Menu

20.2.18

{Resenha} Antes de Tudo Acabar





Título: Antes de Tudo AcabarAutor: Mary C. MullerEditora: PlanetaSinopse: Rafael nunca foi de se encaixar em padrões. Deslocado e sem muita perspectiva de vida, ele cuida da mãe alcoólatra enquanto precisa lidar com a paixão platônica pela melhor amiga, Anne, e com os percalços causados por um pai ausente.
Acostumado desde sempre a fazer tudo com Anne, ele agora tem de aceitar que ela arrumou um namorado... e justo uma das últimas pessoas que ele gostaria de ver com a amiga. Como se não bastasse, ele também precisa se entender com o pai, que resolveu voltar a procurá-lo com uma notícia surpreendente.
E, em meio a esse turbilhão de acontecimentos, chega Kaori, a nova aluna da turma. Com ela, as coisas começam a mudar na vida de Rafael, e o que era só amizade pode acabar se tornando algo mais.

Antes de tudo acabar é a história de um garoto que precisa se encontrar e compreender um mundo que se move mais rápido do que ele consegue acompanhar. Um mundo onde amizades são construídas e desfeitas, amores morrem e nascem e caminhos sofrem desvios inesperados.

Em “Antes de Tudo acabar”, acompanhamos a vida de Rafael, um jovem de dezessete anos que vive com sua mãe alcoólatra. Sua vida não é das melhores, em casa ele precisa ser o adulto no lugar de sua mãe, controla o dinheiro que recebem de pensão de seu pai, divide o bastante para as compras e despesas da casa e, infelizmente, deixa certa quantia no banco que sua mãe usa para comprar álcool e bugigangas inúteis.

Rafael tem uma amiga de infância, Anne, que perdeu sua mãe logo na mesa de parto e acabou sendo criada pela família de Rafael, sua mãe foi a ama de leite da menina e sempre estavam brincando juntos. Anne possuía até mesmo uma cópia da chave da casa de Rafa.

A vida de Anne também não é das melhores, seu pai a culpa por matar a mãe em seu nascimento, descontando sua raiva na menina, batendo e abusando psicologicamente.
Rafa aguenta as pontas em casa por admirar tanto Anne e sua independência e seu jeito de lidar com tudo de forma madura. Mas é claro que tudo gera uma grande pressão no garoto, a qual ele alivia do jeito que descobriu: ele se corta. Um segredo que ninguém, nem mesmo sua amiga de infância sabe sobre e o qual se sente muito envergonhado.

"A única coisa que conseguia me distrair, fazer a minha mente se calar e tirar um pouco do peso em meu peito era aquilo. Uma lâmina de barbear escondida dentro de um livro. Pode parecer estúpido, mas funcionava para mim. Só queria que a angústia passasse, e a dor física parecia ajudar naquela outra coisa que eu sentia e não sabia de onde vinha. [...] O alívio durava poucos segundos, mas era o suficiente para me fazer aguentar mais um dia."

O caos começa a crescer quando descobre sentimentos por Anne que nunca tinha percebido, porém, a descoberta desses sentimentos ocorre logo quando Anne começa a namorar. Então tudo desmorona.

Sem perceber, a garota se colocou em um relacionamento abusivo, e acaba se afastando de Rafa e seus poucos amigos, e quanto mais tentam alertá-la, mais ela se afasta.

Nesse meio tempo, uma aluna nova chega à escola, Kaori, uma menina tímida devido a tantas mudanças que sofre por acompanhar os pais por causa de trabalho, ainda acaba sofrendo certo bullying por ser descendente de japoneses. A amizade entre ela e Rafael foi imediata e um laço de entendimento se forma.

Foi um livro que infelizmente não me prendeu e acabei tendo que me esforçar bastante para terminar (risos). Talvez por ser um típico clichê adolescente, além da linguagem bem imatura que acabava tentando se forçar para parecer mais madura.

O personagem principal também acabou não conseguindo me agradar, muitas de suas ações imaturas acabavam com as aparências que ele tentou passar.

Houve também o fato de ser o romance comum de que o personagem com diversos problemas acaba encontrando a felicidade, não, “felicidade” acaba não sendo a palavra que procuro, mas enfim, seus problemas amenizam com a garota entrando em sua vida e todo aquele medo de que nunca iria ter alguém termina. É claro que, quando adolescentes pensamos esse tipo de coisa, mas onde quero chegar é que até o seu transtorno mental de automutilação simplesmente para quando a menina pede para que ele nunca mais o faça. É tudo um pouco mais complicado que isso, na realidade (risos).

Acho que não consigo mais gostar de romances adolescentes (risos). Mas para o público certo, pode ser um livro interessante e acabar prendendo o leitor.

~Livro recebido em parceria com a editora~

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.