Menu

23.2.18

{Resenha} O casal que mora ao lado


Autor: Shari Lapena
Editora: Record
Ano: 2017
Sinopse: Sua vizinha convida você para um jantar, mas pede que não leve sua filha. Ela não suporta bebês. É uma noite para adultos.
Seu marido diz que, apesar de a babá ter avisado na última hora que não viria, vocês ainda podem deixar a menina em casa. Afinal, estarão logo ali do lado, com a babá eletrônica.Sua filha simplesmente desaparece no meio da noite. E sua vida se torna um pesadelo.

O drama de Anne e Marco Conti começa quando são convidados para jantar com um casal vizinho. Era o aniversário de Graham Stilwell e sua mulher, Cynthia, resolveu fazer um jantar apenas para os quatro, o que excluía a bebê Cora, de seis meses.

Sempre que precisavam sair, Anne e Marco deixavam Cora com uma babá, Katerina, mas ela cancelou em cima da hora devido à morte de sua avó, e o casal não teve tempo de arrumar outra pessoa para cuidar da filha. Que mal teria em deixá-la dormindo, com a babá eletrônica, que os avisaria caso qualquer coisa acontecesse? Além disso, eles iriam vê-la de meia em meia hora, afinal, estavam apenas na porta ao lado.

Anne sofria de depressão pós-parto e vivia se questionando se era uma boa mãe, boa esposa, e apesar de todo o cuidado que tomaram, Cora desapareceu no meio da noite e ela se sentia ainda mais culpada por tê-la deixado sozinha em casa. Marco havia passado a noite toda flertando com Cynthia, e sua autoestima não colaborou muito para ajudá-la a se sentir melhor.

“Quem vai a um jantar na casa dos vizinhos e deixa a filha sozinha em casa? Que tipo de mãe faz uma coisa dessas? Ela sente aquela agonia familiar se aproximando: não sou uma boa mãe.”

Rasbach, o policial responsável pela investigação sabe que sequestros de crianças são sempre difíceis, e raramente terminam bem. Para descobrir o que aconteceu, ele vai precisar pressionar o casal, mesmo sabendo que ambos se encontram angustiados e nervosos o suficiente.

Durante a investigação, Rasbach descobre que os pais de Anne são muito ricos, com alguns milhões na conta, e percebe que talvez esse dinheiro tenha alguma relação com o sequestro da neta, e os dois parecem não medir esforços para recuperá-la, se dispondo a pagar qualquer que seja o resgate pedido.

Com o desenrolar do enredo, vamos descobrindo que todos os personagens escondem segredos, e todos parecem suspeitos, até mesmo os pais da criança. Todos parecem ter motivos o suficiente, que vão aparecendo com o tempo, conforme as mentiras vão sendo desmascaradas, e os segredos jogados no ventilador.

Anne começa a ter desconfianças sobre Marco, e até sobre ela própria, pois a sua depressão pós-parto era só a ponta do iceberg quando o assunto era sua saúde mental. Ao mesmo tempo, ela descobre que a empresa de Marco não ia tão bem quanto ele tentava mostrar, e que ele precisava de dinheiro para reerguê-la, mas não queria ter que pedir novamente para os sogros, que já tinham ajudado financeiramente em tantos momentos da vida dos dois.

“Depois do incidente, a mãe a levou a um psiquiatra, que diagnosticou um transtorno dissociativo. Anne se lembra da ida ao consultório: ela ficou imóvel na cadeira, a mãe sentada ao seu lado, ansiosa. Ficou apavorada com o diagnóstico, apavorada e envergonhada.”

Anne também descobriu uma possível traição de Marco com a vizinha, Cynthia, o que só aumentou ainda mais sua ansiedade e depressão. Ainda assim, o casal permaneceu unido até o fim, protegendo um ao outro, mesmo sem saber se poderiam confiar em si próprios.


O Casal que Mora ao Lado mostra uma história de planos que dão muito errado, mentiras por todos os lados, frustrações, angústias, traições. É um suspense interessante, uma investigação bastante inteligente, um livro ótimo para passar o tempo, mas nada que saia do comum e convencional. Não é um enredo de cair o queixo, mas vale pela diversão e facilidade na leitura.

1 comentários:

  1. é um daqueles livros teia de aranha, você não consegue desconectar!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.