Menu

31.7.18

{Resenha} Nada a Perder



Título Original: Roughneck
Autor: Jeff Lemire
Editora: Grupo Autêntica – Nemo
Sinopse: Derek Ouelette costumava ser alguém. Promessa do hóquei, ele agora nada mais é do que a sombra do ídolo que um dia poderia ter sido. Um bêbado, sacana, violento, leva uma vida esquecida por todos em uma vila esquecida por todos. Um dia, no entanto, algo invade sua história e o coloca diante de uma escolha impossível. Uma escolha que só pode ser feita por um homem que não tem nada a perder.

Quando a editora parceira nos encaminhou essa Graphic Novel para ler, eu escolhi sem saber o quão pesado e realista é a história de Derek Oulette, um ex-jogador de hóquei cuja vida é o resto do que poderia ter sido.

Vi que o autor tem outras HQ’s do mesmo gênero, mas Nada a perder é meu primeiro contato com sua escrita e desenhos impactantes. Retrata de modo minimalista e simples todas as complicações de uma vida.

Derek é um valentão, assim como aprendemos que a grande maioria dos jogadores de hóquei são: brutais. Pelo menos essa é a minha impressão, pelo menos de algumas coisas que vemos em filmes e etc. Não é um esporte para pessoas fracas. E nosso personagem principal não foi ensinado a deixar barato tudo o que lhe acontecia, seja no rinque ou fora dele.

Hoje, apenas uma sombra do que foi, seu gênio ainda é péssimo. Não consegue ficar nenhum dia sem beber ou deixar pequenas coisas para lá. Só sabe resolver no murro e no grito. Ainda existem algumas pessoas que se importam com ele na pequena cidade do interior onde nasceu e acabou voltando após ser expulso do time de hóquei, mas suas opções estão diminuindo cada vez mais.

Conforme seus dias vão passando ali, vemos também como foi seu passado, traduzido em imagens que deixam o leitor angustiado com a talvez familiaridade dos acontecimentos, que sei que devem ser comuns para algumas pessoas.

A incitação à violência por um dos pais, para não levar desaforo para casa e fazer disso um lema para a vida. Mesmo em campo, agredir violentamente aqueles que se atreverem a tentar impedí-lo. A estar acima de qualquer regra e resolver qualquer coisa com um soco – ou uma garrafa de bebida.

Acredito que esse é um grande problema passado de pai[ou um Outro significante]. A incapacidade de resolver problemas e achar que um grito ou um soco é uma solução plausível. A não perceber que isso vai destruindo qualquer laço de afeto que possa existir com outras pessoas e simplesmente acreditar que você merece qualquer consequência que venha depois – e você provavelmente irá lidar da mesma maneira. Alguns ainda tentam lhe ajudar... Outros já se cansaram.

Jeff Lemire traz as complicações de um lar violento de maneira magnânima: drogas, ausência de vínculos, o “foda-se” que algumas pessoas acabam ligando. Aceita qualquer miséria que lhe apresentam como vida e não se esforça para mudar o cenário.


Mas algo faz Derek tomar uma nova decisão, afinal ele não tem mais nada a perder. Toda sua vida é revisitada por ele, marcado por pinturas vermelhas em um quadrinho tomado pelo azul e branco da neve que domina o cenário de sua pequena cidade.

O autor tem traços grosseiros e firmes, tal qual seu protagonista. As memórias são marcadas pelo colorido que se dá ao passado, já prestou atenção que em nossa memória as cores são sempre mais bonitas e excepcionais do que é na realidade? Então, assim também são nos traços de Lemire.

Em sua história, encontramos a verdade nua e crua da vida que nos esmaga todos os dias, com um final arrasador.

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.