Menu

29.10.18

{Resenha} A Assombração da Casa da Colina




Título Original: The Haunting Of Hill House
Autora: Shirley Jackson
Editora: Suma
Sinopse: Sozinha no mundo, Eleanor fica encantada ao receber uma carta do dr. Montague convidando-a para passar um tempo na Casa da Colina, um local conhecido por suas manifestações fantasmagóricas. O mesmo convite é feito a Theodora, uma alma artística e "sensitiva", e a Luke, o herdeiro da mansão. Mas o que começa como uma exploração bem-humorada de um mito inocente se transforma em uma viagem para os piores pesadelos de seus moradores. Com o tempo, fica cada vez mais claro que a vida, e a sanidade, de todos está em risco.

Essa semana finalmente terminei esse livro, deixei anotado em algum lugar quando comecei a ler e ele e que vergonha essa demora (risos). Também essa semana comecei uma série na Netflix pouco antes de terminar o livro, faltava mais ou menos vinte páginas para o final. A série se chama The Haunting of Hill House, e lá estava eu vendo a série, assim que apareceu a mansão eu comecei a reconhecer a mesma, aí surgiram alguns personagens e fiquei encabulada, “não é possível uma coincidência dessas”, pensei. Levantei e peguei o livro para ver o nome original, e não é que era uma série baseada no livro? Com várias diferenças, na verdade, a única coisa que a série pegou de base mesmo foi a casa (risos), além de várias frases e falas do livro, mas ambos compensam.

Bom, vamos falar do livro. Conhecemos o Dr. Montangue, um filósofo voltado para a antropologia (uma pequena faixada para que ele possa estudar fenômenos sobrenaturais.). Ele aluga uma casa famosa por seus “eventos sobrenaturais”, ninguém nunca conseguiu morar nela por muito tempo, e isso fascinou o personagem, seu objetivo era passar três meses nessa “Casa da Colina” juntamente com outras três pessoas selecionadas por ele para poder estudar as sensações, causas, transtornos e consequências que acontecem em uma casa assombrada.

“A Casa da Colina é repugnante. Estremeceu e pensou, as palavras vindo livremente a sua mente. A Casa da Colina é repugnante, é doente, vai correndo embora daqui.”

Com todos seus companheiros selecionados, Dr. Montangue lhes envia cartas explicando seus objetivos e convidando-os. Porém, no dia anterior da ida, o Dr. foi obrigado a incluir um membro da família que herdara a Casa da Colina, por sorte um telegrama de desistência de um dos selecionados lhe chegou em mãos no mesmo dia.



Apesar da narração ser em terceira pessoa, é focada em especial em uma personagem, Eleanor Vance. Apelidada de “Nell” ou “Nellie”, foi escolhida pelo Dr. Montangue pois quando criança, após a morte de seu pai, ela, a irmã  e a mãe foram viver com a tia de sua mãe, um dia uma chuva de pedras enormes caiu sobre o telhado da casa que viviam. Quando as crianças foram retiradas da casa, as pedras pararam de cair e puderam retornar. 

Eleanor é uma personagem cativante, em muito me identifiquei com ela, o modo como ela descreve as casas que vê, como as mobiliaria, o modo como se imagina dentro delas, essas coisinhas tudo eu costumo fazer, além de tirar fotos da casa e stalkear por uns tempos (risos). Após adulta, ficou cuidando de sua mãe que odiava, isso contribuiu para que se tornasse solitária e divagante. Aceitou o convite para a Casa da Colina pois sempre soube que participaria de algo assim. “Jornadas terminam em encontros de amantes”, é sua frase mais dita.



“Como era um tempo e uma terra distante em que encantos eram criados e quebrados rapidamente, ela queria almoçar devagar, crente que a casa da colina sempre a aguardaria no final do dia.”

Theodora ou Theo, recebeu um convite pois participara de um teste onde acertara dezoito de vinte cartas seguradas por um assistente longe de seus olhos. A  personagem vem de berço de ouro, um mundo de deleite, decidida e dona de si. Aceitou o convite devido a uma briga com sua companheira e, antes que voltassem a se falar precisavam de um tempo.

Luke Sanderson, o sobrinho da dona da casa que foi obrigado a aceitar a estadia na Casa da ,Colina. “Era um mentiroso e também um ladrão”. Talvez o personagem que menos me agradou e que ficou mais sem sentido durante o desenvolvimento da história (mas na série ele é muito bom melhor).

Conhecemos os Dudley, um casal de caseiros que cuidam da Casa da Colina, a Sra. Dudley cozinha e limpa, Sr. Dudley cuida dos reparos e jardim. Mas nunca ficam na casa após o anoitecer. Assim que a Sra. Dudley serve o jantar, vão embora e voltam apenas na manhã seguinte.

A Casa da Colina é misteriosa, com mil portas, sendo sempre preciso abrir várias adentrando diferentes cômodos antes de se chegar ao lugar que precisa, suas portas nunca param abertas, mesmo que pregadas ou escoradas, sempre se fecham sozinhas. É uma casa com vida, sem motivos para fazer o que faz.

As primeiras cem paginas são bem enroladas, apresentação de cada personagem, descrições da casa, nada acontece. Mas é claro que isso levanta as expectativas do leitor, a Casa está apenas esperando uma oportunidade de atacar os personagens silenciosamente.

O final é confuso, mas deixa claro o que aconteceu, mas tudo permanece sem motivos.

“A própria Casa da Colina, desprovida de sanidade, se erguia solitária contra as colinas, encerrando as trevas em seu interior; estava desse jeito havia oitenta anos e talvez continuasse por mais oitenta. Lá dentro, as paredes continuavam de pé, tijolos se juntavam com perfeição, assoalhos estavam firmes e as portas sensatamente fechadas; o silêncio se escorava com equilíbrio na madeira e nas pedras da Casa da Colina, e o que entrasse ali, entrava sozinho.”

Me peguei com certo medo em várias partes, mas teria adorado se tivesse um pouco mais (risos). Mas é uma ótima leitura de casa assombrada ( a série também ).

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.