Menu

16.10.18

{Resenha} 50 Poemas de Revolta



Editora: Companhia das Letras
Autores: Vários
Sinopse: Nesta breve antologia, o leitor vai encontrar muitos motivos para se indignar. Desigualdade social, racismo, machismo, incontáveis modalidades de opressão e intolerância: esses são os temas tratados por 34 poetas brasileiros. Os poemas que compõem esta seleta por vezes revelam uma ponta de esperança; outras vezes, mergulhados em desgosto, levam o desânimo e a apatia às últimas consequências. Canônicos e novíssimos, os poetas abordam questões assombrosamente atuais e contundentes, mesmo quando parecem tratar de um passado distante. Escreve Hilda Hilst: “Repensemos a tarefa de pensar o mundo”.

Nossa, é até difícil lembrar o quanto eu esperei por esse lançamento sem nem saber! haha. 

50 Poemas de Revolta traz o que eu mais amo no mundo da poesia: a atemporalidade. Nessa época de eleições, onde todos se dizem novos mas não passam de mais do mesmo, inúmeros poemas - muitos escritos antes de eu nascer - caíram como uma luva. Mas 50 Poemas de Revolta não se detém apenas no tema político; aborda questões como o racismo, o machismo, a xenofobia, e vários outros temas que até podemos tentar ignorar no nosso dia-a-dia para evitar o sentimento de impotência, mas que estão sempre ali à nossa espreita.



E é esse meu tipo de poesia preferido: a poesia da revolta, da indignação, da realidade nua, crua e dolorosa. A poesia que não esqueceu os navios negreiros, que não vai esquecer os mortos da Síria, é a poesia que me representa e me faz ter fé na literatura brasileira. Porque arte é isso: é entreter, mas nunca deixar de lado seu compromisso de tocar o público (nem sempre de uma maneira agradável).
Subversiva - Ferreira Gullar

A poesiaquando chega
não respeita nada

Nem pai nem mãe.
Quando ela chega
de qualquer de seus abismos

desconhece o Estado e a Sociedade Civil
infringe o Código de Águas
relincha

como puta
nova
em frente ao Palácio da Alvorada


E só depois
reconsidera: beija
os que têm sede de felicidade
e de justiça

E promete incendiar o país
Fiquei MUITO/EXTREMAMENTE/SUPER feliz em ter esse livro na minha estante e poder, um dia, lê-lo novamente com meus filhos e passar essa coletânea de geração em geração. Apesar de tratar-se de uma edição quase de bolso que não se adequa muito bem à estante, a grandiosidade desse livro não pode ser medida em centímetros.  

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.