Menu

5.12.18

{Resenha} A Máquina do Tempo



Título original: The Time Machine
Autor: H. G. Wells
Editora: Suma
Sinopse: A bordo de sua Máquina do Tempo, o cientista que narra esta história parte do século XIX para o ano de 802701. Nesse futuro distante, ele descobre que o sofrimento da humanidade foi transformado em beleza, felicidade e paz. A Terra é habitada pelos dóceis Eloi, uma espécie que descende dos seres humanos e já formou uma antiga e enorme civilização. Mas os Eloi parecem ter medo do escuro, e têm todos os motivos para isso: em túneis subterrâneos vivem os Morlocks, seus maiores inimigos. Quando a Máquina do Tempo que levou o Viajante some, ele é obrigado a descer às profundezas para recuperá-la e voltar ao presente.Chamado de gênio e considerado um pioneiro, Wells abriu caminho não só para seus livros e sua visão de mundo, mas para novas possibilidades na literatura.

Bem, qual pessoa que gosta de ficção científica (e de The Big Bang Theory) nunca ouviu falar desse livro/filme?


Um cientista que é chamado apenas de Viajante cria uma versão em miniatura de uma Máquina do Tempo e a exibe para seus amigos, que não acreditam muito em sua criação. São todos figuras conhecidas por suas profissões, como o Escritor, o Médico ou o Jornalista. Então apesar do tom familiar da conversa, o leitor tem apenas uma visão ligeiramente impessoal do vínculo que une aquelas pessoas tão marcantes.

Porém, decidido a das cabo na versão final de sua obra, o Viajante consegue viajar no tempo e o alvo de sua curiosidade é o futuro. Assistimos com ele o avanço da tecnologia (uma vez que tal personagem deve viver por volta de 1890 e algo, suponho eu) e como o mundo vai sendo modificado pela presença humana, até o ano de 807, onde o local onde ele estava (seu escritório, digamos assim) nada mais é que um grande descampado, com figuras arquitetônicas grandiosas.


Não há muito para ver até onde seus olhos alcançam. Porém, ele avista pequenas criaturas humanoides, adultos em forma de criança, que se aproximam curiosas e falam um idioma desconhecido.

Tudo muito diáfano e pacato, eles apenas vivem. Uma sociedade hedonista que aparentemente já não produz nada, nem mesmo seu sustento. Aparentam felicidade, mas desconhecem sentimentos ou sequer parecem nota-los. São pequenas criaturas curiosas, as quais nosso protagonista estuda e acaba perdendo o foco – e sua grandiosa máquina.

Apesar de frustrado, ele se sente bem. Em suas análises, percebe que os Eloi – ele acaba por descobrir – tem muito medo do escuro e todos dormem juntos à noite. Quando indagados da razão, o Viajante apenas se frustra com a ausência de resposta. Mas sabe que há algo ali...

Indo em busca de como recuperar sua máquina, ele acaba se deparando com o terror dos Eloi, Os Morlocks: criaturas que vivem no submundo, aparentemente cegas e com um nível de evolução diferente dos Eloi. Talvez até mais bestial.

É sempre interessante analisar sociedades que possam ter evoluído da nossa. Imaginar como os humanos estarão daqui centenas de anos, se ainda serão a espécie dominante, as variações. No final, será que ainda existiremos? É tudo bastante filosófico se você dedica alguns momentos a pensar nessas coisas. Claro que não temos muito nenhum embasamento científico (eu não tenho, pelo menos), mas diferente das distopias, H. G. Wells apresenta um futuro bastante diferente.

Com poucas páginas e excelente escrita, acompanhado de ilustrações que nos ajudam a entender um bocado do futuro imaginado pelo autor, podemos entender porque o livro foi – e é- um sucesso tão grande até os dias atuais.


Já foi adaptado para as telonas algumas vezes, mas acredito que a mais recente seja de 2010, com algumas modificações em comparação ao livro. Pelo que me lembro, há bem mais ação e os Eloi são bastante diferente... Gostei mais do livro, obviamente! Posso afirmar isso agora, haha!

A edição em capa dura da Suma está linda também, páginas amareladas e grossinhas que facilitam bem a leitura.

Você já leu ou assistiu ao filme? Deixe nos comentários sua opinião sobre os dois!


4.12.18

{Indicação de Natal} Editora Arqueiro



E o Natal está chegando e é muito importante para nós, os leitores e leitoras deste país, nos apeguemos ao que mais amamos: livros!!!

Então vamos indicar cinco livros da Editora Arqueiro que foram muito bons em nossa opinião, porque coisa boa é para ser compartilhada, né? Assim já te facilita a escolher o que quer de presente ou dar presente, porque vamos combinar... esse ano tem que ser só livros de presente, okay?

Pedi ajuda das meninas para ter as indicações, assim fica bem variado! Afinal, o que mais tem aqui é diversidade literária!

Então eu começarei!
 
Indico A luz que perdemos, de Jill Santopolo! Indico ele pois me trouxe muita reflexão sobre como
eu estava levando alguns aspectos da minha vida e me fez perceber que algumas coisas não estavam certas.
“Se quiser uma bomba emocional, esse livro é uma boa pedida. A realidade de muitos relacionamentos, de muitas vidas que vivem em locais de guerra.”
Aqui você encontra a resenha completa dele!
Aqui você pode comprá-lo de presente!

Fiquei em dúvida de quais mais eu colocava no post, porque são tantos livros lindos e que podem te servir para algum momento de sua vida... Fiquei de fato indecisa, mas acho que estou mais para dicas de relacionamentos huahuhau! Então minha segunda indicação será...




Meus dias com você, de Clare Swatman! Acredito que também me fez pensar muito sobre muitas decisões que eu estava tomando, tive toda uma música que me inspirou a leitura, então espero que também tenha um efeito assim em vocês ou em quem vocês irão presentear!
“Aproveite cada momento de sua vida com as pessoas que você gosta e ama, tente tirar sempre o melhor proveito das situações... “
Aqui tem a resenha, também!
Aqui você pode comprá-lo para seu amigo, amiga, tio, tia, parente...




Confiram as indicações da Lauri!!

A Maldição do Tigre - vol 01 - Colleen Houck

Conheci a autora pela primeira vez através desse livro, me encantando com a sinopse do primeiro livro, que viraria a minha série favorita em todo o mundo. Sabe quando você cria um laço de amor e carinho com os personagens e a cada livro o amor cresce mais? 

Pois é! Foi assim que me senti quando li A Maldição do Tigre.

Sou #TeamRen desde o começo, isso não quer dizer que não ame o Kishan também, mas o casal maravilhoso já estava formado né mores? 

As aventuras que são tão fortemente detalhadas, como se você estivesse ali, do lado de Ren e Kelsey, tentando desvendar todos os segredos e libertar o príncipe dessa maldição. É simplesmente esplêndido!

Você que conhece ou já ouvi falar, mas nunca leu... amooooooor!

Uma indicação dessas bicho! 💗


Precisa mudar isso já!

Aproveita que tem o Box maravilhooooooso da série e já emenda um livro atrás do outro...pois vou te dizer: você não vai aguentar de tanta curiosidade e vai querer saber como tudo vai desenrolar. Eu sofri horrores porque tive que esperar lançar e foi um martírio, confesso!


Amo demais essa série e recomendo pra qualquer leitor que gosta de se aventurar por lugares mágicos e cheio de mistério.

Aqui você pode comprar essa lindeza!

E a segunda indicação é... Irmãos de Sangue - A Sina do Sete #1, da Nora Roberts!

O que falar dessa autora né mores?

Quem acompanha minhas resenhas, sabe o quanto sou A-P-AI-X-O-N-A-D-A por essa autora e por seus romances.

Nora Roberts sempre consegue arrebatar meu coração com seus livros, e essa trilogia magnifica não ficou de fora. 💗

São 3 livros regados de suspense, mistério e muito romance. Cada livro fala de um dos amigos que com toda a inocência e rebeldia, liberaram um demônio que não devia ter sido tirado do lugarzinho dele. E é aí que o negocio começa a ficar bom! Sou leiga pra falar dos romances da Nora, mas quem conhece e ama como eu, sabe o quanto extraordinária a cabeça dessa mulher é.




Muito amor por ela e seus personagens.


O que essa trilogia me ensinou foi que a amizade derruba barreiras, enfrenta os obstáculos e o amor transforma tudo.

Aqui você pode comprar o primeiro livro e os outros da trilogia!

E eu a Lauri entramos num consenso sobre uma série, hehe!!!

Nove regras a ignorar antes de se apaixonar, de Sarah Mclean!


Aqui tem uma resenha do primeiro livro para te animar!
E aqui você pode comprá-lo!

O que vocês acharam de nossas indicações? Tem alguma pra nos dar? Deixe aí nos comentários!!!

3.12.18

{Resenha} O Último Suspiro: Detetive Erika Foster #4


Título original: Last Breath
Autor: Robert Bryndza
Editora: Gutenberg
Sinopse: “Ele é o encontro perfeito. Ela é sua próxima vítima.”
Quando o corpo torturado de uma jovem é encontrado em uma lixeira, com os olhos inchados e as roupas encharcadas de sangue, a Detetive Erika Foster é uma das primeiras a chegar na cena do crime. O problema é que, desta vez, o caso não é dela.
Enquanto luta para garantir seu lugar na equipe de investigação, Erika rapidamente encontra uma ligação desse assassinato com um crime não solucionado de uma jovem quatro meses antes. Jogadas em um local semelhante, as duas mulheres têm feridas idênticas e uma incisão fatal na artéria femoral.
Procurando suas vítimas nas redes sociais a partir de um perfil falso, o assassino ataca jovens bonitas escolhidas aleatoriamente.
Então, uma outra garota é sequestrada… Erika e sua equipe têm que chegar antes que ela se torne a próxima vítima. Mas como a Detetive Foster pegará um assassino que parece não existir?
Eletrizante, tenso e impossível de largar, O Último Suspiro fará você correr para a última página.
Warning!!!!

Pode ter spoilers dos livros anteriores, okay pipol? Como sempre, evito ao máximo mas às vezes não é possível.

Olha a resenha:


Sabe aquele livro que te deixa com a pulga atrás da orelha com a segurança de seu perfil nas redes sociais? Um crime que acontece com sinais que estão muito próximos de suas vítimas, com indicações de um dia-a-dia corriqueiro.

Erika Foster está de volta em uma cena de um crime brutal: uma jovem com sinais de tortura e violência foi encontrada em uma caçamba de lixo e o assassino é muito bom em esconder-se.

Como tem sido muito comum, Erika está em uma cena de crime que não pode assumir, então precisa dar um jeito de provar-se útil mais uma vez. Não há muitas pistas para serem analisadas, não há nenhum sinal de que a vítima possa ser um caso especial para o agressor, nada. E, para completar o cenário, as meninas continuam aparecendo.

Diferente dos criminosos anteriores criados por Robert Bryndza, este gosta de se apresentar. E utiliza as redes sociais como local de caça de um modo extremamente perturbador.


Porque?

Hoje temos conectividade com o mundo 24 horas por dia. Estamos em nossos smartphones acessando nossas redes sociais, atualizando o tempo todo onde estamos e com quem estamos, nossos locais de trabalho, rotina... Nosso humor e pensamentos, às vezes muito íntimos. Mostramos o melhor e o pior de nós nesses locais, sem nos importar com quem está vendo. Sabemos do perigo e, na maior parte das vezes, os ignoramos simplesmente para nos mostrar para o mundo.

Não sabemos se as pessoas com as quais conversamos, algumas vezes, são quem elas de fato dizem ser. Se são boas ou más, se tem realmente as intenções que dizem ter. E simplesmente vamos nos unindo e aproximando de pessoas que podemos nunca ver “pessoalmente”. Eu mesma já fiz muito isso, admito. Tenho bons amigos virtuais cultivados por anos e anos... E nunca os vi fora da telinha.

Quando então nos apaixonamos por suas palavras e queremos nos encontrar, não esperamos que aquela pessoa possa nos ferir.


E é isso o que acontece com cada uma das meninas que encontraram seu fim tão cedo nas mãos de um psicopata. Os crimes são muito bem orquestrados, sem falhas e nenhuma pista é deixada. O que torna o trabalho dos policiais ainda mais complicado.

Paralelo ao crime, a detetive Foster tem seus próprios fantasmas para lidar, uma vez que seu romance com Peterson tem avançado. Seu passado ainda a corrói, bem como a culpa por tudo o que aconteceu. Mas ainda acredito no futuro, haha!

Esse foi um livro que peguei para ler e em poucas horas já havia terminado, de tão intenso que é. Não houve enrolações, nem muitos mistérios... Tudo aconteceu bem orquestrado e como se esperava, o final é simplesmente desesperador. Não esperava muito aquilo, mas acabei ficando feliz.

Robert Bryndza escreve de forma brilhante e acredito que há muita pesquisa envolvida para montar o psicológico de seus personagens, especialmente os criminosos. Querendo ou não, eles são as personagens chaves de suas histórias e não somente os bons policiais, que também são bem construídos. Gosto de todos e admito que agora até o Sparks tem um lugarzinho quentinho no meu coração.

Sinceramente, o melhor livro da série que li até agora. Ele não te deixa dormir até que a leitura chegue ao fim e ainda assim você ainda fica matutando sobre tudo o que acabou de passar diante de seus olhos!