital em que Brady estava internado, em estado semicatatônico. Torneira abrindo e fechando sozinha, foto caindo sem ninguém encostar... Qual será o segredo que Brady Hartsfield está escondendo dessa vez?

No geral, as mortes desse terceiro livro acontecem por suicídio. Então como poderíamos imaginar que Brady teria alguma coisa a ver com isso? Trancado dentro do hospital, sem acesso ao mundo externo e quase sem movimentos, não haveria como o assassino estar envolvido, certo? Mas sempre existe aquela pulguinha atrás da orelha de Bill Hodges, que investiga os suicídios por conta própria, já que a polícia não acredita que exista nada de estranho neles.

“Foi Hartsfield quem percebeu os pensamentos suicidas de Hodges e tentou dar uma mãozinha. Funcionou com Olivia Trelawney, afinal, e ele pegou gosto.”

Em todas as mortes que andavam acontecendo, havia um estranho objeto em comum nos locais: um Zappit, que era um aparelho eletrônico de joguinhos simples, um tanto quanto ultrapassado nos dias de hoje. Além disso, também havia um tipo de assinatura nas mortes, apenas a letra Z aparecendo em algum lugar próximo de onde o cadáver era encontrado.

Um dos jogos disponíveis no aparelho se chama Pescaria, onde peixes coloridos aparecem nadando na tela de demonstração, com uma musiquinha que torna tudo meio hipnotizante. Na investigação, Hodges descobre que vários desses aparelhos foram doados após o fechamento da empresa que os produzia. Inclusive o hospital em que Brady estava também recebeu algumas unidades, e ele passava horas olhando para a tal tela de demonstração do jogo de pescaria.

O médico de Brady, Dr. Babineau, escolhe esse paciente para testar uma nova droga experimental usada em casos de morte cerebral, e com isso, ele passa a ter uma melhora considerável, em relação a reflexos e movimentos, às vezes até soltando uma ou outra palavra. Em outros momentos, continuava naquele estado apático com o qual todos já haviam se acostumado.

Ao mesmo tempo, Hodges estava sentindo dores fortíssimas, e apesar de adiar seus exames, acaba descobrindo um câncer no pâncreas, já em estado um pouco avançado demais para deixar pra lá. Porém, cabeça dura que é, convence Holly que em até três dias ele resolveria o caso e se internaria para o tratamento.

Barbara (irmã de Jerome), hipnotizada pelo tal jogo, quase morre atropelada por um caminhão, se não fosse um rapaz empurrá-la mais para frente, deixando-a apenas com alguns ossos quebrados. Barbara relatou aos investigadores que ouvia uma voz em sua cabeça dizendo coisas que a deprimiam, e tentava convencê-la a se matar, mesmo que ela nunca tivesse pensado no assunto.

“Ele não consegue dizer em que está começando a acreditar: que são máquinas de suicídio.”

A trama se desenrola com essa investigação, talvez a última da carreira de Hodges, que já não tem saúde para continuar. Mas como sempre, ele conta com a ajuda de Holly e Jerome, e conseguem desvendar o mistério, que apesar de não ser a versão oficial divulgada pela polícia, foi solucionado.

No final das contas, eu esperava mais desse livro. Gostei tanto de Mr. Mercedes e Achados e Perdidos, que achei que esse fosse me impressionar ainda mais. Mas confesso que ele é o que menos gostei dos três, o que não o torna um livro ruim, de maneira alguma. Apenas faltou um pouco de sangue e ação pro meu gosto.


De qualquer forma, Stephen King conseguiu prender minha atenção do começo ao fim, atiçar minha curiosidade quanto à telecinesia e controle da mente, e manter minha ansiedade quanto ao final da trilogia. Isso fez toda a espera valer à pena. Trilogia recomendadíssima!!!



9.1.17

{Lançamentos} Janeiro: Editora Sextante


Chegaram os lançamentos da Editora Sextante!

Tem muita coisa sobre saúde, espiritualidade e infantil!

A continuação de Diário de um Zumbi de Minecraft, que já está em seu 9º livro, está entre os lançamentos!

Confira todos abaixo!

Diário de um bárbado covarde
Bárbaros versus goblins


Lançamento: 9.jan
Preço: R$ 24,90
Gênero: Infantojuvenil
Formato: 14x21cm
Páginas: 96
ISBN: 978-85-431-0461-4
EAN: 9788543104614
E-book:Preço: R$ 16,99
e-ISBN: 978-85-431-0462-1
Uma arqueira mercenária, um mago advogado, um esqueleto cegueta, um gigante dono de loja e muitos, mas muitos goblins…
Chegou a hora de conhecer a biografia de Skulk, o bárbaro covarde.
A vida não está nada fácil para Skulk. Ainda no nível 1, ele sente que é uma piada para todos, principalmente para Conan, o bárbaro mais popular do lugar (mas não é aquele em que você está pensando, tá? O Conan dessa aldeia é um cabeção...).
Querendo avançar mais níveis, ele tem uma ideia brilhante: passar a noite na mina para extrair elixir e acumular experiência. Mas, atrapalhado como é, acaba danificando a linha de Ley, responsável pela defesa da aldeia.
Com um ataque de goblins a caminho, Skulk terá que vencer seus medos para salvar os amigos (e a si mesmo). Só um detalhe pode atrapalhá-lo nessa missão: ele não tem ideia de como vai fazer isso...

Diário de um zumbi do Minecraft #9



Lançamento: 9.jan
Preço: R$ 24,90
Gênero: Infantojuvenil
Formato: 14x21cm
Páginas: 160
ISBN: 978-85-431-0440-9
EAN: 9788543104409
E-book:Preço: R$ 16,99
e-ISBN: 978-85-431-0441-6
Parabéns pra você, nesta data querida... O Apocalipse Zumbi vai acabar com a sua vida!
Faltam apenas algumas semanas para o Dia das Bruxas. Além de ser o evento preferido do zumbi, ele ainda vai completar 13 anos! Só que um “pequeno” problema pode interferir nos planos da festa de aniversário perfeita: o Apocalipse Zumbi está prestes a acontecer!
Zumbi, Esquely, Slimey, Creepy e o humano Steve terão que lidar com algo realmente apavorante, que pode colocar em risco a existência de todos os mobs de Minecraft!
Prepare-se para uma batalha épica, com direito a muitos gritos, perseguições, monstros com cabeças de abóbora e... BOLO! (Afinal de contas, é uma festa, né? Não pode faltar bolo.)
NESTE VOLUME: O APOCALIPSE ZUMBI CHEGA À VILA MOB!

Naturalmente mais jovem



Lançamento: 9.jan
Preço: R$ 34,90
Gênero: Saúde
Formato: 16x23cm
Páginas: 224
ISBN: 978-85-431-0431-7
EAN: 9788543104317
E-book:Preço: R$ 16,99
e-ISBN: 978-85-431-0432-4
As rugas, a flacidez e o cansaço não precisam ser uma parte inevitável do envelhecimento. Esses e outros sintomas desagradáveis indicam o declínio das funções celular e hormonal que acontece após os 30 anos. A boa notícia é que eles podem ser interrompidos e até mesmo revertidos.
A partir de estudos, casos bem-sucedidos de clientes e experiências pessoais, a pesquisadora e terapeuta nutricional Roxy Dillon elaborou o programa Biojovem, que utiliza ingredientes naturais e acessíveis para ajudar as pessoas a envelhecer com beleza, saúde e qualidade de vida.
Ela revela quais alimentos, ervas, suplementos e óleos essenciais devem fazer parte da sua rotina e explica como seus componentes químicos contribuem para normalizar a pressão arterial, revigorar a pele e prevenir o surgimento de células cancerosas. Você vai aprender a:
• Aumentar a energia para o dia a dia e a libido.
• Combater as rugas, a celulite e a flacidez.
• Manter o cabelo sedoso e prevenir a queda.
• Transformar gordura em músculos.
• Reverter os efeitos da menopausa.
“Este livro não vai lhe ensinar a parecer jovem com meios superficiais. Aqui, parecer e se sentir mais jovem são consequências do efeito antienvelhecimento biológico real e das funções celular e hormonal de fato mais jovens. E o melhor é que você usará substâncias naturais seguras e eficazes para alcançar esses resultados.” - Roxy Dillon

As 8 leis espirituais da saúde



Lançamento: 9.jan
Preço: R$ 34,90
Gênero: Espiritualidade
Formato: 14x21cm
Páginas: 240
ISBN: 978-85-431-0459-1
EAN: 9788543104591
E-book:Preço: R$ 21,00
e-ISBN: 978-85-431-0460-7
Depois de sofrer um grave acidente, o bombeiro hidráulico Tommy Rosa passou por uma experiência de quase morte. Atravessou um túnel de luz e chegou a um lugar abençoado, onde descobriu que Deus criou a Terra para curar a humanidade e que todos nós estamos conectados por laços indestrutíveis.
Conduzido por um ser divino, Tommy recebeu uma série de lições profundas sobre a natureza humana – que se tornaram as 8 leis espirituais da saúde. Quando retornou à vida, era um homem transformado, com um extraordinário senso de compaixão.
Na mesma época, o cardiologista e psicoterapeuta Stephen Sinatra revolucionava sua área de atuação com uma abordagem holística, que não se limitava a prescrever medicamentos: ele compreendia a importância de se conectar com seus pacientes e olhá-los além de suas doenças.
Quando um encontro inusitado uniu os dois, eles perceberam que as revelações que Tommy recebeu no Céu confirmavam as práticas que Dr. Sinatra vinha aplicando em seu consultório. Neste livro, eles reúnem seus conhecimentos e ensinam como melhorar sua saúde física e emocional.
As 8 leis que eles compartilham vão ampliar sua compreensão sobre a importância da fé, da comunhão com a natureza, do resgate do amor-próprio, da positividade, dos relacionamentos e da boa alimentação. Além disso, mostram o que podemos alcançar quando usamos as lições do Céu para curar nossa vida na Terra.

Pequenas ideias para futuras mamães


Lançamento: 9.jan
Preço: R$ 24,90
Gênero: Autoajuda
Formato: 14x21cm
Páginas: 112
ISBN: 978-85-431-0467-6 
EAN: 9788543104676
O nascimento de um filho marca o antes e o depois da vida de qualquer mulher: muda seus horários, sua relação com o parceiro, seu estilo de se vestir, sua maneira de cozinhar... é uma montanha-russa de emoções e transformações sem igual.
Você nunca se sentirá tão exuberante quanto durante a gravidez – mas também jamais se sentirá tão insegura.
Para aliviar a tensão das mulheres que andam apreensivas com tantas mudanças, as autoras decidiram compartilhar dicas, conselhos e alguns segredinhos sobre a maternidade.
Pequenas ideias para futuras mamães é um livro divertido e interativo para você acompanhar o desenvolvimento da gravidez, tomar notas importantes, lembrar-se de descansar enquanto é tempo e preparar-se para a aventura mais incrível da sua vida!
Repleto de ilustrações divertidas, dicas práticas e conselhos realmente úteis, este livro reúne algumas verdades essenciais para as mães de primeira viagem, que estão ao mesmo tempo cheias de dúvidas e expectativas com o nascimento do bebê.

O que eu sei de verdade


Lançamento: 9.jan
Preço: R$ 24,90
Gênero: Autoajuda
Formato: 14x21cm
Páginas: 144
ISBN: 978-85-431-0458-4
EAN: 9788543104584 (novos números)
E-book:Preço: R$ 16,99
e-ISBN: 978-85-431-0147-7
Entre os talentos de Oprah Winfrey está sua capacidade de compreender a natureza humana como poucos e, ao mesmo tempo, colocar essa sabedoria em palavras.
Desde que foi questionada sobre as coisas de que tinha certeza na vida, ela passou a registrar suas reflexões sobre relacionamentos amorosos, família, autoestima, medos, fracassos e superação.
Em textos curtos, Oprah oferece mensagens profundas que vão ajudar você a fazer as pazes com seu corpo, a construir relacionamentos mais harmoniosos, a mudar sua maneira de encarar os problemas e a extrair da vida o máximo que ela tem a oferecer.

Você pode falar com Deus


Lançamento: 9.jan
Preço: R$ 29,90
Gênero: Espiritualidade
Formato: 14x21cm
Páginas: 144
ISBN: 978-85-431-0474-4
EAN: 9788543104744 (novos números)
E-book:Preço: R$ 19,99
e-ISBN: 978-85-431-0043-2
Desde criança, Pedro Siqueira tinha visões místicas. Com o tempo, seu dom se transformou em missão: ser um instrumento de ligação entre as pessoas e o mundo espiritual e ajudá-las a desenvolver sua fé através de mensagens de santos, anjos e de Nossa Senhora.
Ele começou a dividir os ensinamentos que recebia com pequenos grupos de oração. Aos poucos, esse círculo foi crescendo e, hoje, Pedro dirige a oração do terço para milhares de fiéis.
Com este livro, ele amplia ainda mais o alcance de sua mensagem e leva ao leitor as orientações mais importantes para quem deseja estreitar sua relação com Deus por meio da oração.
Neste livro, ele ensina como devemos rezar para estabelecer um canal de comunicação direto e verdadeiro com Deus. E nos aponta o caminho para uma vida espiritual plena e feliz, dedicada ao Senhor e a serviço do próximo.
A partir de fascinantes histórias reais, Pedro nos faz ver que as coisas vindas do Altíssimo são impressionantes e imprevisíveis. E que, quando rezamos com fé e acreditamos na Providência divina, milagres podem acontecer em nossas vidas.

A roda da vida


Lançamento: 9.jan
Preço: R$ 39,90
Gênero: Espiritualidade
Formato: 14x21cm
Páginas: 320
ISBN: 978-85-431-0454-6
EAN: 9788543104546 (novos números)
E-book:Preço: R$ 24,99
e-ISBN: 978-85-7542-659-3
Elisabeth Kübler-Ross foi uma médica à frente de seu tempo, responsável por mudar a forma como o mundo enxergava a morte. Através de seus vários livros e muitos anos de trabalho dedicados a crianças, pacientes com aids e idosos com doenças terminais, ela trouxe consolo e compreensão para milhões de pessoas que tentavam lidar com a própria morte ou com a de entes queridos.
Neste emocionante relato, a médica conta a história de sua vida e aprofunda sua verdade final: a morte não existe.
Escrita com franqueza e entusiasmo, a autobiografia de Elisabeth reconstitui o desenvolvimento intelectual e espiritual de um destino. As convicções que enfrentaram dogmas, preconceitos e críticas já estavam presentes na menina suíça quando a jovem se viu pela primeira vez diante das injustiças do mundo e jurou acabar com elas.