Menu

4.10.18

{Resenha} As Crônicas de Marte




Editora: Arqueiro
Organização: George R. R. Martin e Gardner Dozois
Sinopse: Uma princesa de Marte e As crônicas marcianas, dos mestres Edgar Rice Burroughs e Ray Bradbury, foram clássicos que influenciaram a imaginação de milhões de leitores e mostraram que aventuras espaciais não precisavam se passar numa galáxia distante, a anos-luz da Terra  para serem emocionantes. Elas podiam ser travadas logo ali, no planeta vizinho.Antes mesmo do programa Mariner e da corrida espacial, a imaginação já povoava nosso sistema solar com seres estranhos e civilizações ancestrais, nem sempre dispostos a fazer contato amigável com a Terra. E, de todos os planetas que orbitavam o nosso Sol, nenhum tinha uma aura de maior romantismo, mistério e aventura do que Marte.Com contos escolhidos e editados por George R. R. Martin e Gardner Dozois, As crônicas de Marte retoma esse sentimento ao celebrar a Era de Ouro da ficção científica, um período recheado de histórias sobre colonizações interplanetárias e conflitos antigos.Para essa missão, autores consagrados como Michael Moorcock, Mike Resnick, Joe R. Lansdale, S. M. Stirling, Mary Rosenblum, Ian McDonald, Liz Williams e James S. A. Corey foram convidados a revisitar o misterioso planeta vermelho, aqui representado como um destino exótico e desértico, com cidades em ruínas, civilizações impressionantes... e, é lógico, perigos inimagináveis.Enfim, o bom e velho Marte está de volta.
Seduzida por uma capa esteticamente atrativa, grandes nomes como de George R. R. Martin estampados em letras garrafais e uma temática que permeia o imaginário de todos nós, agarrei Crônicas de Marte com unhas e dentes com o objetivo de devorá-lo em dois tempos!

Entretanto, grandes nomes trazem grandes expectativas. Um livro com o nome de George Martin no topo da capa atrai para si muita responsabilidade - afinal, um roteirista e escritor com enormes sucessos em seu currículo deve ter um ótimo gosto literário. Todavia, não foi o que encontrei nessa obra (pelo menos não totalmente e não com o brilhantismo que minha expectativa alimentou). 

Temos, nessa coletânea, 16 contos que englobam  Marte. Cada um desses contos tem sua própria época e sua própria caracterização da hipotética sociedade marciana. Todos eles, sem exceção, cumpriram com louvor a tarefa de criar um universo único para o ambiente e a sociedade marciana. A riqueza de detalhes ao descrever paisagens, edificações, vestimentas, personalidades e até a composição corporal de cada versão marciana é impressionante! Em cada conto, temos um Marte diferente, mas tão rico e tão encantador quanto os outros. 

Por outro lado, a finalização dos textos traz sempre um sentimento de que "faltou algo", de que o conto está incompleto ou que o final foi modificado por um amador (na falta de melhores hipóteses, haha). A ambientação é sempre maravilhosa, a trama é bem escrita e com um ritmo bom, mas, infelizmente, o fim da estória é, na maioria das vezes, decepcionante. 
OBS: ênfase no "maioria das vezes", não foram todos mas a quantidade de boas finalizações foi quase irrelevante.

Em suma, é um livro maravilhoso para estimular nossa imaginação com cenários e personagens icônicos e inovadores, mas com muitos finais amputados que deixam o dissabor da decepção. Isso não faz com que Crônicas de Marte deixe de ser um ótimo livro, mas o impede de se tornar o livro maravilhoso que eu esperava.

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.