Menu

23.1.18

{Resenha} O jardim das Borboletas

Título original: The butterfly Garden
Autora: Dot Hutchinson
Editora: Planeta
Sinopse: Quando a beleza das borboletas encontra os horrores de uma mente doentia. Um thriller arrebatador, fenômeno no mundo inteiro Perto de uma mansão isolada, existia um maravilhoso jardim. Nele, cresciam flores exuberantes, árvores frondosas... e uma coleção de preciosas “borboletas”: jovens mulheres, sequestradas e mantidas em cativeiro por um homem brutal e obsessivo, conhecido apenas como Jardineiro. Cada uma delas passa a ser identificada pelo nome de uma espécie de borboleta, tendo, então, a pele marcada com um complexo desenho correspondente. Quando o jardim é finalmente descoberto, uma das sobreviventes é levada às autoridades, a fism de prestar seu depoimento. A tarefa de juntar as peças desse complexo quebra-cabeça cabe aos agentes do fbi Victor Hanoverian e Brandon Eddinson, nesse que se tornará o mais chocante e perturbador caso de suas vidas. Mas Maya, a enigmática garota responsável por contar essa história, não parece disposta a esclarecer todos os sórdidos detalhes de sua experiência. Em meio a velhos ressentimentos, novos traumas e o terrível relato sobre um homem obcecado pela beleza, os agentes ficam com a sensação de que ela esconde algum grande segredo.
“Mas não aquela garota da sala de interrogatório. Quando lhe fizeram perguntas, ela simplesmente se virou de costas. Na opinião de todos, ela não tinha a menor intenção de ser encontrada.”
Demorei um pouco para conseguir sentar escrever a resenha desse livro incrível. Acho que colocar em palavras o que pensei e senti durante a leitura dele seria como um fechamento e eu gostei tanto da leitura que não queria que ela chegasse ao fim. 

Maya é uma jovem de, acredito, 16 a 18 anos. Uma sobrevivente, do começo ao fim da história que ela se propõe a contar para os agentes do FBI Victor Hanoverian e Brandon Eddinson, dois homens com seus próprios problemas em suas vidas e encontram naquela sala de interrogatório talvez um dos maiores mistérios que precisam desvendar e tudo o que podem contar é a participação daquela menina que não parece disposta a colaborar.

Percebemos a antipatia dos agentes em relação à Maya, pois além dela manter-se numa postura distante e sarcástica, todas as outras meninas resgatadas não querem conversar com os policiais antes de a verem. É aí então que começa o delicado trabalho dos dois agentes, conversar com aquela adolescente esperta que não irá cair na lábia do FBI.

Usando toda sua experiência com adolescentes, Hanoverian vai conquistando a confiança da estranha garota, a ajudando a contar sua história. Vejam bem, sua história... Que por acaso calha de ter como acontecimento ser sequestrada. Os agentes sabem que tem algo errado nela, só não sabem exatamente o quê. Elas os provoca, os testa até atingirem seus limites.

Conforme sua história é delicadamente contada, ela relata como foi parar no Jardim: o local onde muitas meninas passaram anos à fio, à mercê de um homem ao qual chamam de O Jardineiro. Não sabem seu nome nem quem ele é, embora o vejam todos os dias.

No Jardim, não há apenas Maya... São muitas meninas com idades entre 16 e 21 anos, de locais diferentes do país. Todas elas tem sua história e seu nome, porém não fazem uso do mesmo por uma simples razão: ele é tudo que lhes resta. 

Após ser levada para O Jardim, a novata recebe apoio durante alguns dias, até se acostumar com sua nova situação. Não interage muito com as outras, pois geralmente elas não suportam a tristeza de ver mais uma jovem presa – e a novata geralmente chora demais, causando stress nas outras que já estão ali há meses ou anos. Até que chega o dia dela ganhar suas asas...

O Jardineiro desenha nas costas das moças tatuagens de borboletas, diversos tipos e cores... E dá a elas um novo nome após possuí-las. A beleza é essencial para ele, como o ar. E ele sabe que a beleza é etérea, mesmo que você a desenhe em sua própria pele.
“Ele atravessou o quarto lentamente, a expressão demonstrando um horror crescente diante de cada ferimento visível, cada marca de mordida ou arranhão, cada hematoma ou marca de dedos. Porque o mais doente de tudo aquilo – e havia muita coisa doente para ser escolhida – era que ele realmente se importava com a gente, ou ao menos com o que pensava que éramos.”
Maya conta sua história, deixando os agentes perplexos com os toques de crueldade e beleza que ela narra. O dia-a-dia, as meninas e seus comportamentos e como lidam com a situação do cativeiro e tudo o que ela impõe. Também conta como é sua vida; sua personalidade é uma calamidade só, porém é constante. Ela é uma lutadora e sobrevivente.

Algo que pensei foi: porque elas aceitam tudo? Porque não se rebelaram? Poderiam ter dado um jeito, sei lá. Claro que sou eu, a pessoa que analisa a situação do lado de fora. Com um pouco de estratégia, talvez conseguissem sair. Oportunidades inúmeras, mas vi também a presença da Síndrome de Estocolmo; sutil, mas presente. Talvez tenha sido por isso...


A capa do livro é dura e em relevo, com uma borboleta bem grande ali. Logo eu, a pessoa com fobia de borboletas, escolheu ler um livro com elas! Mas percebi a razão, para ver o quanto elas podem ser malignas, huahuahuha! A folha amarelada e a fonte média ajudam bastante a ler continuamente, coisa que você faz com facilidade nessa obra de Dot Hutchison. A diagramação toda é recheada de borboletas – meu marido riu demais de minha expressão horrorizada ao ver as borboletas enoooormes nele!

Se gosta de um ótimo suspense policial, O jardim das Borboletas é uma ótima escolha: embora já se saiba o final, como se chega nele é eletrizante!

2 comentários:

  1. Excelente resenha. Nunca li esse livro. Tive curiosidade. Aproveito para te informar que o ''As meninas que leem livros'' foi indicado ao prêmio The Mystery Blogger Award, confira neste link: http://www.entrelinhaseafins.com.br/2018/01/the-mistery-blogger-award.html
    Abraços, Vitor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AAAh que honra Vitor!!! Muito obrigada pela indicação, irei com certeza participar e também indicar blogs!!!

      Beijos!

      Excluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.