Menu

14.3.18

{Resenha} D.u.f.f.

Título Original: The D.u.f.f.
Autora: Kody Keplinger
Editora: GloboAlt
Páginas: 323
Sinopse: Bianca Piper não é a garota mais bonita da escola, mas tem um grupo leal de amigas, é inteligente e não se importa com o que os outros pensam dela (ou ela acha). Ela também é muito esperta para cair na conversa mole de Wesley Rush - o cara bonito, rico e popular da escola - que a apelida de DUFF, sigla em inglês para Designated Ugly Fat Friend, a menos atraente do seu grupo de amigas. Porém a vida de Bianca fora da escola não vai bem e, desesperada por uma distração, ela acaba beijando Wesley. Pior de tudo: ela gosta. Como válvula de escape, Bianca se envolve em uma relação de inimizade colorida com ele. Enquanto o mundo ao seu redor começa a desmoronar, Bianca descobre, aterrorizada, que está se apaixonando pelo garoto que ela odiava mais do que tudo. 

Essa foi minha segunda leitura do ano e a li bem rapidamente. Já era um livro que eu queria muito ler o adquiri recentemente. Como disse, estou em missão de começar a ler mais os livros que eu compro e dei início a esse projeto. Se terei sucesso, não sei mas não desistirei dele, huahuah! 

Eeenfim. Duff, forma abreviada de Designated Ugly Fat Friend. Traduzindo, fica algo como a garota designada como a feia e gorda do grupo. Já devem ter adivinhado a razão pela qual eu queria muito ler esse livro, né? Representatividade, people! Embora no final, a lição do livro seja meio que outra, mas okay. Vamos conhecer um pouco mais sobre a história de Bianca Piper e como ela virou uma Duff. 
“(...) Sem querer ofender, é isso que você é.” 
Bianca tem 17 anos, está saindo do ensino médio rumo a uma faculdade. Mas ainda tem que passar pelos últimos anos ali, convivendo com pessoas que não suporta e tentando sobreviver da melhor forma possível, sem maiores danos. Todos que estão no ensino médio ou passaram por ele sabem como é uma época difícil para a maior parte dos adolescentes, não é? Enfrentamos muitas coisas socialmente, que hoje como adultos pensamos: como deixei aquilo me atingir? 

Pois é. 

Suas duas melhores amigas são Jessica e Casey, duas das garotas mais bonitas da escola. São desejadas por todos os rapazes e sabem disso, mas não ligam. Só querem curtir a juventude e arrastam a amiga Bianca para as baladas, coisa que ela só vai por causa delas, não suporta o barulho e a dança irrefreada. E é numa dessas noites que Wesley Rush, o cara mais mulherengo da escola lhe informa que ela é uma Duff. Ele precisa ser bonzinho com ela para suas amigas perceberem quão legal ele é e irem para a cama com ele por isso. 

Sim. Já se sentiram usados por uma pessoa para que ela pudesse se aproximar de alguém que é seu amigo? Para além disso, também descobrir como uma parcela das pessoas podem estar lhe vendo? 

Ao ser rotulada como Duff, Bianca fica meio paranoica, tentando descobrir se era verdade. E não ligar para isso, determinada a pensar que ser Duff é uma coisa boa.
“(...)Wesley era a prova viva de que a beleza é uma característica superficial, então por que suas palavras me afetaram tanto? Eu era inteligente. Era uma pessoa bacana. Então, por que me importar se alguém me considerava uma Duff? Se fosse atraente, eu teria de aguentar sujeitos como o Wesley dando em cima de mim. Credo! Por esse lado, ser uma Duff tinha lá suas vantagens, não tinha? Ser pouco atraente não era assim tão horroso.” 
A aparência que temos dita muito, infelizmente nessa sociedade, como seremos tratados. Se somos feios, gordos, magros demais, não temos o nariz ou cabelos certos, definitivamente alguém não olhará para nós ou nos tratará como menos. E isso é ainda pior na adolescência, concordam? Ou as pessoas populares da sua escola eram todos do padrão feios? 

Bom, para além de todo drama pessoal de Bianca, há também o drama familiar. Sua mãe uma escritora de autoajuda que viaja o país para dar palestras e falar de sua obra. Seu pai finge que está tudo bem, mas quando a mãe demora meses para voltar para casa, a protagonista sabe que tem algo errado e que o pai se nega a encarar. Ex-alcoólatra, ele está por um fio de perder o equilíbrio. 

Não só ele, mas Bianca também está. E continuamente ela se cruza com Wesley Rush, o cara que não perde uma mulher em sua cama e se foca nessa relação conflituosa para não surtar. Ainda não acho comum adolescentes transando como adultos, mas acho que sou meio “antiquada” nesses quesitos. 

Com toda a complicação em sua vida, Bianca está se afundando e a coisa só tende a piorar. Uma amizade estranha se firma entre ela e o protagonista, ambos perdidos por causa de suas famílias e algumas coisas mais. 

Bianca é aquele tipo de “pessoa” que diz que está tudo bem, mesmo quando não está. E por isso ela se ferra muito, sendo o porto seguro de alguém, mas sem encontrar ninguém para se apoiar. Na verdade, ela só não quer dar trabalho para ninguém. E Wesley é tudo aquilo que esperam que ele seja, tudo o que dizem que ele é e não vê motivos para ser diferente. Ele tem um comportamento babaca e Bianca percebe isso o tempo todo e questiona muitas coisas. Tenta sempre manter o que sente às claras para si mesma, é bastante realista. 

Com sua personagem principal, a autora nos faz refletir sobre os rótulos que ganhamos e damos a todas as pessoas que nos cercam e o quanto eles podem ser injustos. Como nós também podemos acabar sendo rotuladas e rotulados do mesmo modo, por atitudes semelhantes sem nem perceber. Que sempre passamos por coisas similares ou podemos passar. Como se sentiria se passasse pela mesma situação, ou o que você sabe que aquela pessoa está enfrentando para agir de tal modo? Em qual posição você está para julgá-la? 

O livro é um banho de reflexão sobre as atitudes que temos e acredito que seja bom para qualquer idade. Rever nossos valores e olhares para o outro, bem como para dentro de nós mesmos, pensar porque fazemos tal coisa e como compensamos nossas emoções conturbadas com atos impensados e alívio imediato. 

É uma história humana que reflete como todos nós nos sentimos às vezes.

Vi que tem um filme The Duff... Mas pelo trailer, não tem muito haver com o livro... segue o trailer para quem quiser assistir!


1 comentários:

  1. quero ler esse livro ja tem um tempinho, a história me conquistou
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.