Menu

26.12.18

{Resenha} Habibi - Craig Thompson


Autor: Craig Thompson
Editora: Quadrinhos na Cia.
Sinopse: Habibi é a saga de dois escravos fugitivos, unidos e separados pelo destino, vivendo no limite que separa a tradição da descoberta. Dodola, uma garota perspicaz e independente, foge de seus captores levando consigo um bebê. Eles crescem juntos no deserto, sozinhos em um navio naufragado na areia. Em meio a sentimentos cada vez mais conflitantes, os dois passam o tempo contando histórias. Assim, somos apresentados também à origem do islamismo e de suas tradições, conforme as narrativas se combinam numa trama de aventura, romance, filosofia e tragédia. Para contar a saga de Dodola e Zam, Craig Thompson recorreu ao Corão e às Mil e uma noites. Do primeiro, colheu o próprio estilo do livro, inspirado na caligrafia árabe, e também as narrativas do texto sagrado dos muçulmanos, recriadas com maestria pela pena do autor. Do segundo, tirou um cenário fantasioso, repleto de lendas e histórias, uma versão quase mitológica da nossa ideia de Oriente. Ambientado nos dias de hoje, Habibi não se passa em nenhum país conhecido. É uma terra igualmente fantástica e concreta, onde questões presentes se misturam a indagações ancestrais. Crítica social, questionamentos ecológicos, paralelos entre religião e amor: tudo encontra seu lugar nesta narrativa tão épica quanto particular. Fruto de sete anos de pesquisas e trabalho, Habibi é um monumento do quadrinho moderno e uma resposta atual a questões que nos perseguem desde sempre. - "Cortante, Habibi é um enorme feito de pesquisa, cuidado e tinta preta, e um lembrete de que todos os 'povos do livro', apesar das diferenças, dividem um mosaico de histórias." Zadie Smith, Harper's Magazine.

Como não se apaixonar pela história de Habibi?

Duas crianças contra o mundo. Dois escravos. Uma garota branca e um bebê negro. Duas raças, mas que não fazem muita diferença para os homens. Os dois conseguem fugir e encontram conforto um no outro na luta para a sobrevivência e também no poder das histórias. Histórias que nossa protagonista Dodola conta para Zam ao longo do livro. Histórias sobre o islamismo.

Em dado momento de Habibi os dois escravos acabam se separando. Cada um passa por situações que os mudam e os afastam, são tantas provações, mas o destino de Dodola e Zam já parecia ter sido traçado, pois mesmo com tantas dificuldades, o reencontro parece inevitável.


A edição de Habibi está mais que caprichada. Craig fez um trabalho incrível em cada palavra e traço dessa história. A narração está feita em uma mistura de presente e passado, juntamente com a história do islamismo, então devo alertar ao leitor que tenha atenção ao ler essa história.

O autor precisou de muita pesquisa para que essa história pudesse ser concretizada. Foram sete anos para criar esse graphic novel incrível. Habibi tem como fonte a história do islamismo e suas várias tradições, mas além da religião, o livro trás vários questionamentos sociais, ecológicos, sobre como tratamos as pessoas e sobre a posse do corpo da mulher. Apesar de ter fugido em dado momento da história, Dodola nunca sentiu que seu corpo era apenas seu e sim um bem material para quem pudesse pagá-lo.


Com muita sensibilidade, mas ao mesmo tempo sem esconder a face podre do mundo, Craig nos conta uma história linda e tensa sobre a religião, as nossas crenças e sobre a humanidade. Um graphic novel que me emocionou e me indignou ao mesmo tempo.

Habibi termina de maneira tão linda que enquanto escrevo essa resenha eu relembro esses momentos e é impossível não sentir as lágrimas querendo sair. Vontade não me falta de querer entrar nessa história e tentar fazer o melhor por aqueles que mais precisam. Mas termino essa história feliz por ver que mesmo Dodola e Zam tendo tão pouco, ainda fazem o possível para ajudar quem precisa. Um grão de areia de bondade na imensidão que assola essa história, mas que pode fazer toda a diferença.


Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

É um imenso prazer receber seu comentário. Seja sempre bem-vindo aqui.