Menu

7.2.19

{Box} Escotilha_ns


Recebemos no e-mail informações interessantíssimas! E bem peculiares, para dizer o mínimo!

Um novo clube de assinaturas focado em ficção especulativa do Grupo Novo Século!!!

Nova plataforma chega para publicar terror, horror, fantasia e ficção científica. A primeira ativação é um clube de assinatura – o primeiro do Brasil voltado exclusivamente para livros de ficção especulativa.
Projetos serão especiais e limitados.
Pré-cadastro já está disponível. Os primeiros compradores ganharão 10% de desconto na caixa de estreia do clube. Em menos de 24h, mais de cem pessoas já demonstraram interesse pelo pré-cadastro.
São Paulo, 06 de fevereiro de 2019 – Provocar novas sensações, apresentar novas realidades e conjecturar novas perspectivas. Esse é o grande objetivo da Escotilha NS, nova plataforma do Grupo Novo Século voltada para a publicação de projetos especiais que capturem do leitor e, ao mesmo tempo, o lancem a experiências de leitura singulares. O primeiro livro será distribuído por meio de um clube de assinatura com viés inédito.
A marca terá como linha editorial a ficção especulativa, ou seja, publicará livros de terror e horror, fantasia e ficção científica – sempre que possível buscando títulos que invadam essas linhas e misturem os gêneros. O leitor poderá esperar por obras ousadas, primordiais e propositivas, em projetos especiais com acabamento único, bem como tiragens limitadas. Com isso, a ideia é expandir a atitude dos leitores, estimular o imaginário de uma sociedade mais engajada e dar vazão a nossos instintos.
Será a primeira proposta no Brasil que utilizará livros exclusivamente de terror, horror, fantasia e ficção científica. Os planos terão valores a partir de R$59,90 e será bimestral, um diferencial pois o leitor terá mais tempo para aproveitar e ler o livro e será capaz de manter outras leituras além do clube. Eu por exemplo li muito pouco do clube que assino atualmente justamente por isso, huahuah! Muitos livros na lista, gente!
Tudo na Escotilha NS é pensado para valorizar a experiência do leitor. Isso começa nos detalhes especiais de cada livro, que terão acabamentos primorosos, e vai até a escolha dos tesouros literários, passando pela produção de conteúdo extra, capaz de imergir o leitor no universo da leitura por meio da Revista ESC e de um podcast exclusivo com os envolvidos na produção de cada caixa.
Algo que achei extremamente interessante é que no site da Escotilha_ns, os assinantes encontrarão uma página onde poderão dar suas sugestões de livros que acham interessantes para as publicações futuras. Ou seja, imagina a felicidade de ver que o pessoal da plataforma aceitou sua sugestão? Eu iria me sentir importante huahuahua!

Mais informaçõesTodos os detalhes do clube (planos e preços, entregas, entre outros pontos) serão revelados no início de março.
As caixas-pretas serão limitadas. Por isso, já está no ar um pré-cadastro para quem desejar reservar a sua. Essas pessoas garantirão também 10% de desconto na caixa de estreia do clube. Em menos de 24 horas do anúncio, mais de cem pessoas já fizeram o seu pré-cadastro, número notável para o nosso mercado editorial.
Mais informações sobre o primeiro título serão divulgadas após o início do envio das caixas-pretas,  no início de abril.
Acredito que esse tipo de projeto está sendo uma iniciativa muito positiva das editoras para enfretar todo esse transtorno no mercado editorial atual, com lojas dando o cano e tudo o mais. Vejo muita coisa voltada pra romance e afins, mas para esse nicho em particular, a ficção especulativa, é de fato uma novidade. Livros de fantasia tem sido bem menos lançado, então essa é mais uma excelente opção para os fãs do gênero!


Para acompanhar

Site: www.escotilhans.com
Instagram: www.instagram.com/escotilhans
Twitter: www.twitter.com/escotilhans
Medium: www.medium.com/escotilha-ns
Contato: escotilha@novoseculo.com.br

6.2.19

{Assisti e...} Máquinas Mortais


Em janeiro consegui ler um bocado e também assistir algumas séries e filmes! 

Filmes assisti bastante, entre eles um que eu estava muito na vibe de assistir desde que vi o trailer. 

Anos depois da "Guerra dos Sessenta Minutos". A Terra está destruída e para sobreviver as cidades se movem em rodas gigantes, conhecidas como Cidades Tração, e lutam com outras para conseguir mais recursos naturais. Quando Londres se envolve em um ataque, Tom (Robert Sheehan) é lançado para fora da cidade junto com uma fora-da-lei e os dois juntos precisam lutar para sobreviver e ainda enfrentar uma ameaça que coloca a vida no planeta em risco. 

O trailer e a história que ele me transmitiu me agradaram bastante. Gosto de distopias, gosto de steampunk... O que poderia dar errado, né? 

Baseado no livro de mesmo nome do autor Phillip Reeve, eu pensei: Well, o trailer ficou bastante empolgante, a história parece muito boa. E tem uma série de livros, então deve mesmo ser muito bom! 

Mas... 

Me deparei com uma história confusa, onde simplesmente toda a trama é arremessada para quem assiste sem nenhuma grande explicação. Tipo, você entende um pouco das coisas preenchendo as lacunas entre elas e fazendo associações. 

Alguns personagens simplesmente desapareceram. Pelo menos não me lembro de ver um dos personagens com um fechamento. Simplesmente sumiu!!! 

Tem personagens cujos vínculos não são muito explicados, embora aparentemente exista alguma ligação entre um e outro. Tem um tipo de pessoa que é imortal, mas não explica como isso foi feito ou criado... Você simplesmente “chuta” como deve ser, mas não explica de fato o que aconteceu. 


As cidades caminham, as pessoas têm casas que andam e tudo o mais, que são caçadas pelas maiores, chamadas de Cidades Predadoras. Londres é uma delas, que necessita de muitos recursos e então absorve as cidades pequenas que encontra pelo caminho. A tecnologia antiga é malvista, algumas coisas vão para museus e outras precisam ser destruídas, devido a seu potencial de periculosidade que foi o que aparentemente causou o colapso mundial. 

Um famoso arqueólogo, Thaddeus Valentine, ficou responsável por salvar a cidade de Londres de algum modo, mas uma moça com uma cicatriz, Hester Shaw, se coloca em seu caminho. Tentando salvá-lo, um jovem aviador (Tom Natyworthy) que caiu em desgraça acaba tendo que se juntar a Hester para sobreviver nesse mundo que deseja devorá-los. 

Não há muita ação, há muito sobre ganância e o que as pessoas fazem pela glória e pelo aumento de recursos. No geral, os personagens são bons quando simplesmente não desaparecem. Gostei da construção da Hester, queria saber mais do Tom, da Anna Fang... Mas acho que terei que ler a série de livros para me situar melhor. 


As críticas não foram muito positivas, tendo sido já classificado como um dos maiores fracassos do ano. Não alcançou o esperado no primeiro final de semana, então já dá pra imaginar que ficarão no preju com esse filme.

Data de lançamento: 10 de janeiro de 2019 (2h 08min)
Direção: Christian Rivers
Elenco: Hera Hilmar, Robert Sheehan, Hugo Weaving , Jihae
Gêneros: Ficção científica, Aventura, Ação

5.2.19

{Resenha} Forças do Destino - Abby Green e Susan Stephens


Oie amores. C-H-E-G-U-E-I!


Venho trazer mais dois romances amorzinho que só a Harlequin sabe nos presentear.
Confere aí!


*livro cedido pela editora

Resenha

CINDERELA EM APUROS - Abby Green

Ela tinha um plano... só não previu as consequências.
“Desesperada para salvar o pai, Rose O'Malley acha que é hora de armar um golpe. Mas, quando encontra Zac Valenti e a força da sua sensualidade, sabe que não conseguirá enganá-lo. Antes que ela possa cancelar seus planos, o solteiro mais cobiçado de Manhattan a leva às alturas e à sua cama! Saindo de fininho como uma Cinderela culpada, ela jura que nunca mais verá Zac... até que ele descobre que Rose está grávida e insiste ficar com a mãe e o bebê sob o seu controle.”

Às vezes a família por preconceito ou vaidade faz coisas, que não tem como voltar atrás, ficando uma situação de ódio.
Rose depois da morte da mãe, só tinha o pai e de repente, este único que lhe restara estava mortalmente doente.
Para que o pai fosse operado, Rose se envolveu com uma avó sem escrúpulo, que financiaria a clinica e a operação de seu pai. Só que em troca desse beneficio, Rose teria que conquistar e engravidar do neto, desta referida avó.

A consciência de Rose grita que não será capaz de ser tão pérfida e dissimulada, para realizar tal feito. E por diversas vezes pensa em outras saídas, mas a cirurgia é uma das mais caras e não lhe resta nenhuma opção.
Apenas a “oferta” se é que pode chamar essa falta de caráter e essa ausência de amor ao próximo, pois o pai de Rose foi motorista da família Lyndon Holt por muitos anos.
Apesar de relutar muito, ela se envolve com Zac Valenti e também é envolvida e não tem conhecimento das muitas consequências que virão.

Quando Zac descobrir que Rose ficou grávida? Que tem a parceria de sua avó, que ele odeia, por motivos imperdoáveis?
Como Zac olhará para Rose sem pensar que ela deu o golpe da barriga?
Rose conseguirá o perdão de Zac?
Estória bem articulada, uma leitura bem gostosa e que vale a pena ler.



UM FUTURO PARA DOIS - Susan Stephens

Nove meses para conquistá-la!

“Para Cassandra, trabalhar nas colinas da Toscana é o jeito perfeito de fugir do passado. Até que o dono do local decide fazer uma visita e atrai a atenção dela. Marco di Fivizzano não consegue tirar os olhos da linda jardineira, por isso decide descobrir quem a loira misteriosa é de verdade – em um jantar ou em sua cama! Nos braços de Marco, Cass se entrega completamente, encontrando a liberdade que sempre desejou... até ela descobrir estar ligada ao bilionário para sempre!”

Cassandra ou Cass é uma mulher, que quando adolescente viu seus pais serem presos por trafico de drogas. Quando eles morreram Cass foi morar com a sua madrinha.
Agora quando adulta, trabalha para não ser um peso morto nas costas de sua madrinha. E foi essa madrinha quem arranjou para ela um trabalho de “jardineira”, mexer com a terra, na Itália – Toscana.

O patrão e dono dessas terras quase nunca as visita. Mas, um dia, um helicóptero negro, surge no céu da Toscana e dele desce Marco di Fivizzano.
Um deus italiano. Ela com roupas surradas e cheia de lama – Ele impecável dos pés a cabeça.
Os olhos se encontraram, as apresentações são feitas, as avaliações se fazem e a química entre os dois estala, incendeia.
Marco fica na propriedade, convive com Cass e embora ele conheça todos os tipos de mulheres glamorosas, atrevidas, gananciosas, interesseiras, lindas, fica aturdido com a personalidade de sua empregada.
E não podendo, mesmo sem admitir, mas viver sem ela, contrata-a, não mais como sua jardineira de suas terras, mas como sua acompanhante para os eventos de Roma. Cass já apaixonada decidi ir.

Marco sabe que precisa demais de Cass, mas não reconhece e nem admite isso nem sobre tortura. Ele não acredita em ninguém, não confia em ninguém, o trabalho é  sua vida, nos empreendimento é um Midas, mas nos relacionamentos é temeroso, sempre na defensiva.
Quando soube pela equipe que Cass estava tendo um bebê, ele não resistiu, apesar de pensar que o que estava fazendo era pela responsabilidade e não pelo amor.
E na hora do parto, quando ele viu o bebê Luca, Zac abre a boca e o que sai dela não é nada bom.

Como Cass pode novamente olhar na cara desse infeliz? Como ela resolverá esse conflito?
Mas no fundo Cass e Marco são pessoas com uma infância dolorida. Só que Cass superou, não se envolveu numa couraça de desconfiança e amargura, enquanto Marco se fechou se alimentando do passado e fica sem futuro.
O que será do casal daqui pra frente?



 Vou indo amores. Até a próxima. Tchau!


Título: Forças do Destino
Autor (a): Abby Green e Susan Stephens
Editora: Harlequin
Número de Páginas: 288

4.2.19

{Resenha}Aru Shah e o Fim dos Tempos



Título Original: Aru Shah and the end of time
Saga: Pândava #1
Autora: Roshani Chokshi
Editora: Plataforma21
Sinopse: Aru Shah é uma garota cheia de imaginação e, para se sentir aceita na escola, sempre aumenta a verdade. Ter um elefante de estimação, ser da realeza, fazer viagens imaginárias a Paris, ter um chofer… Bem, as mentiras que conta não são poucas, mas Aru tem lá suas razões.
Nestas férias, por exemplo, enquanto os outros alunos estarão viajando para lugares superexóticos em suas casas chiques de veraneio, ela terá que ficar plantada no Museu Arqueológico de Arte e Cultura Indiana, onde sua mãe trabalha.
Um dia, três colegas resolvem aparecer no museu para pegá-la em uma de suas mentiras. E eles não acreditam de jeito nenhum que a Lâmpada de Bharata realmente seja amaldiçoada. Apenas uma acendida rápida, Aru pensa, contrariando as regras do lugar. Daí, nada de mentir novamente na escola…
Entretanto, acender a lâmpada traz consequências catastróficas. Sem querer, Aru Shah liberta Sono, um demônio ancestral cujo objetivo é despertar o Deus da Destruição. Além disso, sua mãe e seus colegas ficaram congelados no tempo.
Agora, Aru deve dar um jeito em toda essa bagunça, e a única forma de impedir Sono é encontrando as reencarnações dos lendários irmãos Pândavas numa jornada pelo Reino da Morte. Mas como uma garota usando seu pijama do Homem-Aranha será capaz de enfrentar tudo isso?
Aru Shah e o fim dos tempos é o primeiro volume da Saga Pândava, série de estreia do selo Rick Riordan Apresenta.


Amo mitologias. Sério, posso passar horas discursando sobre deuses gregos e romanos, sobre a maioria dos deuses egípcios e celtas. Sei mais sobre mitologia grega, é óbvio... Afinal, sou da geração Cavaleiros do Zodíaco, quem aí conhece?

Depois que esse anime me animou (ahn ahn XD) a conhecer mais sobre mitologia, me dediquei a aprender sobre novos deuses. E um dia calhou de eu conhecer Bollywood... Aí foi um caminho sem volta! Sou amante de Bollywood tanto quanto Aru!

Quem é Aru?

Aru é uma Pândava.

Mas o que é Pândava?

Pândava(s) faze parte de uma história épica, o Mahabharata. São os filhos de Pandu com suas esposas, Kunti e Madri. Eles lutaram a Guerra de Kurukshetra, contra seus primos conhecidos como Kauravas.

Esses irmãos são: Iudistira, Bhima, Arjuna, Nakula e Sahadeva.

Os 5 Pândavas e sua esposa, Draupadi.
E Aru possui a alma reencarnada de um deles e precisa, como seus antecessores, salvar o mundo.
No mundo de Aru, todos nós temos destinos. Aru estava destinada a libertar Sono, aquele que deseja libertar Shiva, o Deus da Destruição. Mas como ela, uma menina de 12 anos, tem uma responsabilidade tão grande assim?

Uma criança que se importa com o que seus amigos vão pensar dela, que mente constantemente para eles para se sentir aceita. Mesmo que eles sejam péssimos amigos, ela quer se sentir parte de algo. Conta histórias fantásticas sobre o museu onde vive com sua mãe, sobre as viagens que as duas nunca fizeram juntas... Que sua mãe é uma agente especial.

Mas suas mentiras tem uma consequência terrível. Confrontada por esses colegas, ela faz algo que sabe que não deveria fazer e o mundo fica paralisado. Sono simplesmente salta para fora da lâmpada/prisão e pretende roubar todas as chaves que são capazes de libertar Shiva, o Destruidor de Mundos.
“Às vezes, a luz revela coisas que seria melhor ficarem no escuro. Além do mais, a gente nunca sabe quem está de olho.”
A mãe de Aru é a curadora do museu onde vivem. Mas é quase uma estranha para a criança, uma vez que ela viaja muito para trazer peças novas para o museu e tem muitas reuniões que a mantém ocupada. E é essa uma das razões que fazem Aru mentir: a ausência quase frequente de sua mãe, mesmo durante as férias quando seus amigos irão fazer coisas incríveis e a menina terá que ficar com sua babá. Aru tenta sempre chamar a atenção da mãe, fazer com que ela dedique mais tempo à relação das duas, mas...

Talvez seja tarde demais, pois ao libertar Sono, o mundo está se paralisando e o tempo para salvá-lo está acabando. Ela conta com a ajuda de Buu, uma criatura celestial que irá guia-la em tudo o que precisar fazer. E como eu disse ali em cima, os Pândavas são irmãos... Então ela encontra Mini, uma garota peculiar que já sabia de tudo isso: sobre o mundo mágico, sobre os deuses, Pândavas e sua missão. Aru sente-se em desvantagem, mas sabe que sozinha não iria conseguir chegar a lugar algum.
“Talvez fosse por isso que super-heróis usavam capas. Talvez nem fossem capas, mas naninhas, como a que Aru tinha ao pé da cama e puxava para perto antes de dormir. Talvez super-heróis simplesmente amarrassem as naninhas no pescoço para que tivessem um pouco de conforto aonde quer que fossem. Pois, sinceramente... Salvar o mundo é assustador. Nenhum prejuízo em admitir isso. (E nesse momento a naninha seria bem-vinda.)"
Mini, apesar de conhecer tudo o que havia para conhecer, é também uma criança. Meio hipocondríaca, ela pensa em todos os perigos e germes que terão que enfrentar. Mas é corajosa e está pronta para provar a si mesma de que é capaz de cumprir essa missão.

Entre deuses e demônios, Aru, Mini e Buu vão de encontro ao fim dos tempos para salvar todas as pessoas. Mercados incríveis onde você entra para comprar um iogurte de morango e sai com uma veste feita de poeira estelar. Os desafios são muitos e seus recursos são poucos, uma vez que estão em desvantagem em relação a seus inimigos.

Sou suspeita para falar, uma vez que mitologia é meu lado bem nerd. Conheci muitas coisas do hinduísmo que não conhecia e olha que tenho muita vontade de visitar a Índia. A autora, no final, coloca um dicionário bem-humorado das coisas que podem te deixar meio confuso, pois pode mesmo acabar te deixando meio perdida. Muitos deuses e muitos demônios.


A personalidade dos personagens é divertidíssima, coloridas. Tudo parece um grande filme de fantasia de Bollywood – mesmo Aru comenta que gosta o jeito como do nada as pessoas saem cantando e dançando nesses filmes! – onde mesmo em momentos de tensão, as meninas conseguem com atos espertos e inocentes seus intentos. Lembre-se: essas heroínas são crianças... E meninas. A todo momento tentam desmerecê-las por essas duas características, mas isso não as abala e vão provar que podem cumprir suas missões.

Aru acaba por descobrir algo mais sobre si e, que talvez, suas mentiras não sejam só mentiras.
“Histórias são escorregadias” sua mãe costumava dizer. A verdade de uma história depende de quem está contando”.
Esse livro foi uma surpresa agradável. Se você tem uma criança em casa, será um bom incentivo à leitura e aprendizagem de uma nova cultura. Leitura recomendadíssima para todas as idades!

O próximo livro se chamará Aru Shah e a canção da morte (Aru Shah and the song of death). Ele está em pré-venda nos EUA, acredito que ainda não há previsão de lançamento aqui no Brasil. Confira a capa e a sinopse!


Aru Shah and The Song of Death

Aru is only just getting the hang of this whole Pandava thing when the Otherworld goes into full panic mode. The god of love’s bow and arrow have gone missing, and the thief isn’t playing Cupid. Instead, they’re turning people into heartless fighting-machine zombies. If that weren’t bad enough, somehow Aru gets framed as the thief. If she doesn’t find the arrow by the next full moon, she’ll be kicked out of the Otherworld. For good. But, for better or worse, she won’t be going it alone. Along with her soul-sister, Mini, Aru will team up with Brynne, an ultra-strong girl who knows more than she lets on, and Aiden, the boy who lives across the street and is also hiding plenty of secrets. Together they’ll battle demons, travel through a glittering and dangerous serpent realm, and discover that their enemy isn’t at all who they expected.
 Aru está apenas se acostumando com a coisa de ser Pândava quando o Outromundo entra em pânico. O arco e flecha do deus do amor desapareceu e o ladrão não está bancando o Cupido. Ao invés disso, ele está tornando as pessoas em máquinas de luta zumbis sem coração. Se isso já não fosse ruim o suficiente, Aru é acusada como ladra. Se ela não encontrar o arco até a próxima lua cheia, ela será banida do Outromundo. Para sempre. Mas para o pior ou melhor, ela estará sozinha. Junto com sua irmã de alma Mini, Aru irá se juntar a Brynne, uma garota ultra-forte que sabe mais do que transparece, e Aiden, o garoto que mora do outro lado da rua e que também esconde muitos segredos. Juntos, eles irão lutar contra demônios, viajar através de um perigoso e brilhante reino de serpentes e descobrir que o inimigo não é quem eles esperavam. (tradução livre da resenhista o/)