Menu

22.8.18

{Resenha} Segredo de Sangue


Autor: Tess Gerritsen
Editora: Record
Ano: 2017
Sinopse: Cassandra Coyle, 26 anos, roteirista e produtora executiva de filmes de terror independentes, encontrada morta na cama de seu quarto com os dois globos oculares arrancados e deixados na palma de sua mão esquerda.
Timothy McDougal, 25 anos, contador, encontrado morto na véspera do Natal num píer com três flechas enfiadas em seu peito nu.Dois homicídios completamente distintos com uma única relação: a causa da morte é uma incógnita. Resta à detetive Jane Rizzoli e à legista Maura Isles solucionar o mistério antes que o assassino faça sua próxima vítima.

A série Rizzoli e Isles é bem famosa no mundo da literatura policial, além de já ter sido adaptada para a TV, e eu como fã do gênero, sempre quis conhecê-la. Segredo de Sangue é o décimo segundo (!) livro da série, mas assim como outros autores, Tess Gerritsen escreve de uma forma que seus livros não sejam completamente dependentes um do outro, não precisando ser lidos na ordem correta de lançamento.

Achei meio covardia eu ler esse livro logo após o maravilhoso Gênese, da Karin Slaughter. Por mais que eu não queira comparar, é inevitável, já que são duas autoras do mesmo gênero, que trabalham com livros em série, protagonizados pelos mesmos personagens e etc. Mas, na minha humilde opinião, Karin Slaughter escreve infinitamente melhor do que Tess Gerritsen.

Em Segredo de Sangue, dois homicídios acontecem na cidade de Boston e a investigação é de responsabilidade da detetive Jane Rizzoli, com a ajuda da médica legista Maura Isles. Cassandra Coyle foi encontrada em sua cama com os globos oculares na palma de sua mão. Timothy McDougal foi encontrado num píer com três flechas enfiadas em seu peito.

“ – Essa é uma jovem com o coração, os pulmões e o cérebro aparentemente saudáveis. Não foi estrangulada. Não foi violentada. Não há feridas, marcas de seringa, nenhum trauma aparente sequer, exceto pelos olhos. Que foram removidos após a morte.”

Aparentemente, não existe nenhuma ligação entre os dois crimes, mas a excentricidade deles faz com que a detetive passe a procurar por algo que sugira alguma conexão entre eles. Porém, a primeira dificuldade era encontrar a causa da morte em ambos os casos, pois os corpos só foram colocados na posição final já sem vida.

“O ângulo de penetração de cada flecha já havia sido capturado numa radiografia, quando tinha ficado óbvio que uma delas penetrara na aorta descendente, o que certamente poderia ter sido classificado como uma ferida fatal.Se não fosse o fato de que o homem já estava morto quando a flecha atravessou seu peito.”

Uma coisa que me incomodou um pouco, é que apesar de os capítulos serem curtos, o que torna a leitura bastante dinâmica, senti que a autora tentou terminar todos eles com alguma frase de impacto, mas que sempre soava meio forçada. Não atrapalhou o andamento da história, mas achei desnecessário.

De qualquer forma, o enredo é muito interessante, a investigação para se chegar à identidade do assassino, sua motivação, o significado de cada uma das mutilações dos assassinatos e como elas eram escolhidas. Além da relação com um crime que ocorreu 20 anos antes. Não vou entrar muito em detalhes, para não dar spoilers, mas é realmente muito legal.

“ – É isso! O assassino escolhe a forma de mutilação de acordo com o aniversário da vítima! Mas como ele saberia o aniversário delas?”

Gostei das protagonistas, apesar de algumas dificuldades em compreender a história passada delas, já que não comecei pelo primeiro livro da série, mas suas histórias particulares também despertam interesse.

Talvez se eu tivesse lido Segredo de Sangue antes de Gênese, eu tivesse me decepcionado menos. Não que seja um livro ruim, de forma alguma, ainda quero ler outros da série e da autora. Porém, é uma escrita bem mais simples e rápida, sem muito aprofundamento. Ótima leitura para relaxar.


Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.